terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Cinco Discos, Cinco Críticas #12

HYMNS // BMG // janeiro de 2016

6.5/10

Depois de hiatos indefinidos, desentendimentos e a entrada de dois novos membros, os BlocParty entraram em 2016 com o lançamento do seu quinto álbum de longa duração, HYMNSJuntos desde 1999 e com um enorme following na cena indie rock, este novo trabalho do quarteto britânico é no entanto muito difícil de descrever, e é sem dúvida o começo de uns novos Bloc Party; não existe o desespero frenético dos últimos trabalhos, mas sim a procura de um novo som, talvez mais contido e com a visível influência dos novos elementos da banda, bem como do trabalho a solo de Kele Okereke, o vocalista do grupo. Já sabemos que Kele não é nenhum génio lírico, mas a qualidade das suas letras mantém-se. No entanto ao longo do álbum somos surpreendidos por uma miscelânea de géneros e sons, como em “Only He Can Heal Me”, com uma clara influência gospel, a infeliz “The Good News”, talvez a pior do álbum, com inspiração country, ou “Into The Earth”, quase a chegar ao beach pop, mas por várias vezes somos deixados no limbo durante este álbum; excelentes momentos de antecipação são criados, mas nunca chegam a ser bem concretizados, como em “Exes” ou “The Love Within”. Bloc Party ganham indubitavelmente crédito por tentar algo novo com HYMNS, é sem dúvida um álbum de transição que quase funciona, mas que claramente precisa ainda de algum trabalho. Um bom esforço, no entanto. 

Márcia Boaventura


Heaven Is A Place // Deep Space Recordings // janeiro 2016

8.5/10

Depois de 9 anos, a banda de São Francisco LSD And The Search For God lançou o EP Heaven Is A Place. E bem…como explicar, como relatar tudo o que se pode viver com 5 simples músicas?
Recordo-me de ouvir pela primeira vez esta banda, a self-titled EP e pensar: “O nome faz sentido, estes gajos conseguem pôr qualquer um numa acid trip”.E assim fazem com que continuemos numa acid trip, numa viagem “a la shoegazer”. Começam forte com “Heaven” para nos fazer subir, para fecharmos os olhos e ficarmos arrepiados, mesmo com pele de galinha. Agora que já nos encontramos a viajar chega “(I Don´t Think That We Should) Take It Slow” uma música onde a voz de Sophia Campbell, sempre angelical, se destaca. “Outer Space”, a terceira faixa, leva-nos mesmo a uma estação espacial, onde podemos flutuar sob o espaço e observar o vazio e a nossa pequenez. Esta EP acaba com uma quinta faixa, com uma duração maior que as restantes, onde riffs de guitarra distorcida se destacam. A voz sempre presente consegue ser uma das armas que leva o EP a ter esta pontuação. LSD And The Search for God continuam a surpreender-nos, a fazer-nos viajar e a fazer-nos recordar bandas de renome, como Slowdive. A nave da banda aterra em Portugal, mais concretamente no Reverence Valada que decorrerá entre os dias 8 e 10 de Setembro.

Duarte Fortuna



Grow A Pair // Self Released // novembro 2015
                  
   7.7/10

Depois de em 2013 terem lançado, o mal-amado, Trust Found, a banda portuense regressou, no início do ano passado, com dois singles, “Skip Off” e “July”, que mais tarde vieram a integrar este primeiro EP da banda, Grow A Pair. O título deste registo é, como nos disseram em entrevista, parte de um dos nomes que consideraram para a banda aquando a sua formação.
Como os Eat Bear tiveram um ano bastante activo, em termos de concertos, antes do lançamento deste trabalho, já todos os seus temas tinham sido tocados ao vivo, aguçando, assim, a vontade de o ouvir em estúdio. Mais uma vez a banda mostra as suas influências do garage rock e post punk, tendo como principais diferenças em relação ao primeiro registo uma melhor composição, um som mais “limpo” e a maior parte dos vocais são executados por Miguel Almeida, o que pode causar algumas comparações (principalmente “July” e “Won’t Spread The Word (About Tonight)”) com o seu projecto a solo, Grany Detours, do qual já se falou anteriormente. Todos os temas têm instrumentais excelentes e são “catchy” o suficiente para ficar na memória durante vários dias. Apesar da boa qualidade de todas as faixas, talvez se destaque “270 Fast-Forward” que, além de nos dar aquela estranha satisfação de quando uma banda canta o título do disco, termina com uma pequena demonstração de como seria a música da banda se se dedicasse mais ao rock psicadélico. Grow A Pair é uma boa demonstração do potencial desta banda mas acaba por saber a pouco porque metade das suas músicas já tinham sido editadas como single anteriormente.

Francisco Lobo de Ávila


Songs For Our Mothers // Fat Possum Records // janeiro 2016


7.0/10 

É impossível restringir os britânicos The Fat White Family a um estilo definido. A melhor maneira de os descrever é imaginar os personagens de Trainspotting a pegar em instrumentos e a fazer música sobre o seu estilo de vida. Para os fãs, não esperem grandes diferenças entre este e o primeiro álbum, os elementos em destaque continuam os mesmos, sendo que a banda volta a optar por um som lo-fi e garage rock com influências electrónicas. O momento do álbum está na primeira música, “The Whitest Boy on The Beach”, uma música fantástica que apenas dá vontade de dançar nu no meio de uma rotunda. As músicas continuam e estes fazem o seu melhor para provocar a audiência. Na musica “Goodbye Goebbels”, invocam o nome do antigo mão direita de Adolf Hitler e prevêem um novo reich, “Here’s to the fourth reich/ I bid you a Jew”, ou na musica "Satisfied" onde fantasiam Primo Levi, escritor italiano que sobreviveu ao holocausto, a realizar o sexo oral, “She looked like Primo Levi sucking marrow out of a bone”. Este não é um álbum para todos os indivíduos, aconselho os sensíveis a manterem-se afastados, no entanto se forem fãs do pecado tem aqui o disco perfeito para celebrar uma vida repleta de decadência e deboche. 


Hugo Geada


Total Freedom // Richie Records // janeiro de 2016

6.8/10

Os Spacin', que editaram o seu último álbum em 2012, lançaram Total Freedom no passado dia 15 de Janeiro. Os americanos, originários de Pensilvânia, tendo já passado por Portugal em 2013, não se desviaram muito da sonoridade no que toca a Deep Thuds, as influências de Black Lips, junto com o seu psych característico, continuam a fazer o que são os Spacin' no seu todo. O álbum começa com "Over Uneasy", invocando um riff cativante no início desta malha, onde ficam desde logo claras as influências referidas anteriormente. A banda americana segue com um registo de músicas mais fora do comum, tais como "Kensington Real" e "B.I.S.", que mostram uma vertente mais experimental do seu psych/garage rock, através de guitarras e sintetizadores estranhos. Destaque também para "Total Freedom" e "Titchy", que se sobressaem neste álbum pela sua simplicidade, associada às emoções que os Spacin' põem, de uma maneira especial, nestas duas músicas. Total Freedom é um álbum de audição fácil para os adeptos deste tipo de música, mas que no final deixa-nos uma impressão, como se algo nos deixasse a desejar.

Tiago Farinha