sábado, 26 de setembro de 2015

Vídeos da Semana #62


Esta semana saíram muito bons trabalhos na indústria do audiovisual, de apontar o vídeo para "Nothing Baby" dos Froth como um dos melhores vídeos do ano, e Autre Ne Veut como um dos melhores da semana. Fora isso, ficam em baixo para ver os trabalhos de The Libertines, Gun Outfit, Dilly Dally e Julia Holter.


1 - Autre Ne Veut - "Age of Transparency"

2 - The Libertines - "Heart Of The Matter"

3 - Dilly Dally - "Purple Rage"

4 - Gun Outfit - "Legends of My Own"

5 - Julia Holter - "Betsy on the Roof"


+

Youthless apresentam novo single e lançam novo álbum em 2016


O lançamento do primeiro single “Golden Spoon” marca o regresso dos Youthless que anunciam agora o lançamento do seu próximo disco This Glorious No Age. O novo álbum vai ser editado no início de 2016, em Portugal pela NOS Discos e em Inglaterra pela Club.The.Mammoth/ Kartel Music Group.

Os Youthless são formados pelo londrino Sebastiano Ferranti (baixo e vozes) e pelo nova iorquino Alex Klimovitsky (bateria, sintetizador e vozes), com ambos a viver, surfar e compôr em Portugal. Em 2011 gravaram em Londres Telemachy com produção de Rory Attwell (Palma Violets, The Vaccines, Big Deal), abriram para bandas como The Horrors, Crystal Castles e John Maus, viram as suas músicas serem remisturadas por Olugbenga (Metronomy) e foram elogiados pela BBC1, NME e Drowned in Sound

Quando estavam prestes a ir para o Festival Eurosonic, Alex sofreu uma grave lesão nas costas que acabou por resultar numa cirurgia e em vários anos de reabilitação. Dum momento para o outro, Youthless ficou em suspenso. Tanto Alex como Sebastiano abraçaram outros projectos de música, cinema e teatro experimental nos anos seguintes. 

Foi no verão passado que o duo voltou ao activo, revigorado e inspirado com um novo conceito para o seu primeiro longa duração, um conceito que transmitia na perfeição as suas ambições musicais, as suas observações da sociedade e as suas próprias experiências pessoais.


“Golden Spoon”, a primeira música retirada do próximo disco, é segundo as palavras de Alex, vocalista e baterista, “uma canção de contentamento apocalíptico, sobre o sentimento de alegria e excitação de viver num mundo insano em decadência acelerada, no qual estamos a industrializar o belicismo e a militarizar a indústria. Fala sobre apreciar sem medos uma viagem de montanha-russa, o descer a pique e o voltar a subir. Um adeus a uma Era no seu ocaso, a estruturas quebradas e velhas ferramentas, e a mapas que já se esgotaram na estrada”. Este regresso é marcado por uma sonoridade tão épica quanto caótica e barulhenta, mas também preenchida de nuances e melodias assombrosas que explodem, luminosas, nos refrões.

A música encontra-se disponível para download gratuito no site da NOS Discos http://nosdiscos.pt/discos/artistoptimusdiscos/golden-spoon .

A capa do single é da autoria da artista portuguesa Mariana Dias da Cunha.


+

Holy Nothing lançaram o seu primeiro álbum


Criados no final de 2012, os Holy Nothing são Pedro Rodrigues (voz, groovebox), Samuel Gonçalves (baixo, guitarra, drum pad) e Nelson Silva (teclados, drum pad). Praticam uma electrónica dinâmica, enérgica, que reflecte um pouco de todas as influências da música de dança (da chamada old school, da cold wave e do “disco not disco” do início dos anos 80 até às muitas recentes manobras ressuscitadoras destes géneros), sem nunca prescindir do formato canção.

O seu primeiro trabalho de originais Hypertext é constituído por oito temas e sucede ao EP Boundaries (2014). Foi misturado e produzido por Rui Maia (Mirror People, X-Wife) e gravado por Rui Lima & Sérgio Martins (aka Ekco Deck) nos estúdios 31 de Janeiro, no Porto. 


