sábado, 4 de março de 2017

Stoned Jesus, os messias do stoner rock


Uma das principais queixas que costumo ouvir quando falo sobre o género Stoner (ou Doom) quando falo com terceiros, a que está sempre presente é o facto de as bandas serem todas Black Sabbath wannabes. 

“Soam todas ao mesmo”.

“É uma formula”. 

“Saíram todas do mesmo ninho”.

Embora tenha que concordar que muitas bandas, tenham um som genérico, riffs lentos, overdose de fuzzzzzz, repetição até à exaustão da mesma frase, existe uma banda que fãs religiosos de stoner ou adeptos de indie pop das 5 da tarde do palco principal do Paredes de Coura respeitam e acarinham com uma especial ternura. Obviamente que estou a falar dos Stoned Jesus (não seriam eles o tema deste artigo).

É uma questão interessante saber de onde surge este carinho todo. Será pela forma refrescante como tratam um género algo saturado? Pelos temas ligados à espiritualidade e ao misticismo? Simplesmente, pelo nome blasfemo invocando o santo nome de Deus em vão? Uma coisa é certa, a maior parte de nós começou esta viagem pelo mesmo caminho: com a audição da música “I’m The Mountain” do álbum Seven Thunders Roar.


A música mais famosa da banda e, discutivelmente, a que os lançou para a ribalta, para além da complexa composição, é composta pelo intercalar de elegantes dedilhadas e de riffs pesados como trovões. A letra repleta de metáforas ligadas à natureza desperta um animal dentro do corpo do ouvinte. O culminar da libertação da jaula que o retém acontece no climax da musica quando Igor (vocalista e guitarrista) pela ultima vez a plenos pulmões a frase “I’m the Mountain”.

Contudo o álbum não é só sobre montanhas, temos também “Indian”, ode aos nativo-americanos e ao seu espirito guerreiro, “Electric Mistress” para além de ter um dos melhores riffs do álbum, contem um dos melhores (e mais inspirados) versos do catálogo destes ucranianos: “On a silver unicorn/Rides that lady of the storm/Heaven's bliss from up above/She's the queen of all beloved”.

“Brigth Like the Mourning” e “Stormy Monday”, também ligadas à temática da natureza prometem deixar todos no Hard Club capazes de controlar tempestadas ou a sentirem-se como um Comanche numa manha de caçada.

Os Stoned Jesus não são uma banda estranha aos palcos portugueses tendo já passado em 2015 pelo Reverence Valada e em 2016 no Sonic Blast Moledo, desta vez vão ao Porto, ao Hard Club, dia 10 de Março, a primeira parte do concerto ficará encarregue de The Black Wizards. Os bilhetes já se encontram à venda por 12€, sendo que comprados na hora do concerto é 14€.

0 comentários:

Enviar um comentário