terça-feira, 18 de setembro de 2018

Reportagem: Milhões de Festa [8 e 9 de setembro]

UKAEA
Os últimos dois dias do Milhões de Festa foram marcados pelas curadorias do SWR Barroselas Metalfest e do excêntrico coletivo de Manchester Fat Out, que dedicaram programações exclusivas no Palco Taina. Na piscina, pela tarde, encontrámos Natalie Sharp (Lone Taxidermist) para uma performance inédita de portentosas experimentações electrónicas e instrumentos pouco ortodoxos. BodyVice, o nome do projeto que apresentou durante a tarde do terceiro dia, juntou a música e produtora a Phantom Chips (que apresentou um insólit set/workshop no dia anterior) e ainda um terceiro elemento na flauta transversal para um momento de inesquecível extravagância. Vestimentas orgânicas e maleáveis e explorações industriais fizeram desta performance um verdadeiro festim sensorial que fez jus à singularidade que cunha este palco.

Natalie Sharp
A abrir a noite no palco Milhões esteve Charlotte Adigéry, que se apresentou em Barcelos sob o moniker WWWater. Com apenas dois EPs (um em nome próprio, outro como WWWater), a jovem artista belga integra já alguns dos festivais internacionais mais badalados, tendo acompanhado os Young Fathers na última tour europeia. A sua presença no cartaz desta edição poderá ter passado despercebida à maioria, mas podemos afirmar sem grandes dúvidas que o concerto que assistimos nesta terceira noite foi a maior surpresa do festival. Groove, sensualidade e muita energia foram elementos que não faltaram na sua performance, que impediu os ainda poucos membros da plateia de dançar ao som de algum do melhor R&B contemporâneo executado à margem da música corrente.

No palco Lovers, aguardava-se a performance de Gazelle Twin, que regressou a Portugal para o primeiro concerto em três anos. Com novo disco a caminho, Elizabeth Bernholz apresentou um alinhamento exclusivamente composto pelos temas desse mesmo trabalho, um apanhado de vozes e tessituras industriais que se intensificam quando apresentadas ao vivo. A indumentária que enverga, da habitual balaclava ao uniforme vermelho e branco, remete para o imaginário folclórico de uma terra de Sua Majestade imersa num novo período de obscurantismo, onde as cores do fascismo ganham cada vez mais poder. Dos temas densos e sufocantes à performance arrojada, Bernholz percorreu o lado mais visceral do seu trabalho com um dos serões mais vertiginosos desta edição. 

Gazelle Twin


Seguia-se, Nubya Garcia uma das porta-vozes da nova guarda do jazz britânico. A jovem compositora e saxofonista apresentou-se em formato quarteto para uma lição de boa música, pensada e bem executada. Da linha elegante do saxofone tenor aos diálogos empolgantes de baixo, bateria e sintetizador, Nubya e companhia demonstraram uma bonita celebração de respeito e amor aos grandes nomes do género, de Pharaoh Sanders a Herbie Hancock, sem nunca perder o toque único e apaixonante de uma das figuras vitais do jazz contemporâneo.

Os Electric Wizard, por outro lado, não estiveram à altura do estatuto que lhes é estabelecido. A banda regressou ao festival que os acolheu para sua primeira passagem por Portugal, gerando a maior enchente desta edição. No entanto, a banda  britânica desiludiu com um set previsível que só terá agradado os fãs mais acérrimos. Donos de um som poderoso de proporções titânicas, a sua atuação ao vivo não se aproximou nem de perto da parede abrasiva e compacta que nos deram a conhecer em marcos como Come My Fanatics... ou Dopethrone, perdendo-se em rodeios psicadélicos e projeções misóginas que demonstram o percurso de uma banda presa no tempo. 

