sábado, 17 de janeiro de 2015

Vídeos da Semana#33


Numa semana pautada pelo regresso dos artistas aos trabalhos de estúdio foram também tidos em destaque os trabalhos audiovisuais em divulgação de lançamentos anteriores, entre os quais divulgamos agora.

1 - Generationals - "Reviver"


2 - The Decemberists - "A Beginning Song"


3 - Fear of Men - "America"


4 - 2:54 - "Crest"


5 - The Charlatans - "Come Home Baby"

+

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Sun Blossoms em entrevista: "Gostava de tocar ao vivo com banda"


Estivemos à conversa com Alexandre Fernandes, mentor do projecto Sun Blossoms, uma das nossas fortes apostas na cena da nova música portuguesa. Por entre uma síntese descritiva da sua formação, revelação de pormenores sobre o álbum de estreia e pensamentos sobre o futuro do presente projecto, o guitarrista de 17 anos ainda nos prometeu  responsabilizar-se pela escolha do [Track Of The Day] durante  a próxima semana. A entrevista segue em baixo. 

Threshold Magazine – Sun Blossoms apareceu na Internet por volta de 2013, através de um conjunto de demos, no entanto as origens do projecto são de certa forma desconhecidas. Como é que começou Sun Blossoms? Quais as principais influências? 

Sun Blossoms - Sun Blossoms nasceu de uma grande vontade de fazer música sem quaisquer restrições ou obrigações, influenciada por uma série de bandas com as quais me identifico, desde Velvet Underground, Brian Jonestown Massacre e Tomorrows Tulips que me fizeram acreditar que eu também era capaz de fazer música interessante. As primeiras músicas foram escritas quando eu tinha 15 anos sem qualquer objectivo senão o de entreter. No entanto, com o tempo, fui reparando que muitas das canções que estava a escrever tinham vibes semelhantes e que podia aproveitar isso. Inicialmente as inspirações eram os temas recorrentes da vida de um adolescente: gajas, indecisões e mudança, mas a paleta expandiu-se para tudo o que me rodeia e provoca alguma reacção em mim.

TM - Sabemos que tens uma banda para além do teu projecto a solo, na qual já tocavas previamente. Sentes que esse facto pode estar na origem de te teres lançado a solo, ou antes de tocares nos The Blue Drones já tinhas as tuas próprias composições? 

SB - Já escrevia música antes de entrar na banda mas aprendi muito a tocar e a compor com outras pessoas, por isso acaba por estar ligado.

TM – Qual a origem do nome “Sun Blossoms”? 

SB - O sol faz-nos sentir bem e eu sou só uma florzinha que brotou dele, é o meu combustível.

TM – Quanto a novos trabalhos, a tua “assinatura” com a Revolve tem como objectivo o lançamento de material inédito, certo? Para quando é expectável saírem notícias sobre o mesmo? 

SB - No último ano estive a compor e a gravar, por isso sim, vai haver um lançamento. Mas não vou falar muito disso porque no início de 2015 vão saber tudo.

TM – É curioso ver como com apenas 17 anos acabas por ser já um “one man band”. Embora não toques todos os instrumentos, toda a composição é feita por ti. Pretendes continuar como projecto a solo, ou eventualmente evoluir para o formato banda?

SB - Vai ser sempre o meu projecto mas gostava de tocar ao vivo com banda e não excluo a possibilidade de o fazer um dia no estúdio, só não quero forçar nada. O facto de ser um projecto só meu dá-me essa liberdade.

TM – Podes descrever-nos o processo de gravação das tuas músicas? 

SB - Gravei tudo sozinho e com o pouco material que tenho. Basicamente foi um início a gravar para um 4 track, (o Tascam 424) e muito reverb. O material que tenho e as suas limitações acabam por fazer parte do processo de composição.

TM – O que tens andado a ouvir ultimamente?

SB - É difícil listar tudo, mas ultimamente tenho ouvido Cosmonauts, Spacemen 3, Further, The Memories, The Clean e Panda Bear.

TM – Sobre concertos e afins, Quando é que poderemos ver anunciado o teu nome algures entre Norte a Sul do país? Ou melhor dizendo: esperas dar concertos brevemente? 

SB - Já me convidaram para dar concertos algumas vezes mas não tinha pessoal com quem tocar e não sentia que fosse a altura certa. Agora com o lançamento que vamos fazer acho que vou ter de começar a tocar. Pessoal da organização de eventos, façam propostas.

