sábado, 27 de junho de 2015

Riding Rhino e Little Jesus no Bango em Benedita


O Bango é um festival de música e artes que acontece na Vila de Benedita (Alcobaça) anualmente. Depois de, nas edições passadas ter trazido aos palcos nomes como Samuel Úria, Los Waves e Uxu Kalhus, este ano pousam em terras beneditenses, os mexicanos Little Jesus em função da mais recente digressão a passar por Espanha, onde tocam no dia 10 de julho. No dia seguinte, sobem ao palco os portugueses Riding Rhino. O festival conta ainda com outras bandas, e o alinhamento segue abaixo.

Este ano o Bango decorre de 10 e 11 de Julho, sendo os possíveis lucros usados na concessão de Bolsas de Estudo a jovens universitários com grandes capacidades mas com extremas dificuldades económicas. A entrada para os dois dias é gratuita.




+

Foto-Reportagem: Moullinex - Hard Club [Porto]



No passado dia 19 de Junho, os Moullinex apresentaram-se como banda completa, no Hard Club, Porto, para apresentar o seu segundo álbum, Elsewhere. Fica aqui a foto-reportagem: 


















Fotografia: Mário Jader

+

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Isto não é o Milhões de Festa



Não se confundam as coisas: há apenas um Milhões de Festa neste Portugal à beira-mar plantado. Mas porque a melhor festa do verão merece um aquecimento apropriado às temperaturas e aos ânimos, o tradicional Isto não é o Milhões de Festa vai sair da casca e tomar de assalto o país com sete festas rijas.

A programação foca-se no espírito do festival, assegurando bandas que por lá passaram e que boas memórias deixaram, dos quais se destacam os radicados no Reino Unido Flamingods e o senhor-serpente, Jibóia, que protagonizou a maior experiência de encerramentos e palco principal a que Barcelos já assistiu.

O Isto não é o Milhões de Festa marca, ainda, uma parceria com o Tradiio, plataforma de música que traz Duquesa e os Galgo para os alinhamentos dos melhores aquecimentos do ano, que se estenderão até ao dia D, 23 de Julho.

As celebrações começam já no próximo dia 27 de Junho em Lisboa, no Clara Clara Café do Jardim Botto Machado, com actuações de Jibóia, Galgo, LAmA e pós-festa assegurada pelo soundsystem da Lovers & Lollypops. Como boa festa, será de entrada livre.

Eis o programa de festas do santo Milhões, padroeiro da piscina e da boa onda barcelense:

Sábado, 27 de Junho 16h
Clara Clara Café no Jardim Botto Machado, Lisboa
Entrada Livre
JIBÓIA
Galgo
LAmA
Org: Lounge

Domingo, 28 de Junho 16h
Aqui Base Tango, Coimbra
3€
Duquesa
Tresor&Bosxh
Hysterical One Man Orchestra
L&L Soundsystem
Org: Erro Crasso

Sábado, 04 de Julho, 17h
TBA, Vila Real
Killimanjaro
Equations
L&L Soundsystem
Org: Covilhete na Mão

Domingo, 05 de Julho, 17h
TBA, Alcobaça
Equations
TBA
Lovers & Lollypops Soundsystem
Org: YAYAYEAH

Quinta, 09 de Julho, 18h
Maus Hábitos, Porto
7€
Flamingods
Killimanjaro
Duquesa
Lovers & Lollypops Soundsystem
Org: Lovers & Lollypops

Sexta, 10 de Julho, 22h
Comemorações do 26º Aniversário da RUM
Salão Medieval, Braga
Entrada Livre
Duquesa
HOMO/ Hysterical One Man Orchestra
Org: RUM

Sábado, 11 de Julho, 22h
Porta 11, Monção
Entrada Livre
Plus Ultra
L&L Soundsystem
Org: Porta 11

Sexta, 17 de Julho 18h
Casazul, Barcelos
5€
Memória de Peixe
Killimanjaro
Duquesa
Org: Lovers & Lollypops


Os portadores de bilhete para o Milhões de Festa'15 terão desconto de 50% nas festas de apresentação.

+

Matmos este fim-de-semana em concerto e workshop no GNRation


Drew Daniel e Martin Schmidt formam os Matmos, conceituada dupla de música eletrónica que se estreiam em Portugal este fim-de-semana.

