sábado, 14 de novembro de 2015

Vídeos Da Semana #69


YAK, Beach Slang, King Gizzard & The Lizard Wizard, Deap Vally, The Tallest Man on Earth lançaram na decorrente semana vários trabalhos audiovisuais em promoção dos seus novos trabalhos de estúdio (as Deap Vally, porém, em função de um novo álbum ainda por lançar e previsto para 2016). Os respetivos vídeos podem ser vistos abaixo.

1 - YAK - "Alas Salvation"

2 - Beach Slang - "Bad Art & Weirdo Ideas"

3 - King Gizzard & The Lizerd Wizard - "Trapdoor"

4 - Deap Vally - "Royal Jelly"

5 - The Tallest Man On Earth - "Darkness of the Dream" 


+

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Reportagem: Mac McCaughan [Passos Manuel - Porto]


No dia 8 de Novembro fomos ao Passos Manuel, no Porto, ver Mac McCaughan num concerto organizado pela editora portuense Lovers & Lollypops, que comemora em 2015 uma década de existência e que tem vindo a organizar concertos bastante interessantes como Girls Names, tendo já agendados nas próximas semanas, os brasileiros Boogarins e Mutantes, todos a decorrer no Porto.

A primeira parte da noite esteve a cargo de Einstock, projeto de Jorge Queijo, baterista dos Torto, que nos mostrou em primeira mão as faixas do seu trabalho a solo, não conseguindo, no entanto, convencer o público com as suas melodias cheias de loops e reverb.



Mac McCaughan, líder dos míticos Superchunk e fundador da Merge Records, que conta com álbuns de Arcade Fire, Neutral Milk Hotel e Caribou no repertório, veio ao Porto a solo apresentar o seu disco de estreia em nome próprio, Non-Believers. O artista americano encontrava-se sozinho no palco, acompanhado apenas pela sua guitarra elétrica para uma sala longe de estar cheia, infelizmente. Foram cerca de 20 pessoas apenas que assistiram ao concerto de um dos artistas mais emblemáticos da cena alternativa da década de 90, talvez por ser um domingo ou por falta de conhecimento, mas a verdade é o que o concerto poderia ter tido muito mais vivacidade com uma sala mais bem composta. Mac McCaughan, no entanto, não se deixou desmotivar e fez o seu trabalho de forma muito competente, sempre com entusiasmo atuando como se à sua frente estivessem uns quantos milhares e tentando sempre interagir com o público fazendo breves introduções às suas músicas. O artista americano aproveitou para tocar algumas faixas do seu novo longa-duração como “Your Hologram” e “Box Batteries”, passando também pelo seu outro projeto a solo Portastatic, iniciado em meados dos anos 90, passando por temas como “White Wave” e “The Angels of Sleep”, não esquecendo também alguns temas mais recentes dos grandes Superchunk. Visto que era a primeira vez que atuava no Porto, preocupou-se em compensar o público com um alinhamento que mostrasse um pouco de todo o seu repertório, não tocando, no entanto, faixas emblemáticas como “Hyper Enough” ou “Precision Auto”, músicas que necessitariam, provavelmente, do acompanhamento de uma banda. Mac McCaughan despediu-se então com o último tema de Non-Believers, terminando assim um concerto que poderia ser memorável com uma plateia que fizesse jus a um artista com uma carreira respeitável já com mais de 25 ano. Esperemos que Mac não fique desiludido e que regresse, nos próximos tempos, com os seus Superchunk num próximo festival.

Mac McCaughan + Einstock @ Passos Manuel

Texto: Filipe Costa
Fotografia: Ana Carvalho dos Santos

+

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Bitchin Bajas atuam no Porto e em Lisboa esta semana


Os Bitchin Bajas são um trio de Chicago cuja sonoridade repetitiva e progressiva nos transporta para o krautrock dos Neu!. Em 2015 editaram Autoimaginary, álbum colaborativo com os Natural Information Society de Joshua Abrams, e regressam uma vez mais ao nosso país pela mão da Lovers & Lollypops.

