sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

STREAM: Dreamweapon - SOL


Dois anos depois do disco de estreia homónimo, editado em 2015 pela Lovers & Lollypops, os Dreamweapon regressam agora com SOL, o novo disco na casa londrina Fuzz Club Records, que apresenta quatro composições improvisadas, gravadas num take único, com duração aproximada a dez minutos cada. Neste novo disco, a banda do Porto cria uma masterclass totalmente hipnótica, através da sua sonoridade krautrock minimalista em conjugação com feedback, ruído, sintetizadores oscilantes e guitarras em cascata. 

Formados por André Couto (10.000 Russos), João Campos Costa e Edgar Moreira, os Dreamweapon surgiram em 2009 e desde então lançaram um EP, o disco de estreia homónimo e um punhado de singles. Deste segundo disco já tinha sido divulgada anteriormente a faixa "Monte da Virgem". SOL pode  agora ser ouvido na íntegra abaixo.

SOL é editado esta sexta-feira (16 de novembro) pelo selo Fuzz Club Records.



+

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

[Review] Mèsico - Pure and Shining


Pure and Shining // Interbang/Indipendead // dezembro de 2017
6.0/10

Pure and Shining é o novo disco do músico italiano Paolo Mazzacani, sob o moniker de Mèsico que, certamente, para os fãs acérrimos do encontro entre a eletrónica e folk de traços experimentais, será um álbum que valerá a pena ouvir. Além de MèsicoPaolo Mazzacani tem também um outro projeto paralelo de electrónica, os Tempelhof, onde colabora com Luciano Ermondi. Neste registo a solo Mèsico revisita algumas das suas primeiras influências e acrescenta-lhes sintetizadores de ritmos ligeiros, guitarras, piano e inclusivé trompete (a ouvir-se no início e final de "A Beautiful Bride"). 

Este novo Pure and Shining é composto por um total de 12 temas onde as faixas instrumentais e com voz vão surgindo de forma alternada. Além dos referidos instrumentos, Mèsico também junta alguns ritmos orgânicos e sons completamente cativantes. Um exemplo disso encontra-se logo na abertura de "Harlem" que é definitivamente o grande tema deste disco, pelas sensações que emana. Como refere Paolo Mazzacani "Every song has a deep significance for me – they are totally inspired by my life experience. Every tune was written in different moments, and every lyrics tells about people or places I fell in love with over the last several years. This album is my personal attempt to keep everything together in a strong, endless embrace".

Pure and Shining é um retrato auditivo das emoções e sensações experienciadas por Paolo Mazzacani que são transmitidas num registo lento e sensível para o ouvinte. Há músicas muito interessantes e de estruturas cativantes, mas há também músicas que pecam por soar demasiado extensas e tornarem o álbum um bocado repetitivo. De uma forma geral, Pure And Shining é um disco bom para todos os fãs da folk pura mas um bocadinho aborrecido para aqueles que procuram energia na música. Recomenda-se a audição de temas como "Good Luck" e "Bolthorn", além das já referidas "A Beautiful Bride" e "Harlem". O disco pode ser ouvido abaixo e pode ser comprado aqui.



+

HEILUNG juntam-se ao cartaz do EXTRAMURALHAS


Os HEILUNG são o oitavo nome a juntar-se ao cartaz da nona edição do agora cunhado EXTRAMURALHAS, juntando-se assim aos já anunciados ULVER, que atuam a 24 de agosto e CURRENT 93, a subir a palco no último dia do festival, 25 de agosto. A banda dinamarquesa atua no Teatro José Lúcio da Silva no primeiro dia de festival, 23 de agosto, sendo mais uma das estreias em território nacional.

Segundo nota de imprensa "Os HEILUNG (“Cura”, na língua alemã) proporcionam um espectáculo visualmente forte e imponente, com inúmeras referências tribalistas vikings e rituais de magia (negra?) que nos expurgam corpo e mente." Um espetáculo que apreciadores de bandas como Wardruna e Dead Can Dance não vão querer perder.