Matmos procuraram sempre ao longo do seu trabalho partir de conceitos elaborados e o registo mais recente na discografia dos norte-americanos, The Marriage of True Minds, com selo da conceituada Thril Jockey,  não é, nesse aspeto, um exercício diferente. É a ideia de telepatia que anima o disco, com uma série de experiências conduzidas de forma mais ou menos científica a servir de ponto de partida para o disco.



O duo norte-americano é também responsável pelo Workshop "Poetics and Practicalities of Electronic Sound / Music" onde abordarão a sua forma de trabalhar o som e de compor música de uma forma teórica e prática.

Número máximo de participantes: 20 Duração: 5 horas

Nota: caso os participantes pretendam partilhar algum do seu trabalho para escuta, deverão fazê-lo nos seguintes formatos: CD ou ficheiros “.wav” e “.aiff”

O concerto ocorre este Sábado, 27 de Junho, pelas 22:30 no Pátio Exterior, enquanto o workshop ocorre no Domingo, 28 de Junho, pelas 14:00 no Blackbox. Quantos aos bilhetes, o concerto custa 9€, o workshop 10€ e o pack de ambas as opções 15€. Podem ser adquirido através da bilheteira online – https://gnration.bol.pt – ou no balcão do GNRation.

+

William Basinski no Amplifest



William Basinski é a mais recente confirmação para a próxima edição do Amplifest, a decorrer nos dias 19 e 20 de Setembro. O artista, que irá apresentar Cascade, o seu mais recente trabalho, junta-se a nomes como Altar of Plagues, Amenra, Converge, Emma Ruth Rundle e Metz, que também estarão presentes no Hard Club.

Os passes gerais custam 59€, e os bilhetes diários, que estarão disponíveis em breve, vão ter o preço de 39€.

+

quinta-feira, 25 de junho de 2015

STREAM: Refused - Freedom


Freedom, álbum que marca o fim a pausa de 17 anos dos trabalhos de estúdio dos suecos Refused está disponível para audição gratuita na íntegra. Depois do primeiro avanço sob o nome de "Elektra", em abril, agora todo o álbum pode ser ouvido, abaixo.

Freedom é editado dia 29 junho via Epitaph Records.


+

Country Playground lançam "Turdus Merula" a 20 de Julho


Os Country Playground são uma banda recente, têm apenas um ano de existência mas os membros andam há muito nas lides do rock’n’roll. Rodrigo Cavalheiro, baterista e vocalista dos Born a Lion, e Fernando Silva, ex-guitarrista dos leirienses e extintos Canker Bit Jesus, juntaram-se para fazer aquilo a que, em tom de brincadeira, chamam electric farmer rock.

É já no dia 20 de Julho que editam o seu primeiro álbum de originais Turdus Merula




Turdus Merula é composto por 7 temas originais. Uma edição de autor feita em tempo record, entre Maio e Agosto de 2014. Desde então, tem estado na gaveta à espera de quem o editasse, ou para ser lançado apenas em formato digital pela banda.
De disco na mão e à procura da melhor forma de o fazer chegar ao público, Rodrigo Cavalheiro e Fernando Silva chegaram até à Preguiça Magazine que decidiu editar o álbum. 

De sonoridade rock com forte influência country, Turdus Merula resume-se em sete “canções de amor, de dor e lamento”, que homenageiam e se inspiram em Neil Young, Johnny Cash, Buffalo Springfield, Willie Nelson, Towns Van Zandt, entre outras entidades do universo country que, com Turdus Merula, se assume em formato electrificado. O concerto de apresentação ocorre no dia 18 Julho no Beat Club, Leiria


​​Alinhamento:
1. Grandpa's Grave
2. Sand Woman
3. My Last Love Song
4. Seas Of Blood
5. Song For Neil
6. Down To Mexico 
7. Golden Field

+

Em Entrevista: André Barros

Estivemos à conversa com o André Barros, um dos melhores compositores nacionais, que em Maio 2015 editou pela Omnichord Records o seu segundo álbum Soundtracks Vol.I, onde reuniu as várias músicas que compôs para bandas sonoras.

Threshold Magazine: Olá André, tudo bem?

