sábado, 26 de outubro de 2019

Disseram-lhe para estar quieto mas MOMO. lançou um disco novo

© Pedro Ivo Euzébio

MOMO. é Marcelo Frota, cantor e compositor brasileiro, atualmente residente em Lisboa. Editou em 2006 o primeiro álbum a solo, A Estética do Rabisco, com influências da psicadelia nordestina dos anos 1970, o qual lhe trouxe um grande destaque na imprensa internacional, sendo mesmo considerado um dos discos do ano pelo jornal Chicago Reader. A veia prolífica e criadora de MOMO. valeu-lhe mais quatro álbuns na década seguinte: Buscador (2008), Serenade Of A Sailor (2011), Cadafalso (2013) – que recebeu elogios da cantora Patti Smith –, e o mais recente Voá (2017), citado pelo consagrado músico David Byrne

O artista lançou na passada sexta-feira o seu sexto álbum I Was Told to Be Quiet, como resposta sensível ao mundo atribulado em que vivemos. Gravado em Los Angeles, este disco reúne a herança calorosa e afetiva das sonoridades tupiniquins, como bossa nova e samba, com a estética arrojada do indie contemporâneo. 



Marcelo Frota exibe diversas nuances da sua musicalidade ao longo das dez faixas que formam I Was Told to Be Quiet. Entre composições em português, inglês e francês, temos contato com seu lado mais sonhador (em “Higher Ground”), com um MOMO. confessional (“For I Am Just a Reckless Child”) e outro que aponta a um horizonte mais ensolarado (“Diz a Verdade”). Não à toa, essas foram as canções apresentadas nos meses que antecederam seu lançamento.

Neste novo trabalho MOMO. contou com a colaboração de vários artistas a nível das composições - Wado, Thiago Camelo e Ana Lomelino (Mãeana). Nas gravações, Régis Damasceno (baixo) e Marco Benevento (piano, polli synth, cordas synth) estão presentes, além de Tom Biller, que assina a produção do álbum. I Was Told to Be Quiet foi lançado no Brasil pelo selo LAB344, nos Estados Unidos pelo Yellow Racket Records e na Itália por Deusamora Records. Podem escutar o disco aqui em baixo.



Consultem em baixo a agenda de concertos de MOMO. no mês de Novembro.

10 NOVEMBRO / CASA DA PAES, MILANO
15 NOVEMBRO / CIRCOLO ARCI PROGRESSO, FLORENÇA
16 NOVEMBRO / SALLOTO LIVE, FLORENÇA
29 e 30 NOVEMBRO / TEATRO BOCAGE, LISBOA

+

Sly & the Family Drone in interview: "The ‘noise scene’ is so ridiculous, it’s impossible not to take things with a pinch of salt”

© Scott Simpson
One of the most interesting noise bands that appeared in recent years, Sly & the Family Drone are returning to Portugal to play shows in Lisbon, Leiria, Aveiro and Porto. We talked to Matt Cargill, a member of the band, to understand how they came back from a “tumultuous 2018”, how can a band play with their sheer intensity and to understand their relationship with Portugal.

Threshold Magazine (TM) - You had a tumultuous 2018 with lots of personal problems for your band members. In what way did that inspire your music?

Sly & the Family Drone (Sly) - Yes, 2018 was very difficult, we had to cancel our planned European tour as I was involved in an accident when our tour van flipped en route to Paris. I was seriously injured and was in hospital for three weeks. Unfortunately all our equipment was stolen from the wreckage, so the main gear I use for sly had suddenly disappeared. It took a long time to regain the confidence, desire and physical equipment to begin performing again. But we managed to tour again in England at the end of the year and have been enjoying a renewed sense of focus and enjoyment in playing live.

TM - How is that transmitted on your playing?

Sly - Physically it was quite difficult. I’ve had 4 surgical procedures on my arm which is now held together with metal. I’m having ongoing physiotherapy twice a week to regain strength and mobility which is very helpful. It has impacted how I perform live, but I’m managing to play drums and carry amplifiers again.

TM - Even though you’re regularly described as a noise band, silence plays a big part in your music, that is especially noted on the first track of the album, Heavens Gate Dog Agility. Do you consider yourself disciplined musicians?

Sly - I think its quite easy for people to be dismissive of ‘noise bands’. In recent years I’ve had many people say to me how surprised they are that we are now deemed to have ‘songs’. However, I do believe that we’ve become more disciplined when it comes to space and structure. That has certainly come with the recording of Gentle Persuaders – which is our first record with incredible baritone sax player James Allsopp. We’ve been playing with James as a full time permanent member for almost 3 years and his addition has made us all step up our game in terms of performance and how we approach new material.