Hypertext é um álbum editado fisicamente pela Cultura FNAC e digitalmente pela Turbina. A capa (em cima) foi projectada por Bruno Albuquerque. O concerto de apresentação será no dia 23 Outubro, durante o Jameson Urban Routes, no Musicbox Lisboa

Para aqueles que vão poder estar presentes no Musicbox a 23 de Outubro, podem ouvir Hypertext na íntegra aqui mesmo.

+

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

STREAM: Wavves - V


Com novo álbum esperado para a semana que vem, os Wavves disponibilizaram recentemente, para escuta na íntegra, V, o quinto trabalho de estúdio da banda de Nathan Williams. Quanto ao registo, marca uma fase nova na sonoridade na medida em que o garage-rock e o carisma punkdos primeiros trabalhos recebem uma descentralização, incluindo novos elementos da pop. O registo pode ser ouvido abaixo.

V é editado no próximo dia 2 de outubro via Warner Bros.


+

Warm-up do Mucho Flow com Equations + Toulouse


Em função da terceira edição do Mucho Flow 2015, os Equations juntam-se aos Toulouse no próximo dia 3 de outubro para um warm-up do festival, numa parceria com a Tradiio. Os Equations encontram-se atualmente em tour de apresentação do mais recente disco Hightower, e regressam a casa na companhia dos vimaranenses Toulouse, para encerrarem a digressão no Maus Hábitos, Porto.

Os concertos têm um preço de 4€. Ainda no mesmo dia, em Guimarães, será possível assistir ao concerto de Captain Boy, por volta das 17h00.


+

Arcade Fire mostram 5 músicas novas


O quarto álbum dos Arcade FireReflektor, vai ser editado em versão deluxe. Esta nova versão vai contar com 5 músicas novas: "Acocrypha", "Women of A Certain Age", "Soft Power", "Get Right" e "Crucified Again". Uma versão remix do tema "Flashbulb Eyes", por parte de Dennis Bovell, está também incluída. Para ouvirem as novas músicas, façam scroll até à faixa 14.



As 6 músicas extra que fazem parte da versão deluxe de Reflektor vão ser editadas em formato cassete a 16 de Outubro sob o nome de The Reflektor Tapes, o mesmo título do documentário da banda, que chega aos cinemas a 23 de Setembro.

+

Ermo dão concerto no GNRation fruto da iniciativa Trabalho da Casa


Iniciativa que coloca artistas locais em residência artística e concerto apresenta hoje o duo Ermo. O concerto é em parceria com os Encontros da Imagem 2015 e está integrado na programação do Braga Music Week

Sendo uma das grandes referências de uma nova Braga musical, os Ermo vem apresentar o mais recente trabalho Amor Vezes Quatro. António Costa e Bernardo Barbosa são os mais recentes convidados do GNRation para o ciclo Trabalho da Casa iniciado com Gonçalo. O duo esteve esta semana em residência artística a trabalhar sobre a temática dos Encontros da Imagem 2015. Power and Illusion é o tema proposto pela iniciativa e o ponto de partida para uma exploração dos portfólios fotográficos a concurso que hão-de inspirar nova música e a estruturação de um novo espetáculo. 



Os bilhetes custam 5€ e podem ser adquiridos através da bilheteira online  – https://gnration.bol.pt – ou no balcão do GNRation.

+

Galgo lançam EP de estreia na próxima semana


Os Galgo vão lançar o EP de estreia na próxima semana, depois de um verão que os levou a alguns dos mais emblemáticos palcos nacionais. Num total de quatro canções, que apresentam o universo ritmado da sua música, o EP5, gravado nos Black Sheep Studios, será lançado digitalmente a 1 de outubro. O primeiro single de avanço, "Dromomania", já se encontra disponível para escuta, abaixo.

O concerto de apresentação acontece a 22 de outubro, em função de mais uma edição do Jameson Urban Routes, no Musicbox, Lisboa e contará com edição em cassete do EP5. As semanas seguintes serão ocupadas pela digressão nacional.


Datas: 
22 de outubro: Apresentação Jameson Urban Routes, Lisboa, 22h30 
23 outubro - Café Au Lait, Porto, 22h30

+

A Braga Music Week arranca hoje


À terceira edição, a Braga Music Week arranca com um programa muito rico e diversificado, distribuído ao longo de nove dias consecutivos que, para além de concertos, trará igualmente outras atividades que incluem Quiz Nights, Urban Market, um torneio de Futsal e ainda Workshops e Showcases.