Depois da sua presença no Tremor, a banda atua no Círculo Católico Operário do Porto, a 12 de Novembro, de forma a movimentar ar em forma de mantra com os seus amplificadores e a elevar as nossas mentes até onde os nossos corpos não chegam. 

Para celebrar a sua passagem pelo CCOP, os Bitchin Bajas dão-nos o prazer de lançar gravações ao vivo inéditas feitas entre o passado ano e este, Bitchin Bajas - Live 2014-2015, através da Tapes, She Said


A primeira parte fica nas mãos do Henrique Diaz, que se fará acompanhar de Marcos Gerez (Banda do Mar, Marcelo Camelo), e as entradas custam 5 euros. A banda atua na ZDB no dia seguinte, com a primeira parte a ser entregue a Eosin.

+

terça-feira, 10 de novembro de 2015

The Legendary Tigerman regressa à ZDB na noite de Natal


The Legendary Tigerman regressa à noite de natal da ZDB, para mais uma sessão Fuck Christmas, I've got the Blues


A entrada custa 15€ e os bilhetes estão disponíveis na Tabacaria Martins e ZDB (Quarta a Sábado das 18h às 23h). A ZDB não aceita reservas para este concerto. Lotação limitada para a noite de 25 de Dezembro.

+

Musicbox celebra 9º Aniversário com Josh T Pearson, Acid Arab e You Can't Win Charlie Brown


O Musicbox celebra nove anos de existência, de 3 a 5 de Dezembro, com alguns dos artistas que definem a identidade e o espírito do clube. Entre Quinta e Sábado passam pelo clube do Cais do Sodré Josh T. Pearson, Acid Arab, You Can't Win Charlie Brown, Afonso Rodrigues, Vaarwel, Natasha Kmeto, Alma Negra e Black.

A abrir as festividades, no dia 3 de Dezembro, Afonso Rodrigues e Josh T. Pearson descem ao Cais para dois momentos exemplares do mais fino folk texano. Last of the Country Gentleman é o disco perfeito para melómanos do amor e da vida rural. O americano regressa a Lisboa com algumas sessões de estúdio concluídas e um novo disco na calha. Afonso Rodrigues é incontornável do público nacional no seu papel em Sean Rilley & The Slowriders e Keep Razors Sharp


No dia 4 de Dezembro partimos à descoberta: Vaarwel e Natasha Kmeto estão inseridos numa muito prestigiada bolsa de apostas para 2016. Os primeiros oriundos de Lisboa viram na semana passada o single "Perfectly Fine" ter estreia exclusiva na muito recomendada Stereogum. O primeiro disco do colectivo está apontado para 2016 e as expectativas são altas. O mesmo se poderá dizer da californiana Natasha Kmeto que, pela primeira vez, aterrará em Lisboa para mostrar “Inevitable”, inevitável prenúncio de que estamos perante uma das vozes de maior sedução da electrónica norte americana. Destaque ainda ao regresso dos franceses Acid Arab, para noite de dança misturada entre o techno e as paisagens do médio oriente, acompanhados pelo brilhante Dj Nervoso que acaba de editar novo disco pela Príncipe.



Sábado, dia 5 de Dezembro, a festa faz-se em tons lusitanos com Chibazqui e You Can’t Win Charlie Brown, dois concertos de entrada livre (até à 1h30). Para o clubbing temos uma surpresa – via Suiça – chamada Alma Negra, a juntar-se a Black para dança afiada em tons afro-house.


QUINTA,  3 DEZ
22H30 . Afonso Rodrigues
23H00 . Josh T. Pearson
€12 . BILHETES

SEXTA . 4 DEZ
23H00 . Vaarwell
00H00 . Natasha Kmeto 
01H00 . Acid Arab
03H00 . DJ Nervoso
€10 . BILHETES

SÁBADO . 5 DEZ
23H00 . Chibazqui
00H30 . You Can't Win Charlie Brown
01H30 . Alma Negra
03H00 . Black

+

Youthless apresentam nova música


“Attention” é a segunda música dada a conhecer do primeiro longa duração dos Youthless, This Glorious No Age, que irá ser editado no início de 2016, em Portugal pela NOS Discos e em Inglaterra pela Club.The.Mammoth/ Kartel Music Group.

