quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Reportagem: Conjunto Corona [Musicbox, Lisboa]


Foi no dia 1 de dezembro que fomos até ao Musicbox Lisboa para assistir à apresentação de Santa Rita Lifestyle, o novo álbum dos portuenses Conjunto Corona. Mesmo com o pesado legado de Cimo de Vila Velvet Cantina atrás das costas, este novo disco não desapontou nada aos dedicados fãs da “banda sem Gondomarenses mais Gondomarense da História de Gondomar”, muito pelo contrário. A noite do concerto estava friorenta como se tem estado nos últimos tempos, nada de impressionante, e por isso as pessoas que chegavam ao Cais do Sodré não demoravam muito a entrar e aconchegarem-se um bocado no Musicbox. A casa estava completamente esgotada (os bilhetes já tinham acabado há uns dias), as pessoas iam falando e convivendo umas com as outras alegremente, até que houve uma explosão de aplausos quando DB, Logos, Kron Silva e obviamente o lendário Homem do Robe entraram em palco para dar início a esta festa. 



“187 No Bloco” foi a malha que abriu este esperado concerto, a energia e o estilo que eles emanavam do palco fazia as pessoas dançar freneticamente, e cantar bem alto ao som das magníficas letras que saiam daquelas abençoadas almas. “Perdido na Variante” foi a música que se seguiu na setlist, seguindo o alinhamento do álbum, com DB a fazer a parte que PZ cantou na faixa editada. O público estava completamente em êxtase, uma casa bem à altura da experiência do que é ver Conjunto Corona ao vivo e a cores. O amor que os presentes tinham por aquele quarteto em palco era simplesmente demasiado para viverem o concerto encostados a um canto, a energia era demasiada, todos estavam a cantar e a dançar. A festa foi seguindo assim, com o Homem do Robe a fumar pavões enquanto tirava fotos com os seus fãs, passando pelo famoso e celebrado ritual Corona que é distribuir shots de hidromel pelo público. Nunca foi tirado o pé do acelerador. Depois de acabarem de tocar as músicas de Santa Rita Lifestyle, o quarteto passou por algumas das suas músicas mais antigas, como por exemplo "Chino no Olho", "Mafiando Bairro Adentro" e “Pontapé nas Costas”, esta última que originou um grande moshpit. 



No final, depois de aplausos, crowdsurf e tudo mais, viam-se as caras repletas de satisfação a sair para a noite lisboeta. O veredito que se tira deste enorme concerto é o que um amigo meu me disse na semana passada, “mesmo quem não gosta de hip hop tem de experienciar um concerto de Conjunto Corona pelo menos uma vez na vida”.

Texto: Tiago Farinha
Fotografia: Ana Viotti (retiradas do blog Musicbox)

0 comentários:

Enviar um comentário