Além dos HEILUNG - cabeças de cartaz do primeiro dia -, CURRENT 93 e ULVER, o cartaz do EXTRAMURALHAS tem para já confirmados os franceses HORSKH, os russos SHORTPARIS, os suecos PRIEST, os espanhóis CAPTAINS e o alemão CHRISTIAN WOLZ. Todas as informações adicionais podem ser acompanhadas no site da Fade In. O line-up pode ser consultado abaixo.

Os bilhetes para os três concertos pagos do EXTRAMURALHAS começam a ser vendidos a partir de amanhã e estão limitados a 737 espectadores em cada dia (lugares sentados não marcados). 


EXTRAMURALHAS 2018 Line-Up 
23 AGOSTO 

21h30 – Teatro José Lúcio da Silva HEILUNG
00h00 - Stereogun BANDA A ANUNCIAR / TO BE ANNOUNCED  

24 AGOSTO 

18h00 – Igreja da Misericórdia CHRISTIAN WOLZ (Entrada Gratuita) 
21h00 – Teatro José Lúcio da Silva ULVER 
23h00 - Jardim Luís de Camões CAPTAINS (Entrada Gratuita) 
00h00 - Jardim Luís de Camões PRIEST (Entrada Gratuita) 

25 AGOSTO 
18H00 - Igreja da Misericórdia BANDA A ANUNCIAR / TO BE ANNOUNCED 
21h00 - Teatro José Lúcio da Silva CURRENT 93 
23h00 - Jardim Luís de Camões SHORTPARIS (Entrada Gratuita) 
00h00 – Jardim Luís de Camões HORSKH (Entrada Gratuita)

+

Master Boot Record lança novo single com Öxxö Xööx


Master Boot Record regressa este ano aos discos com Direct Memory Access e já se pode ouvir a primeira amostra deste novo trabalho através de "DMA 3 LPT1 ECP MODE", o primeiro tema de sete inéditos, que conta com a colaboração de Laurent Lunoir (Öxxö Xööx, Igorrr) na voz. "DMA 3 LPT1 ECP MODE" volta a demontrar o profissionalismo de Master Boot Record no domínio dos sintetizadores e além da voz obscura de Laurent Lunoir, cantada na língua dos Öxxö Xööx, traz um ritmo super potente e viciante. Direct Memory Access será o quinto disco de estúdio de Master Boot Record.

Sobre este o nome que inspirou este novo trabalho o produtor musical afirma em nota de imprensa que “Direct Memory Access is a method to transfer data from a device directly to the main system memory (RAM) bypassing the CPU. A new spellware programmed to bypass the firewall of conformity. Engraved on its hardware are the symbols for this new ritual. Ciphered is the message. For all knowing is forbidden and all things must be encrypted.”


Direct Memory Access tem data de lançamento prevista para 20 de abril pelo selo Blood Music. Podem fazer pre-order do disco aqui.

Direct Memory Access Tracklist:

DMA 0 DRAM REFRESH 
DMA 1 SOUND CARD 8-BIT 
DMA 2 FDD CONTROLLER 
DMA 3 LPT1 ECP MODE 
DMA 4 CASCADE 
DMA 5 HARD DISK 
DMA 6 SCSI HOST ADAPTER 
DMA 7 SOUND CARD 16-BIT

+

Hoje há Colleen Green e karaoke no Anjos70

Steele O'Neill
O pós São Valentim celebra-se esta noite no Anjos70 com a estreia absoluta de Colleen Green em Portugal. O evento, organizado pela Maternidade, traz a artista californiana à sala lisboeta para apresentar os temas do seu mais recente disco I Want To Grow Up, um conjunto descomprometido de canções ingénuas de rock açucarado editado em 2015 pela Hardly Art.

A festa não se fica por aqui já que haverá karaoke aberto ao público antes do concerto, convidando os mais corajosos a cantarem os seus amores e desamores em pleno palco. O vencedor levará um cabaz muito especial feito pelo catálogo de artistas da Maternidade, assim como a devolução do valor bilhete. Parece imperdível, não é? Tudo por apenas 5 euros.

+

Courtney Barnett anuncia novo álbum, Tell Me How You Really Feel


A australiana Courtney Barnett está de volta aos trabalhos a solo com Tell Me How You Really Feel, que sucede a Sometimes I Sit and Think, and Sometimes I Just Sit, editado em 2015, e a Lotta Sea Lice, uma colaboração com Kurt Vile lançada no ano passado.