Nubya Garcia
Electric Wizard
Felizmente, há tradições que nunca mudam, e o regresso de The Bug é uma delas. Na sua quarta passagem por Portugal consecutiva, a terceira no festival, The Bug (ou Kevin Martin) fez-se acompanhar novamente pela MC Israelita Miss Red, com quem apresentou uma abrasiva performance na edição de 2016. O mote, desta vez, foi para a apresentação de K.O., o álbum de estreia de Miss Red, produzido pelo suspeito do costume. Percorrendo alguns dos temas que integram esse registo - “War”, “Dagga”, “K.O.” - antecedidas apenas por alguns dos temas que marcaram a carreira de The Bug (cujo London Zoo comemorou 10 anos no passado mês de julho), a dupla mais acarinhado do festival apresentou mais um desfile irrepreensível de rimas e batidas angulares, apoiadas em paredes esmagadoras de graves e um flow invejável.

Milhões de Festa 2018: Dia 2


Um dos momentos mais aguardados do quarto e último dia de Milhões de Festa estava reservado para Johnny Hooker, o músico, compositor, ator e ativista LGBT brasileiro que se estreou no festival com um concerto na piscina, onde atuou na companhia da sua banda para um público conhecedor e claramente entusiasmado. Coqueluche da nova música popular brasileira, Hooker (John Donovan na vida real) apresentou alguns dos temas que integram a sua curta mas promissora discografia. Do amor pela “Santíssima Trindade”, assim apelida os ídolos Madonna, David Bowie e Caetano Veloso, à luta contra o preconceito e conservadorismo que assolam o seu país, o autor de “Flutua” cantou e encantou com a graciosidade e glamour de uma das mais revolucionárias figuras do novo cancioneiro brasileiro.

Johnny Hooker
Já no palco Lovers, o duo germânico Mouse On Mars preparava-se para uma hora intensa de batidas quebradas e destrutivas, um registo assumidamente díspar do apresentado em estúdio, onde produziram algumas das mais importantes faixas IDM dos últimos vinte anos. Seis anos após o encontro no Semibreve, os Mouse On Mars apanharam-nos de surpresa com uma abordagem elétrica e imprevisível, desconstruindo ritmos familiares da música de dança e transformando-os em verdadeiros hinos das pistas de dança mais arrojadas.

E porque a coerência nunca foi o forte deste festival (e ainda bem), Os Tubarões seguiram-se de imediato para um concerto de contagiante energia. A banda lendária de Cabo-Verde recebeu o merecido estatuto de cabeça de cartaz do último dia de festival, encerrando o palco Milhões em chave-de-ouro. A banda de Russo e Zeca Couto, membros fundadores, juntou-se a Totó Silva, Totinho, Jorge Lima, Albertino Évora e Jorge Pimpas para uma noite que abriu ao som de “Tunuca”, iniciando um serão memorável com um dos temas que melhor carateriza a quintessência do grupo: ritmos quentes e dançáveis da música tradicional cabo-verdeana, alternados entre a vivacidade da coladeira e do funaná e a serenidade da morna. Passando por um alinhamento extensivo, Os Tubarões percorreram um pouco de toda a sua histórica discografia, desde os temas revolucionários de Pepe Lopi e Tchon Di Morgado à icónica “Djonsinho Cabral”, celebrando as cinco décadas de uma das mais importantes instituições da música cabo-verdiana com toda a pompa e circunstância merecidas. 

Mouse On Mars
Os Tubarões
Do outro lado, no Palco Lovers, a festa ainda não terminara, com o coletivo britânico UKAEA (acrónimo de United Kult of the Animist Endgame Apostles) a proporcionar um momento verdadeiramente desconcertante. Em jeito de procissão, um aglomerado de interveniente em vestes brancas aproximou-se do palco, onde se fixou junto do público para um imprevisível baptismo de ordem profana, musicado pela rave techno-ritualística do misterioso coletivo. Épico, estranho e absolutamente transcendente, assim foi o fim de mais uma edição do Milhões de Festa, um evento que, mais do que um festival, é um espaço de experimentação e desconstrução das normas e conceitos que determinam o status quo dos festivais, e que fazem desta uma experiência tão especial.


Milhões de Festa 2018: Dia 3

Fotogaleria completa aqui.

Texto: Filipe Costa
Fotografia: Ana Carvalho dos Santos

0 comentários:

Enviar um comentário