sábado, 28 de março de 2015

[Review] Selofan - Tristesse


Tristesse // Fabrika Records // Março de 2015
7.9/10

Tristesse é o segundo registo de estúdio do duo grego de electro-minimal Selofan, que chega aproximadamente dois anos depois de Verboten, disco pelo qual mostraram os seus primeiros singles ao mundo. Fundadores da Fabrika Records, editora pela qual apresentam agora este novo registo, os Selofan voltam novamente a apostar nas sonoridades minimalistas dos sintetizadores à anos 80, mas numa produção bastante contemporânea. "Microwave Lovers", um dos singles de avanço deste segundo trabalho de estúdio, e uma das melhores faixas de Tristesse, é apresentado num ambiente sombrio, recheado de sintetizadores à post-punk. A voz, essencialmente falada, é acompanhada por pequenos gritos que se afirmam como um dos pontos de maior impacto na audição consecutiva da referida faixa. No geral, todo este trabalho, em análise, se revela como um conjunto de doze canções embebidas num universo de experimentação que contemplam desde uma simples composição em piano, apenas acompanhada de voz ("Der Steppenwolf"), a singles mais luxuosos na produção ("Allein").

Para além da Farbrika Records, os Selofan trazem ainda no currículo um single colaborativo com Larissa Iceglass, "Behind The Dunes", que ficou de fora de Tristesse mas que merece destaque pelo excelente instrumental adaptado a uma das vozes  mais marcantes da actualidade na cena da colwave. E de facto "Tristesse", single homónimo, e posteriormente "Napthalini", apresentam algumas similaridades interessantes face aos trabalhos do também duo Lebanon Hanover: há uma utilização tanto da voz masculina, como feminina por sobre uma perscussão post-punkiana com traços nostálgicos. O que não é de todo mau avance-se desde já. Afinal os Selofan conjugam sonoridades electrónicas ao lado de um som produzido analogamente. "We Care For You" e "Fotografikes Michanes" são dois bons exemplos para verificar como este revivalismo das sonoridades dos anos 80, na cena dark, são uma influência comum para ambas as bandas, onde as diferenças se notam essencialmente na aplicação do mesmo conceito. 

Tristesse é um um disco que volta a frisar que o o post-punk se está efectivamente a tornar num género cada vez mais explorado na actualidade, e que, conjugado com os sintetizadores e alguns elementos da música concreta, afirma-se perante uma sociedade perdida no capitalismo e falta de valores morais. Numa representação incrivelmente bem conseguida da mente humana, e suas questões existencialistas, Tristesse apresenta singularidades, essencialmente a níveis das conjugações de díspares instrumentos, que o destacam de se tornar apenas em mais um álbum dentro da coldwave. Há emoção e revolta sentidas na voz tanto de Joanna como Dimitris, e há ainda o medo, um dos sentimentos que a tecnologia tenta resolver, mas ainda com pouca eficácia. Tristesse pode ser uma resposta, embora necessite ainda de afincar algum do contraste verificado entre as sonoridades das suas composições.


+

Quarta edição do Spirit Fest com cartaz fechado


É já na próxima quinta-feira, dia 2 de Abril, que Bragança recebe a quarta edição do SpiritFest, mini festival urbano de música com a assinatura da promotora Dedos Biónicos.Já com o cartaz fechado, a edição de 2015 contará assim com Wild Land, Selen Peacock, Equations, Cian Nugent, Tweak Bird, Cavaliers of Fun, PUF, Herr Doktor e Mister Teaser. Todas as informações adicionais poderão ser consultadas aqui.

O SpiritFest tem lugar no Vitória Pub, por volta das 21.00H. 
Bilhetes: 6€


+

Videos da Semana #42


Depois de uma semana de pausa, voltamos agora com mais uma compilação de cinco vídeos editados no últimos dias. Em baixo para ver há Dan Deacon, Banda do Mar, Hallelujah The Hills, Tune Yards e FKA Twings.