+

Fantasy Empire é o novo álbum dos Lightning Bolt


O duo de noise rock, Lightning Bolt, acaba de anunciar o sucessor de Earthly Delights (2009), o primeiro álbum da banda a ser editado em cinco anos. Fantasy Empire surge em formato LP e segue o EP Oblivian Hunter editado em 2012. Com o anuncio do novo álbum a banda avançou também a cover-art (em cima) e a tracklist, a ver abaixo. Ainda não foi lançado qualquer avanço em formato single.

Fantasy Empire tem data de edição prevista para 23 de Março pelo selo Thrill Jockey.

Fantasy Empire's Tracklist:

1 - The Metal East 
2 - Over the River and Through the Woods 
3 - Horsepower 
4 - King of My World 
5 - Mythmaster 
6 - Runaway Train 
7 - Leave the Lantern Lit 
8 - Dream Genie 
9 - Snow White (& The 7 Dwarves Fans)

+

The Weather Station + Minta no Mercado Negro


Na próxima quinta-feira, dia 22 de Janeiro a Associação Cultural Mercado Negro recebe em estreia absoluta em Portugal The Weather Station, projecto da cantautora canadiana Tamara Lindeman. O auditório do Mercado Negro, será assim o primeiro a receber Lindeman na série de concertos a percorrer o restante país. A primeira parte do evento será assegurada por Minta, que a acompanhará nos restantes concertos.

The Weather Station apresentará o seu mais recente trabalho, o EP What Am I Going To Do What Everything I Know (2014) e novos singles do álbum de estreia esperado para 2015. Os bilhetes têm um preço de 5€ e podem ser previamente reservados. Informações adicionais aqui.



+

Spiritualized já se encontram a gravar novo álbum

Os Spiritualized, banda mítica do space rock em 1997 editaram a obra prima Ladies and Gentleman We Are Floating in Space, voltaram ao estúdio para gravarem o sucessor de Sweet Heart Sweet Light, de 2012. 

A notícia foi avançada no facebook da banda inglesa, onde Jason Pierce, vocalista da banda, revelou que Martin "Youth" Glover, baixista dos Killing Joke, é responsável pela produção deste novo trabalho.

As sessões de gravação estão a decorrer em Londres, no Glover's London Studio, sendo que o oitavo álbum da banda apenas será terminado em Espanha ainda este ano.

Nada como recordar "Cop Shoot Cop", do mítico Ladies and Gentleman We Are Floating in Space

+

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Jackson Scott anuncia segundo álbum de estúdio


Ainda na semana passado pudemos ouvir o resultado de como soaria Jackson Scott em banda, com os seus recentes anunciados Calypso e numa versão bastante mais grunge. No entanto 2015 vai ser um ano excelente na carreira do cantor e depois de ter recebido críticas bastante positivas em Melbourne (2013) é altura de confirmar à indústria musical que o artista mereceu o hype levantado. Sunshine Reduz é assim o nome do segundo trabalho de estúdio de Jackson Scott e vê já a primeira música de avanço revelada. "Pacify" traz uma guitarra bastate fuzzy, a habitual voz e um final a deixar muito a desejar sobre este novo trabalho.

Sunshine Redux tem data de edição prevista para 28 de Abril pelo selo Bloodmoss Records.



Sunshine Redux Tracklist:

01 - Woodwork 
02 - Broken Record Repeat 
03 - Ripe For Love 
04 - Steal Me 
05 - Pacify 
06 - Save The World 
07 - Merry Nightmare 
08 - Dissonance 
09 - PRPLMTV 
10 - Ripe For Love II

+

Young Fathers no NOS Alive


O cartaz do NOS Alive volta a receber mais uma confirmação, desta vez oriunda de Edimburgo, na Escócia: os Young Fathers.  A banda vencedora de um Mercury Prize pelo seu terceiro disco de estúdio, Dead, sobe ao Palco Heineken no dia 09 de julho. No mesmo dia actuam Muse, Metronomy, Alt-J e Jessie Ware.

Os bilhetes para o NOS Alive já estão à venda por um preço de 109 euros.Os bilhetes diários custam 55€. Em baixo os nomes confirmados até à data.