TM - Noise music is known for its seriousness, but you use humor in your work ("Jehova’s Wetness" is an amazing music name). Is it important for you to express this side even though you play some dense and somber music?

Sly - We’ve always used humour in our presentation as a band, even the band name itself is a joke. I think sometimes that does us a disservice but actually the ‘noise scene’ is so ridiculous, its impossible not to take things with a pinch of salt. The music sometimes may be dark or oppressive but its always fun in its application.

TM - It is known that England is going through a new jazz movement, with groups like Ezra Collective or Nubya Garcia finding lots of success at international level. Do you draw inspiration from this movement?

Sly - I have never heard of those groups you mentioned. I don’t think we really fit in a jazz scene, or have any point of reference for those groups. Sometimes we get labelled jazz, or noise and people have a difficult time trying to comprehend that you can be both, or neither. Our influences are far more disparate than to just come from one area

TM - Your shows are known for its chaotic energy and sound. How does a band prepare for a show like that?

Sly - For the live shows, practically we like to have a few things in place. We can play in any place that has electricity and we love unusual spaces but essentially whatever venue we arrive in needs to have a decent PA system with subs. We like to be close to people so we play ‘in the round’ without a stage.



TM - How does someone capture that live raw energy on studio? Do you try to replicate it or do you do something completely new?

Sly - When it comes to recording we always record ‘live’ in the same room as each other, at the same time. We generally record in the warehouse where we also live and put on shows. The things that end up on a record may have come from things that have morphed organically over time when playing shows and then we may bring ideas from that when we come to record. I do feel like they can be separate entities though, it’s not an exact replica of what we’d do live. 

TM - Are you excited to play in Portugal?

Sly - We’re very excited to come back to Portugal! This tour will be our third time. We had an amazing time in 2016 and 2017 at Milhões de Festa. I’m mostly excited to bring what I feel is the band at its peak to audiences in Portugal. What they may have witnessed before isn’t necessarily what they’ll be getting this time around.

TM - Are you a fan of anything of Portuguese origin?

Sly - Musically we like DJ Nigga Fox, João Pais Filipe and the atmosphere at your festivals and shows. Our show at Damas in Lisbon was one of our favourite ever in the history of the band. Everything was perfect and just made for a very memorable evening. Our drummer Kaz also likes your coffee.

TM - If someone who didn’t know your band came up to you and asked what to expect from a Sly & the Family Drone concert, what would you say to them?

Sly - I find it quite difficult to describe the music itself because it encompasses so many feelings for me. I would say to expect a lot of dynamic electronic music with live acoustic drums and baritone saxophone. But I’m not a writer so shall use some quotes from people who are better at describing things than me. Hewn from multiple drummers, banks of electronics and a saxophone, and at various points sounds like the Butthole Surfers, Wolf Eyes and Joey Beltram playing through a broken PA, Ramones and Throbbing Gristle. The whole thing is a glorious, abrasive detonation of sheer primal energy.



Interview by: Hugo Geada

+

STREAM: Tempers - Private Life


Os norte-americanos Tempers têm trabalhado de forma diligente no seu próprio nicho de mercado, inserido dentro dos círculos obscuros indie, eletrónica e synth-pop desde a sua formação e especialmente após 2013 quando disponibilizaram os seus primeiros singles. Depois de concertos na Europa e América - que lhes deram algum renome - lançaram o disco de estreia Services (2015, aufnahme + wiedergabe), tornando-se numa das bandas em destaque no panorama da eletrónica mais melancólica. Agora, sob a alçada da conceituada Dais Records editam o terceiro trabalho de carreira, Private Life disco envolto em sintetizadores densos com paisagens sombrias e introspetivas.

Num álbum que por trás do pano de fundo da eletrónica explora sentimentos como o desespero, amor, solidão e esperança, os Tempers apresentam uma dualidade que aborda ora temas mais escuros de ritmos sorumbáticos ora temas mais emotivos e com uma abordagem carinhosa. Tudo isto através de uma estética com foco na onda cinematográfica a que os Tempers nos têm habituado desde início. Podem ouvir temas como "Daydreams", "Guidance", "More Than You Realized" entre outros, abaixo.

Private Life foi editado esta sexta-feira (25 de outubro) em formato vinil e CD pelo selo Dais Records. Podem comprar a vossa cópia aqui.