A sua última passagem por Portugal aconteceu na edição de 2016 do festival NOS Alive mas para já ainda não há nenhuma data em solo português nas já anunciadas. A cantora e compositora revelou também o primeiro single desta obra, "Nameless, Faceless", que pode ser escutado abaixo:



Tell Me How You Really Feel tem lançamento marcado para 18 de maio, pelas editoras Mom + Pop, Marathon Artists e Milk! Records, com pre-order a poder ser feita aqui


Tell Me How You Really Feel tracklist:

01. Hopefulessness
02. City Looks Pretty
03. Charity
04. Need a Little Time
05. Nameless, Faceless
06. I’m Not Your Mother, I’m Not Your Bitch
07. Crippling Self Doubt and a General Lack of Self-Confidence
08. Help Your Self
09. Walkin’ on Eggshells
10. Sunday Roast

+

Os SEXTILE estão aí à porta em 10 dias

© Raw Journey

Porto e Lisboa vão receber na próxima semana quatro anjos caídos que possuem como doutrina ideológica, o lado negro das questões políticas americanas, a revolta e o inconformismo que lhes vêm associados. São os norte-americanos SEXTILE e do seu porta estandarte fazem parte sentimentos como a raiva, a indignação e a contestação, que são mais que fatores suficientes para garantir dois concertos enormes.

Com dois álbuns na cartilha, A Thousand Hands (Felte, 2015) e, mais recentmente, Albeit Living (Felte, 2017) e com influências de Suicide, The Cramps e The Birthday Party, com uma batida incansável a colocar sempre as RPM bem elevadas, numa sonoridade compreendida entre o post-punk, a no wave e o surf rock. Espera-se muita agitação social para os lados do Cais do Sodré (26 de fevereiro) e Praça do Infante, no Porto (25 de fevereiro). Aguarda-se o Manifesto dos SEXTILE.

Os bilhetes para o concerto no Sabotage Club, estão à venda por 8€ em pré-venda e 10€ no próprio dia. As informações do concerto de Lisboa podem ser encontradas aqui. Já no Hard Club, Porto as entradas custam 10€. Para quem já tiver comprado bilhete para Tricky a entrada é gratuita se ainda forem a tempo de ser um dos 100 primeiros a enviar email para attherollercoaster@gmail.com. Informações adicionais aqui.


+

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

BALLA abrem para OMD esta sexta-feira, em Lisboa

© Paulo Romão Brás 

Os Orchestral Manoeuvres In The Dark (OMD) passam já esta sexta-feira, 16 de fevereiro, pela Aula Magna num concerto único no país inserido na The Punishment Of Luxury Tour. Esta quarta-feira (14 de fevereiro) passa-se a saber que os portugueses BALLA vão ser os responsáveis pela abertura do concerto dos OMD, que tem início previsto para as 21h00. 

A banda portuguesa composta por Armando Teixeira, Pedro Monteiro, Miguel Cervini, Duarte Cabaça e João Tiago encontra-se no ativo desde 2000 e à Aula Magna apresentará a sua "música eletrónica cantada em português".

Os bilhetes ainda estão à venda, nos locais habituais, a preços que vão dos 28€ aos 40€. Online podem ser adquiridos aqui. Todas as informações adicionais podem ser encontradas aqui.

+

Festival Forte confirma primeira vaga de confirmações


Depois de uma campanha de crowdsurfing bem sucedida, o Festival Forte conseguiu assegurar a quinta edição do festival dedicado ao melhor da música de dança em Montemor-o-Velho. O evento volta a decorrer em agosto e traz de novo um cartaz que já se prevê tentador e aliciante. Entre os nomes da primeira vaga de confirmações destaca-se a performance de abertura de Pantha du Prince ao lado de Bendik HK - A/V, os mais que estabelecidos nomes de Donato Dozzy, Oscar Mulero Surgeon, e ainda as novas caras da nova vaga techno e electro I Hate Models Helena Hauff

Anastasia Kristensen, Antigone x François X, Blush Response, Electrico Indigo, Extrawelt, Function, Hedonic 2, Lena Willikens, Monolake, Mumdance, Neel, Stanislav Tolkachev, Svreca, The Hacker e Umwelt preenchem o restante cardápio.



