sábado, 24 de março de 2018

Dead Combo revelam primeiro single do novo disco, Odeon Hotel


Os Dead Combo estão de regresso aos discos com Odeon Hotel, que chega quatro anos após A Bunch of Meninos. A dupla portuguesa, composta por Tó Trips e Pedro Gonçalves, terá desta vez a companhia de Mark Lanegan (ex-vocalista dos Screaming Trees) em algumas das músicas, tendo já sido anunciada uma atuação com a presença do americano para a próxima edição do Festival Vodafone Paredes de Coura

Odeon Hotel conta com produção de Alain Johannes (Queens of the Stone Age, Arctic Monkeys, Mark Lanegan Band) e tem edição marcada para o dia 13 de abril pela SONY Music Entertainment, não tendo ainda sido anunciada a tracklist completa. Podem ouvir o primeiro single revelado, “Deus Me Dê Grana”, em baixo:

+

Moon Hooch com novo EP e data em Portugal

Andrew Giese

Os Moon Hooch acabam de anunciar a edição de um novo EP, Light It Up, que sucede a The Joshua Tree, editado no ano passado. Neste novo EP, gravado durante uma pequena pausa da tour, o trio americano apresenta três novas músicas baseadas na sua fórmula de jazz dançável e que têm o propósito de capturar a incrível energia dos seus concertos num ambiente de estúdio. Em baixo podem ouvir o primeiro single, “Acid Mountain”:


O grupo americano tem passagem marcada por Portugal na vigésima edição do Festival Músicas do Mundo, que se realiza em Sines e Porto Covo de 19 a 28 de julho.

Light It Up será editado a 6 de abril pelo selo Hornblow Recordings. Pre-order pode ser feita aqui.






Light It Up tracklist:
1. Acid Mountain
2. Light It Up
3. Growing Up

+

Lebanon Hanover disponibilizam primeiro single de 'Let Them Be Alien'

© Jonas Fransson

Os Lebanon Hanover estão de regresso às edições com Let Them Be Alien, o quinto disco de originais que vem dar sucessão a Besides The Abyss (2015) e ao EP Babes Of The 80's, lançado o ano passado. Depois de terem divulgado os pormenores adicionais deste novo disco a dupla que une William Maybelline a Larissa Iceglass regressa agora com novo single, "Alien" cujo conceito é descrito por Larissa: “No matter at what place on earth, we always feel somewhat rejected from society and find relief in nature".

Explorando o alcance sónico, Let Them Be Alien, é construído em vocais emotivos, acordes dramáticos e ondas digitais distorcidas, onde a dupla lembra as misteriosas nuvens industriais e góticas dos anos 80. O álbum retrata a honestidade escura e os sentimentos profundos de duas pessoas alienadas com verdadeiros corações românticos, ainda que, sentindo uma agitação social. "Alien" pode ser escutado abaixo e vem acompanhado de trabalho audiovisual.


Let Them Be Alien tem data de lançamento prevista para 3 de abril pelo selo Fabrika Records

Let Them Be Alien Tracklist: 

01. Alien 
02. Gravity Sucks 
03. Kiss Me 
04. Favorite Black Cat 
05. Lavender 
06. Du Scrollst 
07. True Romantics 
08. Silent Choir 
09. Ebenholz 
10. Petals

+

sexta-feira, 23 de março de 2018

Fuzzil e Jesus The Snake no Woodstock69


Os Fuzzil e os Jesus The Snake vão tocar no próximo dia 24 de Março no Woodstock69 onde irão apresentar os seus mais recentes EP's, Molten  π e o EP homónimo, respetivamente.


Os Fuzzil são uma banda de rock de Alcobaça formada no ano de 2015 que procura fazer musica através de uma mistura de estilos desde o  rock psicadélico, ao prog e ao stoner. Com dois 2 EP's lançados (Boiling Pot - 2015), (Molten π - 2017), os Fuzzil são constituídos por Leonardo Baptista (Voz/guitarra), Alexandre Ramos (Vox/Bateria), Wilson Rodrigues (Baixo/Vox) e Filipe Garcia (Guitarra/Vox). 

A banda já tocou com nomes como Greenleaf (Suécia) , Bottlecap (Suécia) e pisou palcos desde o Indie Music Fest '17, Museum Festum '17, Sabotage, Cave 45, Stairway Club, D.R.A.C., etc.





