sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

[Review] Father John Misty – I Love You, Honeybear

Father John Misty // Sub Pop // Fevereiro 2015
9.0/10


Quem se esqueceu daquele barbudo de cabeleira farta atrás duma bateria, sereno como as harmonias que a sua garganta emanava? Muitos, provavelmente. Jamais imaginaria que uma aura, aparentemente tão pacata, viesse um dia a abanar a anca com uma faceta humorística com tanto por dizer. 

I Love You, Honeybear é o 2º álbum do alter ego de Josh Tillman – Father John Misty – que será lançado, já no próximo dia 10, pela editora discográfica SUB POP

Uma das características deste peculiar indivíduo é a articulação de um discurso tão profundamente apoiado naquilo que sabemos ser uma grande fonte de reflexão: a filosofia. Declarado grande fã de Sartre, torna-se impossível não conectar o existencialismo sartriano com as letras inquietantes duma alma em constante introspecção. 

Este álbum conta com cerca de 43 minutos afectados por questões profundamente existenciais intercaladas com uma espécie de ode ao amor, regozijado pelo músico, recentemente casado. "I Love You, Honeybear" é o grande exemplo de declarações amorosas puras que, ao longo do álbum, vão surgindo com um grau de calculismo e inocência ímpar, mas que, ainda assim, convivem com o lado mais obscuro da condição humana. "The Ideal Husband", por exemplo, reflecte a parelha casal/indivíduo, onde as confrontações pessoais são eminentes e fazem parte, tanto como causa como consequência, duma vida a dois. 

A presença de instrumentos de corda ao longo das faixas, em consonância com a vocalização de Josh Tillman, conquistou-me, pelo simples facto de (sem que isto vos interesse minimamente) me fazer lembrar as viagens de carro que fazia em criança com o meu pai ao som dos grande crooners, que já lá vão. Mas o toque especial está na introdução fundamental das guitarras a solo que conseguem sobrepor, de forma inteligente, as harmonias vocais das músicas. “True Affection” talvez seja a faixa mais ‘fora’, no sentido em que o ritmo mais ‘electronizado’ se afasta do resto do pacote. 

Não é só o amor que paira neste álbum. O single "Born In The USA" é uma espécie de paródia profunda ao materialismo e obrigações culturais e sociais, que se prolonga, dalguma maneira, numa outra música lenta e abadalada do álbum, "Holy Shit", onde a reflexão sobre a evolução e crescente crise de valores atinge o auge. 

Em suma, considero I Love You, Honeybear um álbum incrivelmente bem planeado, desde as letras a todo o mecanismo sonoro que as acompanha. Se há um lado paródico e sarcástico em certos momentos, há também um lado explicitamente emocional, tudo incorporado em músicas que vão desde o acústico lentinho às harmonias poderosas. 


Faixas do álbum:

1. I Love You, Honeybear
2. Chateau Lobby #4 (in C for Two Virgins)
3. True Affection
4. The Night Josh Tillman Came To Our Apt.
5. When You’re Smiling and Astride Me
6. Nothing Good Ever Happens At the Goddamn Thirsty Crow
7. Strange Encounter
8. The Ideal Husband
9. Bored In The USA
10. Holy Shit
11. I Went To The Store One Day




+

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Os Death vão lançar um álbum novo

Em primeiro lugar, não confundir estes Death com os outros Death.
 
Em segundo, para quem não conhece o colectivo de Detroit, eles foram uns dos primeiros grupos a tocarem punk, quando ainda sequer o punk mal estava cartografado no mapa da história musical.
Os Death surgiram nos anos 70, começaram por ser um banda de R&B, mas depois de ouvirem alguns discos dos Stooges e dos MC5, decidiram usar os seus instrumentos e o seu conhecimento musical para produzir sonoridades mais pesadas. E assim, em 1974, é gravado o LP …For the Whole World to See.
Este álbum tornou a ver a luz do dia em 2009, quando a Drag City recuperou o disco e decidiu que era altura da sua reedição, catapultando os Death para o estrelado do cenário alternativo do rock. Desde então, têm feito algumas tours e foi ainda reeditado dois álbuns com demos das gravações do …For the Whole World to See. Um deles foi editado em 2011 (Spiritual, Mental, Physical) e outro no ano passado (Death III).