O Festival Forte decorre no castelo de Montemor-o-Velho durante os dias 30 e 31 de agosto e 1 e 2 de setembro. Os bilhetes para o evento encontram-se disponíveis ao preço promocional de 80 euros, podendo ser adquiridos aqui.

+

Sleaford Mods no Porto


Os Sleaford Mods vão regressar a Portugal este ano, para um concerto no Hard Club. Este acontece no dia 16 de abril, segunda-feira, e é organizado pela Lovers & Lollypops.

Os bilhetes já estão disponíveis e custam 12€ (15€ à porta). Em breve serão divulgadas mais informações.

+

Dead Sea abrem concertos de Slowdive em Lisboa e Porto


Os franceses Dead Sea foram a banda escolhida para abrir os concertos da tour Europeia dos Slowdive, que passa por Portugal a 8 de março no LAV (Lisboa ao Vivo), Lisboa e 9 de março no Hard Club, Porto, com assinatura da At The Rollercoaster. O quarteto gaulês, que define a sua sonoridade como turbo chillwave estreia-se assim em Portugal para apresentar os seus mais recentes singles "Lotion" e "8.50", bem como para mostrar novos temas de um futuro trabalho.

Os bilhetes para estes concertos já estão à vendas nos locais habituais e terão um custo de 30€. Informações adicionais relativas ao concerto de Lisboa aqui e ao do Porto aqui.



+

Batushka com dois concertos em Portugal


A banda polaca de black metal Batushka vai passar por Portugal para dois concertos no mês de setembro. Dia 24 tocam no RCA Club (Lisboa), e no dia seguinte no Hard Club (Porto). Estes concertos integram o que parece ser a última tour europeia de apresentação de Litourgiya, álbum lançado em 2015.

Ainda não foram disponibilizadas mais informações sobre os concertos.

+

the body regressam este ano aos discos. Oiçam aqui "Nothing Stirs"


Dois anos depois de lançarem o No One Deserves Happiness e um depois de A Home on Earth, os the body estão de regresso com I Have Fought Against It, But I Can't Any Longer, disco de dez temas onde se inclui o primeiro single de avanço, "Nothing Stirs", lançado esta semana. Este novo trabalho é descrito como o mais ambicioso da banda até à data, dado que toda a instrumentação incluída é composta pelas suas próprias samples.

I Have Fought Against It, But I Can't Any Longer apresenta performances de Kristin Hayter (Lingua Ignota) e Michael Berdan (Uniform), além dos  habituais colaboradores Chrissy Wolpert (Assembly of Light Choir) and Ben Eberle (Sandworm). "Nothing Stirs" pode ser ouvido na íntegra abaixo.


I Have Fought Against It, But I Can't Any Longer tem data de lançamento prevista para 11 de maio pelo selo Thrill Jockey. Podem fazer pre-order do álbum aqui.


I Have Fought Against It, But I Can't Any Longer Tracklist:

01. The Last Form Of Loving 
02. Can Carry No Weight 
03. Partly Alive 
04. The West Has Failed 
05. Nothing Stirs 
06. Off Script 
07. An Urn 
08. Blessed, Alone 
09. Sickly Heart Of Sand 
10. Ten Times A Day, Every Day, A Stranger

+

Bambara anunciam novo disco, Shadow On Everything


Os Bambara estão de regresso aos discos com Shadow On Everything o terceiro trabalho longa-duração a integrar a discografia do trio oriundo da Geórgia e o primeiro na casa Wharf Cat Records. O novo disco, composto por um total de doze faixas, vê também ser apresentado o primeiro single de avanço através de "José Tries To Live", pintado num post-punk muito Iceage-ish que apresenta o afirmado conceito gótico, no qual se inspira Shadow On Everything

Este novo trabalho foi produzido por Andy Chugg (Pop. 1280, PILL) e, mostrando-se o mais ambicioso até à data, traz elementos desde o violino aos arranjos de cornetas que são meticulosamente interpolados ao ambient noise, loops destilados e colagens vocais. "José Tries To Live" pode ser ouvido abaixo.


