terça-feira, 19 de setembro de 2017

[Review] Mogwai - Every Country's Sun


Every Country’s Sun // Rock Action Records // setembro de 2017
6.5/10

O pós-rock já teve melhores dias. Não tem havido muita originalidade e inovação no género e este não é tão popular agora como já foi noutros anos. No entanto, bandas como os Godspeed You! Black Emperor, os Sigur Rós e os Mogwai continuam a lançar novos discos e a receber bastante atenção. Os últimos lançaram este mês o seu primeiro álbum de estúdio como quarteto, após a saída do guitarrista John Cummings.

Não sabia muito bem o que esperar em relação a este disco, pois conheço melhor a fase inicial da carreira dos Mogwai do que o trabalho mais recente da banda. A verdade é que o som não é muito diferente daquele presente em lançamentos anteriores da banda. Fez-me lembrar também os 65daysofstatic.

O álbum começa com “Coolverine”, que introduz um ambiente no qual a música toda se baseia, continua com algumas variações e chega a um crescendo. Tudo isto sem aumentar muito a intensidade, mantendo um som mais leve que caracteriza várias das músicas do disco. Infelizmente, isto nem sempre é bom, pois é uma das razões para várias delas servirem apenas como música de fundo pouco interessante. Nenhum das músicas é muito memorável e não é difícil ficar desinteressado em algumas delas. “Brain Sweeties” é uma das que menos captam a atenção. “Crossing the Road Material” tem algumas boas melodias, mas em partes é um conjunto de camadas de sons sobrepostos uns aos outros que se misturam de maneira pouco eficaz, sem nenhum se conseguir destacar. “Don’t Believe the Fife” é demasiado longa para o seu bem e quando aumenta de intensidade já é demasiado tarde para ter algum impacto.



Em contrapartida, “20 Size” resulta. Tem como um dos seus pontos fortes a linha de baixo, acompanhada pela guitarra, que me prendeu à música. Não é esse, no entanto, o único instrumento que se realça na música, que funciona bem na sua totalidade. “1000 Foot Face” também é um sucesso, criando um ambiente calmo e agradável. "Battered At a Scramble" e "Old Poisons", quase no fim do disco, são as faixas mais pesadas e intensas. São energéticas, têm uma sonoridade rock e distinguem-se do resto do álbum, especialmente a primeira delas.

A verdade é que nenhuma destas melhores músicas consegue atingir a qualidade de outras da banda e de outros artistas semelhantes, mas são elas que mais contribuem para o álbum não se tornar aborrecido e se manter algo interessante de uma ponta à outra. É um disco decente e a sua audição pode valer a pena para os fãs do género, apesar de se sentir a falta de no mínimo uma música marcante e memorável à qual vale a pena regressar várias vezes.

0 comentários:

Enviar um comentário