1 - Dan Deacon - "When I Was Done Dying"


2 - Banda do Mar - "Dia Clarear"


3 - Hallelujah The Hills - "Destroy This Poem"

4 - tUnE-yArDs - "Wait For a Minute"


5 - FKA Twings - "Glass & Patron"


+

sexta-feira, 27 de março de 2015

La Luz anunciam álbum para Agosto produzido pelo Ty Segall



Depois dum sumarento primeiro álbum em 2013 - It's Alive - o quarteto anuncia a sua segunda longa duração que será lançada em Agosto. Ainda sem nome, a produção ficou a cargo do músico Ty Segall, para quem abriram o concerto em Portland, há ano e meio. O álbum terá onze faixas (com possibilidade duma décima segunda) e terá o carimbo da Hardly Art Records.

Apesar da vocalista/guitarrista Shana Cleveland alegar que o Ty teve intenções por fuzz em todas as músicas, preferimos acreditar que o surf-rock das La Luz irá manter-se com o seu minimalismo, cujo reverb é suficiente para que a coisa brilhe. Uma ou outra guitarra com fuzz, vá.

Podem ler alguns statements que a Cleveland fez para a SPIN aqui.

+

Tweak Bird com cinco concertos em Portugal



O duo americano de stoner rock Tweak Bird vai iniciar a sua tour europeia em Portugal, onde vai dar cinco concertos. Em três deles serão acompanhados pelos portugueses Equations

O primeiro será dia 28 de Março no festival Tremor, nos Açores. O segundo no dia 1 de Abril, no Maus Hábitos (Porto), onde a primeira parte ficará a cargo dos Equations. No dia seguinte actuam no Vitoria Pub, em Bragança, na 4ª edição do SpiritFest. Dia 3 vão a Alcobaça, acompanhados pelos Savanna, Equations e Fuzz. Dia 4 actuam no Sound Bay Fest, em Lisboa. 
Para mais informações sobre cada concerto cliquem nas hiperligações.

+

Os Triggerfinger vêm a Portugal

Num ano recheado de estreias em território nacional, eis que os Triggerfinger se juntam a esta equação.
Para quem não sabe de quem estamos a falar, o trio belga tem uma sonoridade rock que lhes valeu comparações aos enormes Queens Of The Stone Age e aos também enormes Led Zeppelin.
As comparações podem parecer um pouco hiperbólicas, mas o facto é que teremos oportunidade de averiguar por nós mesmos a sua veracidade, enquanto escutamos o seu repertório de quase 20 anos e o seu novo By Absence Of The Sun, LP editado no ano passado. Abaixo ficam as datas.

30 de Abril - Lisboa @ República da Música
1 de Maio - Alcobaça @ A.R. Povoense
2 de Maio - Porto @ Hard Club (sala 2).

+

Membros de The National e Menomena juntam-se para novo projecto



O cantor e multi-instrumentalista dos Menomena Danny Seim e o baterista dos The National, Bryan Devendorf, juntaram-se ao trompista Dave Nelson, que já tocou com artistas como Sufjan Stevens, David Byrne e St. Vincent, para formar uma nova banda: os Pfarmers.

O primeiro álbum da banda chama-se Gunnera e sai dia 12 de Maio, através da editora Jurassic Pop. A tracklist é a seguinte:

1. Benthos
2. You Shall Know the Spirit
3. Work for Me
4. El Dorado
5. The Ol' River Gang
6. How to Build a Tube
7. Promised Land

Uma das músicas já pode ser ouvida no Soundcloud da Jurassic Pop:


+

quinta-feira, 26 de março de 2015

Omar Souleyman anuncia novo álbum


O músico sírio Omar Souleyman acaba de anunciar o sucessor de Wenu Wenu (2013), que recebe o nome de Bahderi Nami. Juntamente com o anúncio deste novo trabalho o cantor avançou ainda com a cover art e o primeiro single de avanço "Enssa El Aatab", faixa com cerca de dez minutos de duração, produzida por Modeselektor, que apresenta, na sua base,  uma mistura eclética das suas habituais sonoridades nume experimentação electrónica. O álbum foi gravado em Instanbul.

