sexta-feira, 31 de maio de 2019

[Review] Psychedelic Porn Crumpets - And Now for the Whatchamacallit

review-psychedelic-porn-crumpets-and-now-for-the-whatchamacallit
And Now for the Whatchamacallit | What Reality? Records | maio de 2019
7.8/10

A localidade pacata e isolada de Perth, na Austrália, tem muito que se lhe diga. Ao longo desta última década, a cidade de Perth, conhecida pelo seu clima excepcional e pelas incríveis praias, tem sido uma força a dar cartas no panorama musical, tendo exportado para o mundo várias das bandas que se vieram a destacar na música de cariz psicadélico nestes últimos anos, contando-se projetos consagrados como Tame Impala, Pond, GUM, e mais recentemente, estes Psychedelic Porn Crumpets. Formados em 2015 e com um nome demonstrativo do seu sentido de humor peculiar, eles definitivamente partilham do espírito alegre e alucinante que as bandas anteriormente referidas demonstram. A banda lançou recentemente And Now for the Whatchamacallit, longa-duração com dez faixas que sucede assim a High Visceral Part 1 and 2, lançados em 2016 e 2017, respectivamente.

O alinhamento começa de maneira muito aguerrida com “Keen For Kick Ons?”, que não vem com rodeios e vai logo parar ao cerne da questão, sendo essa as sonoridades gingonas, contagiando logo o ouvinte com floreados sonoros que se querem vivos e coloridos. A faixa seguinte “Bill's Mandolin” é bem-sucedida em dar continuação a esse espírito vivaço, com um ritmo constante e pegadiço, ao passo que “Hymn For A Droid” dá um feeling incrivelmente acelerado, não estando muito fora de uma banda sonora para uma eventual road trip impulsiva. Depois de um interlúdio curto - mas doce e delicado - na forma de “Fields, Woods, Time”, vem a faixa “Native Tongue”, que é uma faixa de cariz mais tranquilo, com ênfase especial na veia mais trippy da banda e não demora a dar asas à imaginação do ouvinte.



A festa continua com “Social Candy”, que regressa a um registo mais audacioso e impetuoso, mas como sol de pouca dura, dá então lugar a uma faceta mais estridente e espevitada sob a forma de “My Friend's A Liquid”. Ao aproximarmo-nos da reta final de And Now for the Whatchamacallit, damos de caras com a faixa “When in Rome”, que compete com “Hymn for a Droid” na categoria de música com a veia mais “arrockalhada” e electrificante no álbum inteiro, com uma componente mais noisy a revelar mais predominância do início ao fim. A penúltima faixa “Digital Hunger” é bastante divertida para um interlúdio, pois compõe uma vibe mais reminiscente de uma jam session e prepara-nos para o encerramento do alinhamento. Esse vem na forma de “Dezi's Adventure”, sendo um bom fecho de álbum/alinhamento, e traz consigo a veia mais trippy de volta, fazendo com que o ouvinte mergulhe num mar de sons vibrantes por uma última vez.

Este é um daqueles discos - e os Psychedelic Porn Crumpets são uma daquelas bandas - que coloca a pergunta no ar acerca da possibilidade de haver um “som de Perth”, pois para todos os efeitos, e apesar deles moldarem uma identidade musical menos centrada em trabalho de teclados e mais focada em boas velhas guitarradas em comparação com os seus conterrâneos, a sonoridade deste registo dá uma sensação de déjà-vu aqui e ali. A boa notícia é de que, a longo prazo, essa mesma sensação não deverá ser muito prejudicial para aqueles que querem apenas um álbum com ideias interessantes e consistente na boa velha arte de dar pretexto para uns serões musicais que se querem de índole extra-sensorial. E assim sendo, é claro desde o início de And Now for the Whatchamacallit que os Psychedelic Porn Crumpets farão as delícias dessa malta que não consegue prescindir desse tipo de sonoridades.

0 comentários:

Enviar um comentário