Agora, em 2015, os Death voltam às edições com N.E.W. que tem data de lançamento prevista para o dia 21 de Abril.  Abaixo deixamo-vos a tracklist de N.E.W. bem como a faixa “Look At Your Life”, retirada do vindouro LP.



N.E.W. Tracklist:

1. At the Station

2. Change

3. Look at Your Life
4. Playtime
5. Relief
6. Resurrection
7. Story of the World
8. The Times
9. Who Am I
10. You Are What You

+

“In The Morning (In The Evening)” é o novo single dos Twin Peaks


Os Twin Peaks têm novidades no que toca a trabalhos de estúdio, desta vez, em formato single de 7'', que sucede assim o álbum de estreia Wild Onion lançado o ano passado. A faixa recebe o formato double-single e vê o seu lado-A, "In The Morning (In The Evening)", ser divulgado. Por sua vez "Got Your Money" é o lado-B.

A faixa foi gravada diretamente para uma fita de estúdio totalmente analógica para resultar na sonoridade vintage, que pode ser verificada abaixo.


+

Birds Are Indie em Lisboa e Porto


Os Birds Are Indie vão dar uma mini tour em Lisboa e no Porto, sendo que na primeira darão cinco showcases e na segunda dois showcases e um concerto. Nos showcases a banda irá tocar músicas do último disco Love Is Not Enough e no concerto um pouco de todos os álbums e EPs.Todas as datas poderão ser consultadas abaixo.

06 fevereiro | Lisboa @ FNAC Chiado > 18:30 H
06 fevereiro | Alfragide @ FNAC > 21:30 H
07 fevereiro | Setúbal @ FNAC > 16:00 H
07 fevereiro | Lisboa @ FNAC Vasco da Gama > 21:30 H
08 fevereiro | Oeiras @ FNAC > 15:00 H

21 fevereiro | VN Gaia @ FNAC GaiaShopping > 16:00 H
21 fevereiro | Porto @ Maus Hábitos > 22:30 H
22 fevereiro | Porto @ FNAC Sta Catarina > 16:00 H


+

[Review] Joey Bada$$ - B4.DA.$$


B4.DA.$$ // Relentless Records //Janeiro de 2015
8.5/10

Joey Bada$$ é uma das mais jovens e brilhantes pérolas do hip hop actual. 
Membro fundador dos Pro Era — colectivo de hip hop de Nova Iorque — e figura de destaque na cena do hip hop desde 2012, ano no qual lançou a sua mixtape 1999. Joey tinha 17 anos nessa altura e foi a partir dai que começou a ganhar reconhecimento pelos seus pares e a aclamação por parte da crítica.

Desde então partilhou palcos com o Juicy J e com os Flatbush Zombies, faixas com o ASAP Rocky, colaborações com o Ab-Soul e, em 2013, lançou a mixtape Summer Knights, que contou com a produção de MF Doom, Oddisee Statik Selektah.
A jovem idade — facto incontornável — não é compactível com a qualidade e inteligência demonstradas na lírica e ao microfone. A anormal maturidade de Joey Bada$$ é o seu maior trunfo, dando-lhe espaço para crescer, tamanho é o seu potencial.E Joey sabe disso. 
"Honestly, in this class, I feel like a freshman who got skipped, you know, as if it was a college or some shit and I’m like fifteen years old in college. That’s what this shit was to me. But honestly, the fact that I’m so young, that never hits me. Most of the time I’m not even aware of that. When I’m doing shows or even if I’m among other artists, I’m not even aware like, ‘Yo, I’m really the youngest one here.’ It never hits me like that, because I’m always thinking about, ‘I gotta be the best spitter, I gotta hold it down for my people where I’m from".


O próximo passo, nesta fase, seria lançar um LP, o seu primeiro.
E, de facto, o LP de estreia de Joey Bada$$ estava inicialmente previsto para sair no final no ano de 2013, até que essa data foi adiada indefinidamente. Isto porque Joey admitiu que preferia manter o álbum sem data de lançamento até que tivesse preparado um trabalho que não desiludisse os seus fãs.
Várias faixas foram sendo divulgadas pela net ao longo do segundo semestre do 2014 (a "Christ Conscious" foi uma dessas faixas) e no dia 20 de Novembro de 2014, exactamente dois meses antes do lançamento de B4.DA.$$ (e de Joey completar 20 anos de idade) as preces dos fãs foram atendidas e a data oficial foi divulgada.