André Barros: Tudo óptimo! Obrigado pelo convite :)

TM: Como correram os concertos que deste na Casa da Música e no CCB agora em Junho?

AB: Os concertos correram bem e a reacção do público foi muito calorosa! Foi, de facto, um privilégio para mim poder pisar aqueles palcos, ainda para mais com as condições fantásticas que me proporcionaram, desde o desenho de luz ao técnico de som que me acompanhou, foram sem sombra de dúvida dois momentos que guardarei com muito carinho.

TM: O teu segundo disco Soundtracks Vol. I foi editado no final do mês passado. Como é que têm sido as reacções ao teu novo trabalho?

AB: Tenho tido a felicidade de ter uma forte promoção ao disco, o que desde logo permitiu receber várias opiniões sobre o mesmo e que têm sido, felizmente, bastante positivas! É extraordinário perceber que um disco “invulgar” (pois não é assim tão comum editar-se compilações de bandas sonoras em Portugal) pode ser tão bem acolhido pelo público em geral e despertar nele o interesse em assistirem às minhas actuações ao vivo. Têm sido umas semanas muito gratificantes para mim e para a minha editora.

TM: Ao ouvir Soundtracks Vol. I notamos algumas influências de Yann Tiersen, especialmente na música “The Passenger Who Never Left”, e Rodrigo Leão em “Babacar”. Podes-nos dizer quais as maiores influências na criação da tua música?

AB: Não tenho qualquer dúvida que esses, e tantos outros nomes de compositores conhecidos do público em geral, possam ser lembrados aquando do contacto com o meu trabalho, pois são, de facto, enormes influências minhas e que, invariavelmente e de forma muito intuitiva e irracional, contribuem para o meu processo criativo. Entre outros compositores/músicos que aprecio muito - dentro deste género musical - estão o Max Richter, Ólafur Arnalds, Wim Mertens, Clint Mansell, Philip Glass, Abel Korzeniowski, o agora falecido James Horner, entre tantos outros.

TM: Como é que normalmente funciona o processo criativo para produzir uma banda sonora? Segues as ordens do realizador e pegas na temática do filme para compor ou compões livremente e só depois a tua música é selecionada para fazer parte da banda sonora?

AB: O mais comum é ser-me enviado o guião do filme (antes mesmo de haver quaisquer filmagens) e eu começar, desde logo, a trabalhar em aquilo que poderá ser um possível tema principal. Vou também, logo aí, descobrindo qual a sonoridade geral que o filme procura e pensando na instrumentação a usar. De seguida, o realizador/produtora envia-me o chamado “rough cut” que poderá ser já do filme completo, ou apenas de algumas cenas em particular, e então aí começo a compor com mais detalhe, desenvolvendo possíveis temas de personagens e lentamente vamos sonorizando todo o filme até ter o aval final do realizador. Posso dizer que, normalmente, tenho imensa margem de manobra e que, invariavelmente (por sorte!), os realizadores têm gostado dos meus temas desde uma fase muito inicial, o que ajuda imenso no cumprir de prazos, sobrando mais tempo para afinar determinados detalhes antes da gravação final.

TM: Há algum realizador em especial com quem gostasses de trabalhar?

AB: Entre tantos e tantos nomes, posso destacar talvez o David Lynch se este voltasse a apostar num projecto semelhante ao The Straight Story (sendo que este foi um filme com uma toada bem diferente daquilo a que nos acostumou habitualmente)!

TM: E compositor ou músico? Por exemplo, The Legendary Tigerman e os escoceses Mogwai já participaram em algumas bandas sonoras…

AB: É uma resposta bem difícil de dar, pois há um sem número de músicos/projectos com quem adoraria trabalhar, portugueses e estrangeiros claro! Estes dois nomes seriam excelentes escolhas! Mas se tivesse de dar agora uma nome, talvez escolhesse o Kjartan Sveinsson, ex-pianista dos Sigur Rós, com quem aliás estive algumas vezes durante o meu estágio no Sundlaugin Studio, na Islândia. É um músico e compositor cujo trabalhou sempre me fascinou!

TM: Como é que te sentes ao saber que o teu nome já chegou a sítios tão conceituados como o festival de cinema de Cannes?