Entre os nomes dos artistas confirmados, poderão ser vistos concertos de Plus Ultra, Modernos, Bispo, Pista, Atila,Toulouse e Asimov. Divididos pelos vários espaços que vão abrir portas ao evento, passarão outros nomes importantes da nova música portuguesa como Bed Legs, Serrabulho, Leviatã, The Missing Link, Tundra Fault, This Penguin Can Fly, Wanderer, Stone Dead, Máquina Del Amor e Ermo, este último como espetáculo integrante da programação cultural trimestral do GNRation, no âmbito do Trabalho da Casa. Também os Postcards, The Tape e Sheik Anorak vêm celebrar connosco esta semana, compondo, assim, o painel internacional de artistas que vêm inundar Braga de música. 

O festival arranca hoje, dia 25 de setembro, e prolonga-se até sábado, dia 3 de outubro.


+

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

STREAM: Deafheaven - New Bermuda


Os norte-americanos Deafheaven, banda caracterizada por uma sonoridade entre o blackgaze o black metal atmosférica, disponibilizaram o seu terceiro álbum de originais para audição em streaming. New Bermuda é o sucessor do aclamado Sunbather (2013) e tem lançamento agendado a de 2 Outubro via Anti-.


+

STREAM: Eagles of Death Metal - Zipper Down


Os Eagles of Death Metal, duo de garage rock formado por Jesse "The Devil" Hughes e Josh Homme dos Queens of the Stone Age, regressaram em 2015 às edições com Zipper Down. Este novo trabalho é o sucessor de Heart On (2008) e será lançado a 2 de Outubro via T-Boy Records e Universal Music Enterprises.

+

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

[Review] Ought - Sun Coming Down


Sun Coming Down // Constellation Records // setembro de 2015
8.6/10

Três meses depois da estreia em território nacional para a apresentação de More Than Any Other Day, os Ought lançam agora Sun Coming Down, o segundo disco de estúdio pelo selo da Constellation Records. Formados em Montreal, em 2012, foi na casa compartilhada, enquanto estudantes universitários, que os Ought começaram a tecer os primeiros acordes do que viria a ser uma das bandas revelação na cena alternativa musical da atualidade. Não eram os Ought, mas tinha a mesma instrumentação básica. Gravado no ano de formação, New Calm EP, marca o primeiro registo discográfico do quarteto. A trazer a versão demo de um dos singles que é já um clássico, "Pleasant Heart", em formato slow-motion e com uma produção completamente DIY, New Calm foi gravado no Hotel2Tango, o estúdio abaixo do edifício da Constellation Records. Depois da estreia nos discos, assinalada o ano passado, os Ought apresentam agora mais um registo da sua sonoridade pós-rock modernista.

Anunciado no início de julho, Sun Coming Down viu como single de avanço, o já conhecido ao vivo, "Beautiful Blue Sky". O single, previamente apresentado no Parque da Cidade, numa versão demo, seria a primeira música de avanço deste segundo trabalho, mostrando que a fórmula aplicada no disco de estreia não foi esquecida. Já na versão estúdio, é distinguida como uma das melhores canções do presente disco. Ainda sobre a única passagem pelo NOS Primavera Sound, os festivaleiros que esperaram por um dos últimos concertos do último dia, tiveram a sorte de ouvir "Clarity", mais uma novidade presente em Sun Coming Down,  a mostrar um lado mais punk na sonoridade habitual dos Ought. E mais um dos grandes malhões deste novo disco, a intercalar uma exploração de novos géneros. Num total de dez canções mostradas, os Ought tocaram quatro que seriam completamente novidade. 

"Men For Miles", segundo single extraído na apresentação deste novo disco, mostra à semelhança de "Celebration", como algumas influências do punk-rock se começam a refletir cada vez mais nas novas composições dos Ought. E há ainda "Sun's Coming Down", uma pequena ode aos Sonic Youth.  "Never Better", por sua vez,  traz nos vocais uma forte influência aos Bauhaus, e soma-lhe uns riscos de desafinação na guitarra. Se acima se falava de malhões, a música de encerramento de Sun Coming Down é, possivelmente, um dos melhores arranjos sonoros presentes na discografia do quarteto. Quanto à lírica, é igualmente visível um forte interesse no pós-punk: "Your dark side // You find it // There's nothing here, boys" ("Men For Miles"), "All comes back here when I // Hang my head and cry out  // It's too much all for you // It's too much all alone" ("Passionate Turn"); "I'm no longer afraid to die // Cause that is all that I have left" ("Beautiful Blue Sky").