Bahderi Nami tem data de lançamento prevista para 24 de Julho via Monkeytown.


+

Ceremony anunciam novo álbum


Após a estreia, pelo selo Matador Records, em 2012, com Zoo, os Ceremony estão agora de regresso com um segundo trabalho de estúdio, The L-Shaped Man,  que marca uma reviravolta na sonoridade apresentada no anterior trabalho, inserindo-se assim dentro do género do post-punk. Juntamente com o anúncio, a banda avançou ainda com a tracklist, cover art e os dois primeiros singles de avanço, "The Separation" e "The Understanding".

The L-Shaped Man tem data de lançamento prevista para 19 de Maio via Matador Records.


The L-Shaped Man Tracklist: 
1. Hibernation 
2. Exit Fears 
3. Bleeder 
4. Your Life in France 
5. Your Life in America 
6. The Separation 
7. The Pattern 
8. Root of the World 
9. The Party 
10. The Bridge 
11. The Understanding 
12. Vivication (bonus track) 
13. The Hide 

+

[Review] The King Khan & BBQ Show - Bad News Boys


Bad News Boys // In The Red // Março de 2015
7.0/10

Arish Khan (King Khan) e Mark Sultan (BBQ) tinham já o poder de fazer vibrar ossos quando muitos de nós ainda tinham fraldas para ser mudadas. Visualizaram bem os cerca de vinte anos que já pesam nas costas deste duo? É muito. Os dois músicos aventuraram-se, primeiramente, como Spaceshits e foram dando algumas cambalhotas, tendo, no novo milénio, adoptado o nome The King Khan & BBQ Show. Ao que parece, o nome tem gerado alguma confusão e inquietação e, apesar da coisa não se ter oficializado completamente, o par de músicos tem vindo a preferir Bad News Boys como denominação. E é com este nome que o quarto álbum da banda é lançado.

Bad News Boys foi produzido pela In The Red Records e conta com oito faixas orelhudas cuja duração não se estende para lá do necessário. Quem esperava uma sonoridade diferente ou alguma evolução, não viu as suas expectativas cumpridas, já que o álbum oferece aquilo a que o duo sempre nos habituou – um rock com energia e suor, dançável e despreocupado, com pitadinhas dum punk de garagem e de lembranças revigoradoras dos 70’s. O que mais me surpreende é a ligeireza com que produzem guitarras e harmonias vocais cuja simplicidade nunca interfere com o ataque e força das músicas.  

O álbum consegue balancear-se entre baladas/peso e sentimento/paródia. "Buy Bye Bhai" é o exemplo de música lenta com nostalgias dos anos 70, procedido da malha mais pesadona, a "D.F.O", cujo punk transborda secreções fisiológicas, evidentes no refrão “diarrhea fuck off”. "Never Felt Like This" é, sem dúvida, a mais profunda e introspectiva, antecedendo "Snacking After Midnight", que quebra o gelo com um rock n’ roll em modo paródico. Entre as músicas mais lentas e as mais rápidas, a "Illuminations" consegue manter um equilíbrio, sendo uma das melhoras melodias do álbum.

A diferença de peso entre as músicas talvez seja a mais valia de Bad News Boys. Se assim não fosse, poderíamos estar perante um álbum demasiado flat e cansativo, já que a guitarra anda quase sempre pelos mesmos territórios.

Depois duma tour com os Black Lips, ficamos à espera da passagem de The King Khan & BBQ Show por Portugal, para que as suas músicas façam o que de melhor podem fazer – dar um espectáculo de meter toda a gente a dançar. Mark Sultan já mostrou o seu interesse em cá vir: “SPAIN/PORTUGAL: is there anyone out there who can book/coordinate a small tour for me in late MAY? a have had a few people write me about single shows, and i know people here and there, but just don't have time to piece it together. if so, thanks! write my inbox.” 

