quarta-feira, 11 de maio de 2016

Oiçam: Giant Gutter From Outer Space


Atenção cibernautas simpatizantes do heavy metal, stoner rock com tons noisy, ou simplesmente simpatizantes da música mais pesada: os Giant Gutter From Outer Space não podem ficar esquecidos entre a coleção de bandas por ouvir. Formados em 2014, numa conjugação entre baixo e bateria, Hernan Oliveira e Johnny Rosa trazem uma música que não passa despercebida a qualquer ouvido. O nosso não ficou de lado e em três edições os Giant Gutter From Outer Space explicam porquê.

Amigos de longa data e com a motivação em fazer música pesada, experimental e crua, lançaram o seu primeiro EP, intitulado de set adrift, em outubro de 2015 contendo cinco músicas que exploram esta vontade inicial na procura de uma sonoridade. Apesar do lento desenvolvimento das composições há músicas que valem a pena continuar a ouvir pela surpresa que trazem envolta. "in spit of all" é um bom exemplo, esperar até ao final vale muito a pena.


O segundo registo de estúdio viria a surgir uns meses mais tarde, já em 2016, em formato curta duração e sob o nome stumm, contendo dois novos singles inéditos. "sturm", o primeiro single de avanço vem apresentar uns Giant Gutter From Outer Space mais calmos no seu início - o que não deixa de surpreender - mas sempre fiéis à sonoridade stoner rock.




Em Black Bile, disco de estreia com aproximadamente 40 minutos de duração, os Giant Gutter From Outer Space oferecem um álbum que traz algumas novidades face à sonoridade apresentada até então, embora exiba ainda algumas arestas por afinar. Há cinco canções de certa forma distintas entre si e, aos que até agora foram conquistados, recomenda-se vivamente a audição de "joy and misery".

Posto isto, o que importa: a interessante exploração rítmica do baixo na música progressiva dos anos 60/70 e da bateria na música vanguardista e experimental. O resultado fica abaixo.