sexta-feira, 13 de setembro de 2019

The Catenary Wires em entrevista: "Tocar como um dueto é mais assustador!"


The Catenary Wires são Rob Pursey e Amelia Fletcher e vêm de Kent. Após alguns anos a viver a cena independente de Londres em várias bandas pop lendárias (Tender Trap, Marine Research, Heavenly e Talulah Gosh, decidiram mudar-se para Kent, onde abundam as paisagens verdejantes e calmas.

Especialistas em duetos indie emotivos, capturam o espírito de Nancy Sinatra e Lee Hazelwood, Serge Gainsbourg e Brigitte Bardot, e lançam-nos numa Inglaterra moderna. Til the Morning é o novo álbum do duo, tendo sido gravado em 2018 na Sunday School, no meio do nada em Kent. Editado em julho pela Tapete Records, Til the Morning é um trabalho mais complexo e ousado que o anterior Red Red Skies lançado em 2015. 

A Threshold Magazine esteve à conversa com o duo britânico sobre as suas influências musicais, a paisagem sonora de Kent, o novo álbum Til the Morning, e os anteriores projetos dos quais fizeram parte. 

Em primeiro, gostaríamos de saber quem são os The Catenary Wires? Existe uma história por trás do nome do vosso projeto?

ROB - Os Catenary Wires são eu e a Amelia. Sentamo-nos na nossa cozinha e compomos as músicas numa guitarra acústica. Tocámos a maioria dos nossos concertos como um duo, mas mais recentemente reunimos uma banda maravilhosa - Andy Lewis (baixo e violoncelo), Fay Hallam (órgão e vocais) e Ian Button (bateria). Com a dupla, é mais íntimo e podem ouvir melhor as palavras. Com a banda completa, a experiência é mais rica e poderosa. Ambas as versões parecem funcionar muito bem. Tocar como um dueto é mais assustador!

O nome surgiu simplesmente porque eu amo a palavra "catenária". A ideia de um padrão de correntes interligadas é atraente, e os fios catenários que formam os padrões em loop suspensos sobre uma linha férrea sempre me atraíram. É uma palavra romântica e geométrica. É também um pouco obscuro e ninguém parece saber como pronunciá-lo. O que não é tão bom para um nome de banda, talvez.

AMELIA - Sinto-me menos apaixonada por fios catenários depois de ontem, eu, o Andy e o Ian ficarmos presos num comboio muito quente durante 3 horas devido a um fio catenário ter quebrado na linha à nossa frente! No lado positivo, acho que é bom que nossa música esteja associada a algo que pode ser tão poderoso e tão frágil!

Quando se trata de escrever uma música, por onde costumam começar?

ROB - Começa quase sempre com uma melodia minha ou da Amelia com alguns acordes na guitarra. Se gostarmos do que estamos a sentir, elaboramos toda a estrutura e a melodia, e muitas vezes completamos as harmonias. Quando chegamos a essa "sensação", escrevemos as palavras.

AMELIA - O processo de composição de músicas envolve muitas paragens e começos, inventar novos excertos e descartar outros antigos. Normalmente, começamos num só lugar e quando a música está terminada, a ideia inicial estará completamente abandonada.

Onde encontram a vossa inspiração para compor? Será nas gravações de campo em Kent?

ROB - Essa é uma boa pergunta. Eu acho que a paisagem aqui faz-nos pensar muito sobre as coisas. É silenciosa e às vezes bastante misteriosa: não oferece distrações óbvias, mas atrai-nos e o faz-nos ouvir os próprios pensamentos. Eu amo o fato de que ocasionalmente se pode ouvir a paisagem no disco - uma rajada de vento ao longe, pássaros a cantar nas proximidades.

AMELIA - Musicalmente isso é verdade, mas acho que é menos verdade com a letra. Essas são mais inspiradas pelas nossas próprias experiências pessoais.

Qual é a vossa primeira lembrança de música?

ROB - A minha primeira lembrança de música é ouvir “Itchycoo Park” dos Small Faces na rádio e de me arrepiar na espinha. Acho que tinha cerca de 3 anos.

AMELIA - Existe uma rima infantil sobre dedos que diz ‘Tommy Thumb, tommy thumb where are you?’. Quando eu tinha mais ou menos 2 anos, percebi mal a música 'Tommy Thumb' quando esta foi cantada no infantário. Cheguei a casa e cantei a música com determinação para meus pais, mas usei a palavra 'Waddigore', que não tem significado. Os meus pais adoraram e cantamos sempre a música dessa maneira depois disso.

O primeiro disco que me lembro foi Sergeant Pepper’s Lonely Heart’s Club band dos Beatles, que os meus pais tinham. As letras estavam na capa e eu aprendi muito. Tinha talvez 6 anos. Ainda as conheço todas.



Podem-nos dizer o que trata este novo álbum Til The Morning?

ROB - Bem, acho que deliberadamente queríamos escrever da perspetiva das pessoas da nossa idade. E agora estamos na meia-idade! Temos filhos para cuidar; moramos juntos como casal há 20 anos. Vivemos com as duas mães e passámos os últimos cinco anos a cuidar da mãe da Amelia, Jean (ela tinha a doença de Parkinson e morreu tristemente no ano passado). Por outras palavras, este não é um estilo de vida de rock and roll, mas é o que é a nossa vida. E é como um milhão de outras vidas, é claro. Então, escrevemos sobre isso - ansiedade sobre o futuro que nossos filhos herdarão, mortalidade, medo de divórcio e solidão (conhecemos muitas pessoas da nossa idade cujos casamentos terminaram) e tentamos ver o mundo do ponto de vista de uma mulher de 80 anos. É realmente o oposto do rock and roll! Sempre quisemos ser o oposto do rock and roll, com os seus clichês e posturas machistas. Encontrámos uma nova maneira de fazer isso.

