terça-feira, 5 de julho de 2016

Ghost Hunt, Whales e GANSO com aventura marcada no Bosque do Choupal


Faltam menos de dois meses para o Indie Music Fest e o seu cartaz, que reúne o que melhor se faz na música em Portugal, está a ficar cada vez mais composto. E que maneira de celebrar a arte nacional e fazer parte da história da música portuguesa independente.

Aos já confirmados Salto, Savanna, Galgo, Riding Panico, Basset Hounds, The Walks, Pussywhips, Granada, Indio Kurtz, Wild Apes, Solution, MUAY, Pixel82, e Jesse juntam-se agora mais 5 nomes. São eles Ghost Hunt, GANSO, Whales, Ditch Days e Desligado.

Quem se junta à aventura no Bosque do Choupal nos próxima dias 1,2 e 3 de setembro são os Ghost Hunt, duo formado por Pedro Oliveira e Pedro Chau que vai espalhar pelo bosque a sua sonoridade que mistura punk, garage rock a techno e shoegaze.


Os GANSO, banda de Lisboa que juntamente com El Salvador, BISPO ou Modernos faz parte do coletivo Cuca Monga, são outras das bandas que se deslocam até Baltar, trazendo a sua Costela Ofendida. O primeiro disco já aí se adivinha, certamente com muito Afrobeat com cheirinho a jindungo.


Whales são os senhores que se seguem. Vêm de Leiria e fazem parte da Omnichord Records, editora de Nice Weather for Ducks, First Breath After Coma, entre outros, e muito tem dado que falar em 2016. O seu nome tem origem no paralelismo que existe entre compor e o trajeto que a baleia faz no oceano: "É um animal que anda devagar mas com firmeza". Fazem parte dos Novos Talentos FNAC 2016, tal como os GANSO, Galgo e Ditch Days, e prometem um concerto bem energético onde o single de estreia "Big Pulse Waves" não vai faltar.


Os Ditch Days vêm de Lisboa com a seu indie rock e dream pop. São urbanos e exóticos ao mesmo tempo, mas isso não quer dizer não posso trazer um bocadinho da Austrália até ao Bosque do Choupal. Estamos a a falar pois do seu EP Melbourne, que já muito roda por essas rádios portuguesas mais alternativas. Esperemos que os seus sons primaveris encantem aqueles que por lá andarem, talvez com músicas do álbum de estreia à mistura.


Desligado é Rui Pinta,  um verdadeiro homem-orquestra que acha que estamos ligados a demasiadas coisas. Nós cá temos a certeza que não vão querer desligar-se dele depois de setembro.


Depois de receber pela segunda vez o prémio de Melhor Micro-Festival em Portugal, o Indie Music Fest promete aos festivaleiros mais indie do país muita arte, performances e, acima de tudo, a melhor música portuguesa alternativa da atualidade. Fiquem atentos que ainda há surpresas bombásticas por desvendar.

Os passes-gerais – com direito a campismo - para a 4ª edição da celebração artística mais independente do país estão disponíveis, ao preço de 25€. Podem ser adquiridos junto dos locais habituais e em www.bol.pt.