sábado, 17 de setembro de 2016

Oiçam: Shades


Os Shades são uma banda cheia de potencial. Oriundos de Portugal, mais especificamente de Tomar, o seu neofolk de pinceladas negras, é mágico, romântico e garante uma viagem profunda aos sentimentos mais ocultos. Apenas com um álbum na bagagem, Splitting the Light, os Shades conseguem mostrar que a sua música tem origem numa inquietação e vontade de expressão mental que surge apenas pelo instrumento em si, isento de voz.

Splitting the Light, o disco de estreia do duo editado a 10 de abril do presente ano, traz doze canções instrumentais que "remontam" ao século medieval, tendo sido compostas exclusivamente por guitarras acústicas. O resultado: um minimalismo puro que não deixa indiferente qualquer alma solitária. É essa simplicidade que nefasta a alma do ouvinte e o convence a ir mais além na exploração de Splitting the Light

Embora se denotem ainda algumas falhas na sua eloquência musical, tem-se aqui um disco que mostra uma fase muito boa na música portuguesa atual, a aposta num género fora da moda que se destina primeiramente a um público de nicho e que num futuro próximo andará nas bocas do mundo. Os Shades têm muito boas competências, faltando apenas afinar o resultado final para chegar a um álbum isento de lapsos e cheio de coerência musical. A paixão, está toda lá dentro e nota-se com o reproduzir de Splitting The Light. A ouvir recomenda-se vivamente os singles "Spiraling out of Insanity", "Starlit Skies", "The Rain Also Falls" e "Transdimensional Beings". 


Sem dúvida um disco que se ouviria com muito amor, ao vivo, no Palco Igreja da Pena, no Entremuralhas. Tem tudo para resultar.