O novo disco é um álbum conceptual, característica da identidade da banda presente em todos os trabalhos discográficos e foi misturado por Justin Garrish (Vampire Weekend, The Strokes, Weezer) e gravado por Chris Common, Pedro Cruz e a própria banda em vários estúdios caseiros e sótãos entre Lisboa, Sintra e Cascais. Conta com a participação de Francisco Ferreira (Capitão Fausto, Bispo), João Pereira (Riding Pânico, LaMa), Chris Common (These Arms are Snakes, Le Butcherettes), Francisca Cortesão (Minta and the Brook Trout) e Duarte Ornelas.



A banda, acompanhada por Francisco Ferreira nos teclados, irá apresentar algumas das novas músicas de This Glorious No Age neste mês de Novembro nos dois concertos de abertura para Unknown Mortal Orchestra no Ármazem F em Lisboa e no Hard Club no Porto, no concerto de abertura da banda australiana Sticky Fingers no The Forum em Londres e ainda no Black Bass Évora Festival, para além dos concertos secretos que planeiam dar pelo país até ao lançamento do novo disco.

+

Zigur Label Day a 21 de novembro no Damas, Lisboa


Depois de um verão quente quente quente, a ZigurArtists decidiu fazer gazeta ao frio do inverno e trocá-lo pelo calor humano da sua família que, no dia 21 de novembro, a partir das 16h00, vai estar em peso no Damas, em Lisboa, para aquilo que decidiram chamar Zigur Label Day.

Em espírito de celebração pura, vão estar debaixo do mesmo teto nove projetos que fazem parte da família Zigur: Twisted Freak, Mahogany, veabis&tubbhead + Burgueses Famintos, azul-revolto, O Manipulador, Cajado, Sax On The Road e daily misconceptions. A eles segue-se o inclassificável ZA SoundSystem, que ficará responsável por encerrar a festa com um aceitável nível de deboche.

O Zigur Label Day de 21 de novembro é a primeira de várias iniciativas que servirão para apresentar a família Zigur e a sua editora. Em breve, serão conhecidos os locais e artistas que vão participar nos próximos Label Days. 

O evento tem entrada gratuita. Consultem os horários e o alinhamento em baixo:

16h00 - Abertura de portas
16H45 - Twisted Freak
17H30 - veabis&tubbhead + Burgueses Famintos
18H15 - Mahogany
19H00 - azul-revolto
22H00 - O Manipulador
22H45 - Cajado
23H30 - Sax On The Road
00H15 - daily misconceptions
01H00 - ZA SoundSystem

+

You Can't Win Charlie Brown musicam filme em espetáculo único no GNRation


A 14 de Novembro, fruto da parceria com o Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema, os portugueses You Can’t Win Charlie Brown apresentarão Maudite Soit La Guerre, filme-concerto musicado a partir da película belga datada de 1914 do realizador Alfred Machin.

A banda apresenta-se em palco este sábado, pelas 22:30, na Blackbox do GNRation
Os bilhetes custam 7 euros e podem ser adquiridos na Bilheteira On-line - http://gnration.bol.pt -, locais habituais e balcão GNRation.

+

Ty Segall anuncia Emotional Mugger


Apesar de II, o segundo disco do seu projecto paralelo Fuzz, ter saído há apenas um mês e de já ter agendado o lançamento de Ty-Rex, uma compilação de covers de T-Rex, para o final de Novembro, o prolífico Ty Segall anunciou durante esta madrugada mais um álbum, Emotional Mugger. E o californiano fê-lo da maneira mais original possível: mandou uma cópia em VHS para a Pitchfork, e em anexo a explicação do que é um "Emotional Mugger". Entretanto, também lançou um vídeo a explicá-lo. 