B4.DA.$$ é uma compilação de histórias e realidades que pintam um retrato da existência de Joey Bada$$. Uma longa crónica ao fim ao cabo, compilada em faixas bem trabalhadas e com lírica acutilante, com a língua afiada de Joey a rasgar os beats, dirigindo a atenção do ouvinte para todos o que se passa à nossa volta: a discriminação racial, as vicissitudes do capitalismo e a manutenção do status quo por parte do 1% vs o 99% são os temas mais transversais do álbum. Aliás, Joey já se afirmou publicamente como um artista dedicada às causas sociais, tal como aconteceu com os tiroteios de Ferguson.


 Para Joey Bada$$, não existem temas tabu. Muito pelo contrário, as realidades duras representam para Joey terreno fértil para exploração lírica e, no caso de B4.DA.$$, muitos dos pontos altos do álbum residem em retratos tão corrosivos quanto certeiros desses cenários dantesca. "O.C.B." narra a fase da sua vida em que foi abandonado pelo seu pai e, por força das circunstâncias, obrigado a assumir responsabilidades desde muito novo.
Em "Hazeus View", Joey relembra o seu amigo Capital Steez — membro dos Pro Era que se suicidou na véspera do natal de 2012 — e comunica com o mundo espiritual, procurando encontrar um sentido para todas as coisas que acontecem na sua vida, coisas essas para as quais ele não consegue encontrar uma explicação.
"Paper Trail$" é, como o título da faixa pode denunciar, sobre o capitalismo, e da selvajaria que ela provoca nos seres humanos. No tema, ela narra a história de um povo que está preso numa espiral viciada, que se mantém em movimento pela necessidade das pessoas de obterem dinheiro (de qualquer maneira) de modo a poderem cumprir com as suas obrigações. Ao fim ao cabo, a humanidade segue o dinheiro. É, para nós, uma prioridade da mais alta ordem, que está enraizada no nosso ADN, qual necessidade fisiológica.
A frase "Cash Ruined Everything Around Me" é marcante, não só pela mensagem que transposta, mas pela óbvia homenagem à C.R.E.A.M. dos enormes Wu-Tang Clan.
Num apontamento final, é desta faixa que extraímos o título do álbum.

"Before the money there was love"
B4.DA.$$
Before.The.Money

Além dos temas que abordam temáticas transversais como o capitalismo e as suas vicissitudes, não podemos deixar de visitar as restantes faixas, com a noção presente de que estas partes somadas ajudam na construção de um todo maior: um retrato da experiência de vida Joey Bada$$, um indivíduo igual a nós, mas com um poder de oração notável. Joey consegue contar-nos uma história e torná-la marcante. Para todos nós.
Seja qual for o tema central da faixa, podemos encontrar nela algo nela para nós.
Um pormenor, uma batida, uma letra, algo vos vai tocar, garanto-vos.
Apenas têm que saber ler nas entrelinhas.
Em suma, B4.DA.$$ é um álbum onde a lírica é rica e as batidas estão bem conseguidas. A combinação de ambas resultaria, inevitavelmente, em sucesso.
Mas, acima de toda a lírica e de todos os beats bem trabalhados, o álbum é notável devido aos testemunhos de Joey: um homem em constante luta para não se deixar abater pelas vicissitudes da vida, que trabalha para converter todas essas energias e experiências negativas em música, dando o melhor de si no microfone e na escrita.

Se todos seguíssemos o exemplo de Joey e usássemos o nosso potencial, quem sabe onde poderíamos chegar?

+

And So I Watch You From Afar lançam "Run Home"


Os And So I Watch You From Afar anunciaram a semana passada o seu regresso aos trabalhos de estúdio com o longa-duração Heirs, sucessor de All Hail Bright Futures (2013). Hoje a banda mostra o primeiro avanço deste novo registo sob o nome de "Run Home", um malhão do novo trabalho, a ouvir abaixo.

Heirs tem data de edição prevista para 4 de Maio pelo selo Sargent House.


+

Swervedriver lançam "Autodidact"


Os Swervedriver anunciaram no início de Janeiro o lançamento de I Wasn’t Born to Lose You que marcava de dezassete anos que se fez sentir até 1998. Agora, e depois do primeiro avanço, "Setting Sun", a banda do Reino Unido mostra "Autodidact".Ainda para relembrar, estiveram presentes na primeira edição do Reverence Valada.