Sun Coming Down traz uma produção mais interessante que More Than Any Other Day, e apresenta uma sonoridade mais densa e pesada que se reflete, posteriormente, numa atualização das ideias presentes no primeiro LP. O facto de se tornarem tão aclamados, logo após uma estreia pela Constellation Records, fez dos Ought melhores músicos e trouxe música de qualidade. Tal como afirmou Tim Keen em entrevista "I am mostly interested in bands that are entirely concerned with the quality of their work and nothing else". Sun Coming Down aplica ainda, no geral, características do minimalismo, uma delas logo retirada pela cover-art do disco. A utilização das cores mais básicas, e de algum espaço vazio, refletem um álbum com tonalidades positivas - transmitidas pelas cores quentes - onde o espaço negativo é aplicado como esqueleto. As músicas completam a ideia. Acordes simples, riffs retos e canções produzidas sem preocupações relativas à existência de muitos elementos. Um bom disco para o final de época.

+

STREAM: Sexwitch - S/T


Sexwitch, projeto paralelo de Bat For Lashes, em colaboração com Dan Carey e membros dos TOY, tem novo álbum a sair no final da semana, retratando um lado mais psych em Natasha Khan. A reinterpretar canções do movimento psicadélico e folk dos anos 70, provenientes de diferentes países do mundo, o homónimo Sexwitch pode agora ser ouvido na íntegra, abaixo.

Sexwitch é editado na próxima sexta-feira, dia 25 de setembro, via Echo/BMG.


+

Postcards com tour em Portugal anunciada


Postcards é uma banda indie folk originária de Beirute, Líbano, constituídos por Julia Sabra no ukulele, bandolim, guitarra e voz, Marwan Tohme na guitarra e coros, Pascal Semerdjian na bateria, harmónica e coros e Rany Bechara no baixo, teclas e coros.

Como vários projetos, surge em 2012 da paixão que quatro amigos partilham pela música. No entanto, ao contrário de outros com histórias semelhantes, os Postcards têm tido muito destaque em diversos territórios uma vez que já estiveram em digressão pela Jordânia, Reino Unido, França e Portugal onde passaram em maio 2015, tendo partilhado palcos com Beirut, The Royal ConceptWanton Bishops Angus & Julia Stone.

Estiveram em Portugal para apresentar o EP Lakehouse, e regressam agora com o novo EP What Lies So Still, acabado de lançar este verão sob a supervisão do engenheiro de som e produtor Fadi Tabbal dos Tunefork Studios. Neste trabalho, os quatro músicos optaram por investigar novos territórios estruturais e sónicos partindo sempre da sua base mais 'rootsy' presente no trabalho anterior.



Agora, no fim de setembro / início de outubro, passam por Portugal para uma digressão nacional de dez dias que inclui atuações em Portalegre, Cascais, Viseu, Porto, Coimbra, Braga, Almada e Lisboa.

Concertos em Portugal:
25 SET - FNAC Vasco da Gama, Lisboa | 21:30
26 SET - Quina das Beatas, CAE Portalegre | 23:00
27 SET - Mercado da Vila, Cascais | 20:30
28 SET - Museu Nacional Grão Vasco, Viseu | 21:30
29 SET - Espaço Compasso, Porto | 21:00
30 SET - Salão Brazil, Coimbra | 22:00
01 OUT - Encontros com a Música, St. Maria da Feira | Comboio - 18:50 | Fábrica Ecco - 22:00
02 OUT - Braga Music Week - Sé la Vie, Braga | 22:00
03 OUT - Ginjal Terrasse, Almada | 22:00
04 OUT - Pensão Amor, Lisboa | 19:00

+

Evols com concertos de apresentação de 'II'


Após árduo trabalho e ainda mais longa espera, o álbum II, lançado na Wasser Bassin, continua a ser apresentado ao vivo e os Evols anunciam mais três datas para a sua apresentação. Os concertos iniciam-se já na próxima sexta-feira, dia 25 de setembro, no Passos Manuel, Porto, com DJ Set de André Covas (Peixe-Avião) e DJ Alfredo (Sensible Soccers) a fechar a noite. No dia seguinte, a 26 de setembro, tocam no Teatro Circo, em Braga. Ambos os concertos  com início às 22h30. Os bilhetes para o Porto têm um custo de 9,90€ e dão oferta a um disco. Os bilhetes para Braga, 5€ e o concerto insere-se na Gala da 25ª edição dos Encontros da Imagem.


