terça-feira, 30 de junho de 2015

Reportagem: Clube Z - Galeria Zé dos Bois [Lisboa]


Calor, cerveja, e música. Foi neste ambiente que o último Clube Z deste verão teve lugar na Galeria Zé dos Bois. Já antes dos concertos começarem, uma atmosfera relaxada, mas sempre em festa, apoderava-se do Bairro Alto à medida que a ZDB enchia, o que já é uma das marcas deste evento, que tem vindo a ganhar raízes no coração de muitas pessoas. 

Pouco mais de uma hora depois das portas abrirem, a tarde de música começou com Lourenço Crespo, na sala que dá acesso ao terraço da ZDB. As pessoas sentaram-se à volta da sala para ouvir a música agradável deste artista, com uma sonoridade à B Fachada, que captou a atenção dos presentes. Tacos e cerveja iam acompanhando o concerto como se isto já fosse um ritual na Galeria Zé dos Bois, enquanto as caras estavam fixadas em Lourenço Crespo, este que fez uma boa introdução à tarde e ao Clube Z. 







Seguiram-se os barreirenses PISTA no aquário, que através dos seus ritmos e riffs tropicais, fizeram o público acordar para dançar. O ambiente era agora de uma festa mais animada, enquanto ainda haviam muitas pessoas a porta do aquário, a aproveitar os últimos raios de sol do dia neste espaço agradável para conviver. O que não impediu a banda barreirense de por os que estavam presentes a mexer, com o seu famoso single “Puxa” a ser protagonista nesta festa, dando-se assim continuidade ao Clube Z com um concerto muito bom e mexido.







Foi já quase de noite, e com alguns atrasos a mistura, que os The Parrots se estrearam em palco na nossa capital, tendo passado primeiro pelo Porto, onde tocaram com os The Sunflowers no Café au Lait. A entrada da banda espanhola na ZDB foi explosiva, com moshpit e crowdsurfing logo desde a primeira música, o que durou o concerto inteiro, sem parar, por parte de um público incansável e cheio de energia. Passaram por músicas como “I am a Man”, “Feel You”, e “All My Loving”, onde é impossível destacar alguma, pois os espanhóis entregaram-se de tal maneira ao concerto, que houve stage diving pelos membros da banda, e invasão de palco por um público endiabrado na última música. No final, era certo que este concerto ia ficar para a memória como um dos melhores do Clube Z, com pessoas a suar de extrema satisfação a abandonar o aquário, na esperança que os The Parrots voltem depressa à capital.








Os BISPO, cujos membros já são regulares neste evento através de outros projectos seus, como Modernos e El Salvador, tiveram o privilégio de fechar o Clube Z por este verão. Começaram o concerto com “Cancun”, puxando o público cansado, mas ainda em boa quantidade, para um último passo de dança. O ambiente ainda era de festa, apesar de ser o último concerto do dia, os presentes dançavam de corpo e alma, e mais tarde, os Parrots juntaram-se aos BISPO em palco, para dançar e festejar também em conjunto. E foi assim que acabou o Clube Z acabou por este verão. As tardes mexicanas de cerveja e sol vão deixar saudades, pelas memórias e momentos vividos na Galeria Zé dos Bois, a recordar mais tarde com nostalgia, deixando-nos ansiosos por mais um verão de Clube Z para o ano.


Reportagem: Tiago Farinha

Fotografia: Vera Marmelo