terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Reportagem: SEXTILE [Hard Club, Porto]


Domingo foi dia de gastar calorias para todos aqueles que se dirigiram ao Hard Club, Porto no passado dia 25 de fevereiro com o intuito de ver SEXTILE. A banda norte-americana vinha a Portugal, na tour de estreia pela Europa, apresentar o seu segundo e mais recente disco de estúdio, Albeit Living (Felte Records, 2017) que aborda o lado negro das questões políticas americanas e metafísicas, a revolta pessoal e o inconformismo que lhes vêm associados. O concerto, que prometia uma energia bruta à priori, resultou em suor e uma vontade enorme de os rever por cá em breve. 

Agendado para as 22h00 o concerto iniciou-se a horas (como já é habitual da chancela At The Rollercoaster) com os SEXTILE a subirem a palco, Eddie Wuebben a soltar os primeiros sons dos sintetizadores e Brady Keehn a convidar as pessoas a aproximarem-se com um "C’mon We’ve never been here before, we came all the way (…) from California and the name of the band is SEXTILE". A primeira música que se fez ouvir no Porto, "French Song" não faz parte de nenhuma das edições do quarteto e, apesar de não ser conhecida, fez o público começar os primeiros paços de dança de um espetáculo que se queria com os bpm’s acelerados e muito entusiasmo. Seguiu-se o familiar "Who Killed Six", o fervescente "Ripped", dispersos aplausos e "thank you" e, consequentemente, uma sala que emanava a energia produzida pela performance contagiante da banda de Los Angeles.


SETXILE

Apesar de não terem dado grande destaque a A Thousand Hands (não tocaram temas como "Into The Unknown", "Smoke In The Eye" nem "Visions Of You"), é de notar que os SEXTILE soam bem mais ruidosos ao vivo que em estúdio, apresentando uma música potente, estimulante e dançável. Um dos grandes momentos do concerto sentiu-se em "Current Affair", o mais recente single da banda com letra assinada por Sienna Scarrit, por ser uma música com mensagem fortemente crítica e de espírito revolucionário. 


SETXILE

A segunda parte do concerto foi adaptada a uma exploração dos temas menos conhecidos de Albeit Living. "Situations", "AVC" e "Mental" foram alguns dos singles que se foram ouvindo. Nas pausas entre voz, Brady Keehn ia dançando e movimentando-se entre o palco num concerto cada vez mais suado. Já a chegar ao fim ouviram-se "Sterilized" e o brutal "Can’t Take It", duas malhas que garantiram um concerto eficaz, apesar de curtinho. Com os aplausos fervorosos e vários apelos para que regressassem a palco, os SEXTILE voltaram aos postos para tocar o enorme "Crisis" e finalizar com "One Of These", que apesar de pouco equalizado, serviu para gastar as últimas energias. Uma pura injeção de adrenalina, onde a moca durou aproximadamente uma hora. Foi bonita a festa e espera-se o seu aguardado regresso em setembro. 

SEXTILE [Hard Club, Porto]

Mais uma vez um enorme obrigado à promotora At The Rollercoaster, que tão boas experiências tem proporcionado ao consumidor no mercado da música underground. Um agradecimento especial também aos SEXTILE, que no dia do concerto se disponibilizaram para uma entrevista pessoal (a ser publicada no site em breve).

Texto: Sónia Felizardo
Fotografia: Francisca Campos

0 comentários:

Enviar um comentário