Jesus the Snake são uma banda de rock psicadélico de Vizela, formada por Jorge Lopes (Guitarra), Gonçalo Palmas (Teclados), Rui Silva (Baixo) e João Costa (Bateria). Sonoramente, são nitidas as influências de bandas como Pink Floyd, Black Bombaim, Causa Sui ou Color Haze. A banda foi fundada em 2016, mas só a 13 de Novembro de 2017 lançaram o primeiro EP homónimo, que foi gravado e masterizado no HeartzControl Studio por Marco Lima (Sulfur Giant). A banda já passou pelo Sonicblast Moledo em 2017, tocou também no Porto onde abriu The Atomic Bitchwax e em Bordeus (FR) com Mars Red Sky.

+

Galgo lançam novo disco em abril. Oiçam aqui "Bambaré"


Os Galgo estão prontos para mais uma aventura sonora. O sucessor dos aclamados EP5 (2015) e do seu primeiro longa-duração Pensar Faz Emagrecer (2016) chega às plataformas digitais no dia 16 de abril e dá pelo nome de Quebra Nuvens

A banda de Oeiras formada por Alexandre Moniz, João Figueiras, Miguel Figueiredo e Joana Batista aposta numa faceta mais digital sem nunca perder a crueza do rock que os caracteriza. O som dos Galgo é difícil de definir, vangueando pelo pós-rock e rock instrumental, agora com mais influências de math rock e dance-punk.

Quebra nuvens foi produzido e gravado no estúdio HAUS. ''Bambaré'' é o dançante primeiro single de Quebra Nuvens e já pode ser escutado aqui. O concerto de apresentação deste novo álbum acontece no Musicbox a 20 de Abril. Os bilhetes custam 8€ e estarão disponíveis em breve.

+

STREAM: Preoccupations - New Material


Os canadianos Preoccupations (ex. Viet Cong) estão de regresso aos discos com New Material que vem dar sucessão ao homónimo Preoccupations, editado em 2016. Este novo registo foi auto-gravado pelo grupo, com alguma ajuda adicional de Justin Meldal-Johnson, e segundo o vocalista Matt Flegel, "It's an ode to depression. To depression and self-sabotage, and looking inward at yourself with extreme hatred".

Do disco já tinham sido divulgada anteriormente as faixas "Espionage", "Disarray" e "Antidote", que mostraram uma banda a abraçar novos campos sonoros. A banda vai passar pela Europa mas as datas não contemplam Portugal. O disco pode ser ouvido na íntegra abaixo.

New Material é editado esta sexta-feira (23 de março) pelos selos Jagjaguwar / Flemish Eye (Canadá).

+

Midas Fall - "Dust and Bone" (single) [Threshold Premiere]


Midas Fall, the Scottish alt/post/prog-rock duo composed by Elizabeth Heaton and Rowan Burn are going to release their fourth studio album in April and today you can hear the new single "Dust And Bone" that ratchets up the tension with darkness. If you listen to it until the two and a half minutes, this song turns into a mesh of post-rock with some doom influences that reminds the landscapes of artists like Chelsea Wolfe, Marissa Nadler or Darkher.

Extremely emotive and vivid the new album, named Evaporateshimmers with a dark, gothic grace, delicate and brutal in equal measure and it conjures stunning soundscapes at every turn. The album was recorded in Argyll, Scotland and has a total of ten songs. "Dust And Bone" follows the previously released "Evaporate" and can be listened below.



Evaporate is out on April, 27th via Monotreme Records. You can pre-order the album here.

Evaporate Tracklist:

01. Bruise Pusher 
02. Evaporate 
03. Soveraine 
04. Glue 
05. Sword To Shield 
06. Dust And Bone 
07. Awake 
08. In Sunny Landscapes 
09. Lapsing 
10. Howling At The Clouds

+

quinta-feira, 22 de março de 2018

Oneohtrix Point Never apresenta nova música em trailer para MYRIAD

©Felipe Gabriel
Oneohtrix Point Never revelou hoje o primeiro trailer para MYRIAD, o mais recente projeto de Daniel Lopatin que irá consistir num instalação/performance a ter lugar no Red Bull Music Festival, de 22 a 24 de maio no Park Avenue Armory, em Nova Iorque.

Composto por quatro momentos chave - "Age of Ecco", "Age of Harvest", "Age of Excess", e "Age of Bondage" - MYRIAD promete uma experiência multissensorial rica fortemente influenciada pela música medieval, onde não faltarão as boas doses de arpeggio que Lopatin nos tem vindo a habituar nas suas composições.