Shadow On Everything tem data de lançamento prevista para 6 de abril pelo selo Wharf Cat Records. Podem fazer pre-order do disco aqui.

Shadow On Everything Tracklist:

01. Dark Circles 
02. Doe-Eyed Girl 
03. Jose Tries to Leave 
04. Night's Changing 
05. Monument 
06. The Door Between Her Teeth 
07. Human Hair 
08. Steel Dust Ocean 
09. Sunbleached Skulls 
10. Wild Fires 
11. Backyard 
12. Back Home

+

STREAM: Ought - Room Inside The World


Room Inside The World, o terceiro disco de estúdio dos art-rockers Ought, que chega três anos depois do muito bem recebido Sun Coming Down (2015) já pode ser ouvido na íntegra através do site oficial da banda, ou clicando aqui. Room Inside The World mostra claramente uma evolução dos Ought ao nível instrumental, mas também ao nível vocal, onde Tim Darcy soa mais grave e melancólico. Exemplos disto foram anteriormente apresentados com os singles "These 3 Things", "Disgraced In America" e mais recentemente "Desire".

Com o anúncio do streaming antecipado do disco a banda anunciou também que vai estar a fazer um AMA (Ask Me Anything) no Reedit esta quinta-feira às "2PM ET", ou seja, por volta das 19h00 em Portugal. Aproveitem para escutar o disco na íntegra e interagir diretamente com os Ought. Recomendamos fortemente a audição das faixas "Into The Sea", "Pieces Wasted" e "Alice".

Room Inside The World é editado esta sexta-feira, 16 de fevereiro, pelos selos Merge Records / Royal Mountain.


+

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

The Voidz apresentam novo single "Pointlessness"


Os The Voidz, banda paralela de Julian Casablancas (The Strokes), estão a preparar o lançamento do seu segundo disco de estúdio, Virtue, para o final de março. Depois dos temas já conhecidos "Leave It In My Dreams" e da estranha aventura eletrónica de "QYURRYUS", segue-se "Pointlessness", balada carregada de sintetizadores hipnóticos. 

A banda vai estar presente na próxima edição do festival Super Bock Super Rock, atuando no dia 21 de julho, juntamente com Sevdaliza e Baxter Dury.

+

[Review] Dream Weapon Ritual - The Uncanny Little Sparrows


The Uncanny Little Sparrows // Boring Machines // dezembro de 2017
8.5/10

Os Dream Weapon Ritual lançaram o novo The Uncanny Little Sparrows no final do passado ano e avance-se já que se trata de uma obra de mensagem forte e coesa e um disco que apesar de ter chegado tarde merece o seu destaque no campo da música electroacústica. Para os que estão pouco familiarizados com o nome, os Dream Weapon Ritual nasceram em novembro de 2006 e são um duo composto por Simon Balestrazzi – compositor electrónico/eletroacústico e artista sonoro ativo desde a década de 80 – e Monica Serra – uma atriz talentosa a atuar no campo da música desde 1999. Ambos são membros da banda de culto italiana T.A.C. (Tomografia Assiale Computerizzata). Este The Uncanny Little Sparrows chega três anos depois de Ebb&Flow (Boring Machines, 2014) num conjunto de 5 canções que abordam estilos que vão desde as paisagens sonoras construídas pela droning electronica às visões imaginárias da música folk


© Franco Casu
Embora The Uncanny Little Sparrows não apresente um tema de abertura facilmente digerível a qualquer ouvinte, pelo seu desenvolvimento relativamente lento, "Bird Mother" - o único single do Side A - trata-se de um exercício sonoro extremamente competente e o primeiro a mostrar a voz nostálgica e obscura de Monica Serra pintada num quadro de feedback, percussão casual e uma electrónica fortemente monocromática. Por volta dos sete minutos, há uma clara evolução, num single que passa a apresentar um ritmo marcado e desafia o ouvinte a experienciar um panorama distópico mas igualmente relaxante e pacífico que, de uma certa forma, acaba por culminar num caos contido. "Bird Mother" apresenta os primeiros dezoito minutos de The Uncanny Little Sparrows e quem explorar estes momentos sem pausar está habilitado a um garantido deleite nos singles que o sucedem. 

