sexta-feira, 22 de abril de 2016

Liberdade Gourtmet junta Ensemble Economique, Jung An Tagen e MADA TREKU no Café au Lait


Como já é habitual, a Favela Discos junta-se ao Café au Lait, desta vez para celebrar a Revolução dos Cravas a 24 de abril, fazendo uma noite especial com um elenco de luxo a custo 0€, de graça, à pala, mas respeitando as novas tendências e mantendo-se fresh. Pede-se a quem não estiver na moda para não aparecer, de modo a não desvirtuar o evento. Podem então contar com atuações de MADA TREKU, Jung An Tagen e Ensemble Economique

MADA TREKU

MADA TREKU é a assinatura polivalente de Nuno Loureiro: música de dança introspetiva, densa, pervertida e desafiante, no presente. Falamos de um balanço cuidado de cada adjetivo, de um protagonismo de algo que apenas poderia ser descrito como áspero, sensível ou alguma forma do verbo roçar. Nascido da intenção de interpretar a personagem principal do Millenium Mambo, filme de Hou Hsiao Hsien, o artista deixa o coração do álbum a cargo da faixa batizada pelo nome da atriz. Não obstante, faixas como a gigante SIDE B TAKE 2 mostram que MADA TREKU mima cada som com o melhor de cada dimensão que lhe agrada. Pensem Mark McGuire meets ballroom.




Jung An Tagen

Jung An Tagen utiliza a síntese subtractiva e técnicas de sampling para construir estruturas alegóricas, repetições e moirés polirrítmicos, que circulam em timbres distintos e fragmentos tácteis. Resulta então numa fusão de movimentos sob alta energia ou em estado de gravidade zero. Devido à natureza sinestética do VIV, colectivo a que pertence, Jung An Tagen está estritamente ligado a uma linguagem visual muito específica, com um nó muito forte na vídeo arte, embora muitas vezes a sua performance esteja reduzida ao mero áudio.




Ensemble Economique

Vindo da Califórnia, Brian Pyle deambula-se pelo mundo nas suas incontáveis viagens. Qual versão Lynchiada de Hemingway, tem olho para a fina membrana que existe entre o cansaço e o ócio, entre a melancolia e a serenidade. Onde quer que vá, absorve fervorosamente estas nuances, condensa e molda-as em estilos desde o drone, ambient, a mesmo shoegaze e post-wave, dando à luz as criações que fazem parte do seu muy profílico projecto: Ensemble Economique. Actualmente a assinar o seu 11º disco, quarto desde que entrou para a lendária Denovali Records, Pyle combina e aperfeiçoa os elementos do seu último lançamento numa narrativa coerente. Blossoms in Red é provavelmente o seu registo mais minimal, mas ao mesmo tempo – e talvez até, por esta mesma razão – o seu trabalho mais perito.