Aguardamos novidades.


+

Membros dos Animal Collective lançam "New Psycho Actives Vol. 1"


Esta semana Avey Tare e Geologist, membros dos Animal Collective, lançaram um single colaborativo constituído por dois singles díspares, que, segundo os mesmos, foram compostas em comemoração da despedida do Inverno no hemisfério norte. 

"Tape Player Chants For Winter", de Avey Tare e "Stretching Songs For Spring", de Geologist, fazem assim parte de New Psycho Actives Vol.1, single duplo, de formato 12'' com download gratuito em baixo.


+

Reportagem: Useless Eaters + Duquesa - ZDB [Lisboa]

Foto: Vera Marmelo
Foi no sábado passado, dia 21 de Março, que o pop amoroso de Duquesa misturado com o punk dos Useless Eaters se fez ouvir no Bairro Alto, na Galeria Zé dos Bois. Antes do concerto as pessoas tiravam partido do agradável terraço da ZDB para conversar com os amigos e beber umas cervejas, o ambiente era relaxado e o tempo ameno, perfeito para o primeiro dia depois do equinócio da primavera. Pouco depois das 22h, Nuno Rodrigues (The Glockenwise) entrou em palco como Duquesa para tocar um set de músicas de amor, como o próprio anunciou, arrancando assim com a noite na ZDB. Nuno Rodrigues deixou de parte o garage rock de The Glockenwise para se aventurar paralelamente a solo no pop como Duquesa, e com bom resultado. A sonoridade que daí resultou é perfeita para se ouvir num dia de sol no verão, a caminho da praia. 
Foto: Vera Marmelo
Durante o concerto, Nuno, sempre bem disposto e simpático, ia fazendo interrupções a meio das músicas para falar um pouco de si e da sua terra, Barcelos, aproximando-se do seu público a quem agradeceu por terem vindo mais cedo para “ver o gajo que abre a banda”. O concerto foi bastante agradável e as pessoas responderam bem a esta nova face de Nuno Rodrigues, os sorrisos ficavam distribuídos pela plateia enquanto se ouvia Duquesa, e no final, Nuno convidou os presentes para beber uns copos com ele quando a noite acabasse, concluindo assim o seu set de abertura. Minutos depois de Duquesa ter abandonado o palco, os Useless Eaters entraram em palco pela primeira vez em Portugal para apresentar o seu novo álbum, Bleeding Moon, editado pela Castle Face Records. Assim que o concerto teve inicio, com a malha ”American Cars” deste último álbum, o garage rock/punk da banda de São Francisco inundou o Bairro Alto, com o som da distorção da guitarra de Seth Sutton, o baixo de Brendan Hagarty, e a bateria de Miles Latrell a ecoar pela ZDB, fazendo invocar os Black Flag e o falecido Jay Reatard para um único sítio, aquele palco. 
Foto: Vera Marmelo
O concerto prosseguiu, com Seth a agradecer os aplausos com “gracias”, ainda de ressaca da passagem da tour por Espanha nos dias anteriores. As pessoas dançavam à medida que a banda ia tocando energeticamente, mas faltava qualquer coisa, e pelo meio do concerto, um inevitável moshpit começou, não atingindo grandes proporções, mas que deu para suar e aproveitar a imensa energia que os Useless Eaters espalhavam pela ZDB. Infelizmente algumas músicas depois, Seth partiu uma corda da sua guitarra. A sorte foi-lhe madrasta quando passado umas malhas, Seth disse entre risadas “Shit guys, I broke another string”, interrompendo o concerto por mais uns minutos enquanto substituía a corda partida, o público esperou sem grande desespero. Depois destes inconvenientes o concerto foi rumo ao final, a banda não se deixou abalar e continuou energética, as pessoas continuavam a dançar e o moshpit ficou aceso até à última música, o ambiente perfeito para Useless Eaters, que decerto ficaram com uma boa impressão da sua primeira passagem por Portugal."