MYRIAD é o primeiro projeto de Lopatin desde a excelente banda sonora para o igualmente incrível Good Time, o filme dos irmãos Safdie que lhe valeu o galardão de melhor banda sonora em Cannes. Em 2015, deu-nos a conhecer o universo hypergrunge de Ezra em Garden of Delete.

O trailer, dirigido pelo próprio Daniel Lopatin e com animação de Daniel Swan e Nate Boyce, encontra-se disponível para total visualização e usufruto no link em baixo, um verdadeiro deleite sensorial para fãs do produtor norte-americano.


+

STREAM: GosT - Possessor


O produtor de darksynth/slasherwave GosT está de regresso às edições com Possessor, o seu terceiro disco de estúdio que apresenta as tradicionais influências da synthwave de nomes como Perturbator e Carpenter Brut, juntando-as a uma eletrónica que cruza nomes como Anaal Nathrakh ou Justice. De Possessor, que vem dar sucessão a Non Paradisi (2016) já tinham sido divulgadas anteriormente as faixas "Garruth", "Beliar" e "The Prowler". Possessor pode ser ouvido na íntegra abaixo.

Sobre este novo disco o produtor avança que: "Possessor takes the perspective of the evil spirit during an exorcism – using trademark buzzsaw basslines, GosT hacks off the limbs of synthwave and leaves it bleeding in his wake. Marked by the demented sounds of the possessed and the panicked, amplified through blastbeats and utilizing GosT‘s own soothing vocals and tortured, other-worldly screams. This is not an album for the faint of heart."

Relembra-se ainda que o produtor vai passar pela edição de 2018 do festival SWR Barroselas Metalfest, atuando a 26 de abril, num concerto de entrada gratuita.  Todas as informações adicionais sobre este evento podem ser encontradas aqui.

Possessor é editado esta sexta-feira (23 de março) pelo selo Blood Music.


+

STREAM: Yamantaka // Sonic Titan - Dirt


coletivo artístico do Canadá Yamantaka // Sonic Titan edita amanhã o seu terceiro disco de estúdio Dirt, que vem dar sucessão a UZU (2013), disco apresentado aquando a passagem da banda pela edição de 2014 do NOS Primavera Sound. Neste novo registo a banda volta a mostrar a sua mistura ambiciosa de diversos géneros, incluíndo pop, progressive-rock, noise, metal, folk, entre outros, num total de dez canções que refletem os tipos de violência e raiva que estão a destruir a humanidade.

De Dirt já tinham sido anteriormente apresentadas as faixas "Someplace", "Yandere" e "Hungry Ghost". Além destas recomenda-se ainda a audição do poderoso "Dark Waters", o dream-pop ritualístico de "The Decay" e a xamânica e hipnotizante faixa de encerramento "Beast". O disco pode ser ouvido na íntegra abaixo e adquirido aqui.

Dirt é editado oficialmente a 23 de março (sexta-feira) pelo selo Paper Bag Records.


+

Oiçam: Jorge Barata


Jorge Barata é uma novidade no que toca a sua presença no panorama musical português. Ora bem, editou mesmo no final do ano transato (29 de dezembro) o seu álbum de estreia, Pelo Peito Morre O Jorge, com o selo da Watermelon Records, sendo também a estreia desta editora independente sediada entre Lisboa e Leicester (UK).

Pelo Peito Morre O Jorge foi gravado no Verão de 2017 e apresenta-nos seis canções com raízes na bossa nova Brasileira e na música de intervenção nacional, proclamando a força da Língua Portuguesa nas novas gerações musicais.

Jorge pode ser cantautor e cantar com toda a sua alma, mas não se encontra sozinho, rodeando-se de outros músicos convidados: Vasco Brito e Abreu no baixo, Alexandre Moniz na guitarra em algumas das faixas, João Oliveira na percussão, Pedro Mocho no Saxofone e Miguel Barrera na guitarra apenas na faixa “Cruz”. “Será Pedir Muito” e "Peito Sobre o Tejo" foram os primeiros temas a serem conhecidos, fazendo também partes dos principais destaques deste trabalho, juntamente com “Faz-te ao Mar”. 

Produzido por João Oliveira (Watermelon Records), o disco pode ser ouvido na íntegra abaixo. O artista vai estar esta sexta-feira no Sabotage Club a fazer a primeira parte do concerto de CAIO

+

Festival Walk and Dance celebra o novo rock português


Há uma cidade no norte do País que nesta Páscoa vai trocar os cânticos religiosos pelos ruídos das guitarras que estão a moldar o rock português. A meia hora de distância do Porto, Freamunde recebe entre os próximos dias 28 e 31 de março o festival Walk and Dance com nomes como The Poppers, Killimanjaro, 800 Gondomar, Flying Cages, Jonny Abbey, PISTA, Jerónimo e muito mais.

