sábado, 28 de março de 2015

[Review] Selofan - Tristesse


Tristesse // Fabrika Records // Março de 2015
7.9/10

Tristesse é o segundo registo de estúdio do duo grego de electro-minimal Selofan, que chega aproximadamente dois anos depois de Verboten, disco pelo qual mostraram os seus primeiros singles ao mundo. Fundadores da Fabrika Records, editora pela qual apresentam agora este novo registo, os Selofan voltam novamente a apostar nas sonoridades minimalistas dos sintetizadores à anos 80, mas numa produção bastante contemporânea. "Microwave Lovers", um dos singles de avanço deste segundo trabalho de estúdio, e uma das melhores faixas de Tristesse, é apresentado num ambiente sombrio, recheado de sintetizadores à post-punk. A voz, essencialmente falada, é acompanhada por pequenos gritos que se afirmam como um dos pontos de maior impacto na audição consecutiva da referida faixa. No geral, todo este trabalho, em análise, se revela como um conjunto de doze canções embebidas num universo de experimentação que contemplam desde uma simples composição em piano, apenas acompanhada de voz ("Der Steppenwolf"), a singles mais luxuosos na produção ("Allein").

Para além da Farbrika Records, os Selofan trazem ainda no currículo um single colaborativo com Larissa Iceglass, "Behind The Dunes", que ficou de fora de Tristesse mas que merece destaque pelo excelente instrumental adaptado a uma das vozes  mais marcantes da actualidade na cena da colwave. E de facto "Tristesse", single homónimo, e posteriormente "Napthalini", apresentam algumas similaridades interessantes face aos trabalhos do também duo Lebanon Hanover: há uma utilização tanto da voz masculina, como feminina por sobre uma perscussão post-punkiana com traços nostálgicos. O que não é de todo mau avance-se desde já. Afinal os Selofan conjugam sonoridades electrónicas ao lado de um som produzido analogamente. "We Care For You" e "Fotografikes Michanes" são dois bons exemplos para verificar como este revivalismo das sonoridades dos anos 80, na cena dark, são uma influência comum para ambas as bandas, onde as diferenças se notam essencialmente na aplicação do mesmo conceito. 

Tristesse é um um disco que volta a frisar que o o post-punk se está efectivamente a tornar num género cada vez mais explorado na actualidade, e que, conjugado com os sintetizadores e alguns elementos da música concreta, afirma-se perante uma sociedade perdida no capitalismo e falta de valores morais. Numa representação incrivelmente bem conseguida da mente humana, e suas questões existencialistas, Tristesse apresenta singularidades, essencialmente a níveis das conjugações de díspares instrumentos, que o destacam de se tornar apenas em mais um álbum dentro da coldwave. Há emoção e revolta sentidas na voz tanto de Joanna como Dimitris, e há ainda o medo, um dos sentimentos que a tecnologia tenta resolver, mas ainda com pouca eficácia. Tristesse pode ser uma resposta, embora necessite ainda de afincar algum do contraste verificado entre as sonoridades das suas composições.


0 comentários:

Enviar um comentário