Texto: Tiago Farinha

+

Os Mogwai vão ao NOS Alive

Depois dos Chromeo, os Mogwai são a mais recente adição ao cartaz do NOS Alive.

O colectivo de post-rock escocês sobe ao palco Heineken no dia 11 do festival, o mesmo dia que os Jesus and Mary Chain e que os Sleaford Mods.

+

quarta-feira, 25 de março de 2015

[Review] Ermo - Amor Vezes Quatro EP


Amor Vezes Quatro // TOSSE // Março de 2015
8.2/10

Um. Depois dos vários adiamentos da data do lançamento do novo curta duração Amor Vezes Quatro, devido ao projecto paralelo Leviatã de Bernardo Barbosa e criação da TOSSE - nova editora portuguesa -, os Ermo finalmente editaram o novo EP, que sucede assim Vem Por Aqui, um dos melhores álbuns nacionais lançados em 2013.  Amor Vezes Quatro é curiosamente um conjunto de quatro canções, das quais a primeira metade tem na lírica, como tema subjacente, o amor. Aliás, logo em "Amor Vezes Quatro", a abertura deste curta duração, somos confrontados, novamente, com um "poema" sobre as questões existencialistas, através da análise do valor de amar, "Mas de que nos vale a vida em poder amar?". No seu total, trata-se de uma composição que apresenta o lado mais sombrio dos trabalhos dos Ermo.

Dois. À semelhança do anterior trabalho, o duo bracarense volta a apostar na lírica enriquecida, e "Súcubo", o primeiro single de avanço, é um dos singles que merece  destaque pela mensagem que transmite. Despido de uma produção luxuosa, o foco principal da faixa concentra-se na voz de António Costa, que incorpora um personagem  abandonado na sua solidão, enquanto procura loucamente por prazer: "Eu deito-me e toco-me"; "Como que tentando saciar uma fome que não é minha". A realidade é aqui razão de afastamento, pela tentativa de finalizar o lazer do referido personagem, e é-o de tal forma, que acaba por conduzir Amor Vezes Quatro, a mais um álbum adaptável a situações do dia a dia. E é este resultado consecutivo que faz dos Ermo uma das melhores bandas nacionais da actualidade, esta capacidade de retratar as díspares mentes de uma sociedade, através de uma lírica portuguesa. 

Três. Ainda dentro do tema da sexualidade, e desejo da procura do prazer, encontra-se "Fado Teu", segundo avanço deste curta duração, apresentado através de um instrumental bem mais optimista, dentro do ritmo de "Primavera" (Vem Por Aqui)Amor Vezes Quatro finaliza-se assim com "Recreio", a faixa com a maior exploração em termos instrumentais. Um símbolo da performance dos Ermo ao vivo, reproduzido em formato exclusivamente auditivo. António Costa volta a apostar na interpretação de múltiplas personagens  e canta-o de forma quase teatral na referida faixa. No entanto, Amor Vezes Quatro é um disco, no geral, mais calmo e introspectivo que o seu antecessor, o que não ocorre por uma maturidade acrescida, mas sim pela exploração afincada das excelentes capacidades do duo bracarense como artista, o que o torna igualmente numa obra de referência de 2015.

Quatro. Uma das particularidades dos Ermo é o facto de cada faixa produzida funcionar como algo independente, mas ao mesmo tempo enraízado nos restantes singles que a acompanham. À semelhança de Vem Por Aqui, o duo volta a apresentar um trabalho coerente e coeso, através de quatro composições muito boas, que juntas fazem deste curta duração, um registo da arte contemporânea na área musical.

+

We Are Open Season no Maus Hábitos a 17 de Abril


O We Are Open Season  surge na cidade do Porto, e na sua primeira edição, promete invadir o Maus Hábitos, como sinal de contra-cultura. Chegou o tempo da afirmação dos anos 10, e Open Season não é nenhum movimento, nenhum protesto, tão pouco algo que pretende ser histórico; é apenas a alternativa de tudo o que não sabemos depositar como crença.