O cartaz desta que será a quarta edição do evento promovido pelos The New Party Makers (um grupo de amigos que decidiram juntar-se para levar mais música à região) contempla um total de 13 os concertos, distribuídos por cinco palcos que obrigam a percorrer diferentes locais – alguns improváveis - daquela cidade do concelho de Paços de Ferreira. Um deles é o bar Gardens, no centro de Freamunde, que serve de palco para o concerto de arranque do festival, na próxima quarta-feira, com Mathilda. Oportunidade para conhecer o primeiro álbum, editado em novembro de 2017, da cantora e compositora nacional.

Na segunda noite, o festival ocupa uma fábrica abandonada – a Fábrica Grande, como é conhecida localmente – para se ouvirem as melodias de Luís Severo, as nuances psicadélicas dos Chinaskee &Os Camponeses e as intensas guitarras dos Omodo. Dia 30 é dia de de ir ao teatro, nomeadamente à Associação Socorros Mútuos, onde estará o palco IberiumCafés. Lá se farão ouvir os The Poppers, a banda de Barcelos Killimanjaro e os Moon Preachers. A noite acaba no Espaço A, uma casa que já tem dado exposição a novas bandas e djs portugueses, com o trio 800 Gondomar.



Faça sol ou chuva, no último dia o Walk and Dance salta para o palco de rua, designado Letra On Oak, para se ouvir Jonny Abbey. Na noite de despedida, há também atividade no teatro transformado em palco IbériumCafés, com os concertos dos Flying Cages e Jerónimo, e no palco Espaço A, com os PISTA e Mojo Hannah.

São mais que suficientes os motivos para visitar Freamunde esta Páscoa e celebrar a nova ressurreição do rock português no Walk and Dance, para o qual são esperados ainda djs como Moullinex, Nuno Rabino, Londonbeat e João Moura. Avaliando os preços dos bilhetes diários (8 ou 10 euros), mais vale comprar o passe para as quatro noites (15 euros) e não perder pitada.

Texto: Ana Catarina Monteiro

+

Iceage de regresso a Portugal em outubro


Os Iceage atuam no país, pela primeira vez em nome próprio, em outubro para dois concertos inseridos na tour de promoção do novo disco da banda, Beyondless, que está cá fora no próximo dia 4 de maio pelo selo Matador Records. Os concertos estão marcados para os dias 26 e 27 de outubro, no Hard Club, Porto (sob a chancela da At The Rollercoaster), e no Musicbox, Lisboa (inserido nas sessões do Jameson Urban Routes), respetivamente. A banda regressa a Portugal três anos depois da passagem pelo Vodafone Paredes de Coura, em 2015.

Beyondless, o quarto disco de estúdio mostra os Iceage a explorar novos territórios sonoros, mantendo o rico caráter dos começos impetuosos da banda. Desde New Brigade (2011), um álbum que assume um punk delinquente e juvenil, cheio de condenação fria e distante, a You're Nothing (2013) com a voz de Elias ainda pouco incisiva, seguiu-se Plowing Into The Field Of Love (2014), que os levou a conquistar uma posição muito acarinhada pelos mais diversos tipos de público a nível mundial. Agora com Beyondless, há espaço para uma produção de luxo que poderá ser disfrutada ao vivo em outubro.

O preço dos bilhetes para o concerto no Porto é de 17 euros. Estes encontram-se disponíveis em bol.pt, Fnac, Worten, CTT, e El Corte Inglês. Em Lisboa, o preço dos ingressos possui o custo de 22 euros, podendo ser adquiridos aqui.


+

Moon Preachers editam álbum de estreia


Os seixalenses Moon Preachers são dois jovens que gostam de espalhar a destruição nos palcos por onde passam. Este poderoso duo (finalmente) lançou o seu disco de estreia na semana passada, depois de um verão de gravações com Nick Nicotine nos Estúdios King no Barreiro. A Free Spirit Death foi editado via O Cão da Garagem nas plataformas digitais, em CD e cassete.

