sábado, 24 de janeiro de 2015

Oiçam: US THE BEAR

US THE BEAR é Bruno Julião.
Oriundo da Marinha Grande, este multi-instrumentista decidiu agora abraçar um novo projeto e tirar músicas guardadas na gaveta há largos anos.

No seu passado, contam-se participações em diversas bandas de originais , como os MonoMonkey, The VMen, 2&500, Eight Rockin’Shoes, Sir B Baubuskas…

Compositor de vários temas das bandas de que fez parte, Bruno Julião viu no nascimento do seu filho Vasco, em Janeiro de 2015, o momento ideal para mostrar ao mundo US THE BEAR e o seu primeiro single “HOLD YOU”.

“HOLD YOU” mostra-nos a faceta acústica de Bruno Julião. Esta música tem um instrumental intenso, criado com a ajuda de alguns amigos e com uma letra incrivelmente pessoal. 
Este tema foi gravado e misturado por Carlos Martins (A Caruma / UmpleTrue) e teve a participação de Maria Ivone, Tomás e Ana Santo ( A Caruma / PunkModaFunk) nas vozes, de Adelino Oliveira ( Bússola ) no contrabaixo e Zé Carlos ( Dapunksportif / A Caruma) nas percussões.

2015 será o ano de apresentação de US THE BEAR no formato que melhor se adequa à sua música: espaços intimistas, acolhedores, onde as canções toquem directamente no público.

+

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

[Review] Panda Bear - Panda Bear Meets the Grim Reaper

Panda Bear // Domino // Janeiro de 2015
5.9/10

Noah Lennox AKA Panda Bear AKA o baterista dos Animal Collective marca o seu regresso às edições neste ano de 2015, com o LP Panda Bear Meets the Grim Reaper.
Depois do Tomboy em 2011 e do EP Mr Noah editado o ano passado, o norte-americano radicado em Lisboa traz-nos mais uma saraivada de faixas onde a sua fórmula sonora — electrónica salpicada de psicadelismo e reverberação — continua a ser a sua assinatura. 
Essencialmente, é nisto que o álbum assenta.
E, infelizmente, a crítica podia resumir-se a isto.

Podia falar-vos de como a rica lírica que acompanha as ondas rítmicas ajuda a compor um complexo corpo musical, mas essa não esta lá.
Podia falar-vos dos momentos de tensão ou das eventuais quebras na amplitude sonora ao longo do disco por forma a causar sobressalto no ouvinte e/ou a introdução de momentos ao longo do mesmo, pensados para não fartar a audiência e dar aquela sensação de “estar sempre a ouvir a mesma coisa”, mas tal não se verifica — culpa da repetição de algumas partes da lírica e dos “deixa andar” durante vários minutos com o mesmo jogo de samples e arranjo rítmico análogo.
Há casos em que um disco precisa de ser ouvido do início ao fim por forma a conseguir fazer uma leitura do mesmo. Neste Panda Bear Meets the Grim Reaper o nível de complexidade não é suficientemente profundo para decompormos a obra e fazer múltiplas interpretações. No entanto, há algumas boas faixas pelo meio deste PBVMGR.
Mas, para mim, o maior problema deste álbum é a sensação de que falta qualquer coisa. 
Poderia ser uma lírica mais rica, uma camada de som melhor trabalhada que nos permitisse construir a nossa própria narrativa ou então uma organização rítmica um pouco mais dinâmica ao longo de todas as faixas (tudo me soa ao mesmo, e digo isto no mau sentido). Poderia ser algo disto que eu enunciei anteriormente, poderia ser outra coisa, mas assim como está, o disco deixa-me uma sensação de vazio e, depois de algumas audições, aborrecido, porque a sensação que perdura é a de estarmos sempre a ouvir a mesma música.

Contudo, este Panda Bear Meets the Grim Reaper reserva algumas faixas que eu aprecio bastante — a par da "Mr Noah" já lançada o ano passado no EP homónimo, o meu destaque vai para a Tropic Of Cancer, uma espécie de homenagem aos Beach Boys.
E este PBVMGR não deixa de ser um bom esforço por parte de um reputado produtor que não compromete o trabalho anterior.
Mas salvo raras excepções, o génio de Lennox não fica tão evidenciado neste trabalho como em empreitadas anteriores. Em suma: 
Dentro do género, há melhor.

