segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Reverence Santarém: o segundo dia


Depois de um primeiro dia caracterizado por nomes de peso, com um q.b. do habitual rock psicadélico, entre outros géneros menos carismáticos, o Reverence Santarém volta a abrir portas no sábado por volta das 16h00. Neste segundo dia voltam também a ser 20 os artistas que sobem aos dois palcos do festival, o Tejo (Palco Secundário) e o Sabotage (Palco Principal), para darem fim à quarta edição do festival Reverence Santarém. É também neste último dia que o festival de música alternativa e underground recebe uma das bandas muito aguardadas em território nacional, os históricos Gang of Four, que vêm apresentar os singles de Entertainment! (1979) entre outros clássicos. Além dos britânicos, neste segundo dia destaca-se ainda a atuação dos ainda mais históricos suecos Träd Gräs Och Stenar e de Mono, Siena Root e Esben And The Witch.

9 de setembro, o segundo dia 

À semelhança do sucedido na sexta-feira (8 de setembro), o Reverence Santatém tem início às 16h00 de sábado com a dupla portuguesa I Am The Ghosts Of Mars que sobe ao palco Tejo para apresentar as suas jams tocadas em momentos inadequados e possivelmente novos singles. Já o palco Sabotage abre pelas 16h25 com a estreia do projeto a solo de coldwave e synthwave do sueco Christian Eldefors - NONN - que assinou recentemente pelo selo Fuzz Club para o seu disco de estreia homónimo a apresentar dia 9, no Parque da Ribeira de Santarém. E deixando ainda o selo Fuzz Club no ar, convém relembrar que também os suecos The Janitors e os ingleses The Underground Youth têm concertos marcados para as 17h30 e 18h35, no Palco Sabotage, respetivamente.




Os concertos no Palco Tejo prosseguem às 17h05 com a exótica saudade dos Royal Bermuda, dupla que une os guitarristas André Parafina a Diogo Esparteiro na produção de canções simples "desde a balada mais profunda até à mais fogosa folia". Pelas 18h10 Chinaskee & Os Camponeses, que assinaram recentemente para a vimaranense Revolve, sobem a palco para apresentar o seu disco de estreia que segue ainda sem data de lançamento oficial. Os Asimov & The Hidden Circus, trio de heavy-psych lisboeta, sobem ao Tejo pelas 19h15 e na bagagem trazem TRUTH (2016), a mais recente edição até à data. Antes do sol se pôr, quem permanecer no Tejo poderá ainda visualizar a performance dos Conjuto!Evite e o seu rock à la 60's/70's, que promete meter qualquer ouvinte a viajar entre cores e sons. 



Os suecos Siena Root são uma das bandas mais esperadas deste último dia de festival. Formados em 1997, o projeto experimental que traz raízes da música rock analógica, apresenta uma sonoridade interessante com base em guitarras uivantes, riffs de baixo e órgãos pesados, enriquecidos com vozes da soul e blues. A celebrar 20 anos de carreira é às 19h40 no Palco Sabotage que poderemos dançar ao som de Siena Root.



Um dos grandes concertos desta quarta edição do Reverence Santarém será, sem margem de dúvidas, o concerto dos suecos Träd Gräs Och Stenar. É o concerto histórico do festival e traz a palco 50 (sim leram bem, cinquenta) anos de experiência na produção musical. Está marcado para as 20h50 no Palco Sabotage e deverá revisitar os melhores temas do quarteto até à data. Se entretanto se fartarem do rock avant-garde dos suecos e quiserem saltar com "surf and space rock'n'roll" há Cows Caos como alternativa no Palco Tejo, às 21h40. 



Os britânicos Gang Of Four trazem 40 anos de trabalho a palco e o post-punk reminiscente dos anos 80. Indubitavelmente é um dos concertos imperdíveis do Reverence Santarém e promete ser um dos grandes concertos do ano, a julgar pelas setlists dos últimos concertos ao vivo. Singles como "(Love Like) Anthrax", "Not Great Men", "Natural's Not In It", "At Home He's A Tourist" e "Damage Goods", do clássico e eterno Entertainment! (1977), não deverão faltar em Santarém. Tudo isto com início previsto para as 22h10. A apanhar já o fim do concerto dos Gang of Four, atuam os portugueses Pás de Problème, às 23h10 no Palco Tejo. 


Além de Oathbreaker, Sinistro e Névoa, que passaram pela edição de 2016 do Amplifest, também os japoneses Mono estão de regresso e sobem ao Palco Sabotage às 23h40, para um banho de post-rock a revisitar Rays of Darkness (2014) e Requiem for Hell (2016), entre outros álbuns relevantes. Conhecidos pela densidade e a intensidade das músicas de sua autoria o quarteto será uma agradável surpresa para aqueles que ainda não os viram ao vivo. A apanhar este concerto fica a atuação dos ingleses Is Bliss que trazem o grunge ao Palco Tejo, pelas 01h10.



Para os fãs do psych-rock e dos ambientes mais stoner às 01h40 sobem ao palco os suecos Hills prontos para lançar a sua hipnose e fazer o público deambular pelas suas viagens espaciais. Já para a malta da pesada o dowtempo atmosférico dos Löbo aterra no Palco Tejo às 02h20, já a preparar terreno para o encerramento do festival. As honras da despedida do Tejo ficam guardadas para os Dr. Space & Luís Simões que fecham o palco pelas 03h30. 




Por sua vez, as despedidas do palco principal ficam a cargo dos ingleses Esben And The Witch que vêm apresentar o seu quarto disco de estúdio, Old Terrors (2016), pelas 02h50, e dos psych-rockers italianos Throw Down Bones que trazem a palco o homónimo Throw Down Bones(2015) e possíveis novas canções, subindo a palco às 04h00.


Os passes gerais para o festival têm um preço de 65€ e o bilhete diário pode ser adquirido por 40€. A troca dos bilhetes pela pulseira do festival está aberta a partir das 10h00 de sexta-feira (8 de setembro). As portas do festival abrem às 14h00 em ambos os dias. Podem adquirir os bilhetes aqui e encontrar todas as informações adicionais aqui

0 comentários:

Enviar um comentário