segunda-feira, 2 de maio de 2016

[Review] Miss Lava - Sonic Debris


Sonic Debris // Small Stone Records // abril 2016
8.5/10

Se não vamos nós ao deserto, vem o deserto até nós.

Este parece ser o lema seguido por Miss Lava, uma das bandas pioneiras na cena stoner/desert rock por terras lusitanas, que desde 2012, ano em que lançaram Red Supergiant, não contavam com nenhuma actualização na sua discografia. 

Atualmente, quando falamos de Miss Lava, já não estamos a falar de uma banda qualquer. Estamos a falar de um grupo maduro (conta já com mais de uma década em funcionamento) e que já pisou não só os principais palcos dos festivais portugueses (Super Bock Super Rock, Rock in Rio, Reverence Valada, Vagos Open Air, SWR Barroselas Metal Fest), mas que também já teve a proeza de “invadir” festivais estrangeiros como o Stoned from the Underground da Alemanha, ou o espanhol Stonefest. Para reforçar esta ideia, posso ainda acrescentar que estes já partilharam palco com enormes bandas como Queens of the Stone Age, Metallica, Mastodon, Slash & Friends, Graveyard, Ufomammut, Greenleaf, W.A.S.P., Kyuss Lives!, Fu Manchu, Entombed, Meshuggah, Truckfighters.

Miss Lava apresenta uma sonoridade que bebe de diversas influências, podemos passar uma tarde inteira sentados num bar a enumerar géneros, desde o rock n' roll, ao stoner, ou hard blues, que mesmo assim não tínhamos dedos suficientes nas mãos nem nos pés para contar todos os géneros que esta dama vulcânica utiliza para criar o seu próprio som. 

Os seus álbuns sempre foram um exemplo para qualquer aspirante às sonoridades do deserto. Guitarras encharcadas em fuzz, riffs orelhudos e com grande sentido de groove (capazes de deixar o próprio Josh Homme orgulhoso), solos flamejantes (desculpem os trocadilhos com lava, a imaginação não dá para mais), baterias sísmicas e um baixo capaz de estremecer o epicentro da terra. A banda não se esquece destas características, neste novo álbum, e acaba por acrescentar uma nova sensação cósmica que o ouvinte sente a cada faixa que passa. Tão depressa conduzimos uma Harley Davison no deserto californiano como uma nave espacial para Marte. Os arranjos psicadélicos são bem-vindos.

Outra característica que merece ser reconhecida como imagem de marca destes portugueses é o facto de estes escreverem as letras mais catchy e com os refrões mais apetecíveis de cantar a plenos pulmões. Provavelmente, o melhor exemplo para ilustrar é a musica "Ride", do álbum Red Supergiant.

Ao comparar Sonic Debris aos trabalhos mais antigos de Miss Lava podemos concluir que este é um álbum muito mais diversificado e experimental, será de notar que a música “In a Sonic We Shall Burn”, para além de ter um dos nomes mais "badass" de sempre, é ao contrário do resto do álbum, interpretada exclusivamente com uma guitarra acústica.




Pondo agora a parte sonora de parte, em termos temáticos observamos que as letras apresentam um caracter bastante pessoal, especialmente na análise de conflitos interiores. Nas palavras do vocalista Johnny Lee, acerca do primeiro single do álbum, “In The Arms Of The Freaks”, “Esta música é sobre lidares com o teu próprio freak show. Dares palco e lutares contra os teus próprios demónios pode ser uma viagem bem destrutiva na maior parte das vezes”.

Faixas como “Another Beast is Born” e “The Silent Ghost of Doom” (especialmente na sinistra introdução, que poderia muito bem figurar num álbum da mais pesada banda de Doom Metal), reforçam a temática a cima abordada. “At The End of The Light” também é um bom exemplo de como a banda ilustra a temática dos “demónios interiores” através da instrumentalidade possuindo uma das frases de guitarra mais sinistra do álbum.

Mas as letras não são apenas centradas nesta “negatividade”, longe disso, temos também uma linha bastante imaginativa e criativa de ficção cientifica espacial, que me remete para algumas entradas no reportório dos americanos Monster Magnet e as suas excentricidades do space rock. Musicas como “Im The Asteroid” ou “Planet Darkness” inunda a imaginação do ouvinte.



Voltando à análise mais objectiva da instrumentalidade do álbum, existem momentos em que o ouvinte apenas se depara com uma opção, que é entregar-se pura e simplesmente à musica e desfrutar o máximo possível do orgasmo musical que está a sentir. Em termos musicais a banda atinge um pico entregando solo enérgicos em musicas como “Pilgrims Of Decay ”, “Symptomatic”. Mas o momento alto do álbum surge na musica "Fangs of Venom", uma música que tem um pouco de tudo, desde uma introdução mais lenta, tipicamente sludge/doom, aproveitando ao máximo a sonoridade de cada nota, até uma secção repleta de groove, que certamente é uma delicia para abanar o corpo numa atuação ao vivo da banda, um refrão que fica no ouvido e é facilmente decorado e, tal como a cereja em cima do bolo, conta com mais um refinado solo de guitarra.

Em Sonic Debris, Miss Lava tem aquele que, essencialmente, é o seu álbum com mais qualidade, técnica, diversidade e trabalho em estúdio. Estes acabam por pegar nos pontos mais fortes da sua discografia e adicionam elementos que os complementam. O produto final acaba por ser feliz. Posso afirmar que Sonic Debris tem toda a qualidade para reforçar o legado deixado por estes pais do stoner rock português.


Texto: Hugo Geada