I Wasn’t Born to Lose You tem data de lançamento prevista para 2 de Março via Cobraside.


+

Unknown Mortal Orchestra anunciam novo álbum "Multi-love"

Os Neozelandeses Unknown Mortal Orchestra vão lançar o seu terceiro álbum de originais. Multi-love sucede ao álbum II editado em 2013. A data de lançamento está agendada para 25 de Maio via Jagjaguwar. O primeiro avanço do novo trabalho é o single homónimo, o qual podem ouvir em baixo:
Segundo a press release, o frontman Ruban Nielson afirmou que "It felt good to be rebelling against the typical view of what an artist is today, a curator. It’s more about being someone who makes things happen in concrete ways. Building old synthesizers and bringing them back to life, creating sounds that aren’t quite like anyone else’s. I think that’s much more subversive".

A tracklist e a capa (no topo) do novo álbum foram também divulgadas.
Multi-Love:
01 Multi-Love
02 Like Acid Rain
03 Ur Life One Night
04 Can’t Keep Checking My Phone
05 Extreme Wealth and Casual Cruelty
06 The World Is Crowded
07 Stage or Screen
08 Necessary Evil
09 Puzzles

A banda tem um tour agendada para o ano de 2015. Confiram as data em baixo.
02-22 Newcastle, England - 6 Music Festival
05-07 Eugene, OR - WOW Hall
05-09 Seattle, WA - Barboza
05-10 Spokane, WA - The Bartlett
05-20 Bristol, England - Thekla
05-21 London, England - Islington Assembly Hall
05-22 Coventry, England - Warwick University *
05-23 Liverpool, England - Liverpool Sound City
05-25 Amsterdam, Netherlands - Bitterzoet
05-26 Berlin, Germany - Berghain Kantine
05-27 Brussels, Belgium - AB Club
05-28 Paris, France - La Flèche d’Or
05-29-31 Nîmes, France - This is Not a Love Song Festival
05-30 Barcelona, Spain - Primavera Sound
06-02 Boston, MA - Brighton Music Hall
06-03 Montreal, Quebec - Theatre Fairmount
06-04 Toronto, Ontario - Lee’s Palace
06-05 Pontiac, MI - Pike Room
06-06 Chicago, IL - Lincoln Hall
06-08 Minneapolis, MN - Triple Rock Social Club
06-09 Omaha, NE - Waiting Room
06-10 St. Louis, MO - Firebird
06-11-14 Manchester, TN - Bonnaroo
06-13 Atlanta, GA - Terminal West
06-14 Carrboro, NC - Cat’s Cradle
06-15 Washington, DC - U Street Music Hall
06-16 Philadelphia, PA - Boot & Saddle
06-17 Philadelphia, PA - Boot & Saddle
06-19 Brooklyn, NY - Warsaw

+

Crystal Fighters e Kate Tempest no Super Bock Super Rock


A organização do Super Bock Super Rock avançou hoje com mais dois nomes para a edição de 2015 a decorrer este ano no Parque das Nações. Assim, a 16 de Julho, Kate Tempest estreia-se em território nacional no Palco EDP onde apresentará Everybody Down, disco de estreia lançado o ano passado. Ainda a juntar-se ao cartaz e em modo regresso a Portugal, os já habituais Crystal Fighters, que sobem ao Palco Super Bock no dia 18 de Julho.

Já confirmados: 
Dia 16 
Palco Super Bock – Sting, Milky Chance 
Palco EDP – Little Dragon, Kate Tempest 
Dia 17 
Palco EDP – Kindness 
Dia 18 
Palco Super Bock – Florence and the Machine, Crystal Fighters 
Palco EDP – Banda do Mar, Modernos 
Preços: 
Passe 3 dias: 95€ 
Bilhete Diário: 50€



+

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Milhões de Festa avança os primeiros nomes da edição de 2015

O mítico festival Milhões de Festa apresentou hoje os primeiros nomes do cartaz da edição de 2015.
Marcado para os dias 23,24,25 e 26 de Julho, no Parque Fluvial de Barcelos, a edição deste ano traz Kevin Martin aka The Bug, responsável por Angels & Devils, um dos melhores registos de 2014 que contou com a participação dos Deaths Grips, Liz Harris aka Grouper e Gonjasufi. The Bug faz se acompanhar nos seus concertos pelos MC Flowdan e Manga, também colaboradores no último álbum.