A primeira edição acontece já no próximo dia 17 de Abril e contará com os Dj Set do Maze (Dealema), do No Future (Monster Jinx) e dos Drop the Saiyan (Estreia exclusiva).

Bilhetes: 3€. Informações adicionais aqui.



+

Maio, pesado Maio


Maio está incrível para os fãs de música pesada amigos. 

Reparem:

Dia 9 e 10 de Maio, vamos ter os Californianos Obliterations a apresentarem ao vivo o Poison Everything em Lisboa e no Porto, respectivamente. 

Uma semana depois, no dia 17 de Maio os Atomic Bitchwax vêm de New Jersey apresentar o seu mais recente trabalho, o Gravitron ao Porto

Nessa mesma semana, King Dude volta a Portugal apresentar o Fear, com datas marcadas para Lisboa e para o Porto.

Na semana seguinte, os Earth do mítico Dylan Carlson voltam a Portugal para apresentar o seu Primitive and Deadly e, esperemos nós, recordar algumas das grandes malhas do passado.
No Porto, os Earth fazem-se acompanhar dos Ermo e em Lisboa, do Filho da Mãe.

E isto é o que está agendado para já amigos.

+

Os Chromeo vão ao NOS Alive


Os Chromeo são a mais recente adição ao cartaz do NOS Alive.

A dupla formada por Patrick Gemayel e David Macklovitch vai passar pelo palco Heineken no dia 11, o mesmo dia que os Jesus and Mary Chain e os Sleaford Mods.





+

terça-feira, 24 de março de 2015

Reportagem: Linda Martini - Teatro Aveirense


Depois de um concerto poderoso a rasgar o clima de festa do Enterro de 2013, os Linda Martini voltaram a Aveiro, desta vez num espaço onde todos os espectadores têm bilhete para uma viagem de sonoridades melancólicas, intensas, rasgadas de sentimentos como saudade, perda e mudança, num rock alternativo com pitadas a post-rock, acarinhando tanto os fãs mais antigos como os novos curiosos. A verdade é que, já com 10 anos de carreira, os Linda Martini continuam sempre a surpreender com a sua inovação e renovação artística de álbum após álbum. E prova disso é o entusiasmo notório por parte do público, quando ouve os singles mais recentes nos concertos. Prova que a banda oriunda de Lisboa não vive do passado. 
Pairava um clima descontraído, antes do concerto, no Teatro Aveirense, que decorreu no passado dia 21 de Março. Com uma plateia esgotada, aqui e ali viam-se sorrisos e sentia-se um estado de espírito que estava quase a tornar-se fervoroso. Sabia-se bem o que aí vinha. Conversas animadas cobriam a área, com um público jovem, a rondar a faixa etária dos 18 aos 25 anos. Mas, volta e meia, apreciadores mais velhos também se destacavam, uns mais calmos, a apreciar o momento, introspectivos, outros a converterem-se ao espírito jovial. Quando as luzes se apagam, os instrumentos ganham presença uniforme e dão uma áurea única ao local. Entram em palco Cláudia Guerreiro (baixo), Hélio Morais (bateria), André Henriques (voz, guitarra) e Pedro Geraldes (guitarra). O público aplaude e a viagem começa. As melodias começam a ficar velozes, com uma bateria intensa e acordes esquizofrénicos, o rock habitual dos Linda Martini
A audácia dos fãs permite que larguem as cadeiras do teatro (passado três músicas) e sintam a emoção do concerto com os músicos, gesto muito bonito. Toda esta relação emotiva acompanha o espectáculo, numa setlist que dá enfoque ao último álbum lançado, Turbo Lento, que recebeu críticas muito positivas pela imprensa, chegou ao número 2 do Top Nacional (AFP) e atingiu o primeiro lugar do iTunes e Spotify, em Portugal. Mas os clássicos de Olhos de Mongol e o rock pesado de Casa Ocupada também estiveram presentes. Hélio Morais afirma mesmo que “é bom voltar fora de uma queima”, destacando a importância da ritualidade dos concertos da banda lisboeta. E com razão, todo o espectáculo foi conduzido tanto pela banda como pelo público: refrões e passagens cantadas como se de um hino se tratasse, saltos de contemplação repleta de adrenalina e gritos de admiração ecoavam pelo teatro. 
Pontos altos do concerto inserem-se fundamentalmente com a entrada da música “Partir para ficar”, clássico dos Linda Martini. A partir do momento em que a letra “Mãe, eu quero ficar sozinho” se destaca, há uma metamorfose espiritual no Teatro Aveirense: o público deixa-se embalar pelo diálogo e tons negros da canção, muitos com os olhos fechados, a apreciar os versos de José Mário Branco, um dos mais violentos poemas políticos escritos em língua portuguesa; “Ratos” trouxe momentos mais intensos, com os fãs num estado exorbitante; “Panteão” também merece destaque pelos cânticos em conjunto e entusiasmo dos ouvintes; “Volta”, embora em tons mais secos, não desiludiu, catapultando-nos para uma viagem com melodias mais suaves. 
Obviamente que todas as canções tiveram a sua natureza em palco, mas não se pode deixar de destacar o clássico “Amor Combate”, a fechar as portas do concerto. É impossível não se render ao seu êxtase e aos momentos emocionantes que a banda e o público transmitem. Um cântico que faz jus aos arrepios que se sente e a uma imersão na melodia difícil de dar conta. E é isto que faz dos Linda Martini uma das melhores bandas nacionais, com uma carreira notável e já com um legado especial. Como é óbvio, os concertos já não apresentam o factor surpresa que apresentavam há cinco ou seis anos atrás, mas, mesmo assim, é de congratular o caminho que a banda percorre. Porque os Linda Martini são "feitos de algo mais, que não tem forma nem razão”. 