O último concerto dá-se a 17 de outubro no Solar, Galeria de Arte, em Vila do Conde. O concerto tem início às 19h00.


+

Cat Power regressa ao nosso país


Chan Marshall apanhou-nos de surpresa e anunciou dois concertos no nosso país com o seu projeto Cat Power, após uma passagem atribulada pelo Super Bock Super Rock em 2014.

A cantora norte-americana atua primeiro em Lisboa a 31 de outubro, no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém,, seguindo-se a atuação no Porto a 1 de novembro, no Hard Club. O último trabalho de estúdio da cantora, Sun, data de 2012.


Os bilhetes são postos à venda hoje e custam entre 20 euros e 40 euros (Lisboa) e 25 euros (preço único no Porto).

+

Ulrich Schnauss atua pela primeira vez em Portugal em novembro


Ulrich Schnauss vai estrear-se ao vivo em Portugal no ano em que comemora precisamente 20 anos de edições discográficas, a 12 de novembro. Este espetáculo encontra-se inserido numa digressão europeia que servirá para o músico alemão apresentar o seu novo disco, a ser lançado pela PIAS no início de 2016.

Schnauss, um dos grandes magos da eletrónica atual, foi desenvolvendo e aprimorando a sua sonoridade, etérea e sonhadora, influenciado não só por outros gigantes da música electrónica, tais como Tangerine Dream ou Klaus Schulze, mas também pelo vasto universo shoegazer, em particular por referências como Cocteau Twins, Slowdive, Ride ou My Bloody Valentine.



Ulrich Schnauss chegará ao palco do Passos Manuel acompanhado pela artista visual Nat Urazmetova, para uma atuação toda ela revestida de uma magia futurista, que fará desta noite uma noite absolutamente inesquecível.

A primeira parte ficará a cargo dos Zurich Dada, um projeto de contornos minimais synthpop, nascido na cidade do Porto em 2009.

Os bilhetes estão à venda por 18 euros nos seguintes locais: Matéria Prima, Louie Louie Porto e no próprio Passos Manuel.


+

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Reportagem: Mdou Moctar | Jibóia [Galeria Zé dos Bois, Lisboa]


Foi na passada quinta feira, dia 17 de setembro, que Mdou Moctar, acompanhado do português Jibóia, passou pela Galeria Zé dos Bois, para presentear-nos com as melodias singulares da sua guitarra e, também, obrigar os presentes a dar um passo de dança. O ambiente na ZDB era calmo e descontraído, a noite, estava surpreendentemente amena e limpa, comparando com o tempo de chuva dos dias anteriores. Pouco tempo depois da hora prevista, Jibóia entrou em palco para abrir o evento, desta vez acompanhado de Ricardo Martins na bateria, o que marcou a estreia deste novo formato do projecto de Oscar Silva e, também, a estreia de novas músicas, a sair no próximo álbum a ser editado. Mesmo com formato diferente, a essência de Jibóia continua a ser a mesma, o teclado Casio e a guitarra, processados através de inúmeros pedais diferentes, continuam lá, hipnotizantes e a suscitar à dança. A única diferença é que agora há bateria ao vivo, sendo este o aditivo perfeito para os concertos de Jibóia e, logo, o que também acabou por ajudar à festa na ZDB. 


 

Tendo acabado o concerto da cobra, o (literalmente) gigante Mdou Moctar, acompanhado da sua banda, entrou em palco, pouco tempo depois, para dar mais um concerto em Lisboa. O guitarrista tuareg veio bem disposto para o aquário, onde simpatizou com as pessoas curiosas que passavam por fora da ZDB, falando também um pouco com os presentes, de forma a “quebrar o gelo” casualmente. A mágia de Mdou Moctar notou-se mal a banda começou a tocar, o som que vem da sua guitarra é quase uma experiência espiritual, com uma sonoridade africana, misturada a um pouco do oriente, tudo junto e processado pela alma do enorme tuareg. 