+

Pete Doherty lança single em homenagem a Amy Winehouse


"Flags Of The Old Regime" é o novo sinle de Pete Doherty, lançado esta semana, em homenagem à cantora Amy Winehouse, falecida em 2011. Os lucros desta nova faixa serão destinados  para a Amy Winehouse Foundation, centro que trata de pessoas que enfrentam problemas com álcool e drogas.

O single, que conta com a participação de Drew McConnell (Babyshambles), Jamie Morrison, Stephen Large e Stephen Street, será lançado no próximo dia 9 de março, pelo selo Walk Talk Recordings.


+

Old Yellow Jack apresentam 'Magnus' EP no Sabotage Club


Os Old Yellow Jack lançaram no passado dia 19 de Janeiro o seu EP de estreia, Magnus, que serve de mote agora ao concerto de apresentação a ter lugar no Sabotage Club no próximo dia 30 de Janeiro. Magnus foi gravado nos Black Sheep Studios, em Sintra tendo sido produzido por Bruno Pedro Simões (Sean Riley & The Slowriders).

O concerto terá início às 22 horas contando ainda com OYJ, em formato Dj Set. Os bilhetes têm um preço de 5€. Em baixo e em modo preparação, fica Magnus para audição na íntegra.


+

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Thurston Moore também no NOS Primavera Sound


O ex-Sonic Youth, Thurston Moore, que foi recentemente anunciado para o festival Primavera Sound de Barcelona anunciou também via twitter (ver aqui) que irá marcar presença na versão portuguesa do festival com a sua banda. O músico esteve presente na mais recente edição do Vodafone Paredes de Coura.


+

Nadine Shah anuncia novo álbum "Fast Food"

Depois do estrondoso single “Stealing Cars”, chegou a vez da britânica Nadine Shah anunciar o lançamento do seu segundo álbum, sucedendo a Love Your Mum Love Your Dad de 2013.
Dá pelo nome de Fast Food  vai ser editado a 6 de Abril via Apollo Records.
Sobre as letras deste novo trabalho, Shah diz:
"My favourite love stories are the unconventional ones. The ones that aren’t like rom-coms because those aren’t the real stories, that’s not how it actually happens. For years I had this romanticised ideal of what love would be. I thought it would be perfect and that I would always be someone’s first love but as you get older, people have been in love before. That’s a large part of what Fast Food is about, the sudden realisation that you're never going to be anybody's first love ever again."
Vejam o trailer de Fast Food e confiram a  sua tracklist em baixo:
Fast Food:
1. Fast Food 
2. Fool 
3. Matador 
4. Divided 
5. Nothing Else To Do 
6. Stealing Cars 
7. Washed Up 
8. The Gin One 
9. Big Hands 
10. Living

+

Caribou edita álbum ao vivo

Dan Snaith aka Caribou vai editar um novo álbum ao vivo, CVE LIVE 2011,com o objectivo de angariar fundos para a Gendered Intelligence, uma instituição de caridade que procura envolver as pessoas em debates sobre género através das artes criativas.

Os lucros deste trabalho revertem para Julia Brightly, engenheira de som que trabalhou com Dan ao longo de uma década e que faleceu em 2014. A música "Our Love", que dá nome ao último trabalho de estúdio de Caribou, foi dedicada à sua amiga.

Este álbum ficou a cargo dos The Caribou Vibration Ensemble, do qual fazem parte Four Tet, James Holden, Sinkane, entre outros. Dele fazem parte "Bowls" e "Sun", do álbum Swin editado em 2010 e "Ahmed, Colin, James, Kieran, Kyle, Rob and Steve", gravada num concerto em Londres, em Dezembro de 2011.

Ouçam aqui CVE LIVE 2011:

+

"Got Old" marca o regresso dos The Babies


Os The Babies - projecto de Kevin Morby(ex-Woods) e Cassie Ramone(ex-Vivian Girls) - não lançam material desde 2012 ano em que editaram o seu álbum de estreia Our House On The Hill e, devido aos projectos a solo de ambos, dificilmente será possível que novos trabalhos surjam brevemente. 

No entanto, a banda revelou esta semana o seu primeiro lançamento desde 2012, e embora "Got Old" tenha sido gravado no mesmo ano, apresenta-se em formato single inédito, sendo juntamente com "All I Know" ambos em formato b-side. O primeiro single pode agora ser ouvido, em baixo.


+

STREAM: The Dodos - Individ


Individ, o sucessor de Carriers (2013), dos The Dodos, já está disponível para audição, uma semana antes da sua data de lançamento oficial, cortesia da Pitchfork.  O álbum conta ainda com uma participação especial de Brigid Dawson dos Thee Oh Sees, na nona e última faixa do novo trabalho. O álbum, na íntegra, poderá ser ouvido aqui dentro.