AB: É, acima de tudo, um privilégio poder ter já participado em projectos que têm tido excelentes críticas nos circuitos de festivais que fazem, e tudo isto funciona tão somente como um enorme estímulo para continuar com o bom trabalho e não desistir perante quaisquer adversidades, que infelizmente assolam a indústria da música e das artes em geral!

TM: Conta-nos como foi a tua experiência na Islândia. Como é viver num país tão diferente do nosso?

AB: Tive a possibilidade de estagiar no mítico Sundlaugin Studio (Álafoss, a cerca de 20/30 kms de Reykjavik), fundado pelo Sigur Rós, e é inegável que este tem uma mística qualquer que, inevitavelmente, passará pelo acolher os projectos desta banda que tem tido um impacto profundo no panorama actual da música. Desde a simplicidade, o rigor e a tranquilidade que reinam no estúdio durante as sessões de gravação, ajudando-me a amadurecer tantos aspectos da produção musical, à imponência visual profundamente deslumbrante daquele País passando pela vivência junto daquele povo tão peculiar e com quem podemos também muito aprender, tudo isto ficará para sempre comigo e influi naturalmente no meu processo criativo ainda hoje, ajudando-me a alimentar e a moldar a visão que procuro para o meu trabalho em geral. A experiência não poderia ter sido melhor! Nas diferenças culturais acentuadas e nas paisagens tão distintas das que estamos habituados, encontramos muitos pontos de contacto e, embora seja um pouco cliché dizer isto, acabamos por constatar que somos todos iguais independentemente da zona do globo onde vivemos!

TM: Pensas que se tivesses ficado em Portugal terias desenvolvido a tua educação musical como fizeste na Islândia? 

AB: Sim, acredito que sim. A experiência na Islândia foi de uma importância enorme para que pudesse estimular a minha vontade de singrar na música, embora ainda assim acredite que não haja sido decisiva nesta decisão. Absorvi ao máximo todo e qualquer ensinamento que me haja sido transmitido durante aquela estadia mas teria seguido este meu sonho independentemente do estágio ter acontecido ou não.

TM: Dada a situação atual da cultura portuguesa, pensas que se tivesses permanecido por cá terias tido a oportunidade de ter gravado o teu primeiro trabalho?

AB: Sim, claro que sim. É mais do que evidente que a indústria da música se encontra demasiado estrangulada pelas dificuldades notórias por que todos nós passamos, ainda assim com um investimento e empenho pessoais, tudo é concretizável, pelo menos até determinado momento... chegado este ponto - aquele em que temos de ser completamente autónomos e independentes sobrevivendo exclusivamente dá música – temos de tentar tudo por tudo para assegurar que a música não se tornou meramente um hobby mas sim algo do qual consigamos tirar o nosso sustento e, no meu caso, as bandas sonoras têm sido o meu balão de oxigénio.

TM: Quais são os planos para o futuro? Há já algumas músicas para bandas sonoras em mente?

AB: Terminei, muito recentemente, uma nova banda sonora – para a longa-metragem de ficção de Oliver Salk – e estou, neste momento, a trabalhar em mais duas bandas sonoras (para uma curta de ficção e para uma longa documental). De momento, para além de estar ocupado com o compor para bandas sonoras, estou também a ter alguns concertos de apresentação deste meu novo disco (tocando, no entanto, também vários temas do meu primeiro álbum Circustances), e vou ainda desenvolvendo o projecto que criei com a minha namorada, Joana Santos – os Melodium (www.melodiumproject.com), um projecto muito interessante que tem composições minhas para violoncelo a solo, interpretadas ao vivo por uma violoncelista e coreografadas e dançadas a solo pela Joana, tanto em dança clássica como contemporânea.

TM: Tens alguma banda sonora favorita?

AB: Tenho algumas que estão no mesmo patamar de eleição, mas destacaria talvez a de The Straight Story, do compositor Angelo Badalamenti.

TM: O que tens ouvido nas últimas semanas?

AB: Abel Korzeniowski e o português Valter Lobo!

TM: Esperamos que tenhas gostado da entrevista.

+

Plus Ultra, Big Red Panda e The Electric Reeds no Indie Music Fest


Plus Ultra, Big Red Panda e The Electric Reeds são as mais recentes confirmações do Indie Music Fest no Bosque do Choupal em Baltar.

