segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

[Review] Janrik-Ode

Janrik// janeiro 2016
7/10


Recordam-se de Janrik com o single “Cavalinhos”?
Voltou à carga com os mesmos para nos trazer UM, a EP lançada no segundo dia deste ano. Composta por 4 faixas sempre acompanhadas da sua guitarra super melódica, Janrik tenta-nos trazer uma pequena amostra do que quer fazer.
A primeira faixa “Ela, recorda-nos aqueles domingos, deitados ao lado do nosso amor, ou mesmo aqueles passeios no parque, a guitarra dá a sensação de harmonia, uma guitarra simpática e é tudo menos o que vemos em “Ele”, mais triste, esta será das faixas mais tristes não fosse esta uma “post break-up” EP, uma ode às relações que acabaram. São faixas que e complementam, tendo uma fase mais melodiosa e outra mais pesada, sentida que seria o pós auge de relação.
E é assim que continua, esta EP parece ser como uma relação amorosa, um início sempre com aquela sensação de calor interior, aquela loucura que é amar e que à medida do tempo se pode tornar algo pesado, um sentimento sôfrego tal como em “Cavalinhos”, o já conhecido single em que pelas guitarradas pesadas e duras se sente a tristeza que por vezes as relações trazem, a certa altura até ouvimos a respiração também ela pesada, do artista que acabar a tentar reatar, a tentar ter outra oportunidade.
Com a última faixa, “Tentámos” (Ou a Vertente Universal do Amor), é uma faixa cantada e com referências usadas num sentido romântico a um Portugal antigo, onde se pode observar “Viver é fundamental/Um regime ditatorial/Mas este Estado Novo do Amor/Foi embora/Com esta triste canção”.
O que posso dizer desta EP? Que por vezes acabar relações dão ideias para grandes melodias, que Janrik apesar de este ser o seu primeiro trabalho musical, tomem nota, poderá ser o próximo Norberto Lobo ou mesmo Tó Trips, com estas influências na guitarra, estas melodias que tocam os ouvidos dos apaixonados ou não apaixonados e ainda dizer: amem, porque é mesmo bonito amar.