Os All We Are vêm de Liverpool e são outro dos nomes presentes em 2015. Com o primeiro álbum homónimo editado este ano, os britânicos vem nos apresentar a sua melodia sensual que mistura pop extravagante com o funk.

Com os Açores como pano de fundo, as narrativas da dupla insular MEDEIROS/LUCAS espelham a convergência entre as gerações que separariam Carlos Medeiros e Pedro Lucas. Em conjunto, contudo, a voz de Medeiros, mais vivida e aperfeiçoada, mais do que agastada, pelos anos, encaixa na expressão electrónica fluída de Lucas sem que os limites da química social se imponham.
Os Cairo Liberation Front surgiram na Holanda fruto do fascínio pelo movimento de música Chaabi, a florir no Egipto em plena Primavera. Das ruas do vasto e desconhecido Médio Oriente para Tillburg, o trio dos Países Baixos e as suas raves surgiram como o primeiro pilar no Ocidente de um cultura que, como demonstram, não é assim tão estranha e que se afirma na reacção geral ao Chaabi: a apoteose e o furor. À sua experiência cientifica entra, agora, o laboratório de Barcelos, onde os milhionários serão mais uma cobaia para comprovar a viralidade da desbunda oriental.


Os bilhetes gerais, já se encontram à venda (AQUI),  custam 49,99 euros até ao dia 11 de Maio, sendo que depois disso os preços sobem para 59,99 euros.

+

Speedy Ortiz vão lançar Foil Deer a 20 de Abril

Os americanos Speedy Ortiz preparam-se para editar o sucessor de Major Arcana editado em 2013. Trata-se de Foil Deer e será o terceiro álbum a ser editado pela banda que em 2014 passou pelo NOS Primavera Sound

Segundo um entrevista que banda deu à revista Spin, o título deste novo álbum teve origem num escultura que viram num museu. O facto de terem gostado tanto dela, levou a que aparecesse numa canção da bandae agora no título de um álbum. Este será o primeiro álbum que a banda gravou sem o guitarrista Matt Robidoux, que abandonou a banda em Maio do ano passado.

Segundo a press release, a frontwoman Sadie Duppuis escreveu a maior parte do novo álbum na casa mãe, em Connecticut Woods, e afirmou que "ao ouvir os álbuns antigos, fico com a sensação que me estava a colocar em situações horríveis só para escrever canções tristes". Muitas das canções do novo álbum lidam com uma sensação semelhante à de começar de novo mas sem o drama desnecessário.

Enquanto que o primeiro álbum Major Arcana foi gravado num questão de dias, Foil Deer levou quase um mês de trabalho de estúdio. Foi gravado e misturado no Brooklyn's Rare Book Room por Nicolas Vernhes, o qual já trabalhou com os Silver Jews e os Deerhunter, e masterizado por Emily Lazar (Sia, Haim, Beauty Pill), conferindo um som mais polido e uma sensibilidade mais pop que pretende angariar novos fãs enquanto e ao mesmo tempo manter a sua legião.Foil Deer tem lançamento agendado para 20 de Abril via Carpark e conta já com a capa (em cima) e tracklist (em baixo).

A banda também partilhou uma espécie de banda desenhada criada por Michael DeForge em que se anuncia o lançamento de Foil Deer:


Foil Deer:
1. Good Neck
2. Raising The Skate
3. The Graduates
4. Dot X
5. Homonovus
6. Puffer
7. Swell Content
8. Zig
9. My Dead Girl
10. Ginger
11. Mister Difficult
12. Dvrk Wvrld

+

Best Friends anunciam álbum de estreia


Os garage-pop Best Friends acabam de anunciar o seu álbum de estreia e com a notícia disponibilizaram também para stream o primeiro avanço do trabalho em formato single através de "Fake Spit". A faixa, com apenas cerca de dois minuto de duração, é uma malha pop disfarçada por um punk abrasivo e desvanecido numa pequena macha de distorção. Juntamente com o single foi revelada a tracklist que pode ser consultada em baixo.

Hot. Reckless. Totally Insane. tem data de lançamento prevista para 18 de Maio pelo selo FatCat Records.