Com um cartaz que promete ser de luxo nacional, os confirmados até ao momento estão Brass Wires Orchestra, Keep Razors Sharp, Thunder & Co., Capitães da Areia, Plus Ultra, Bispo, Les Crazy Coconuts, Toulouse, Old Yellow Jack, Stone Dead, Taipa + The BlackBirds, Big Red Panda, The Electric Reeds e Solution. Num total de 14 artistas já confirmados até ao momento, o Indie Music Fest 2015 reserva ainda muitas mais surpresas e novidades na próxima semana.

O Indie Music Fest regressa nos dias 3, 4 e 5 de Setembro, com o Bosque do Choupal que será palco da celebração artística independente e vem com a responsabilidade do prémio de “Melhor Micro Festival” ganho na última edição dos “Portugal Festival Awards”, mas com a intenção de ainda melhorar o Festival do Bosque.





Até ao dia 31 de Julho estão ainda disponíveis os passes gerais com preço promocional de 20€ com campismo e transferes grátis da estação da CP para o recinto e vice versa, sendo que o valor aumenta para 25€ no dia 1 de Agosto. 


Os bilhetes estão à venda na plataforma www.bol.pt, lojas Fnac, Worten, SportZone,Ctt e nos locais habituais. 

+

Lloyd Cole em concerto eletrónico no GNRation


O músico britânico Lloyd Cole apresentará em Braga, em estreia nacional e numa rara aparição em termos mundiais, as suas peças eletrónicas baseadas no trabalho com sintetizadores modulares. Em contexto de residência artística, desenvolverá temas onde contará com Miguel Pedro e António Rafael, dos bracarenses Mão Morta, como convidados e escolhidos pelo próprio músico. O espetáculo realiza-se a 16 de Setembro e os bilhetes estão já à venda e têm o custo de 12€.

+

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Sad Lovers & Giants estreiam-se em Portugal


Os ingleses Sad Lovers & Giants vão estrear-se em Portugal com dois concertos em Fevereiro de 2016. Dia 5 no Hard Club (Porto) e dia 6 na Caixa Económica Operária (Lisboa). Os concertos são organizados, respectivamente, pela Muzik Is My Oyster e pel'A Comissão.

A banda de pós-punk lançou os seus álbuns mais famosos e conceituados nos anos 80. São principalmente conhecidos por Epic Garden Music e Feeding the Flame.


+

10.000 Russos apresentam o álbum de estreia no Sabotage Club



Os 10.000 Russos actuam este sábado no Sabotage Club em modo de aprensentação do seu álbum de estreia homónimo, editado no mês passado e distribuÍdo mundialmente pelo selo de culto, Fuzz Club Records (Underground Youth, Lola Colt, Sonic Jesus, etc...). 
O concerto tem início marcado para as 22h e tem o custo de 4€.

Fiquem a conhecer o álbum homónimo dos 10.000 Russos, apresentando seis temas em 43 minutos de viagem psicadélica e mantras eléctricos. 

+

La Luz na Casa Independente em Outubro


As La Luz são a primeira confirmação da festa de comemoração dos 3 anos da Casa Independente. É a primeira vez que o quarteto de Seattle vêm ao nosso país actuar, em modo de apresentação do seu segundo álbum de orginais Weirdo Shrine, produzido pelo enorme Ty Segall.

O concerto está marcado para o dia 11 de Outubro e tem o custo de 10€.

+

Clube Z este domingo na Galeria Zé dos Bois


A Galeria Zé dos Bois veio mais uma vez saudar-nos com o Clube Z, um evento mensal que começa a ganhar raízes nos nossos corações, tanto pela musica, como pelo espaço perfeito da ZDB para se passar uma tarde de verão. Desta vez com concertos de Lourenço Crespo, BISPO, PISTA, e com a estreia nacional dos garage rockers espanhóis, The Parrots. Apareçam pela ZDB este fim de semana para ouvir boa música, beber uma cerveja, e desfrutar de uma tarde agradável no Bairro Alto.


