segunda-feira, 28 de outubro de 2019

[Review] Josiah Konder - Through The Stutter


Through The Stutter | Third Coming Records (LP) | setembro de 2019
9.0/10

Through the Stutter é um dos melhores discos do ano, só que as grandes publicações influentes de música ainda não o descobriram. Os dinamarqueses Josiah Konder emergem agora no nicho de mercado de música underground com uma das mais bonitas obras sonoras a aportar um romantismo ímpar e pronta para fazer as delícias dos ouvintes mais atentos. Esta (ainda) pequena história de "sucesso" começou a ser escrita em 2018 com o lançamento do primeiro LP de carreira, Songs For The Stunned que nos chegou aos ouvidos apenas este ano com a reedição em vinil pela audaz Third Coming Records, mas que foi suficiente para colocar os Josiah Konder no patamar dos melhores atos surgidos no último ano da década 10 do séc. XXI. 

O ensemble dinamarquês liderado pelo carismático vocalista e compositor Julius Ernst trabalha ao redor de uma narrativa sónica que viaja desde o sul da Europa para o mais frígido bosque da melancolia urbana com uma assinatura única, visceral e extremamente apaixonante. Os Josiah Konder conseguem criar uma atmosfera que engloba desde os mais simples e minimais sons às estruturas mais complexas e arrojadas dentro da estrutura do rock alternativo e art-rock. Um traço extremamente notório em ambos os dois trabalhos da banda editados até à data - além do carácter altamente romântico das canções - é igualmente o seu conteúdo melódico que é altamente imersivo e conquistador. A somar a isso Julius Ernst traz-nos uma lírica bastante metafórica e bela, que canta numa forma tão singular e emotiva. Acompanhado de forma exímia pelo restante trabalho da banda - extremamente profissional e maturo - surge então um disco pronto para fazer derreter corações. 

Depois da reedição em vinil do cativante Songs For The Stunned, que aconteceu em maio de 2019, foi preciso pouco mais de um mês para sabermos que os dinamarqueses iriam regressar à carga com novo disco. "Fall Away" foi o primeiro tema extraído de Through the Stutter. Mostrado no final de junho do presente ano e a aportar uma lírica com foco na inevitabilidade da solidão "Fall away // fall away // forever we’ll dive //into our own // all into our own" os Josiah Konder começavam por nos convidar, de uma forma mais ténue, a mergulhar no seu mundo de confronto com a realidade. 



No início de setembro saiu cá para fora o segundo tema de avanço, "Out Of The Hazard" música com uma abordagem mais desafiante, a mostrar tão bem a capacidade de multiperspetivação que existe nas construções musicais que os Josiah Konder nos oferecem. A 20 de setembro de 2019 a Third Coming Records lançava cá para fora Through the Stutter, marcando assim mais um dia histórico na carreira destes tão promissores músicos e mesmo na própria história do espírito neorromântico dentro geração post-punk

"Open your heart to me" é a primeira frase que ecoa assim que se se coloca Through the Stutter no posto de escuta, com "My Heart, My Hands" a fazer as honras de abertura. Uma escolha proporcional que começa logo por mostrar o dinamismo incrível que os Josiah Konder conseguem criar numa simples canção conjugado, com mestria, ritmos mais lentos com paisagens mais mexidas e entusiastas. Também nesta escala de construções entra "Bullet" que é definitivamente uma das melhores canções do lado 1 do vinil (curiosamente esta edição não está dividida no lado A e lado B, mas sim 1 e 2). Os Josiah Konder têm uma energia inesgotável e mostram-no bem claro neste single que traz uma evolução temporal absolutamente maravilhosa. A começar em tonalidades mais calmas e contemplativas rapidamente os Josiah Konder manipulam toda a atmosfera, criando um mundo apocalíptico e de desespero "there is no time // this love cannot end // do you understand me?", num ambiente sonoro que é altamente arrebatador. A encerrar a primeira parte, a balada "Nothing to Fear", mais uma faixa com uma intensidade emocional altamente tocante. Os Josiah Konder definitivamente sabem como deixar um ouvinte feliz.


A abrir a segunda parte com “Hold Me” os Josiah Konder voltam a apostar no trunfo, mostrando o quanto a sua melancolia e profundeza conseguem ainda assim metamorfosear-se numa energia que é poética, vil e claramente apaixonante ("my woman // these darkest days // make them all go away"). O neorromantismo está em força nesta edição e soa tão doce e belo nas composições destes meninos. Começar em sons mais badalados, como é o caso da sucessora "Entranced (Lascio Lo Scorrere)" e terminá-los com uma mensagem de esperança eminente e sincera, como não adorar? "Kissed In Dreams Yearning" vai um pouco ao encontro desse espectro quando Julius Ernst ecoa "there’s just too many scars // too much emotional bate // but one of these days // I’ll drive it all // I’ll drive it away". A fechar um final completamente sorumbático e decadentemente sublime a refletir as piores sensações de se ser humano e racional, na melhor desconstrução sonora que os Josiah Konder nos podiam oferecer. Que edição intensa! 

Through the Stutter é um disco que conjuga as mais diversas formas de arte em si. Desde a música, ao cinema, passando pela literatura todas as obras que de alguma forma marcaram a história parecem ser reencontradas ao longo das nove canções que integram o seu alinhamento. Fãs de Nick Cave ou dos And Also The Trees encontrarão aqui um refúgio para se sentirem amados e amarem. Definitivamente uma edição obrigatória na coleção de discos de qualquer prezado melómano.



0 comentários:

Enviar um comentário