Hot. Reckless. Totally Insane. Tracklist:

1. Fake Spit 
2. Holy Mountain 
3. Cold Shapes 
4. If You Think Too Much Your Brain Will Fall Out 
5. Nosebleeds 
6. Dr Mario 
7. Baba Vanga 
8. Happy Anniversary 
9. Shred Til You’re Dead 
10. Orange Juice

+

Blog BranMorrighan faz 6 anos e traz quatro bandas ao Porto


Depois da passagem pelo Musicbox com Twisted Freak, azul-revolto e The Allstar Project o Blogue BranMorrighan dirige-se agora ao Porto, mais especificamente ao Maus Hábitos, onde celebrará mais uma vez o seu sexto aniversário. Tendo em história mais de 80 artistas entrevistados, várias reportagens e artigos de opinião, segue agora em formato ao vivo um segundo evento que mais uma vez reúne os projectos musicais que mais marcaram o último ano do blogue.

O evento tem assim data marcada no próximo dia 13 de Fevereiro, sexta-feira, e traz ao palco O Abominável, Tales and Melodies, Les Crazy Coconuts e Tio Rex. O alinhamento segue em baixo e toda as informações adicionais podem ser encontradas aqui. O preço das entradas fica pelos 4€.

Horários: 
22h30 -Tio Rex 
23h30 - O Abominável 
00h30 - Tales and Melodies 
01h30 - Les Crazy Coconuts





+

Agenda cultural da ZDB de Fevereiro a Maio de 2015

A Galeria Zé dos Bois apresentou a sua programação de Fevereiro até Maio deste ano, pelo que poderemos contar com nomes como Jozef Van Wissen, Weyes Blood, Grouper e Oneida.
A programação completa segue em baixo com os respectivos preços de entrada:

FEVEREIRO
Quinta, 5 de Fevereiro às 22h
Jozef Van Wissen (NL)
Manuel Dordio (PT)

Sábado, 14 de Fevereiro às 23h
WATERFALLS
c/ Throwing Shade, Jackie, RAP/RAP/RAP,
José Braima Galissá, Carloto Cotta, Taxila, Tzaziky&Crack (UK, PT GW, IT)

Sexta, 20 de Fevereiro às 22h
Equations (PT)
Killimanjaro (PT)
Marvel Lima (PT)

Domingo, 22 de Fevereiro às 18h
Matine Cafetra
c/ Éme, Pega Monstro e Iguanas (PT)

Quinta, 26 de Fevereiro às 22h
Festival Rescaldo c/ Caveira e Gesso (PT)

Sexta, 27 de Fevereiro às 22h
Weyes Blood (US)


MARÇO
Sábado, 7 de Março às 22h
Act Ups (PT)
Tracy Lee Summer (PT)

Domingo, 29 de Março às 22h
Oneida (US)


MAIO
Domingo, 3 de Maio às 22h no Teatro Maria Matos
Grouper (US)

+

[Review] Cave Story - Spider Tracks EP


Spider Tracks// Self Released // Fevereiro de 2015
6.8/10


Os Cave Story já não são totalmente novos na "cena" da música portuguesa, e se, palcos como os do Reverence Valada não ficaram por pisar, a banda atinge agora uma maior expansão através do lançamento físico de Spider Tracks, o EP de estreia disponibilizado previamente online. O presente EP, que sucede  assim as primeiras demos lançadas em 2013, é o resultado de uma exploração de diferentes técnicas de gravação em tempo distintos, e acima de tudo a amostra de uma evolução face às suas primeiras sonoridades. 

Em suma há uma mistura de punk, garage rock e uma influência dos anos 70 e 80. E essa mesma influência é facilmente encontrada na nota de abertura, em "Cleaner". O garage-rock instalou-se e as novas bandas acabam por o usar como um trunfo na inovação. Se, embora apanhemos uns Cave Story mais alternativos no seu rock, em "Southern Hype", onde as guitarras remetem facilmente aos primeiros trabalhos dos The Strokes - o que se verifica igualmente na introdução de "Buzzard Feed" - no mesmo single, é visível a dimensão dessa "onda garage".

"Hair" é o ponto alto do EP. Os seus sete minutos de duração desnudam lentamente o som da guitarra e, no seu final, fazem-se acompanhar pelas notas de um piano solitário onde a distorção acaba por ganhar. É o som mais complexo neste curta duração e o mais interessante não só pela quebra rítmica sentida por volta do segundo minuto, mas também pela inteligente conjugação de todos os instrumentos.