9 de Julho
Muse 
Metronomy 
Alt-J 
Jessie Ware (Palco Heineken)
Young Fathers (Palco Heineken)

10 de Julho
Future Islands 
The Ting Tings
Kodaline 
Sheppard 

11 de Julho 
The Jesus and Mary Chain 
Dead Combo 

+

King Dude volta a Portugal

King Dude, o cantautor norte-americano conhecido pela sua lírica negra, pela sua devoção ao demo e pelas colaborações mais ou menos regulares com a Chelsea Wolfe vem a Portugal para apresentar o seu novo LP, o Fear


A última (e única) vez que King Dude nos visitou foi aquando do 7º aniversário da AmplificasomAs datas da digressão portuguesa são as seguintes:

21 de Maio - Cave 45, Porto
22 de Maio - Musicbox, Lisboa

+

Oak Tree + LAmA este sábado na LX Factory


A Nariz Entupido apresenta a sua primeira proposta para 2015 num concerto a ter lugar no próximo sábado, dia 17 de Janeiro, na Livraria Ler Devagar na LX Factory, onde LAmA (Riding Pânico, ex-Pause Oak Tree são os convidados da noite.

LAmA, projecto a solo de João Pereira, apresenta um universo de camadas electrónicas infinitas, onde as diferentes secções e cruzamentos tão variados a nível rítmico transportam-nos para referências próximas ao autor - Bukowski, Arthur C. Clarke, Richard Linklater.  


Oak Tree, quarteto lisboeta, navegador da indie folk faz-nos um convite às contemplações várias onde a canção, nas suas matrizes rítmica e lírica, facilmente nos remete para linhas curvas e imaginárias, não sendo se não mais do que a materialização do quotidiano de qualquer um de nós.


Os concertos têm início às 22h, tendo um preço de 4€. Informações adicionais aqui.


+

CCBeat traz Melech Mechaya e Bruno Pernadas

Melech Mechaya

Melech Mechaya, quinteto português de música Klezmer, é um dos projectos mais excitantes dos últimos tempos, com uma expansão notável a nível internacional. Em 2011 editaram Em Baixo Tudo É Simples, disco que figurou na lista de melhores do ano da Blitz, foi nomeado para Melhor Disco Instrumental nos Independent Music Awards e esteve várias semanas nos tops de rádios de Portugal, Espanha e EUA. 

Agora em Janeiro apresentam, ao vivo, Gente Estranha (2014) num concerto duplo a ter lugar no Pequeno auditório do CCBO primeiro, a 23 de Janeiro encontra-se esgotado sendo que é possível adquirir bilhetes para dia 24 de Janeiro, data extra. Ambos os concertos têm início pelas 21h. Antes de partirem para a capital a banda estará inicialmente na Invicta a 17 de Janeiro para um concerto a decorrer na Casa da Música pelas 22h.




Bruno Pernadas

How Can We Ee Joyful In A World Full Of Knowledge é o mais recente projecto do compositor e multi-instrumentista Bruno Pernadas. Composto e produzido pelo próprio, este disco conta com a participação de intérpretes de diversos grupos musicais: Julie & The Carjackers, Tape Junk, You Can’t Win Charlie Brown e Minta & The Brook Trout. Para este concerto, a mestria de Bruno Pernadas surpreende-nos mais uma vez ao reinventar a música do álbum de estreia com novos arranjos e temas inéditos, numa viagem pelas sonoridades do jazz, space-age-pop, música folk, world music, electrónica, rock psicadélico ou landscape em que tudo parece desenhado na perfeição. 

Bruno Pernadas apresentar-se-á assim em formato banda a 5 de Fevereiro num concerto a ter lugar no Pequeno auditório do CCB.

 Preços: 
Plateia 13,5€ 
Laterais 11€ 
 5€ para profissionais ou estudantes da área do espectáculo.



+

Sequin + Jibóia apresentam-se em Torres Vedras em Fevereiro


A TRANSFORMA - Associação Cultural - apresenta o JAMMIN, uma noite que junta os mais conceituados artistas da actualidade na CAIXA, situada na Praça do Município - Torres Vedras. Desta vez sobem ao palco Jibóia e Sequin ambos com dois discos editados no passado ano pela Lovers & Lollypops.

A noite abre com a apresentação de Penélope, novo álbum de Ana Miró, que nos promete levar a uma espécie de orientalidade electro pop, embalada pela sua voz doce e envolvente, pelos ritmos quentes e pelas ambiências antagónicas que vai criando, num misto de festa e nostalgia. Por sua vez Óscar Silva aka Jibóia apresentará Badlav disco que retrata a filosofia hindu e cuja voz, Sequin ficará encarregue de tratar.