Individ tem data de lançamento prevista para 27 de Janeiro pelo selo Polyvinyl.

+

The Lazy Faithful+Basset Hounds no Sabotage Club


A segunda noite da residência da Azáfama no Sabotage Club acontence já no dia 29 de Janeiro tendo como bandas convidadas The Lazy Faithful  que regressa assim a Lisboa com o seu aclamado disco de estreia, Easy Target, um da lista dos nossos álbuns do ano. Os Basset Hounds, segunda banda, e uma das apostas para 2015, prepara o seu disco de estreia, com lançamento marcado para o primeiro semestre deste ano. 

A festa continuará até às 04h00 com Joaquim Quadros, da Vodafone FM, atrás dos pratos e em formato dj set. Os concertos têm início às 23horas e os bilhetes de entrada, um custo de 5€.



+

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Os Cannibal Ox vão lançar novo álbum

Fãs de Hip Hop por esse mundo fora, rejubilem!
Os Cannibal Ox vai lançar novo álbum.
Para os que desse lado não conhecem a obra da dupla formada por Vast Aire e Vordul Mega, Cannibal Ox é um dos nomes mais sonantes da vertente underground do Hip Hop e preparam-se para voltar às edições com
o LP Blade of the Ronin, depois da edição da Gotham (Deluxe LP Edition).
O MF Doom e o U-God foram convidados para o álbum que conta com a produção de Bill CosmicO LP tem data de lançamento prevista para o dia 3 de Março e abaixo fica a tracklist de Blade of the Ronin.

01. Cipher Unknown (Intro)
02. Opposite of Desolate f/ Double A.B.
03. Psalm 82
04. The Power Cosmiq f/ Kenyattah Black
05. Blade: The Art of Ox f/ Artifacts & U-God (of Wu-Tang Clan)
06. Pressure of Survival (Skit)
07. Carnivorous f/ Elzhi & Bill Cosmiq
08. Thunder In July f/ Space, Swave Sevah & Elohem Star
09. Water
10. The Horizon (Interlude)
11. Harlem Knights
12. Sabertooth f/ Irealz & Bill Cosmiq
13. Iron Rose f/ MF Doom
14. Solar System (Cosmos) (Skit)
15. The Fire Rises
16. Gotham (Ox City)
17. Unison (Skit)
18. Vision f/ The Quantum)

19. Salvation

+

Burn & Proceed é o novo EP dos Day Of The Lords


Há uns meses apresentamos os Day Of The Lords, quarteto de Fafe, que se definia como uma banda de Rock 'n' Roll trazendo intrínseca na sua sonoridade influências de Blues Rock e algum Rock Psicadélico. Depois de terem mostrado o primeiro avanço deste trabalho de estúdio com "Anova's Desert" a banda oficializa agora este primeiro lançamento e o novo single "Mankind's Madness", pode ser ouvido em baixo.

Burn & Proceed foi gravado nos SPL Studios em Guimarães e editado no passado dia 12 de janeiro.



Burn & Proceed's Tracklist:

01 - Mankind's Madness 
02 - Wild Side 
03 - Anova's Desert 
04 - Embrace Me 
05 - Divine Plan

+

Cave Story apresentam 'Spider Tracks' no Sabotage Club


Os Cave Story estão de volta e desta vez em formato ao vivo, naquela que será  a noite de apresentação do EP de estreia, Spider Tracks, disponível já em pré-venda online tendo como data de edição o próximo dia 2 de Fevereiro. "Spider Tracks é um conjunto de faixas gravadas em momentos diferentes ao longo de um ano que, em comum, têm apenas o facto de terem reunido na mesma sala as mesmas pessoas".

Assim no próximo dia 14 de Fevereiro a banda oriunda de Caldas da Rainha apresenta-se no Sabotage Club para uma noite com início às 23 horas. É aparecer.


+

Author & Punisher já esta semana no Porto

O Salgado AKA Stereoboy é já uma cara conhecida da noite na baixa portuense.
A sua festa de anos — O Salgado faz anos... FEST! — celebra a sua segunda edição este ano. Entre os já consagrados Riding Pânico, os Sensible Soccers, o Jibóia e o Atillla, o destaque vai invariavelmente para o norte-americano Author & Punisher.
O one-man project de Tristan Shone é uma fusão entre o indivíduo e a máquina, com o engenheiro mecânico em palco a programar e a manipular um dínamo de proporções humanas. Entre máscaras com moduladores de voz incorporados e percussões hidráulicas controladas por gatilhos, o industrial faz-se não só soar, mas também ver, numa convergência entre o que de mais humano a maquinaria pode conter e no que de mais mecânico o homem tem.
A vinda de Author & Punisher a Portugal tem data marcada para dia 24 de Janeiro e o concerto tem a assinatura da Amplificasom.
É de destacar que esta data é única em Portugal.

