quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

[Review] Tomorrows Tulips - iNdy rock royalty comb EP


iNdy rock royalty comb // Burger Records // janeiro de 2016
7.0 / 10

Os Tomorrows Tulips estão de regresso aos discos com um novo EP pintado em tons lo-fi, e dentro dos conformes tendo em conta os seus três antecessores - Eternally Teenage(2011), Experimental Jelly(2013) e When(2014) - só que com nova formação. Depois de Christina Kee e Jamie Dutcher, quem toma conta da bateria de iNdy rock royalty comb é Jennifer Agnew, que se apresentará ao vivo juntamente com Alex Knost e Ford Archbold nos concertos que a banda tem agendados em Portugal para fins de maio. Sem muito marketing envolto, o trio anunciou o lançamento do presente EP, disponibilizado unicamente em cassete ou vinil de 12'', via Burger Records. A tour europeia foi apresentada através do primeiro single de avanço, o já conhecido "Check Me Out", que integrou inicialmente a compilação All​-​American Edition, juntamente com outros 15 singles não editados de bandas DIY.


iNdy rock royalty comb traz oito canções, tratando-se de um EP devido à sua duração exata de 20 minutos; já o seu conteúdo, traz uma mistura de coisas interessantes com coisas desnecessárias. Isto é essencialmente notório ao longo das reproduções do disco, onde se encontra, a título de exemplo, o mini-teaser
"Calvin's Mic Check" que funciona como representação artística do que Alex Knost diz anteriormente em "Why I Didn't Like August 93", ao afirmar "I've got a drug problem". É interessante na medida em que dá continuidade ao EP, fazendo com que os "oito" singles funcionem como uma só obra, bastante coesa. É desnecessário na medida em que aqueles 21 segundos de duração poderiam ser poupados ao ouvinte porque, mesmo a funcionar como abertura para "Ballad Of Abandoned Style", são prescindíveis. 

No entanto há coisas muito positivas, e estas encontram-se logo na abertura do presente EP em "Quiet Riot Grrrl", single que ficou a ser conhecido recentemente pela performance para mais uma edição do "A Take Away Show" da La Blogothèque (ver aqui). Embora tenha surgido como um single, a mostrar uma banda mais noise que propriamente lo-fi, a sua versão final traz uma melodia que se mantém fiel aos trabalhos que os Tomorrows Tulips produziram até então. "Convertible PCH", apesar de um ritmo muito similar ao que já é conhecido, traz os riffs de guitarra que fizeram muitos adolescentes sonhar quando Eternally Teenage e Experimental Jelly andavam na berra. É interessante ver como, tendencialmente, as músicas do trio da Costa Mesa - Califórnia fazem voltar à memória de qualquer um uma imagem mental do verão, e a estratégia de lançar o álbum num final de inverno acaba por levar à audição consecutiva dos seus trabalhos.

A finalizar iNdy rock royalty comb apresenta, na sua duração, uma banda com ideias diferentes, talvez por isso seja só um EP para ver como os fãs o recebem. Por aqui ouviu-se bem. Com Alex Knost ocupado com seu projeto paralelo com Kim Gordon (ex Sonic Youth) - Glitterdust, será difícil ter um novo álbum de estúdio dos Tomorrows Tulips brevemente, portanto é aproveitar os dois concertos em Portugal que ingressam o cartaz da tour europeia. Até lá e se a curiosidade persistir o EP pode ser adquirido aqui.