segunda-feira, 20 de junho de 2016

[Review] Rïcïnn - Lïan


Lïan // Blood Music // junho de 2016
9.0/10

Lïan assinala o primeiro trabalho de estúdio de Rïcïnn, projeto a solo de Laure Le Prunenec (Igorrr, Corpo-Mente, Ele Ypsis, Öxxö Xööx) e apresenta-se como um marco na história da música pós-moderna. Numa era em que a indústria da música se vê lotada de projetos amadores, muitos deles de qualidade medíocre e isentos de qualquer característica inventiva, a Laure apresenta uma obra prima, onde a mensagem final resulta de um processo extremamente bem pensado e coordenado entre música, letra, imagem e meio.

Uma das característica que distingue a Rïcïnn de outros projetos da atualidade, ignorando o género sobre o qual incide, é a linguagem. Para responder à necessidade de conseguir alcançar uma forma de comunicação superior e traduzir a sua imaginação ao mundo, a compositora francesa criou a sua própria língua. Em criança, ela inventou vários remédios mágicos e fórmulas verbais para ajudar os outros a curar as suas feridas e com o tempo acabou por criar a sua própria linguagem. A voz funciona, deste modo, como o seu instrumento de condução emocional.

Outra característica que merece destaque, encontra-se nas influências musicais que a "rainha do avant-garde" francesa incute nas suas composições. À semelhança do trabalho já feito nos Corpo-Mente, Rïcïnn aposta na conjugação da música moderna e clássica com os riffs pesados do doom metal, juntando-lhes ainda arranjos da música barroca e do canto gregoriano.  Para encontrar uma uniformidade nas suas canções, Rïcïnn recebeu a ajuda de Aymeric Thomas (Pryapisme) e Derenne para criar arranjos programados (principalmente orquestrais) e diversos sons ambientes, nomeadamente o som de uma sonda que orbita Saturno, cedido pela NASA, e presente no single "Ohm".




A capa de Lïan mostra Laure completamente exposta, de rosto voltado e despida de qualquer artefacto que possa causar primeiras impressões falsas. A aura negra completa a mensagem mostrando semioticamente ao ouvinte que o álbum não retratará qualquer melodia animada. Bela, mas obscura.

A confirmar o anteriormente dito, ouve-se em "Uma", primeiro single de avanço, a facilidade com que Rïcïnn consegue transformar a sua voz, indo dos agudos mais femininos aos graves mais masculinos. Em "Orpheus" a compositora explora uma sonoridade mais nostálgica, abrindo com o cravo ao jeito de Domenico Scarlatti, uma das suas influências da música barroca, e finalizando com a guitarra em pano de fundo. Pelo meio faz uma música completamente enriquecida, resultado da pouca denotação entre as pontes dos variados instrumentos através de uma excelente sobreposição de voz. 


Apesar de Lïan ser maioritariamente escrito na língua de Rïcïnn, o inglês é utilizado escassamente em músicas como "Orchid" e "Little Bird". Enquanto "Orchid"
 se apresenta maioritariamente como uma balada contemporânea, "Little Bird" é orquestral na sua introdução, funcionando como uma espécie de pedido de inspiração "às ninfas", para o seu desenvolvimento. Resultado conseguido e Rïcïnn volta mais uma vez a alterar toda a composição e compasso musical ao volver da mesma música, criando vários tipos de estímulos. Uma das grandes canções do disco.

"Lumna" retrata um universo de águas turbulentas representado pela distorção do som das baleias (ver este vídeo). Abrindo com a voz celestial que Laure também consegue reproduzir,  num cenário completamente embalador representado no xilofone, Rïcïnn começa a juntar os novos ritmos e quebras que levam "Lumna" da aura celestial à aura negra, de início ao fim. 

Lïan é um disco muito promissor porque em todas as músicas são aplicadas variadas formas a fim de prender a atenção do ouvinte, não o maçando de todo, com sons monótonos e facilmente compostos. Lïan explora vários sentimentos e emoções menos felizes e junta-lhes a cultura clássica, barroca numa produção extremamente bem pensada e elaborada. Este álbum é um novo marco na cultura musical underground e apresenta-se como um disco que revoluciona o que se tem feito internacionalmente no ramo da música. É de aplaudir o facto de Lïan se tratar de um disco de estreia e trazer em si embebido puro profissionalismo e cultura musical, uma amostra da excelente música e compositora que se esconde no corpo de Laure Le Prunenec representada em Rïcïn Lör.