O evento terá lugar no próximo dia 7 de Fevereiro no Transforma.CAIXA, Praça Município, nº 8 em Torres Vedras. O concerto tem início às 22h e os bilhetes têm um preço de 5€.
Abertura portas: 21h30.


+

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Panda Bear - "The Preakness" (Demo)


A versão japonesa de Panda Bear Meets the Grim Reaper, o mais recente trabalho de Panda Bear, lançado na passada semana, veio acompanhada por uma faixa bónus. A versão demo de  "The Preakness", música que faz parte de Animal Collective Sneaker Cassette (2011), pode agora ser ouvida em baixo.

"The Preakness" (Motorik Demo), traz uma percussão bastante semelhante a "The Purple Bottle", original da sua banda, Animal Collective


+

A Place To Bury Strangers - "We've Come So Far"


Em Novembro os A Place To Bury Strangers anunciram o seu regresso a trabalhos de estúdio através de Transfixiation, sucessor de Worship (2012) cuja primeira faixa de avanço, "Straight", apresentava já um dark-punk electrizante. No novo avanço deste futuro álbum a banda nova-iorquina volta a apostar na distorção trazendo assim o shoegaze como um género a demarcar o novo trabalho. "We've Come So Far" pode ser ouvida em baixo.

Transfixiation tem data de lançamento prevista para 16 de Fevereiro via Dead Oceans.  



+

Björk anuncia novo álbum "Vulnicura"

A cantora islandesa Björk anunciou hoje o seu nono álbum de estúdio. Dá pelo nome de Vulnicura, sucendendo a Biophilia de 2011. 

Este novo trabalho conta com 9 músicas, tendo 6 delas sido produzidas por Arca, produtor que recentemente trabalhou com Kanye West e FKA Twigs. The Haxan Cloak está também presente na produção deste álbum.
Vulnicura tem lançamento agendado para Março.

Consultem em baixo a nota que a cantora deixou no seu facebook:

Vulnicura Tracklist:
01. Stonemilker
02. Lionsong
03. History of Touches
04. Black Lake
05. Family
06. Notget
07. Atom Dance
08. Mouth Mantra
09. Quicksand

+

Novas confirmações para o Super Bock Super Rock


O festival Super Bock Super Rock decidiu surpreender-nos ao adicionar hoje, ao seu cartaz, 3 novos nomes para o palco EDP. Os suecos Little Dragon apresentam-se pela segunda vez em Portugal, depois de terem marcado presença em 2012 neste mesmo festival e juntam-se assim ao cartaz atuando a dia 16 de Julho. Quanto ao projeto a solo do músico Adam Bainbridge, Kindness volta a Portugal após a mais recente passagem no Vodafone Mexefest desta vez a atuar no dia 17 de Julho. E por fim, os portugueses Modernos também vão deixar a sua marca no festival, juntando-se aos Florence + The Machine no dia 18 de Julho.






+

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Slowdive a gravar novo álbum



Os Slowdive, banda inglesa de shoegaze que esteve presente na última edição do NOS Primavera Sound, estão a gravar um novo álbum. A banda, que se reuniu em Janeiro do ano passado, lançou o seu álbum mais recente, Pygmalion, em 1995.


Uma foto publicada por Miss G (@rachelgoswell) a

Uma foto publicada por Miss G (@rachelgoswell) a

2015 vai ser um bom ano para os fãs de shoegaze. Para além da gravação de novas músicas por parte dos Slowdive, vai haver também um novo álbum de Swervedriver, e está confirmada uma reunião dos Ride, que inclui uma passagem pelo NOS Primavera Sound.


+

Inventions (Explosions in the Sky e Eluvium) anunciam segundo álbum

Os Inventions, banda formada por Mark T. Smith dos Explosions In The Sky e por Matthew Copper dos Eluvium, vão editar o seu segundo álbum de originais, Maze of Woods, depois de em 2014 terem editado o primeiro álbum homónimo. 
"Springworlds" é o primeiro single a ser avançado, juntamente com a tracklist e cover art deste novo trabalho.

A edição digital será acompanhada de um EP de três faixas onde estão presentes colaborações de the Field, Leyland Kirby e A Winged Victory for the Sullen. 

Maze of Woods tem data de lançamento prevista para 17 de Março via Temporary Residence.

Maze of Woods: 
1. Escapers 
2. Springworlds 
3. Peregrine 
4. Slow Breathing Circuit 
5. A Wind From All Directions 
6. Wolfkids 
7. Moanmusic 
8. Feeling the Sun Thru the Earth at Night 

+

Elektra Zagreb apresentam "Born Folk" no Plano B

Os Elektra Zagreb vão apresentar o seu mais recente EP Born-Folk a 30 de Janeiro no Plano B, Porto, às 22h.

