segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Reverence Valada: "O dia do Juízo Final" - dia 8


Setembro está cada vez mais próximo, e para muitas pessoas, isso é sinonimo de voltar às rotinas habituais e nem sempre agradáveis, como o regresso à universidade e/ou trabalhos, ou também a chegada dos primeiros ventos de outono, que marcam o fim de mais um verão. Mas nesse mês, de 8 a 10 de setembro, um dos festivais mais aguardados do ano toma lugar em Valada do Ribatejo, o recém-nascido Reverence, e nós vamos dar umas sugestões do melhor que vão poder lá encontrar neste ano.

Neste primeiro artigo, vamos falar-vos das bandas do dia inicial do Reverence Valada, que vai ter a curadoria do Black Bass – Évora Psych Fest, e conta com um alinhamento de meter água na boca aos que gostam de soar nos festivais.


Thee Oh Sees


Quem fala dos Thee Oh Sees, mais propriamente do seu cabecilha, John Dwyer, fala do pioneiro na nova cena do garage californiano. A banda americana acaba de lançar um novo disco, A Weird Exits, e vem ao Reverence Valada pouco depois do seu explosivo concerto no Vodafone Paredes de Coura, onde Dwyer definiu o público português como “You guys are fucking animals”.

Este novo álbum dos Thee Oh Sees já se afirma como um dos melhores no meio da sua discografia imensa, onde músicas como ‘Gelatinous Cube’ e ‘Ticklish Warrior’ sobressaem-se no que acaba por ser um disco consistente, poderoso, e que não dá tréguas aos ouvintes. As diferenças também se têm notado desde que John Dwyer decide apostar numa nova formação, com dois bateristas, Ryan Moutinho e Dan Rincon, que oferecem à banda uma energia e dinâmica sobrenatural.

Além de A Weird Exits, os Thee Oh Sees já contam com mais de 8 anos de existência, e também, mais de 11 discos e EP’s, tendo lançado pelo menos um álbum por ano desde 2008. Conhecidos por serem uma das bandas mais enérgicas ao vivo da atualidade, o concerto dos Oh Sees no Reverence vai ser, definitivamente, um daqueles a não perder mesmo.



J.C.Satàn


Os J.C. Satàn são uma banda francesa, oriunda de Bordeaux, que reúne vários elementos do garage e psych na sua sonoridade. O seu último álbum foi lançado em setembro do ano passado, via Born Bad Records, e conta com várias músicas de rebentar o ouvido, com guitarras cheias de fuzz, vozes poderosas, tudo o que se podia esperar de uma banda que tem referências satânicas no nome.

‘Satan II’ e ‘Dialog With Mars’ são talvez as duas músicas que mais se sobressaem neste álbum, mas também, há várias músicas de outros discos que nos transmitem a energia e o poder dos J.C. Satàn, como ‘Crystal Snakes’ e ‘Dragons’.

Contudo, o concerto dos J.C. Satàn no Reverence Valada não é a sua estreia em terras portuguesas, tendo já aberto para Ty Segall no Lux Frágil, em outubro de 2014, num dia definitivamente a recordar para quem esteve presente nessa casa de Sta. Apolónia. Tudo isto são razões, mais do que suficientes, para não perderem este concerto no primeiro dia do Reverence.



Chain and the Gang


Ian Svenonius é um lendário músico americano sediado em Washington D.C, sitio onde foi membro de vários projectos como Nation of Ulysses e The Make-Up. Actualmente, Ian é cabecilha dos Chain And The Gang, que vão levar um pouco do seu punk primitivo até à próxima edição do Reverence Valada. Minimum Rock N Roll foi o último álbum da banda, lançado em abril de 2014, e reúne uma série de elementos do rock n'roll com o punk, resultando num grande álbum que é fácil de ouvir, onde a simplicidade das músicas é inversamente proporcional à sua qualidade.

No ano passado, Ian Svenonius passou por Portugal em duas datas para apresentar um projecto a solo, sob o nome Escape-ism, tendo passado pela Galeria Zé dos Bois (Lisboa) e pela Sonoscopia (Porto). Este ano, Ian traz os Chain And The Gang ao primeiro dia do Reverence Valada, em mais um concerto a não perder nesta edição do festival ribatejano.



The Sunflowers


Os The Sunflowers são Carlos de Jesus e Carolina Brandão, um duo de guitarra e bateria oriundo do Porto, que vão fazendo o seu nome crescer no panorama da música nacional. Com o seu álbum de estreia na iminência de ser editado, os Sunflowers já contam com vários singles de prender ao ouvido, como ‘Charlie Don’t Surf’ e ‘Hasta La Pizza/Rest in Peperoni’, não ficando atrás também os dois EP’s da banda portuense. A sua sonoridade tem como principais influências bandas como FIDLAR ou Thee Oh Sees, mas não se prendendo também por aqui.

Podíamos falar de todas as músicas dos Sunflowers, mas é ao vivo que esta banda realmente se distingue, pelos seus concertos cheios de energia, com destaque para o Barreiro Rocks, onde a banda deu um concerto de ficar na memória nos que estiveram presentes. Tudo o que nos resta dizer é para seguirem o nosso conselho, e não perderem este concerto no Reverence Valada.



800 Gondomar 


Os 800 Gondomar são a banda mais perigosa da sua freguesia, e vêm de Rio Tinto ao Reverence Valada para nos distribuir alguma da sua destruição em palco. O último EP da banda portuense, Circunvalação, foi editado em finais de março deste ano, e desde aí que os 800 Gondomar têm andado de norte a sul do país a apresentar este EP. ‘Entre Águas’ e ‘Lenny’ são aquelas malhas de Circunvalação para quem gosta de soar, e também, são as músicas que melhor definem os 800 Gondomar e os seus concertos ao vivo, repletos de energia e rapidez.

Um som agressivo é o que a banda portuense nos transmite, um punk à sua maneira sem grandes preocupações, com letras descomplicadas e casuais. Quem já viu um concerto dos 800 Gondomar, como por exemplo, a abertura para Meatbodies no Musicbox Lisboa, já sabe como é que as coisas costumam acabar, no meio do público ou em cima de balcões, vejam por vocês próprios no primeiro dia do Reverence Valada, e com certeza não se irão arrepender.