Após o minimalismo conceptual de "Mating Call" há uma beleza ténue e extremamente tocante no segundo tema de avanço, "Two Little Sparrows Sitting On A Bough And Waiting For Enlightenment". É após uma breve introdução aproximada a 45 segundos que os Dream Weapom Ritual afirmam a sua afinada essência para a composição musical com vários instrumentos a serem acrescentados à base sonora numa fórmula perfeita.



Já em "Tittle-Tattle Among Secret Devices" os Dream Weapon Ritual voltam a apostar numa introdução exploratória à resiliência do ouvinte e, numa atmosfera electrónica ligeira, a voz de Simon Balestrazzi começa a surgir (pela primeira vez neste LP) num timbre de toada gótica e post-punk-ish a trazer à memória uma mistura de Peter Murphy com Nick Wade. Resumindo: um ritual xamânico de ritmos tribais e construções de certo modo atípicas. Entretanto, já a chegar ao fim da jornada que é The Uncanny Little Sparrows, podemos ouvir "The One With The Iron Beak" tema de encerramento do disco que consegue trazer à memória uns The Knife (uma observação eventualmente motivada pela imagem dos Dream Weapon Ritual), mas num registo bastante arrastado e mais negro. 

The Uncanny Little Sparrows é, em suma, uma obra memorável de música avant-garde, extremamente artística e exploratória e um bilhete gratuito para uma viagem aos mais irreconhecíveis destinos. Sem dúvida um extremo deleite para qualquer melómano.



+

Anna Von Hausswolff lança novo single, “The Truth, The Glow, The Fall”

© Carl Osbourn
Anna Von Hausswolff vai lançar no início de março o seu muito aguardado novo disco de estúdio, Dead Magic e, depois do sucesso que foi o primeiro single de avanço "The Mysterious Vanishing of Electra", a instrumentista sueca regressa agora aos holofotes da música alternativa com o seu novíssimo "The Truth, The Glow, The Fall", single de abertura do disco e uma poderosa faixa com cerca de 12 minutos de duração. Dead Magic foi gravado por Anna Von Hausswolff, banda e Randall Dunn durante nove dias em Copenhaga. O novo tema pode ser descoberto abaixo.

Dead Magic tem data de lançamento prevista para 2 de março pelo selo City Slang. Podem fazer pre-order do álbum aqui.


+

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Iceage regressam com primeira música em 4 anos


Os dinamarqueses Iceage estão de regresso com a primeira música em 4 anos, depois de em 2014 editarem o poderoso Plowing Into the Field of Love pela habitual Sacred Bones Record. "Catch It" é o nome do novo single da banda de Elias Bender Rønnenfelt, cujo vídeo dirigido por Adam Hashemi poderá ser visto em baixo.

Ainda sem dados relativos ao possível quarto disco, a banda anunciou as primeiras datas norte-americanas que terão início no mês de maio.


+

domingo, 11 de fevereiro de 2018

STREAM: Superalma Project - Dystopian Children


Superalma Project está de regresso aos discos de estúdio com Dystopian Children, o seu oitavo trabalho de originais e o primeiro a ser lançado no ano de 2018. Tendo sido executado durante a última tour europeia do projeto (que passou pelos países Portugal, Finlândia, Estônia, Letônia, Lituânia e Almenha), o disco sustenta-se narrativamente numa significativa referência a contos distópicos - desde 1984 de autoria de George Orwell, passando por Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley e chegando finalmente em The Hunger Games de Suzanne Collins

Nas palavras de Igor Almeida (produtor e compositor do disco): "A ideia central deste trabalho habita o vácuo entre o presumível fim das coisas terrenas e as rememorações pessoais da infância, e desta confluência, nasce este que julgo ser o mais maduro e estruturalmente complexo trabalho do Superalma Project". Dystopian Children tem uma duração total aproximada a 33 minutos e divide-se em 12 faixas, das quais se recomenda a audição de "The Hopeless Timelessness", "Bring Them the Blood Of The Outlanders!" e "The Dead and The Gone". O disco pode ser reproduzido na íntegra abaixo.

Dystopian Children foi editado oficialmente a 10 de fevereiro (sábado).



+