quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Esta é a crónica ao novo mundo de ∩ (intersectiō), uma estreia densa e vigorosa


Quando penso em música eletrónica experimental/ambient há duas editoras internacionais que me vêm logo à cabeça. A primeira (e penso que seja óbvio para mais pessoas) é a alemã ant-zen - pelo sucesso e trabalho focado na área que têm desenvolvido desde 1993 - e a segunda é a italiana Boring Machines, porque é uma das editoras mais cool com quem tenho trabalhado nos últimos anos e porque acabo por descobrir projetos altamente artísticos no meio de sons de máquinas a precisar de cafeína. Estas são duas labels que devem seguir se gostam destas andanças mais artsy. Eu nem sou aquela pessoa muito informada no campo da música eletrónica (especialmente aqui na redação da Threshold onde o Filipe Costa e o Rui Gameiro quase que têm um doutoramento no assunto) mas dei por mim a escrever esta introdução para vos encaminhar ao assunto que me traz aqui: o EP de estreia de ∩ (intersectiō).

É também verdade que o Filipe Costa e o Rui Gameiro me têm instruído alguns conhecimentos na área a nível nacional, mas ainda assim não levem o que eu aqui vos escrevo a sério, porque estou apenas a caminhar por territórios desconhecidos. Então estava eu a ler os emails que vamos recebendo e dou aqui com o EP de estreia do projeto português ∩ (intersectiō) que devo dizer, me prendeu logo nos primeiros instantes, assim que coloquei "Imaturidade" no posto de escuta. 


É o seguinte, regra geral quando eu oiço um álbum começo pela primeira faixa e, se não conheço, de todo, o trabalho da banda/artista em questão, a primeira música vai-me permitir formar as primeiras opiniões. Portanto vou ter de admitir que "Imaturidade" foi suficientemente bem produzida para focar a minha atenção. Acho que tem potencial para explorar no futuro o que me levou a querer descobrir mais sobre PURGA, o EP que dá nome ao trabalho de estreia de ∩ (intersectiō)

Com grande foco na produção artística PURGA é um disco também acompanhado por uma parte visual que, segundo a press-release "consiste num conjunto de 8 fotografias em formato analógico, sem edição e que procuram ser uma representação visual metafórica da relação nublada do indivíduo com a realidade durante o estado de depressão". Com este conceito em mente é fácil perceber o porquê deste EP ser tão distinto entre as quatro músicas que compõem o seu alinhamento. O ouvinte é facilmente projetado a estado espírito que vai desde o existencialismo niilista a períodos de raiva extrema (explícito no tema "Purga", com alicerces do black metal), passando por momentos meramente reflexivos e algures poéticos (ouvir a título de exemplo o tema "Anastilose II").


Tudo muito lindo do ponto de vista artístico, mas devo admitir que até eu fiquei incomodada e achei aquele "nada" no final de "Anastilose I" altamente irritante. No fundo esse deve mesmo ser o objetivo de R., o produtor portuense que assina por trás da identidade de ∩ (intersectiō). Tirando esse ponto de angústia há algo em ∩ (intersectiō) que não é similar a todos os projetos de música eletrónica experimental e/ou ambient que eu tenho ouvido. Ou pelo menos algo de singular está embutido nos cerca de 18 minutos que compõem PURGA, disco que podem assimilar na íntegra agora que sabem da sua existência.


Pronto eu acho que chegámos ao fim da narrativa de como eu descobri ∩ (intersectiō) e ao core da questão que é - se gostam de malhas eletrónicas no campo experimental, então oiçam o EP PURGA (que certamente não terá muito destaque na imprensa nacional, portanto podem ter o prazer de ser os primeiros a saber da existência de tal edição). E podem comprar o EP e receber 8 fotografias não editadas de forma completamente gratuita, clicando aqui. Acho que só isto já é de louvar (ah, isso e ter disponibilizado o trabalho no Bandcamp, um bem-haja a todas as pessoas que colocam o seu trabalho nesta plataforma).

0 comentários:

Enviar um comentário