 
 

O ambiente neste concerto foi subindo em espiral, assim como as próprias músicas de Mdou Moctar, que começaram por ser calmas, levando o público ao transe, e acabaram enérgicas, com os presentes a atingir um nível de euforia incrível. Mdou e a sua banda ainda tiveram forças para voltar num encore sentido, onde o ritmo acelerado da bateria fez os presentes dançar uma última vez, mas ainda com toda a energia possível, tendo acabado assim mais um concerto de Mdou Moctar na capital, com caras ensopadas de suor e, sobretudo, de coração satisfeito.

Texto: Tiago Farinha
Fotografia: Jorge Vieira (cortesia da Galeria Zé dos Bois)

+

Bully, Georgia e The Parrots juntam-se ao cartaz do Vodafone Mexefest


Juntaram-se hoje ao cartaz do Vodafone Mexefest mais 3 bons nomes da música actual. São eles Bully, Georgia e The Parrots.

Bully

Os Bully chegam de Nashville, mas não são feitos de country. Quarteto liderado pelo génio de Alicia Bognanno, revê-se no rock dos anos 90 de nomes como Dinossaur Jr., The Breeders ou Liz Phair, reinventando-o para os nossos dias. O quarteto traz o álbum de estreia editado em junho, Feels Like, e promete, com os seus poderosos riffs de guitarra, fazer incendiar a plateia.


Georgia

Georgia é Georgia Barnes. Jovem música, produz, compõe e toca mil instrumentos. O seu talento materializou-se em agosto passado no título homónimo de estreia. Um disco onde a pop impera, mas recheada de estilos como dub, ragga, grime ou punk. Imperdível.



The Parrots

De Madrid, The Parrots. Com edições em formatos EP (review do EP Weed For The Parrots), têm conquistado palcos pela Europa, apresentando um frenético som garage e surf-rock. Os concertos do trio são explosivos de vibração e absolutamente contagiantes, tendo passado pela ZDB em Junho.


Para já estes são os confirmados, esperando-se novidades para breve:

Akua Naru; Anna B Savage; Ariel Pink; Benjamin Clementine; BLOCO: Tropkillaz, Karol Conká, Mahmundi; Bully; Chairlift; Do Amor; Ducktails; Georgia; Patrick Watson; Selma Uamusse; They’re Heading West, The Parrots; Titus Andronicus; Villagers


O bilhete único para os dois dias do festival está já à venda nos locais habituais, a 40€ até ao dia 30 de setembro, passando a 45€ a partir de 1 de outubro e a 50€ nos dias do Festival.

Já disponível na App Store e Google Play está também a app do Vodafone Mexefest. Os clientes Vodafone podem adquirir o bilhete único do festival com 5€ de desconto.

+

[Review] Kurt Vile - b'lieve I'm going down


Kurt Vile // Matador Records // Setembro 2015
7.5/10

Kurt Vile, artista com data de concerto prevista para 24 de novembro, em Lisboa no Armazém F, acaba de lançar o seu novo disco b´lieve I´m going down, sucessor de Wakin on a pretty daze (2013).

Vile, como se sabe é conhecido pela sua guitarra sonante e isso é o que se pode constatar logo a partir da primeira faixa “Pretty pimpin”, uma música que nos fala de estar farto de ser a mesma pessoa todos os dias, de querer mudar o nosso “eu” habitual para algo melhor. Sempre com uma voz e som únicos a fazer lembrar o velho oeste, o banjo tem um papel crucial em “I´m an outlaw”.


Em “Dust Bunnies” traz-nos o lado mais apaixonado do cantor, falando-nos então dum amor que conheceu e que deseja imenso. Pode-se verificar então, com “That´s Life, tho (almost hate to say it)" que se trata de um álbum instrospectivo, que nos traz um cantor que apesar de tudo, consegue aceitar as circunstâncias da vida, quando Kurt Vile se faz ouvir com “The laws of physics have shown that a man must walk through life via peaks and valleys”. Ainda nesta faixa, está presente a maldade das pessoas com “But there are scorpions out there” como se tratassem de escorpiões.

Avançamos então até “Wheelhouse”, a faixa com mais referências à espiritualidade, à religião e à maneira de como nos sujeitamos para obtermons paz “Some bow down a hundred times a day or more/To find a way, to get back to the temple one day”.