Por enquanto ainda não há data de lançamento prevista, mas aqui fica a tracklist:

01 Squealer
02 California Hills
03 Emotional Mugger/Leopard Priestess
04 Breakfast Eggs
05 Diversion
06 Baby Big Man (I Want A Mommy)
07 Mandy Cream
08 Candy Sam
09 Squealer Two
10 W.U.O.T.W.S.
11 The Magazine


+

[STREAM] Mystic Braves - Days of Yesteryear


Os psych-rockers Mystic Braves, cuja sonoridade é teletransportada dos anos 60, têm novo álbum a caminho e a sair já no fim da  semana. Days of Yesteryear foi gravado com Rob Campanella (Brian Jonestown Massacre) e sucede Desert Island editado o ano passado. O disco, composto por dez canções, pode agora ser ouvido na íntegra abaixo.

Days of Yesteryear é editado no próximo dia 13 de novembro.


Days of Yesteryear tracklist 
01. To Myself 
02. No Trash 
03. Now That You're Gone 
04. As You Wonder (Why) 
05. 5 Minute Dream Girl 
06. Spanish Rain 
07. Corazon 
08. Down On Me 
09. Great Company 
10. Born to Get To You

+

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

[Review] PISTA - Bamboleio


Bamboleio // novembro de 2015 // pontiaq
8.0/10

Foi com "Puxa" que os Pista começaram a ver um futuro encaminhado na sua discografia. Oriundos do Barreiro e tendo-se apresentado inicialmente em formato duo com Claudio Fernandes e Bruno Afonso, foi com a entrada de Ernesto Silva que a banda se fez ecoar, inserindo-se atualmente nos tops das melhores novas bandas nacionais. Se em 2013 e ainda tímidos apresentavam ao mundo as suas cinco primeiras canções - editadas num EP homónimo - hoje arrasam palcos com uma energia frenética de pôr toda a gente a dançar. Depois de terem gravado o primeiro EP com Nick Nicotine, os Pista apresentam agora o seu álbum de estreia ao lado de Luís Nunes (Walter Benjamimcuja fórmula principal consiste numa miscelânea de loops a englobar elementos do afro punk, bike rock e pedalcore que resultam num grande bamboleio sonoro.

Com uma música, no geral, muito adequada aos dias solarengos, os Pista apresentam Bamboleio com "Ar de Inverno" e, diga-se de passagem, que num inverno ainda quente, o single surge como uma excelente apresentação da capacidade de implementação rítmica que o trio possui. Afinal não é só hype, os Pista são mesmo bons, basta avançar só mais uma canção para o confirmar. E o mais incrível é a energia contagiante que as músicas de Bamboleio transmitem ao serem ouvidas. Há uma reação instantânea ao que se ouve e, embora entre acordes simples, os Pista constroem melodias notórias. Se "Sal Mão" apresentava uma fase mais "flower party", despertando diferentes opiniões entre o público, num pequeno resumo, Bamboleio afasta-se dessa imagem e traz músicas bastante consistentes, numa evolução expectável face ao apresentado no EP de estreia. 



Apontando meia mão cheia de boas malhas vem já à mente "3-0", "Onduras" e "Ivone". A "3-0" porque mistura o melhor tropicalismo dos Pista com numa vertente mais post-rock; a "Onduras" porque traz à memória as sonoridades da música independente dos finais dos anos 00, numa abordagem muito própria e a "Ivone" porque segue a mesma linha, abrindo com uma guitarra a deixar saudades dos The Strokes. Por fim, em "Queráute", a maior música deste longa-duração e o grande epílogo de Bamboleio, há uma aproximação às melodias californianas; o som da Fender Mustang, no volver do single, facilmente traz comparações a Ty Segall e ao Floating Coffin dos Thee Oh Sees (ouvir "Boxe Fantasma") encerrando assim, de forma frenética, um primeiro longa duração bastante bom.