Considerado pela banda como o mais intimista de todos os lançamentos, Born-Folk representa o poder de auto regeneração que a Mãe Natureza apresenta ao renascer, sempre, da forma mais simples e humilde (folk: gente simples). 

Personificado através de quatro músicas que falam sobre o carácter fantasmagórico e inesperado do amor "Love is a Ghst" / a triunfante catarse que glorifica a bonança depois da tempestade "Born-Folk" / o universo revisitado por uma espécie de mantra planetário captado por uma ave imaginária "Violet Dodo, a planet with no star" / o iminente desejo de Luke Shapiro por Stephanie Squires "Luke ‘n’ Stephanie".

Os Elektra Zagreb existem desde 2011, tendo já editado o EP Giving Birth. The Young Whales, e o longa-duração Dreams About Dying In California.

Podem ouvir em baixo o EP Born-Folk:


+

The Sunflowers anunciam tour nacional


Em 2014 os Sunflowers lançaram o seu primeiro EP de estúdio gravado n'O Cão da Garagem, o colectivo de artistas que os próprios criaram. No entanto, é em 2015 que os Sunflowers se dão a conhecer ao país em seis concertos de Norte a Sul. Em mote, a apresentação de Ghosts, Witches and PB&J's, o novo trabalho de estúdio em formato curta duração, cujo single de avanço "Mama Kim" já pode ser ouvido. Quanto às datas dos concertos, seguem em baixo.



13 de Fevereiro - Sabotage Club  (Lisboa)
14 de Fevereiro - Sociedade Harmonia Eborense (Évora)
15 de Fevereiro - Salão Bazil (Coimbra)
20 de Fevereiro - Canhoto (Porto)
21 de Fevereiro - Juno Café (Braga)
22 de Fevereiro - Xispes Bar (Barcelos)


+

[Review] Viet Cong - Viet Cong


Viet Cong // JAGJAGUWAR // Janeiro de 2015 
8.6/10

Os Viet Cong, banda formada das cinzas dos Women — uma das bandas de referência d'Esta Grande Casa  — prometeu para o início este ano de 2015 (20 de Janeiro mais precisamente) o lançamento do seu LP de estreia, o homónimo Viet Cong.
O colectivo composto por Matt Flegel, Mike Wallace — ambos membros dos extintos Women — Scott Munro e Daniel Christiansen integra-se no movimento post-punk canadiano (ouçam os Faux-Fur) e fazem parte da lista de bandas da JAGJAGUWAR, casa de grandes como os Dinosaur Jr., os Pink Mountaintops, os Unknown Mortal Orchestra e os Oneida (que ainda este ano visitam o nosso país).

Por vias mais ou menos legais, eu já tenho o LP dos Viet Cong disponível no meu pc desde o ano passado. E assim que o obtive, comecei a ouvi-lo e logo me foi possível tecer algumas considerações. Na sequência do Cassette — EP editado o ano passado pela Mexican Summer — e ao que se apresenta diante de nós neste Viet Cong, isto soa-me aquilo que os Women nos deram na sua curta e fulminante carreira. E ainda bem!
As vozes nuas, a repetição dos arranjos rítmicos, o cru rufar da percussão, as guitarras distorcidas com claras preferências pelos agudos, o lo-fi, tudo isto são lições tiradas dos Women que foram bem aprendidas por estes seus discípulos.
Entre o Cassette e Viet Cong, notamos também que a coesão entre músicas não se verifica tão eficaz no EP. Talvez este facto seja um sintoma da experimentação de arranjos e sonoridades (mais evidente no Cassette que no LP).
Uma falha, justificável e esquecida, dada a qualidade dos temas que a formam.


No entanto, a busca dos Viet Cong por uma linha estilística distinta em desfavor das correntes tendências continua em Viet CongContinua e em força!
A negação da estética actual, a elaboração destes complexos exercícios de experimentação e lo-fi sobre essa prolifera base que é o Post-Punka cover à "Dark Entries" dos Bauhaus, tudo aponta para a intemporalidade que esta banda procura alcançar com a sua sonoridade.
Com Viet Cong, o colectivo está um passo mais perto desse estatuto.
Inseridos num estilo cimentado por bandas como os Wire e os Velvet Underground, os Viet Cong procuram marcar a sua posição e prestar homenagem de uma maneira geral a tudo o que de bom se fez no Post-Punk e no Lo-Fi.
Notáveis.