+

The Vaccines revelam detalhes do novo álbum


Os The Vaccines lançaram o primeiro single de English Graffiti o recente anunciado álbum dos ingleses que sucederá Come Of Age (2012). O álbum ainda não tem data de lançamento agendada, mas é previsto para o final da primavera pelo selo Columbia Records.

Ainda com o anúncio do nome do sucessor os The Vaccines revelaram também "Handsome" o primeiro sinle de avanço de English Graffiti, bem como o respectivo trabalho audiovisual. 


+

"Bad Believer" é o novo single de St. Vincent


St. Vincent irá lançar um versão de luxo do seu mais recente trabalho homónimo editado em 2014. Esta versão contará com quatro faixas inéditas entre as quais recebe destaque "Bad Believer" o novo single da cantora, apresentado no programa de Lauren Laverne na rádio britânica BBC 6.

A versão de luxo de St. Vincent tem data de lançamento prevista para 9 de fevereiro encontrando-se disponível online já a partir de amanhã, 21. O álbum ainda trará um remix de "Digital Witness" com a assinatura de Darkside.


+

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Reportagem: Norberto Lobo [Culturgest - Porto]


Norberto Lobo veio ao Porto, à sala da Culturgest apresentar o seu mais recente trabalho — o longa-duração Fornalha — pela mão da Filho Único. Norberto anda numa digressão nacional que marca o seu regresso às edições depois do LP Mel AzulAo longo de uma hora, Norberto mostrou-nos na primeira pessoa e de maneira intimista de que forma ele constrói as suas paisagens sonoras: através de uma total alienação para com o seu redor, entrando num transe profundo no qual ele se transforma num guitarrista supremo, obsessivo no dedilhar da guitarra e mestre na técnica. O arco do violino surge na foto e por duas vezes soou na sala da Culturgest, no início — com o tema "Eu Amo" — e no final do concerto.


Foi de pé e com a guitarra em riste e com o arranhar da guitarra e das suas cordas vocais a denunciar os últimos acordes de "Fornalha", o tema com que Norberto se despediu. Com esta crítica também este repórter se despede de vós, deixando-vos aqui o link para o Fornalha, via three:four records


Se perderam o concerto no Porto, vão a tempo de ver e ouvir Norberto Lobo e Fornalha em Bragança (Museu do Abade de Baçal, dia 20 de Janeiro) e em Faro (Teatro Municipal de Faro, dia 31 de Janeiro).

+

Toro Y Moi anuncia novo álbum


Toro Y Moi acaba de anunciar o sucessor de Anything In Return, o seu último trabalho editado em 2013. What For? é o nome do novo trabalho de Chaz Bundick sob o nome de Toro Y Moi e vê como primeiro sinle de avanço "Empty Nesters". Ainda não foi revelada a tracklist deste novo trabalho, mas a cover art já pode ser consultada em cima. De mencionar ainda que este novo trabalho sucede também Michael (2014) editado pelo projecto paralelo, Les Sins.

What For? tem data de edição prevista para 7 de abril pelo selo Carpark Records.


+

Mono de volta a Portugal


Os japoneses Mono voltam a marcar presença em Portugal para apresentar o seu duplo álbum de 2014 The Last Dawn/Rays of Darkness, que esteve presente no top dos membros da redacção (para ver os tops, aqui).
 Os "post-rockers" asiáticos, conhecidos pela densidade e a intensidade das músicas de sua autoria, estão de retorno para dois concertos em território luso, o primeiro em Lisboa no palco do RCA Club a 5 de Maio e o segundo no Hard Club, Porto no dia seguinte, 6 de Maio, tudo isto organizado pela Amplificasom. A primeira parte do concerto fica nas mãos de Helen Money, que também colabora com os Mono.
Os bilhetes, tanto para Lisboa como para o Porto têm o preço marcado de 20€ e por enquanto encontram-se disponíveis apenas na Amplistore.
Todas as datas da tour europeia encontram-se na imagem em baixo.