Em suma, Bamboleio é um álbum que atinge quaisquer expectativas pré-formadas pelo seu formato consistente, pela sua sonoridade que, ainda em crescimento, apresenta muitas características boas da fase de iniciação e, essencialmente, pelo facto dos Pista mostrarem que para além de músicos eficazes são igualmente eficientes. Vale a pena reforçar ainda a ideia de que, pela diversidade rítmica apresentada, os Pista conseguem fazer surgir n bandas como um indicador das suas influências, tendo o resultado de cada canção uma identidade única e própria. Bamboleio vale a pena ouvir.

+

STREAM: The Japanese Girl - Sonic-Shaped Life


O primeiro disco dos The Japanese GirlSonic-Shaped Life, chegou hoje às lojas com o selo da editora madrilena Munster Records. O álbum, que viu "You Should Have Switches" como primeiro single de avanço, foi gravado nos Estúdios Sá da Bandeira no Porto por Cláudio Tavares e João Brandão. O disco é composto por dez canções que desenham o universo próprio do rock hipnótico e neo-psicadélico da banda e pode ser ouvido aqui mesmo.

+

dEUS regressam ao nosso país


Os belgas dEUS vão regressar mais uma vez ao nosso país em função da Soft Electric Tour depois de terem atuado na última edição do Super Bock Super Rock. A banda vai atuar a 18 de Dezembro no Theatro Circo, em Braga, e a 19 de Dezembro, na Aula Magna, Lisboa. Nesta digressão, a banda vai interpretar temas eléctricos mais suaves e raramente tocados ao vivo. 


Os bilhetes custam entre 18 a 30€ no Theatro Circo de Braga e entre 26 a 35€ na Aula Magna.

+

domingo, 8 de novembro de 2015

Reportagem: And So I Watch You From Afar [Hard Club - Porto]


Os And So I Watch You From Afar voltaram a Portugal e nós estivemos no Hard Club para testemunhar este regresso promovido pela Amplificasom. O quarteto irlandês conhecido pela qualidade do seu math e post-rock veio apresentar o seu mais recente álbum, Heirs.

O responsável pela primeira parte do concerto foi Homem em Cartarse ou Afonso Dorido que nos veio apresentar o seu primeiro longa duração, Guarda-Rios. A sala 2 do Hard Club ainda estava longe de estar cheia no inicio do concerto. Apesar de ter sido um concerto bastante competente a sua melancolia não nos preparou para a explosão de energia que seguiria com os And So I Watch You From Afar.



Setlist:
Tempos Incertos, Momentos Dispertos
É Tão Diferente Quando Somos Nós
Mergulho No Cávado
(não és) Açor
Teremos Sempre Paris
O Que Passa, Esvoaça

Já com a sala completa sobe ao palco a banda pela qual todos esperavam e começa a tocar "BEAUTIFULUNIVERSEMARTERCHAMPION", a primeria faixa de Gangs e uma das maiores malhas da banda, pondo todos a dançar e a fazer headbang. Após este magnifico inicio Rory Friers, um dos guitarristas, decidiu descer do palco e tocar, durante algum tempo, no meio do público. Em "Run Home" notou-se um maior reconhecimento por parte da audiência que, já desde o inicio "dava tudo" com o math e post rock dos irlandeses. Em "Think:Breathe:Destroy" começou o primeiro mosh sendo esta uma constante até ao fim do concerto. Rory pediu desculpa por terem demorado a regressar ao Porto e um aplauso para toda a equipa que preparou e ajudou a preparar o concerto dedicando-lhe a música "7 Billion People All Alive At Once", um dos pontos altos do concerto.



Após "Set Guitars To Kill", um dos grandes temas da banda, abandonam o palco, regressando, pouco tempo depois, para o encore. Mais uma vez Rory juntou-se ao público desta vez baixando-se e juntamente com ele todos os que o rodeavam, criando outro grande momento do concerto. Antes de se despedirem com "The Voiceless" voltam a agradecer ao público e aos responsáveis pela sua presença no Porto. Numa jam final o guitarrista entregou, por uns momentos, a sua guitarra a uns dos fãs que se encontrava na primeira fila. Um concerto excelente que deixa saudade, apenas pecando por terem sido tocados poucos temas de Heirs, o álbum que vieram apresentar como, por exemplo, "Redesigned A Million Times".