Este álbum consegue ser aquele em que Kurt Vile se encontra mais introspetivo, a cada linha escrita, conta várias horas de reflexão, com temas que tocam em pontos fracos da vida quotidiana como o caso da religião. Apesar disso, não existe muito a destacar, sendo muito semelhante ao seu anterior Wakin On a Pretty Daze.

Texto de Duarte Fortuna

+

Road to Mucho Flow traz Mette Rasmussen + Tenori Ensemble


O primeiro "Road to Mucho Flow" acontece já no próximo dia 25 de setembro, no Convívio, Bar Associativo, em  Guimarães, e traz como nomes a saxofonista dinamarquesa Mette Rasmussen e o projeto vimaranense Tenori Ensemble. Este road traz ainda a oportunidade única de adquirir bilhetes mais baratos para a terceira edição do Mucho Flow, exclusivamente durante os warm ups e pelo preço promocional de 10€.

Os concertos, do primeiro "Road To Mucho Flow" têm início por volta das 22h30 e o preço de entrada fica-se pelos 3€. O Mucho Flow acontece a 10 de outubro no CAAAA, em Guimarães e encontra-se com o cartaz já fechado.



+

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Reportagem: Festival Nova Música - Universidade Nova de Lisboa


Tudo começa bem quando acaba bem, como em todas as histórias bonitas que conhecemos por aí. Mais um ano passou e mais uma edição do Nova Música se deu mas, a nossa tarde por Lisboa não começa desse lado da capital mas sim num jardim, o Jardim do Arco do Cego onde se pôde começar a vivenciar a euforia académica de muitos e onde se pôde começar bem a tarde, com uma “jola” e amigos. Após a passagem por este jardim, fomos rapidamente até ao recinto onde recebemos as credenciais.

Este ano, o cartaz contava com nomes como Galgo, Trêsporcento, Noiserv e Diabo na Cruz, mas destas bandas falaremos mais adiante.

O Nova Música começou com o sunset do DJ Benny e com toda a gente sentada num anfiteatro natural a fazer lembrar-me mesmo, por muitos, o mítico Paredes de Coura.

Sempre com convívio presente, que faz parte do conceito deste festival, a noite vai-nos dando as boas-vindas e ao palco sobem os Galgo, banda que venceu o concurso de bandas. Os Galgo mostraram-nos mesmo um cão de corrida, que faz uma corrida cósmica. Levaram mesmo o público a pedir um encore e assim o fizeram. Sempre muito alegres ainda lembraram a plateia: “Não se esqueçam da senhora das batatas fritas” uma jovem que tentava angariar algum dinheiro vendendo batatas fritas.

Galgo @ Festival Nova Música

Concerto acabado, sobe e desce o relvado a Party Brass Band, fazendo o público dançar em todos os intervalos de concertos. A plateia que já se começava a concentrar para o concerto da próxima banda, os Trêsporcento, esses que se mostraram mais CemPorcento, cheios de energias e sempre conseguindo com que a plateia cantasse refrões e os acompanhassem com palmas. Esta banda (cujo baterista também alinha nos Capitães da Areia) mostra que pode vir a tocar em festivais de maiores dimensões, sendo o melhor concerto da noite.

Setlist Trêsporcento:
Lotação 136
O dia em que esses olhos brilham
Cascatas
Quero que sejas minha
És mais sede 
Elefantes Azuis
Homem Novo
Dás a Mão e Não Sentes
Veludo
Espero

trêsporcento @ Festival Nova Música

Após um concerto enérgico e que fez com que o público ficasse um pouco cansado, subiu ao palco, já em plena noite, David Santos ou como é mais conhecido Noiserv, o qual disse à Threshold que ultimamente o público dos seus concertos tem sido “muito fixe” e que tem ouvido muito o novo álbum de Sufjan Stevens, Carrie and Lowell. E assim foi, o homem-banda subiu e fez com que o lado mais querido e carinhoso do público fosse exposto. Apesar de algum frio, já a “fazer lembrar dezembro” como o próprio disse, o concerto continuou embora com algum barulho de fundo.

