quarta-feira, 5 de agosto de 2015

[Review] Ceremony - The L-Shaped Man


The L-Shaped Man // Matador Records // maio de 2015
6.6/10


Três anos após o lançamento de Hysteria, os confirmados para a vigésima segunda edição do Festival Vodafone Paredes de Coura, os Ceremony, lançaram o álbum The L-Shaped Man.


The L-Shaped Man é um álbum que tem início com “Hibernation”, uma faixa que não nos consegue mostrar o que realmente se irá desenrolar com o decorrer do álbum. Logo a partir da segunda faixa “Exit Fears” podemos sentir um trambolhão, dando-nos a sensação que estamos num concerto, no meio de encontrões, fazendo-nos até pensar que estamos a ouvir os grandes Joy Division só pela sonoridade que a música nos transmite. “Bleeder”  é a faixa que segue, com o baixo e a bateria a terem papéis fulcrais no desenrolar da música. Esta fala nos de solidão, de quando nos apercebemos que tudo o que temos desapareceu e que não conseguimos seguir em frente: “Are you calling old friends? Have you forgotten how to live?”. 

“Your Life In France” pode ser considerada o grande destaque deste álbum visto que está presente a essência dos CeremonyRoss Farrar, vocalista e compositor da banda, apresenta-se num estilo muito semelhante ao de Ian Curtis em “Transmission”, sendo mais percéptivel no último verso da canção onde se faz ouvir “People you loved/Places you saw/Portions are gone”. Por outro lado, o tema “Your Life In America” demonstra o cansaço de se estar sempre no mesmo lugar e que isso por vezes nos faz sentir como que desconhecidos, mesmo que se trate da nossa terra Natal. 

“The Separation” trata-se de uma música mais calma e melódica com a presença do piano. Esta é a música em que Ross Farrar nos mostra que se empenhou imenso e pôs muitos dos seus sentimentos nas canções deste álbum, nomeadamente o peso de perder alguém que nos é muito querido ou mesmo duma eventual separação como se pode ver “Can you mesure the loss?”

Apesar de ser um álbum com 11 músicas acessíveis e com algumas arestas a limar, The L- Shaped Man mostra-nos uns novos Ceremony, uns Ceremony que com este interlúdio de 3 anos após Zoo parecem estar mais Joy Division, mais Bauhaus , abandonando todo o culto punk e hardcore que a banda californiana tinha vindo a adoptar. Os Ceremony passaram a ter tons mais melódicos que poderão ser ouvidos e apreciados já no dia 19 de Agosto em Paredes de Coura.

Texto: Duarte Fortuna