Embora "Guess We Could Feel Better About Worse" reflicta que, de facto, o vasto conjunto de fórmulas  idealizadas pela banda caldense passa pelo processo de gravação, este mesmo single espelha, igualmente, uma banda que ainda se encontra insegura quanto a uma sonoridade característica. É difícil encontrar um fio condutor ao longo destas seis canções e embora funcionem muito bem por si só, juntas mostram que algumas arestas precisam de ser limadas. Talvez o segredo esteja numa voz menos reverberada e na introdução do mellotron que tão bem resultou em "Demos". A ver o que a banda reservará para o futuro.

+

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

The Lemon Lovers anunciam tour nacional


Goodbye Leather Tour é o nome da nova tour dos The Lemon Lovers, banda que junta membros de Aveiro a Porto e que marcou presença na primeira edição do Cosmic Mess.
São já conhecidas quatro datas, a contemplar o Norte, e a tour arranca já no próximo dia 6 prolongando-se até 24 de Fevereiro, no entanto, são esperadas mais novidades e mais concertos ainda a anunciar. Segue assim em baixo a lista de concertos juntamente com os respectivos locais.

6 de Fevereiro (Sexta-Feira) - TOCA - Braga
20 de Fevereiro (Sexta-Feira) - Estudantino Café - Viseu
21 de Fevereiro (Sábado) - Ovelha Negra - Sever do Vouga
24 de Fevereiro (Terça-Feira) - Barba Rija - Aveiro


+

The Underground Youth com dois concertos em Portugal



Os The Underground Youth, banda de rock psicadélico inglesa, vão passar duas vezes por Portugal em Maio. A primeira actuação será no dia 13, em Vila Real, e a segunda dia 15, no Porto. As salas nas quais os concertos se vão realizar ainda não foram anunciadas.

A banda de Manchester vai apresentar o seu mais recente EP, Beautiful & Damned, lançado o ano passado.


+

STREAM: Crushed Beaks - Scatter


Os Crushed Beaks são um trio londrino que se estreará nos trabalhos de estúdio já na próxima semana. Em função disso, a banda está agora a disponibilizar, para audição gratuita, Scatter, o seu primeiro registo longa duração.

Scatter tem data de lançamento prevista para 9 de Fevereiro pelo selo Matilda Records.


+

Tracy Vandal no Mercado Negro dia 6 de Fevereiro


Após um grande período de ausência, a britânica Tracy Vandal, a voz à frente dos Tiguana Bibles, apresenta o seu primeiro disco em nome próprio, o EP, de cinco canções, The End Of Everything. Em Londres Tracy Vandal fez parte dos projectos Giant Paw, Dick Johnson, Lincoln e os Karelia (primeira banda de Alex Kapranos dos Franz Ferdinand).  A residir em Portugal desde 2011 e depois da extinção do projecto Tiguana Bibles, Tracy Vandal decidiu continuar a carreira em nome próprio, de onde surge este novo trabalho em colaboração com Boz Boorer (Polecats, Morissey)  guitarrista que a acompanha em quase todas as músicas. 

Tracy Vandal sobe assim ao palco do auditório do Mercado Negro, em Aveiro, no próximo dia 6 de Fevereiro, para um concerto a ter início às 23.30h. Os preços dos bilhetes ficam pelos 5€ e todas as informações adicionais podem ser encontradas aqui.


+

Premiado de Cannes Jozef Van Wissem apresenta o novo disco esta semana em Portugal

A covilhete na mão apresenta, esta sexta, sábado e domingo, três concertos do importantíssimo músico Jozef Van Wissem. O holandês premiado por Cannes estará esta semana em Portugal para apresentar o novo disco It Is Time For You To Return. Lisboa (promovida pela Galeria Zé Dos Bois), Barcelos, Vila Real e Caminha (promovidas pela covilhete na mão) são as cidades que o receberão.
Van Wissem é conhecido pela belíssima música ao lute, instrumento da família do alaúde, que lhe valeu já o prémio de melhor banda-sonora pelo Festival de Cannes graças ao excelente trabalho de composição para o filme do realizador Jim Jarmusch, Only Lovers Left Alive.