Daqui resulta um punk com a velocidade levada ao máximo, mas mesmo bem ao máximo. Músicas como "I Keep My Soul Away" e "High Street" mostram um perfeito exemplo disto que dissemos, um exemplo que ganha ainda mais vida ao vivo. Os concertos de Moon Preachers são daqueles que deixam um zumbido nos ouvidos durante alguns dias, e oportunidades para os verem ao vivo não vão faltar nos próximos tempos. O que aconselhamos bastante que o façam.

Em baixo deixamos o álbum para ouvirem, assim como as datas de apresentação de A Free Spirit Death. Desfrutem.



Tour

23 Março - Maravillas Club, Madrid (ES)
24 Março - Sabotage Club, Lisboa 
28 Março - Espaço 58, Seixal
29 Março - CAE, Portalegre
30 Março - Walk & Dance 2018, Freamunde
31 Março - Sociedade Harmonia Eborense, Évora
7 Abril - Sé La Vie, Braga
13 Abril - Sala Chat Noir, Badajoz (ES)
21 Abril - ADAO, Barreiro
25 Abril - Titanic, Lisboa
11 Maio - Café Schmits, Póvoa do Varzim
12 Maio - Festival Rock Of, Cantanhede 
26 Maio - Kola Moka Fest, Estarreja

+

quarta-feira, 21 de março de 2018

Jungle confirmados no Festival Vodafone Paredes de Coura


Os Jungle acabam de se juntar ao cartaz do Festival Vodafone Paredes de Coura. O duo britânico já passou por Portugal por diversas vezes desde o lançamento do seu álbum de estreia homónimo em 2014, tendo a última atuação em solo português ocorrido em 2016 no Festival Lisbo-On.

Os restantes nomes já anunciados são Slowdive, King Gizzard & The Lizard Wizard, The Mystery Lights, Japanese Breakfast, Shame, Confidence Man, Big Thief, Fleet Foxes, …And You Will Know Us By The Trail of Dead, Curtis Harding, Skepta, Arcade Fire, Dead Combo com Mark Lanegan, Frankie Cosmos e The Blaze. A 26ª edição do Festival Vodafone Paredes de Coura decorre  de 15 a 18 de agosto na Praia Fluvial do Taboão e os bilhetes gerais encontram-se à venda por 100 euros.

+

Essaie Pas apresentam 'New Path' na ZDB


Os Essaie Pas, dupla de música eletrónica composta por Marie Davidson e Pierre Guerineau, vão passar por Portugal a 2 de junho para um concerto que, para já, é único em Portugal e decorrerá na Galeria Zé dos Bois, em Lisboa. Na bagagem trazem o mais recente disco de estúdio, New Path, editado na passada sexta-feira (16 de março) pelo selo DFA Records, que vai buscar inspiração ao clássico livro A Scanner Darkly de Philip K. Dick.

O concerto tem início previsto para as 22h00. Os bilhetes patra o concerto têm um preço de 8€ e já se encontram disponíveis para venda na Flur Discos, Tabacaria Martins e ZDB (segunda a sábado 22h-02h). Todas as informações adicionais podem ser consultadas aqui.



+

Os God Is An Astronaut regressam a Portugal


Eis que, 3 anos depois, os irlandeses God Is An Astronaut regressam ao nosso país no dia 12 de julho. O concerto acontece no dia 12 de julho e terá lugar no Porto, mais precisamente na Casa da Música.  Este concerto acontece na sequência de uma tour europeia que servirá para apresentar ao vivo Epitath, o seu vindouro LP.





+

Dead Sea em entrevista: "Dead Sea é como flutuar no mar com os olhos fechados"


Nos passado dias 8 e 9 de março os franceses Dead Sea estrearam-se em Portugal para abrir os concertos de Slowdive no Lisboa ao Vivo (LAV) e Hard Club, Porto, respetivamente. Em Lisboa tivemos a oportunidade de os fotografar de perto e de trocar umas poucas palavras com a banda. A entrevista que lhes fizémos por email, onde pretendemos saber mais sobre o trabalho da banda, influências e perspetivas para o futuro pode ler-se abaixi.

TM - Do vosso ponto de vista, perspetivas e ideologias, quem são os Dead Sea? 

Dead Sea - Dead Sea é como flutuar no mar com os olhos fechados.

TM - O que é Turbo Chillwave? 

Dead Sea - Um nome que inventámos para descrever o nosso som e as nossas influências musicais em duas palavras.

TM - Aparentemente, vocês lançaram um EP que não está disponível online para streaming. Porque é que publicaram apenas três músicas? 