Setlist:
BEAUTIFULUNIVERSEMARTERCHAMPION
Gang (Starting Never Stoping)
Run Home
Wasps
Ambulance
People Not Sleeping
Think:Breathe:Destroy
Search:Party:Animal
Like A Mouse
7 Billion People All Alive At Once
Set Guitars To Kill

Encore:
Eunoia
Big Thinks Do Remarkable
The Voiceless

And So I Watch You From Afar @ Hard Club


Texto: Francisco Lobo de Ávila
Fotos: João Monteiro

+

José Camilo apresenta single de avanço do novo álbum "Obra Camiliana"


A vontade de compor canções mais pesadas, abrasivas e sujas fez com que José Camilo se atirasse ao novo disco com o som muito bem definido. Para a produção do álbum escolheu Fernando Matias que havia produzido Linda Martini ou Quartet of Whoah e arquitectou um trabalho com base no rock rápido e musculado, mas que terá mais que isso. 

Para ouvirmos o seu segundo longa-duração, sucessor de 24 horas no subúrbio (2013), ainda há que esperar um pouco, mas a canção “Sangram os Dias”, que serve de avanço, reflecte essa abordagem mais ríspida construída à base de guitarras distorcidas e com uma bateria inspirada em Dave Ghrol e na sua forma única e emocionante de tocar. 

Algures entre um Ryan Adams, Pavement ou Sonic Youth, o suburbano José Camilo enfrenta uma nova faceta da sua própria identidade e está determinado a partilhá-la.

+

Tom Brosseau atua na Casa Indepedente a 11 de novembro


O músico norte-americano Tom Brosseau vem a Lisboa apresentar o seu novo álbum Perfect Abandon, contando com as já habituais referências folk, marcadamente americanas, podendo dizer-se até que tem uns ligeiros aromas de country. O seu percurso de colaborações extenso – Sean Watkins, John C Reilly, Hilary Han - revelam não só a sua importância como a sua influência neste género que cada vez tem vindo a ganhar mais destaque.

O minimalismo é a evidência e o desafio é desvendar os mistérios presentes num álbum gravado com um único microfone (Perfect Abandon) ou numa música que utiliza apenas duas cordas de uma guitarra ("Cradle your device"). Narra-nos a vida, as vicissitudes do que é viver numa sociedade moderna, as questões existenciais, as relações amorosas ou simplesmente uma tarefa tão corriqueira como uma ida ao supermercado.

O segredo é deixar-se ir nas narrativas e na forma como se nos apresentam, por trás de um homem simples, que com uma guitarra e a voz nos poderá levar a abraçar outras latitudes.

O concerto com o selo do Nariz Entupido está marcado para as 21h30 de 11 de novembro e os bilhetes cutam 6€. Estes últimos estão à venda à porta na noite do concerto.

+

PISTA apresentam novo álbum no Musicbox e Maus Hábitos esta semana


Os PISTA vão apresentar o seu álbum de estreia Bamboleioa a 13 de Novembro, no Musicbox. Em palco estarão vários convidados: Alex d'Alva Teixeira, Fast Eddie NelsonThe Dirty Coal Train, Benjamim, Bro-X, Nick Suave, Óscar Silva (Jibóia) e Ricardo Martins


Um dia após a apresentação em Lisboa, os PISTA vão até ao Maus Hábitos no Porto.

Bamboleio foi gravado e misturado no Alentejo, em Alvito, por Luís Nunes (Benjamim, que também participa nos coros e teclados em dois temas), masterizado por Xinobi e editado pela pontiaq e CTL-MusicboxBamboleio acontece depois do EP de estreia, Pista, editado em Outubro de 2013. 

Os bilhetes para os concertos de apresentação custam 10€ no Musicbox + LP Vinyl a 6€ e 3€ no Maus Hábitos + LP Vinyl a 10€.

+

Les Crazy Coconuts em entrevista: "Somos pop rock electrónico com sapateado"


Os Les Crazy Coconuts são de Leiria e editaram no passado mês de Outubro o seu primeiro trabalho de originais. Nós estivemos a conversa com a banda. 