Aguardo ansiosamente por mais. Enquanto aguardamos, deixo-vos abaixo a minha faixa preferida de Viet Cong.





PS: Para os menos afortunados que ainda não tiveram oportunidade de ouvir o álbum, fica AQUI um link que vos vai ajudar.

+

[Review] Ty Segall - Mr. Face EP

Mr. Face EP// Famous Class // Janeiro de 2015
5.0/10


Ty Segall o homem de que todos falam. O incansável músico que anuncia vários trabalhos de estúdio, em curtos espaços de tempo, volta a ser mencionado aqui, desta vez em formato análise crítica ao seu mais recente trabalho - Mr. Face EP. Depois de um ano passado glorioso, num regresso duplo a Portugal, e em apresentação de um dos bons álbuns de 2014, Manipulator, o músico californiano recuperava de novo a energia do garage rock a que nos havia habituado. Um álbum com uma grande aposta no implemento de novos instrumentos, sempre muito fiel às guitarras à Twins e ao mesmo tempo com uma sonoridade muito próxima à expressada com a sua Ty Segall Band. O sucesso era garantido e isso comprovou-se num Lux Frágil esgotado e nas minhentas fotografias dos fãs que invadiram o feed do facebook nos dias posteriores ao concerto. Pouco tempo depois já se sabia que Janeiro iria trazer um álbum ao vivo com a sua banda e ainda um EP de singles inéditos. A verdade é que talvez a pressão tenha aumentado e por isso Ty Segall sentiu a necessidade de recorrer ao conforto encontrado em Sleeper.

O single homónimo, primeiro avanço deste novo trabalho, apresenta um Ty Segall bem mais folk e de volta à guitarra acústica. O seu início traz a voz de "The West" com a única diferença a denotar-se na sua finalização. Se no single de despedida de Sleeper, Segall se mostrou fiel à sua guitarra acústica, em "Mr. Face" as introduções de riffs eléctricos são facilmente notáveis ao longo do seu desenvolvimento, ganhando o próprio single uma imagem optimista. No entanto esta energia final não vem acrescentar nada de novo à restante discografia, e apesar de demarcar pela monotonia inexistente, acaba por resultar numa mistura de cortes dos seus diferentes singles.

"Circles" é uma faixa que facilmente pode ser odiada. O entusiasmo de Ty Segall perto do minuto final, apesar de interessante, torna-se facilmente aborrecido e acaba por funcionar como um single isolado dos restantes três que compõem o presente EPA abertura de "Drug Mugger" é uma cópia da mesma intro de "Tall Man Skinny Lady" onde a única diferença acontece a níveis de notas musicais, o ritmo é o mesmo, o som é semelhante, embora mais lento. "The Picture" é o único single deste mais recente curta-duração que tem algo de novo a apresentar. Essa novidade tem início por volta dos dois minutos onde mostra que Ty Segall poderia facilmente ter sucesso, não em ambiente festivaleiro, mas em formato álbum se apostasse eventualmente num álbum instrumental. 

Em suma, Mr. Face é o retrato de um artista que precisa de tirar um tempo para repensar novas sonoridades, de um artista que precisa de dar espaço aos fãs para que estes não se cansem de estar a mastigar sempre a mesma pastilha.


+

Doldrums lança novo álbum em Abril


Airick Woodhead aka Doldrums, acaba de anunciar o sucessor do 2013 Lesser Evil, que ganha agora o nome de The Air-Conditioned Nightmare. O novo trabalho vê ainda avançada a tracklist, juntamente com a respectiva cover art e "HOTFOOT", primeiro single de avanço.

Sobre o álbum Woodhead avançou "Conflito é o cerne deste álbum. Há um monte de sentimentos paranóicos e imagens fictícias lá. A ameaça de uma realidade mundana amarra estes sentimentos juntos, assim como uma obsessão com plasticidade. As músicas vêm de sentimentos ou imagens específicas. Ansiedade é o meu estado padrão."

The Air-Conditioned Nightmare tem data de lançamento prevista para 7 de Abril via Sub Pop.



The Air-Conditioned Nightmare's Tracklist: 

1. Hotfoot 
2. Blow Away 
3. Funeral for Lightning 
4. We Awake 
5. Video Hostage 
6. Loops 
7. iDeath 
8. My Friend Simjen 
9. Industry City 
10. Closer 2 U

+