Van Wissem soma já mais de 800 concertos, levando o seu alaúde barroco personalizado a festivais tão conceituados como o ATP ou Primavera Sound ou ultrapassando as fronteiras da Arte ao ser comissionado pela National Gallery de Londres para compor uma peça para a pintura The Ambassadors de Hans Holbein. Atualmente, o holandês encontra-se a trabalhar em várias bandas-sonoras, entre elas para o filme Red Right Return, onde é uma das personagens da fita e interpreta o papel de um ex-toxicodependente.

It Is Time For You To Return, o seu mais recente álbum, editado em 2014 pela Crammed Discs, será finalmente apresentado esta semana em Portugal.

Os bilhetes para os concertos de Barcelos e Caminha têm o custo de 5€, enquanto em Vila Real a entrada é livre mediante reserva de bilhete (geral@covilhetenamao.com ou 91 322 07 08)

+

O Cão da Morte na Sociedade Guilherme Cossoul a 19 de Fevereiro

É já dia 19 de Fevereiro, às 21h30, que Luís Gravito fará a pré-apresentação do seu próximo disco num concerto a solo na Sociedade Guilherme Cossoul.
O ano passado, uniu-se a Coelho Radioactivo para nos apresentar radiosas canções enquanto Flamingos, uma colaboração que promete mais vitórias em 2015.Depois de nos ilustrar a Lisa a arder no seu EP Fim de Verão (2013), tem perspectivada para breve a saída do seu próximo registo.

Nos últimos tempos, tem silenciosamente ensaiado em banda com Bernardo Álvares (contra-baixo/baixo), Luís Barros (bateria) e Ricardo Amaral (guitarra). No entanto, este evento é a ocasião perfeita para o vermos sozinho (seja com guitarra ou piano) e ouvir malhas novas entre outras mais antigas.

Para além do talento como letrista e do conhecido charme na descrição do suburbano, vai transparecer a sua maturidade no ofício da canção. Uma ida a um a baile, que mais parece uma noite em casa de fados.
Ouçam também o álbum Odissipo:


O evento é promovido pela MATERNIDADE (promotora artesanal de concertos, festas, amigos e memórias em Lisboa) e tem o custo de 3€.

+

Guerrera e LEAF no Sabotage Club

Depois de, a norte, terem actuado nas duas últimas edições do SonicBlast Moledo e no já mítico Milhões de Festa, no passado ano, os galegos Guerrera visitam Lisboa pela primeira vez, já esta Quinta-Feira, no Sabotage Club, com os caldenses Leaf encarregues da abertura. 


Os Guerrera vem apresentar o seu último disco, Mauna Loa, o qual recebeu excelentes críticas, garantiu-lhes passagem por festivais como Milhões de Festa e SonicBlast Moledo, onde não deixaram ninguém indiferente. Do maior dos hinos "Dead Man" à viagem stoner-blues-psicadélica de "Under the Gipsy Sun", os Guerrera vão-se fazer sentir na Capital... e não será pouco!

Do espírito DIY que tão bem marca as Caldas da Rainha saem também os LEAF, projecto de João Silva e Ricardo Mendes (Cave Story, Challenge), que conta com um EP, Turn Them To Horses, lançado em 2013. Duo durão, com malhas de abanar a cabeça até mais não, que passam pelo punk, math-core e pelo que o rock tem de melhor!

+

"The Best Room" é a nova música dos Modest Mouse

Já falta pouco mais de um mês para o nono álbum de estúdio dos Modest Mouse sair para as lojas. A banda anunciou que o álbum Strangers to Ourselves será editado 2 semanas mais tarde que o previsto, ou seja, a 17 de Março. Entretanto, podem ouvir em baixo mais uma música que fará parte do novo trabalho, "The Best Room", a qual se segue às já conhecidas "Lampshade on Fire" e "Coyotes". A tracklist de Strangers to Ourselves foi também partilhada.

Strangers to Ourselves:
01 Strangers to Ourselves
02 Lampshades on Fire
03 Shit in Your Cut
04 Pistol (A. Cunanan, Miami, FL. 1996)
05 Ansel
06 The Ground Walks, with Time in a Box
07 Coyotes
08 Pups to Dust
09 Sugar Boats
10 Wicked Campaign
11 Be Brave
12 God is an Indian and You're an Asshole
13 The Tortoise and the Tourist
14 The Best Room
15 Of Course We Know

+