The Parrots




PISTA




BISPO

+

terça-feira, 23 de junho de 2015

Matias Aguayo no Milhões de Festa


Há mexidas de última hora no alinhamento do Milhões de Festa. O germano-chileno Matias Aguayo é o novo nome a ser adicionado ao cartaz. O produtor vai actuar na Piscina Ginga Beat Red Bull Music Academy Radio a 24 de Julho.


Por seu lado, e por motivos alheios à organização, os Peaking Lights deslocar-se-ão até Barcelos sem Indra Dunnis, sendo que Aaron Coyes, a demais metade do projecto, se apresentará a solo sob o epíteto Peaking Lights (Acid Test).

Os bilhetes diários para o Milhões de Festa’15, que decorre de 23 a 26 de Julho na Parque Fluvial de Barcelos, custam 30€ e já encontram disponívies.


Eis, ainda, os artistas que actuarão na oitava edição do Milhões de Festa distribuídos por dias:

23 de Julho

Happy Meals, Riding Pânico, Live Low, Corona na Casa, Cave Story, Ekco Deck, Anthony Chalmers (Baba Yaga’s Hut), Raw Decimating Brutality, Lodge, TAO, Ensemble Insano, DJs da Casa

24 de Julho

Deerhoof, THEESatisfaction, All We Are, PERC Live, Tijuana Panthers, Matias Aguayo, The Cosmic Dead, Hemdale, Golden Teacher, HHY & the Macumbas, Al Doum & The Faryds, Solution, Hitchpop, Noz, Yong Yong, O Gringo Sou Eu, Tocha Pestana, Tresor & Bosxh, Toulouse

25 de Julho

Michael Rother plays NEU! & Harmonia & solo works, Peaking Lights (Acid Test), Islam Chipsy, Chancha Via Circuito, Hey Colossus, Grumbling Fur, The Holydrug Couple, Drunk in Hell, Anthroprophh, Tiago, Basic House, Éme, LAmA, Ratere, The Sunflowers, Go!Zilla, Concorrência, MMMOOONNNOOO, Salvador & Las Putas, Suomo

26 de Julho

Goblin, The Bug (feat Flowdan & Manga), Al Lover, Branko, Cairo Liberation Front, Meridian Brothers, The Paradise Bangkok Molam International Band, Gum Takes Tooth, dreamweapon, MEDEIROS/LUCAS, Pista, Chris Menist + Maft Sai, Plus Ultra, La Flama Blanca, Test, D.E.R., Wanderer, Milteto, Vive Les Cones, Asfalto, Bezbog, Batsaykhantüül

+

MATERNIDADE apresenta Pedro Sousa & Rabu Mazda + Colin Min Sai + Y-Gant Y-Tan + Humble Babies DJ SET


A MATERNIDADE está a organizar mais uma noite no DAMAS Bar no próximo dia 27 de Junho que conta com a actuação inédita do Pedro Sousa com o Rabu Mazda, concertos de Colin Min Sai e Y-Gant Y-Tan e DJ SET de Humble Babies. O evento tem o custo de 3€. 

Fiquem a conhecer um pouco mais sobre os projectos que vão passar pelo DAMAS Bar.

Pedro Sousa & Rabu Mazda

"Saxofonista extraordinaire de uma nova geração de músicos interessados em fazer da exploração um sítio lindo para se estar, Pedro Sousa tem tocado com meio mundo (do duo com Gabriel Ferrandini aos EITR, com passagem pelos Pão e incontáveis encontros ad-hoc) num contínuo de depuração harmónica e formal das capacidades do instrumento.”
Rabu Mazda é Leonardo Bindilatti, baterista apoteótico de Putas Bêbadas, DJ sentimental dos Kridinhux e excelso produtor da Cafetra Records (responsável pela produção do novo disco “Alfarroba” das Pega Monstro). A música de Rabu Mazda é feita em camadas com samples ora numa velocidade frenética, ora num ritmo sensual. 

 
Colin Min Sai

Colin Min Sai é o projecto bedroom pop de Sara Nunes Fernandes, artista plástica setubalense. Criadas em casa numa experimentação descomprometida, as suas canções com baixa fidelidade viajam de lojas de bagels londrinas para destinos de férias em canções como “Aloha means Hello”. Tocando em banda com os amigos Jack and Rosie quando estava em Londres, este será o seu primeiro concerto a solo desde o seu recente regresso a Portugal.

