segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

Bonança em dia de tempestade: Timespine na ZDB


Adriana Sá, John Klima e Tó Trips compõem o “bizarro musical triângulo” que se mostra quando bem entende, como foi o caso na noite da tempestuosa “Elsa”, que nos assolou na quinta-feira passada (19 de dezembro), mas que na Galeria Zé dos Bois, o tempo foi de bonança e tranquilidade.

É um projecto intermitente, que viaja de quando em quando, em 2013 com Timespine e no ano passado com Urban Season, trabalhos editados pela label Shhpuma, que alberga no seu catálogo sonoridades variadas como jazz, blues rock, folk, world, & country, post-rock, eletrónica minimal, o abstrato, o improviso, o free

Ouvir Timespine é quase uma “violação” nos dias musicais que correm, como que se fossemos assaltados, na rua, nos transportes públicos e nos media, pois são um bom exemplo de uma espécie de “contra-cultura” ao consumismo musical do mainstream.



A sonoridade de Timespine é quase como ir ao psicólogo: deitar-nos no sofá e deixar fluir os pensamentos: os que nos apoquentam ou os que nos fazem salivar, mas que ocultamos. A música é introspetiva e apreciá-la é um chá de tisanas, ver o relaxar do nosso corpo com se tivéssemos acabado de fazer amor e pensar no amanhã sem grandes preocupações. O prazer é lento. É como ver um filme a preto e branco e testar a nossa capacidade de absorção. Timespine recria “uma torrente hipnótica de dedilhados suaves e não convencionais, eruditos e improvisados”.

Podem revisitar este evento, através da reportagem fotográfica aqui incluída.



Texto, fotografia e vídeo: Virgílio Santos

0 comentários:

Publicar um comentário