Texto e Fotografia: Mário Jader


+

The Lemon Lovers apresentam álbum de estreia


Os The Lemon Lovers vão lançar o seu álbum de estreia, Loud, Sexy & Rude, dia 27 de Março. O álbum foi masterizado por Brian Lucey, que já trabalhou com artistas como The Black Keys, Arctic Monkeys e Chet Faker

O álbum será apresentado em dois concertos, nos dias 26 e 28 de Março. O primeiro será no Porto, no Radio Bar, com primeira parte pelos The Wild Booze; o segundo será no Sabotage Club, em Lisboa.

+

John Dwyer (Thee Oh Sees) anuncia segundo álbum a solo


John Dwyer, líder dos Thee Oh Sees, anunciou hoje Cold Hot Plumbs, o seu segundo álbum como Damaged Bug. O sucessor de Hubba Bubba estará disponível dia 1 de Junho e será editado pelo sua própria editora, a Castle Face Records. 

Ouçam "The Mirror", o primeiro single do álbum, aqui.

Tracklist:
01 Exactly What You Think
02 What Cheer
03 The Mirror
04 Jet In Jungle
05 Der Mond
06 The Frog
07 Cough Pills
08 Structure Image Exterior (edit)
09 Grape Basement
10 Very
11 Cone
12 Deep Bore Drill Worker
13 Mega Structure
14 Transmute

+

King Gizzard & The Lizard Wizard anunciam "Quarters"


Os King Gizzard & The Lizard Wizard anunciaram hoje o seu quinto álbum. Quarters será lançado dia 11 de Maio pela Castle Face Records.

O primeiro single do álbum, "God Is In the Rhythm", já pode ser ouvido aqui:

Track List:
01. "The River"
02. "Infinite Rise"
03. "God Is In The Rhythm"
04. "Lonely Steel Sheet Flyer"

+

STREAM: Godspeed You! Black Emperor - Asunder, Sweet And Other Distress


Os canadianos Godspeed You! Black Emperor vão lançar o seu novo trabalho de estúdio na próxima terça-feira, no entanto a banda está a diponibiizá-lo para audição gratuita, via soundcloud. O álbum sucede assim Allelujah! Don’t Bend! Ascend! (2012).