Yan-Gant Y-Tan

Yan-Gant Y-Tan, projecto indefinido a solo, cria ambientes repetitivos organizados aleatoriamente numa massa sonora, conduzida por uma guitarra e os seus efeitos. Experimental no processo de criação, à parte de género que o rotule, à procura do ponto de chegada à sonoridade pretendida através da improvisação e do acaso.



 Humble Babies DJ SET

Humble Babies são Van Ayres e Búri Búri a passar som no campo genreless, recusando categorizar-se e prometendo horas cheias de vontade de dançar. Pronunciando-se sobre eles próprios, disseram: “Fake Humble Life, we in da game, u not. Keep up or give up. We ain't got time 4 all yo bublle troubles. Vibe kill my bitch. Lonely sounds, real lies. New lifestyle is the new black. Swimmers are winners. Playin tha humble technolo G while dancin under a sakura tree.”

+

New Order anuncia novo álbum para Setembro

As lendas do New Wave New Order vão editar este o seu décimo trabalho de estúdio. O sucessor do último Lost Sirens, de 2013,  é intitulado de Music Complete e vai ser editado a 25 de Setembro via Mute.

Music Complete foi produzido pela própria banda, com excepção dos temas "Singularity" e "Unlearn This Hatred", produzidos por Tom Rowlands dos Chemical Brothers, e "Superheated" por Stuart Price. Este é o primeiro álbum dos New Order sem Peter Hook.

Já está disponível um teaser do novo trabalho e em cima está a capa do décimo álbum dos New Order.



Music Complete Tracklist:
01. Restless
02. Singularity
03. Plastic
04. Tutti Frutti
05. People On The High Line
06. Stray Dog
07. Academic
08. Nothing But A Fool
09. Unlearn This Hatred
10. The Game
11. Superheated

+

segunda-feira, 22 de junho de 2015

STREAM: Four Tet - Morning/Evening


Kieran Hebden, mais conhecido pelo seu projecto Four Tet, decidiu mostrar o seu novo trabalho mais cedo do que tinha anunciado anteriormente, em modo de celebração do solstício de verão. Morning/Evening já pode ser ouvido no Bandcamp do artista, e é editado em formato físico a 10 de Julho. 

+

Soft Moon entre as últimas confirmações do Festival Paredes de Coura


O projecto de Luis Vasquez, mais conhecido por The Soft Moon é a mais recente confirmação do Paredes de Coura, com actuação marcada para o último dia do festival. Completam também o cartaz Mirror People, Tanlines, Richard Fearless, Sascha Funke, Nuno Lopes e DJ FRA

 
O cartaz já se encontra fechado. Consultem-no em baixo:

19 de agosto: Gala Drop, Slowdive, TV On the Radio, Blood Red Shoes, Ceremony 
20 de Agosto: Steve Gunn, Iceage, White Fence, Pond, Fuzz, Father John Misty, Tame Impala, peixe:avião, Hinds, Mirror People e Nuno Lopes
21 de agosto: X-Wife, Waxahatchee, Allah-Las, Mark Lanegan Band, Charles Bradley and his Extraordinaires, The War on Drugs, Merchandise, Nicole Eitner and The Citizens, Grupo de Expertos Solynieve, Tanlines e Richard Fearless
22 de agosto: Sylvan Esso, Banda do Mar, Natalie Prass, Woods, Ratatat, Temples, Lykke Li, The Legendary Tigerman, Holy Nothing, The Soft Moon e Sascha Funk

O festival decorre entre os dias 19 e 22 de agosto, na Praia Fluvial do Taboão, em Paredes de Coura. Os passes gerais têm um preço de 85€. 

+

domingo, 21 de junho de 2015

Vídeos da Semana#52


Oiseaux-Tempête, Beirut, Refused, Ghostpoet e Death Cab For Cutie, são as escolhas desta semana para mais uma rubrica de vídeos. Os respetivos trabalhos audiovisuais poderão ser vistos abaixo.

1 - Oiseaux-Tempête - "Requiem for Tony"

2 - Beirut - "No No No"

3 - Refused - "Dawkins Christ"

4 - Ghostpoet - "Sorry My Love, It's You Not Me"

5 - Death Cab for Cutie - "The Ghosts of Beverly Drive"

+