Noiserv @ Festival Nova Música

Para finalizar e levar o público ao êxtase, sobem ao palco os Diabo na Cruz, a banda mais aguardada da noite e que neste último ano tem andado a mostrar o seu mais recente álbum homónimo. Como antecederam, a banda tocou um repertório mais extenso também constituído por algumas músicas de álbuns mais antigos. É uma banda que nos dias de hoje consegue juntar os sons do Portugal tradicional com o rock e duma forma alegre e carismática graças ao vocalista Jorge Cruz.

Setlist Diabo na Cruz:
Regresso da Lebre
Tão Lindo
200 Mil Horas
Ganhar o dia
Bico de 1 Prego
Estrela da Serra
Bom Tempo
Verde Milho
Lenga Lenga
Sete Preces
Casamento
Siga a Rusga
Mó de cima
Luzia
Amélia
Saias 
D. Ligeirinha 
Os Loucos estão certos 
Corridinho
Vida de estrada

ENCORE:
Fronteira
Bomba Canção
Memorial

Diabo na Cruz @ Festival Nova Música

E assim terminou a quarta edição do Festival Nova Música, com um público alegre e satisfeito porque tudo, como a música diz foi “Tão Lindo”.

Texto de Duarte Fortuna
Fotografia de Francisco Carvalho

+

STREAM: Menace Beach - Super Transporterreum EP


Os Menace Beach estão de regresso, depois da estreia em janeiro com Ratworld, com Super Transporterreum, disco de curta-duração gravado nos Subarban Home Studios em Leeds, com o MJ dos Hookworms. O EP pode agora ser ouvido na íntegra abaixo.

Super Transporterreum tem data de edição prevista a 25 de setembro via Memphis Industries.


+

Agenda: Bad Bonn, Outubro

No próximo mês de Outubro o Bad Bonn vai ter uma programação recheada de nomes sonantes da música independente actual. Entre eles estão Juan Wauters, colaborador de Mac DeMarco e considerado por muitos como "o novo Jonathan Richman", os Dope Body, os The Soft Moon que estiveram presentes na última edição do Vodafone Paredes de Coura e muitos mais. Confiram a programação completa abaixo.

Juan Wauters + Fart Fanfare
 
01/10 - 21h - 25CHF

Dope Body + Shocking Pinks

03/10 - 21h30 - 25CHF

PC Worship + Helios & Hees


09/10 - 21h30 - 20CHF

Speedy Ortiz + Trust Fund
 
13/10 - 21h - 25CHF

The Soft Moon + Codex Empire
 
17/10 - 21h30 - 28CHF

Girl Band
 
18/10 - 20h30 - 25CHF

Bill Orcutt + Felipe Felizardo



20/10 - 21h - 25CHF

Rats On Rafts + Shilpa Ray
 
23/10 - 20h30 - 25CHF

+

STREAM: The World Is A Beautiful Place & I Am No Longer Afraid To Die - Harmlessness


Os The World Is A Beautiful Place & I Am No Longer Afraid To Die vão editar no final da semana o seu segundo trabalho de estúdio, Harmlessness. O álbum sucede Whenever, If Ever(2013) e uma série de EPs e um disco colaborativo, tendo visto como primeiro single de avanço o épico "I Can Be Afraid Of Anything". Harmlessness pode ser ouvido na íntegra, abaixo.

Harmlessness tem data de edição a 25 de setembro via Epitaph.


+

STREAM: Wand - 1000 Days


Os psych-rockers Wand disponibilizaram recentemente para audição gratuita na íntegra 1000 Days, o seu terceiro disco de estúdio e segundo álbum lançado no espaço de um ano, sucedendo assim Golem(2015). O disco, que viu como single de avanço "Stolen Footsteps", pode agora ser escutado abaixo.

1000 Days tem data de edição prevista para 25 de setembro via Drag City.


+

Dope Body + Acid Acid esta quinta no Sabotage Club


Os Dope Body, banda de noise-rock de Baltimore, apresentam-se pela primeira vez em Portugal no próximo dia 24 de setembro em apresentação do mais recente disco, Kunk editado no presente ano pela conceituada Drag City. O quarteto sobe assim ao palco do Sabotage Club, em Lisboa, para um concerto onde a abertura ficará a cargo do português Acid Acid

Os concerto têm início às 23h00. Os bilhetes têm um custo de 8€ e encontram-se à venda à porta na noite do concerto.


+