+

The Wombats em estreia no NOS Alive


Os The Wombats voltaram a dar que falar no fim do ano passado quando anunciaram Glitterbug para 6 de Abril sucedendo assim o aclamado The Wombats Proudly Present: This Modern Glitch (2011). Agora além da volta em formato LP a banda anuncia a sua estreia em território nacional em formato físico e a acontecer no próximo dia 9 de Julho para mais uma edição do festival NOS Alive.

O NOS Alive 2015 decorre este ano entre 9 e 11 de Julho no Passeio Marítimo de Algés. Os preços dos bilhetes diários têm um valor de 55€, sendo que o passe geral ronda os 109€.

Artistas já confirmados:
9 de Julho: Muse, Alt-J, Metronomy, Jessie Ware, Young Fathers, The Wombats; 
10 de Julho: Future Islands, The Ting Tings, Kodaline, Sheppard; 
11 de Julho: Dead Combo, Jesus and Mary Chain.


+

And Also The Trees são a nova confirmação do Entremuralhas


Foi confirmado o quarto nome para a sexta edição do festival Entremuralhas a decorrer este ano entre 27 a 29 de Agosto no Castelo de Leiria. And Also The Trees juntam-se assim aos já confirmados Ash Code, Keluar e Lene Lovich Band.

Os And Also The Trees formaram-se em Inglaterra, em 1979 e  são considerados os últimos sobreviventes e os legítimos herdeiros do espírito neo-romântico da geração pós-punk.  A abnda regressa a Leiria cinco anos depois da sua estreia exclusiva na edição de 2010 do Festival Fade In

Ainda não são conhecidos os preços desta sexta edição.


+

domingo, 18 de janeiro de 2015

Reportagem: Soviet Soviet [Maus Hábitos - Porto]



Os Soviet Soviet deram por encerrada, na passada quinta-feira, 15 de Janeiro, a sua passagem por Portugal, em base da última tour europeia que garantiu passagem por Vila Real, Lisboa e finalmente Porto. Numa sala composta e renovada, o Maus Hábitos, recebeu assim, pela primeira mais um dos eventos com a organização da Muzik Is My Oyster. Fora da MIMO Sessions, contudo, os italianos voltaram a figurar no cartaz no regresso à cidade que os acolheu na sua estreia em 2013. Na bagagem traziam Fate o seu mais recente trabalho de estúdio, editado também ele em 2013.


Apesar das 23h30 já terem passado há algumas dezenas de minutos, o público, embora ansioso, permanecia em ambiente de conversa ao som da playlist de fundo onde se pode ouvir "Straight" dos A Place To Bury Strangers. Cerca de vinte minutos depois da meia noite, e já numa visível massa populacional nas filas da frente, o trio italiano começou por abrir o concerto com o soundcheck a ter como resultado uma música improvisada. Os mais distraídos prestavam-se atentos, mas só quando os primeiros acordes de "Together" foram dados é que se notaram igualmente os primeiros gestos corporais do público. Era impossível não ficar contagiado pelo show do post-punk inicial que prometia uma noite bastante positiva na sua generalidade. 


Por entre êxitos como "Ecstasy" e "Further" é à meia noite e quarenta que a banda vê os primeiros problemas técnicos, a prosseguirem-se noite fora. A luz dos amplificadores caiu, e apesar do cuidado do baterista em fazer um solo para ultrapassar esse problema, na sucessão do concerto houve falhas que, para quem nunca os houvera visto antes, acabaram por tecer uma imagem menos positiva do resultado do concerto. É curioso notar no  baixista, e ao percorrer da setlist, uma imagem de insatisfação e, talvez por isso, a sua performance tenha sido um dos factos visuais mais marcantes da noite. 


O espectáculo de percussão que aconteceu em “Introspective Trip” merece repensar o resultado do concerto de uma forma diferente. Apesar do seu fim prolongado, os Soviet Soviet conseguiram meter grande percentagem do público, de facto, a passar por um trip instrospectiva, apenas denotada nos seus inquietos movimentos de cabeça. Afinal os problemas técnicos conseguem-se ignorar quando a restante mensagem da banda é transmitida. Ainda por entre a setlist perdida, o público portuense teve a oportunidade de ouvir “1990” e “Hidden”, ambas retiradas de Fate, e ainda "Lokomotiv" a receber destaque pela energia incansável de Alessandro Costantini. Em suma, e numa noite que terminou com o sistema auditivo da maioria do público presente, ficam as memórias de uma banda a abandonar um palco, que, embora desanimada, deixou o baixo em primeiro plano. 


Texto: Sónia Felizardo
Fotografia: Eduardo Silva

+