Dead Sea - Lançámos dois singles no ano passado, "8.50" e "Lotion" e vamos lançar um terceiro em poucos dias, "Know Where". 



TM - Como se sentem ao abrir para os concertos de Slowdive? 

Dead Sea - Foi um sonho tornado realidade, já que somos os maiores fãs do Slowdive. Ficámos agradavelmente surpreendidos com as reações das pessoas às nossas músicas, mesmo que não nos viessem ver. Conhecemos também algumas pessoas agradáveis pelo caminho. 

TM - O que vos influencia mais como compositores? 

Dead Sea - O que sentimos :(, o que nós passamos :), e outras bandas que ouvimos <3. 

TM - Como vive a banda fora da música? 

Dead Sea - Vemos filmes durante o inverno e surfamos durante o verão. 

TM - Quais são os principais aspectos que esperam manter como Dead Sea?

Dead Sea - Tocar a música que queremos. 

TM - Que artistas e álbuns vos inspiraram ao longo do percurso da banda? 

Dead Sea - Muitos artistas e álbuns, entre os quais Slowdive, My Bloody Valentine, Cocteau Twins, Grimes, The Horrors, Frank Ocean, Porches .. 

TM - Podemos esperar um novo disco para este ano? Se assim for, quando? 

Dead Sea - Vamos lançar o nosso primeiro EP dentro de alguns meses. 

TM - Qual foi o último concerto a que assistiram e o último disco que ouviram? 

Dead Sea - Último concerto: Slowdive! haha. Último disco: Little Dark Age dos MGMT.

TM - Para concluir, o que se segue para os Dead Sea? 

Dead Sea - Acabámos de assinar contrato com a PIAS, temos um EP a sair e talvez façamos parte de uma tour com outra banda, muito em breve.

TM - Obrigado.




Entrevista por: Gil Simão
Fotografias: Virgílio Santos

+

Sanae Yamada (Moon Duo) lança-se a solo sob o moniker Vive La Void

© Kjetil Tangen
Vive La Void é o novo projeto a solo de Sanae Yamanda, co-fundadora e teclista dos Moon Duo, que se prepara agora para lançar o disco de estreia que foi composto e gravado no período de dois anos durante os tempos de pausa das tours de Moon Duo, que lançaram no passado ano Occult Architecture Vol. 2. Este novo disco, homónimo, apresenta um total sete faixas onde são exploradas atmosferas densas e de mudança, em sintetizadores,  num processo que levou a meditações sobre a natureza variável da memória e perceção.

O resultado é uma mistura ondulante e éterea de psych-rock com minimal-wave, impulsionada pelas melodias vocais discretas de Yamada e as suas lindas letras. O primeiro tema de avanço do disco, "Red Rider" já foi divulgado e vem acompanhado de vídeo, a ver abaixo.


Vive La Void tem data de lançamento previsto para 4 de maio pelo selo Sacred Bones Records. Podem fazer pre-order do álbum aqui.

Vive La Void Tracklist:

01. Matter 
02. Red Rider 
03. Death Money 
04. Smoke 
05. Blacktop 
06. Devil 
07. Atlantis

+

STREAM: JOY​/​DISASTER - Resurrection


Desde 2005 que os franceses JOY/DISASTER têm criado sonoridades em torno de uma atmosfera essencialmente rock, melódica e moderna, que combina arranjos inovadores, guitarras poderosas e uma voz textural. Este ano a banda costituída por Nicolas Rohr (guitarra, voz principal) Simon Bonnafous (guitarra) Soupa Rundstadler (baixo, voz secundária) e Nicolas Giraud (bateria) regressou às edições com Ressurection, o sexto disco de estúdio que vem dar sucessão a Broken Promises (2013) e ao EP e que pode agora ser ouvido na íntegra, abaixo.

Influenciado por diversas correntes musicais, cada álbum de estúdio dos JOY/DISASTER tem sua própria personalidade, mas é em Ressurection que a banda explora ambientes de tonalidades mais escuras, repescando o rock de nomes como Nick Cave ou David Bowie e misturado-lhe guitarras poderosas e deslizantes, como é o caso de "My Secret Grden". Além desta, de Resurrection recomenda-se ainda a audição de temas como "Enclosed", a apresentar tonalidades do rock gótico de Fields Of The Nephilim, "Million Faces", o folk-ish "Dancing In Sadness" e a atmosfera embaladora de "Evolution".

Resurrection foi editado no passado dia 14 de março pelo selo Manic Depression Records e podem comprar a edição física em CD e em vinil aqui.


+