domingo, 5 de novembro de 2017

[Review] Chinaskee & Os Camponeses – Malmequeres

chinaskee-os-camponeses-malmequeres

Malmequeres // Revolve // setembro de 2017
7.0/10

Se gostam de Capitão Fausto, Tame Impala ou Mac DeMarco, são de Lisboa, estão comprimidos numa faixa etária entre os 16 e os inícios dos 20 anos e precisam de uma soundtrack para dar vida aos vossos headphones e às viagens pendulares do quotidiano não procurem muito mais longe.


Chinaskee (nome artístico relacionado com o alter ego literário do escritor Charles Bukowski, Henry Chinaski) e Os Camponesesconstituídos por Trovador Falcão (David Simões), SunKing (Luís José Tojo) e Ricardo Oliveira, estreiam-se assim com o seu primeiro álbum de longa duração, Malmequeres, que conta com a produção de Filipe Sambado.

Ao longo das sete músicas, que se estendem ao longo de 35 minutos, é fácil perceber onde esta jovem banda quer chegar. Apresentam-se sem grandes preocupações, descomplicados, com sintetizadores psicadélicos a acompanhar, invocando a imagem da falha dos dentes de Mac DeMarco. Esta influência é bastante evidente tanto no single “Dia de Praia” como na faixa homónima “Mal Me Queres”, com guitarras carregadas de Chorus.


Por vezes, um fuzz mais assanhado mostra as garras das guitarras, caso dos momentos iniciais de “Odor”. Apesar da paixão pelo neo-psicadelismo deste novo século, Chinaskee não se esquece de outra grande influência bastante mais enérgica, caso dos Stooges. A lírica do álbum não apresenta novidade nenhuma para quem já ouviu Capitão Fausto ou as suas bandas descendentes, como por exemplo, os Ganso com as suas rimas fáceis, abordando temas como o amor numa visão bastante adolescente, “Estamos juntos // Tu dás-me a mão // Dás-me beijinhos // Até mais não”.

O lo-fi, dream popiano, com pinceladas de surf rock e pop psicadélico de Chinaskee e companhia peca pela sua estreia tardia, pois este era um álbum perfeito para acompanhar muitos moços no seu verão. Contudo, fora desta paisagem idílica, este álbum acaba por soar um pouco descontextualizado e repetitivo. Quando a tua vontade é ser o Alex Turner, o Julian Casablancas, o Mac DeMarco, os Capitão Fausto, o Iggy Pop, podes acabar por te esquecer quem realmente és. 

Apesar da clara evolução do material anterior para este longa duração, os jovens ainda têm de criar um som próprio que afaste todas as comparações a outras bandas e artistas, para que de uma vez por todas possamos dizer “Isto soa a Chinaskee” e não apontar todas as influências que a banda tanto abraça.



Texto por: Hugo Geada.

0 comentários:

Enviar um comentário