Asunder, Sweet And Other Distress tem data de lançamento prevista para 31 de Março via Constellation.


+

Jamie XX anuncia primeiro álbum a solo

Jamie XX, membro dos The XX, vai editar o seu primeiro álbum de orginais a solo em Junho pela selo da Young Turks, depois de em 2011 ter editado um álbum de remixes em colaboração com Gill Scott Heron. O álbum terá como nome In Colour e conta com as participações de Four Tet e Romy Madley Croft, dos também The XX.
"Sleep Sound" é uma das músicas que fará parte de In Colour:

+

Quatro novas confirmações para o Super Bock Super Rock


O Super Bock Super Rock começou o dia em grande e confirmou quatro bandas que irão fazer parte do cartaz do festival. Os Bombay Bicycle Club, os The Drums e as Savages tocam dia 17 de Julho, enquanto os Palma Violets tocam dia 18.

O cartaz do festival conta também com artistas como Blur, Noel Gallagher's High Flying Birds, dEUS, Crystal Fighters e FFS.

+

Stream: Z G A - Garganta Arranhada

José Gilherme Almeida vai editar o seu primeiro EP Gargant Arranhada sob o nome do projecto Z G A. Ainda em Fevereiro estava a dar os primeiros passos como produtor e hoje pela mão da TOSSE, edita o seu primeiro trabalho.  Conta com colaborações de vários artistas como Ermo, ATILLLA, Bruma, Coelho Radioactivo, Leviatã, Os Flamingos e Moxila.


+

segunda-feira, 23 de março de 2015

Los Black Jews + Sun Blossoms no warm-up do Lisbon Psych Fest


Foi hoje divulgado o cartaz oficial do Warm-Up da primeira edição do Lisbon Psych Fest. Este aquecimento tem lugar no Sabotage Club no próximo dia 3 de Abril e traz em estreia a palcos nacionais Sun Blossoms que apresentará em primeira mão os temas do seu primeiro álbum de estúdio, ainda com data de lançamento por anunciar. Juntamente ao guitarrista juntam-se os Los Black Jews que trazem na bagagem os temas do seu primeiro curta duração, onde é já conhecida a faixa "III-Gotten-Gains".

Com início às 22.00H, as entradas têm um custo de apenas boa disposição para fazer a festa.


+

STREAM: Sufjan Stevens - Carrie & Lowell


Sufjan Stevens disponibilizou para audição gratuita o seu novo aguardado álbum Carrie & Lowell, uma semana antes de ser editado. O álbum é uma homenagem ao seu padrasto e mãe e sucede The Age Of Adz (2010).

Carrie & Lowell tem data de lançamento a 30 de Março via Asthmatic Kitty.


+

Earl Sweatshirt lança "I Don’t Like Sh*t, I Don’t Go Outside: An Album by Earl Sweatshirt"

O novo de álbum de Earl Sweatshirt saiu hoje.
I Don’t Like Sh*t, I Don’t Go Outside: An Album by Earl Sweatshirt já está disponível no iTunes e aqui em baixo podem ouvir a faixa "Wool", feita em colaboração com Vince Staples.

+

Golden Slumbers + O Martim em Torres Vedras a 28 de Março


A Transforma volta a apresentar mais um JAMMIN, desta vez em parceria com a Azáfama Produções. A nova edição deste evento volta a ter lugar na Caixa, situada na Praça do Município, Torres Vedras e trará a palcos O Martim, projecto a solo de Martim Torres, e o duo feminino Golden Slumbers que apresentará o seu EP de estreia I Found The Key (2014). O mesmo duo lançará o seu primeiro longa duração no Outono do presente ano.

  Local: Transforma.CAIXA, Praça Município, 8 – Torres Vedras 
Horário: 22h 
Abertura portas: 21h30 
Bilhetes: 4€ - disponíveis no local, no próprio dia


+