Existem algumas diferenças no processo de composição entre Red Red Skies (2015) e Til The Morning?

ROB - Eu acho que a primeira parte do processo é a mesma. Mas com Til the Morning, fomos muito mais ambiciosos com os arranjos - fomos compondo e adicionando mais níveis às músicas. Red Red Skies foi mínimo: Til the Morning é muito exuberante.

AMELIA - Acho que também nos tornamos mais aventureiros com a composição. Eu sinto que o primeiro álbum funcionou como uma experiência. Quase que se pode ouvir uma banda a tentar descobrir o que ela quer ser. O novo álbum é mais variado e também mais seguro de si.

Vocês são de Londres e já fizeram parte de várias bandas pop lendárias, como Tender Trap, Marine Research, Heavenly. O que distingue The Catenary Wires de todos os outros projetos?

AMELIA - Na verdade, não somos originalmente de Londres. Nós os dois crescemos no campo e conhecemo-nos em Oxford – O Rob foi brevemente o baixista da minha primeira banda, Talulah Gosh, antes de nos abandonar porque achava que éramos muito desorganizados e cheios de nós mesmos. É verdade que depois mudamo-nos para Londres e moramos lá até nos mudarmos para o interior de Kent.

Eu acho que essa mudança foi importante. Antes todas as nossas bandas eram muito baseadas em grupos, com todos da banda a contribuir para o som e todos a ser necessários para qualquer concerto. Quando nos mudamos para o campo, não conhecíamos ninguém local que pensávamos estar interessado em fazer música connosco. Então tivemos que descobrir como fazer algo que funcionaria apenas com nós os dois.

ROB - Como precisamos de tocar as músicas de Catenary Wires como uma dupla, às vezes em modo puramente acústico, sabemos que as palavras e as músicas devem ser o mais fortes possível. Não podemos confiar em guitarras altas ou ritmos fortes (como poderíamos nas nossas outras bandas), de modo que as músicas precisam de poder emocional para funcionar. Eu acho que a outra diferença óbvia entre esta banda e as outras é que eu canto ao lado da Amelia. Não tínhamos voz masculina nas outras bandas (além do ocasional dueto com Calvin Johnson). Eu tive que aprender muito e, definitivamente, ainda estou a aprender...



Porque decidiram deixar Londres para a quietude de Kent?

ROB - Teve muito a ver com as crianças e as avós. Precisávamos de espaço para todos. Além disso, como nós os dois fomos criados no campo, pareceu um regresso a casa de várias maneiras.

AMELIA - Nós os dois gostamos do facto de termos tido muito tédio e ociosidade nas nossas infâncias. Momentos em que não havia realmente nada a fazer além de passear ou ler um livro. Estávamos preocupados que as crianças nunca ficassem entediadas em Londres! Também queríamos que eles achassem emocionante ir a Londres para uma visita, em vez de crescerem indiferentes a isso. Acho que basicamente queríamos torná-los um pouco descolados!

O que nos podem dizer sobre a cena cultural de Kent no momento? Existem outros artistas inovadores que ao mesmo tempo vos servem de inspiração?

ROB - Estamos numa parte bastante remota de Kent, então não há muita coisa  a acontecer aqui. Mas não estamos longe de Ramsgate, Rainham, Margate e Hastings, e há muitas coisas interessantes a acontecer em todos estes lugares. Eu gosto muito de poesia e há muitos bons poetas que trabalham localmente. Recentemente, fizemos uma colaboração com uma poetisa de Canterbury, Nancy Gaffield. Nós (e uma amiga local, Darren Pilcher) criámos paisagens sonoras para acompanhar o seu poema Wealden, que é uma peça psicogeográfica sobre a paisagem desta parte de Kent.

AMELIA - Também temos um celeiro antigo na nossa casa, que estamos a usar para organizar pequenos eventos culturais. As coisas estão a começar a acontecer aqui também. Tivemos Darren Hayman a interpretar o seu projeto Thankful Villages, um amigo chamado Matthew King a tocar piano no filme mudo Nosferatu, e até realizámos um pequeno festival chamado 'Words and Music' que combinava alguns dos nossos músicos indie favoritos com alguns dos nossos jovens poetas favoritos.

Qual é a música que têm ouvido em “repeat” nas últimas semanas?

ROB - Para mim, é “Jobseeker” dos Sleaford Mods. Estou um pouco obcecado por eles no momento.

AMELIA - "Low Light " de Red Red Eyes. Nós fizemos alguns concertos com eles recentemente e eles são ótimos. Uma espécie “Broadcast conhecem Young Marble Giants”. A Laura tem a voz mais linda.



The Cathenary Wires atuam hoje (13 de setembro) no Salão Brazil, Coimbra, e amanhã (14 de setembro), no Camones Cinebar, em Lisboa. 


Entrevista: Rui Gameiro

0 comentários:

Enviar um comentário