Threshold Magazine (TM) - Este ano tocaram em palcos bastante importantes cá em Portugal como o NOS Alive, Paredes de Coura, Indie Music Fest, entre outros. Algum dia pensaram como espectadores que seria possível tocar em Paredes de Coura?

Les Crazy Coconuts (LCC) - Sempre sonhámos com isso, acho que o mais importante é acreditar que é possível. É preciso criar um objectivo para o puder tornar realidade, por isso vamos dizer que sim. Lá no fundo sempre tivemos uma réstia de esperança que pudesse a vir ser real e como tal trabalhámos com isso em mente para o fazer acontecer.

TM - O que nos podem dizer sobre o vosso primeiro álbum? Tem alguma temática associada?

LCC - Podemos afirmar com toda a certeza que somos nós. Ouvindo o nosso álbum ficam a conhecer um bocado sobre todos nós. Tem um cunho muito pessoal, cada um de nós depositou muito de si na sua criação. A temática gira sobre a rádio e os seus programas de autor. Associamos isto às viagens que se fazem, e tal como a rádio gostaríamos de ser uma boa companhia para quem as faz. Levem-nos na vossa viagem que nós também vos levamos na nossa.

TM - O que é que vos influenciou na sua criação e como funciona o vosso processo criativo?

LCC - Basicamente tudo, todos e nada. Ouvimos e vemos muita coisa, naturalmente somos influenciados por isso, consciente ou inconscientemente. Mas nunca partimos de um ponto em que definíssemos um estilo musical. O nosso processo criativo também é bastante aleatório, não temos nenhuma receita que nos sirva de guia. Às vezes começa com brincadeiras, outras vezes sons e ritmos que alguém leva de casa ou cria no momento. Nunca é da mesma forma e até ver estamos satisfeitos com isso.

TM - Como definem a vossa sonoridade?

LCC - Não definimos, lá está. Indo de encontro à resposta anterior, somos influenciados por muita coisa e gostamos de muita coisa. Não nos conseguimos reger por só um estilo musical, nem queremos. Mas se tivermos de sintetizar isso, por agora somos pop rock electrónico com sapateado. Mais tarde logo se vê.

TM - Qual foi a descrição mais caricata que ouviram da vossa música?

LCC - Humm talvez a de pop rock com pés para dançar.

TM - Sendo vocês uma banda de Leiria, como vêm a evolução cultural da cidade no futuro?

LCC - Sendo nós de cá sabemos que a cultura por aqui irá ser sempre alimentada, esperamos é que seja com mais condições, mais apoios e mais respeito. Felizmente em Leiria há muita boa gente que anda a trabalhar para isso. No geral as previsões para o futuro são bastante favoráreis.

TM - Já há planos para 2016?

LCC - (risos) Para já só queremos chegar ao final de 2015 sem mossas, quando chegarmos a 2016 resolvemos. Também não tinha piada se desvendássemos os planos todos.

TM - O que têm ouvidos nas últimas semanas?

LCC - Nestas últimas duas semanas estivemos a preparar um mega flash mob de surpresa de casamento e como tal temos uma vasta lista de grandes hits: Strauss, Britney Spears, Céline Dion, 50 cent, Benny Benassi, Excesso, Beyoncé, The Rolling Stones, D’arrasar, etc… Esta semana voltamos à normalidade, se é que ainda é possível.

TM - É tudo, muito obrigado!

+

Vídeos Da Semana #68


Numa semana marcada pelo regresso dos And So I Watch You From Afar a Portugal, outros artistas continuaram igualmente a promover os seus trabalhos através do formato audiovisual. Abaixo há assim para ver, Dilly Dally, Darkstar, Animal Collective, Boogarins e Pill.

1 - Dilly Dally - "The Touch"

2 - Darkstar - "The Days Burn Blue"

3 - Boogarins - "6000 Dias"

4 - Animal Collective - "Michael, Remember"


5 - Pill - "Hot Glue"

+