quarta-feira, 2 de outubro de 2019

Reportagem: A estranha dança dos Minami Deutsch [Musicbox, Lisboa]


Consigo compreender porque é que a falta de comunicação em concertos entre banda e público pode levar certas pessoas a torcer o nariz e a afetar a sua opinião sobre o espetáculo ao vivo. Os japoneses Minami Deutsch estiveram em cima do palco do Musicbox Lisboa no último sábado, 20 de setembro, e nem no desconfortável silêncio das pausas entre músicas trocaram uma única palavra com a audiência. Se bem que eles nem precisavam. A comunicação fez-se, exclusivamente, através da música e ainda bem.

O quarteto, equipado com os seus instrumentos (todos de cor preta), vieram apresentar o seu rock psicadélico tingindo com hipnóticos e repetitivos ritmos kraut. Esta repetição podia ter sido outro fator que poderia desencorajar alguns ouvidos. No entanto, é errado pensar que esta repetição gera monotonia. O concerto abriu com "Futsu Ni Ikirenai", aquela que podia ser mais uma faixa onde as guitarras conferem texturas a uma simples (mas eficaz) linha de baixo, acompanhada por uma bateria presa num compasso quaternário, contudo, quando esta inesperadamente recebe uma deliciosa distorção leva com que uma porção respeitável da audiência comece a… dançar. Para além dos passos de dança, este fuzz gerava efusivos headbangs, ou apenas um ligeiro e contemplativo abanar da cabeça. Era claro que não estávamos perante mais uma banda de rock psicadélico genérica e que havia muitos conceitos para desconstruir e inibições para derrubar.

Os Minami Deutsch fazem parte da editora Guruguru Brain, com sede repartida em Amesterdão e em Tóquio, e tem como missão mostrar ao mundo uma bela fatia da melhor música feita no underground japonês. Os seus conterrâneos Kikagaku Moyo também fazem parte desta label e, se estes se caracterizam pela música de cariz mais espiritual, que nos remete para paisagens primaveris de florestas cobertas de densas árvores, os Minami Deutsch levam-nos a paisagens com influências muito mais urbanas, algo sentido "em Can’t Get There", faixa cujo ritmo pulsante e as inquietantes melodias de guitarra transportam os mais sonhadores ouvintes para uma viagem às ruas de Tóquio (algo que também influenciou os realizadores do belo videoclip desta faixa) e toda a ansiedade e emoção que estas podem conferir.

No final do concerto, Taku Idemoto foi o porta voz da banda e despediu-se dos seus fãs após (um merecido) encore com um simples “Thank you very much”, únicas palavras (com exceção daquelas que faziam parte das músicas) que foram dirigidas do microfone colocado em cima de palco. Não podemos confundir esta atitude com arrogância ou antipatia. Os Minami Deutsch agradeceram de forma humilde a calorosa receção da audiência portuguesa, mesmo tendo estado em Portugal ainda este ano em agosto no Sonic Blast Moledo, e abandonaram o palco apenas quando sentiram que a sua missão tinha sido um sucesso.

Uma mistura entre influências orientais e alemãs, o concerto destes japoneses pode ter passado despercebido a muita gente, mas é certo que para as pessoas que estiverem presentes nesta sala tão depressa não vai ser esquecido. Tanto pela componente visual das coloridas projeções psicadélicas que a banda utilizou para ilustrar o seu concerto como pela componente musical, com repetitivas melodias que irão ressoar e ocupar espaços nas mentes dos ouvintes, que certamente seriam ocupados para lembrar importantes detalhes das suas vidas pessoais.



Texto: Hugo Geada
Fotografia: Virgílio Santos

0 comentários:

Enviar um comentário