+

STREAM: SKEMER - Benevolence


SKEMER o novo projeto nas toadas de música negra que une o guitarrista Mathieu Vandekerckhove (Amenra, Syndrome) à vocalista Kim Peers (modelo da Vogue, Steven Meisel, Prada) editou esta sexta-feira o seu longa-duração de estreia, Benevolence, uma composição de oito músicas que incluem elementos da synthwave, industrial, techno e EBM. Num disco que ganha destaque dentro da cena gótica, os SKEMER conseguem acrescentar camadas sonoras diferentes do que se tem vindo a produzir dentro da área, muito devido ao dinamismo criado entre as músicas que compõem o álbum e à multifacetada experiência de ambos os membros do projeto.

O disco, que aborda dois mundos muito diferentes em colisão é construído ao redor de músicas minimalistas que conseguem transmitir um som poderoso e, por vezes erótico como é o caso do vídeo revelado para o tema "Shout Or Cry". Essa dualidade reflete-se no próprio nome da banda SKEMER, que traduzido significa intrigante, mas que na língua nativa de Mathieu, o oeste-flamengo  também significa crepúsculo. Além de "Shout Or Cry" já tinha anteriormente sido divulgado o incendiário tema "Sunseeker". De Benevolence recomendam-se ainda a audição de temas como o poderoso "Best", "Call Me" e "Wait For Me" - a serem pintados em atmosferas mais sonhadoras e ainda "Heartbreak" - a apostar nos riffs de guitarra que ficam colados na cabeça. Um álbum que vale a pena ter na coleção de discos, para mostrar aos amigos mais arrojados.

Benevolence foi editado esta sexta-feira (25 de outubro) em formato vinil pelo selo AVANT! Records (comprar aqui) e formato CD pelo selo belga Wool-E Discs (comprar aqui). 

+

STREAM: Black Marble - Bigger Than Life


Black Marble regressou esta semana às prateleiras com o sucessor de It's Immaterial (2016), Bigger Than Life, o terceiro disco na carreira do artista que apresenta uma aura mais sonhadora mantendo a essência lo-fi que sempre acompanhou os seus lançamentos. Com a synth-pop em destaque e os saudosos anos 80 revisitados o disco traz uma mensagem altamente positiva ao focar-se naquele sentimento de experienciar um tumulto na vida, mas mesmo assim querer criar algo positivo a partir daí. 

Bigger Than Life é um disco com uma audição bastante acessível aos vários tipos de público - essencialmente para fãs de nomes como The Drums no início de carreira - apresentando uma aura bastante idêntica entre as músicas que integram o seu alinhamento. Deste novo trabalho já tinham anteriormente sido divulgados o incrível e viciante "One Eye Open" e o energético "Private Show" (bem ao jeito de Motorama). Destaque ainda para "Shoulder". O disco pode agora reproduzir-se na íntegra abaixo. 

Bigger Than Life foi editado esta sexta-feira (25 de outubro) em formato vinil, CD e digital pelo selo Sacred Bones Records. Se forem rápidos podem comprar as últimas unidades disponíveis aqui.


+

STREAM: TWINS - New Cold Dream


TWINS, o alter-ego do produtor norte-americano Matt Weiner regressou esta semana às edições de estúdio com New Cold Dream, o sucessor do bastante aclamado That Which Is Not Said (2018) que chega para arrasar as pistas de dança mais tenebrosas mundo fora. Num disco que serva para, nas próprias palavras do produtor "manter-se quente num mundo frio" o novo LP aposta em grande escala nas paisagens sonoras que dominaram os anos 80 comunicando a mensagem de que o "sonho americano" foi substituído no século XXI por uma nova fronteira fria resultante do medo e incerteza instaurados com as políticas económicas. New Cold Dream é a crónica desta nova era.

De New Cold Dream - um disco que oscila entre músicas sonhadoras e coloridas e temas profundamente melancólicos - já tinham anteriormente sido divulgados os temas "Lie Awake", o desafiador "Misuse" (que tem novo vídeo a caminho) e ainda o osbcuro "New Cold Dream Pt. 2". Este novo trabalho - que apresenta uma mistura abrangente de géneros como electro dark, synth pop, dance music e industrial - surpreende ainda através de músicas como o dancing "At Your Door", "Silent & Alone", o poderoso "Slow Decline" e ainda o ritmado tema de encerramento "Left Behind".

New Cold Dream foi editado esta sexta-feira (25 de outubro) em formato vinil e digital pelo selo 2MR. Podem comprar a vossa edição aqui.


+

Sierrα incorpora ANA em novo projeto musical

© Mario Costa schiniotakis

Sierrα, a produtora parisiense que tem ganho algum destaque dentro dos campos da synthwave e dark eletronics desde a edição do EP Strange Valley (2017, Lazerdiscs) e, mais recentemente, com o incendiário Gone (2019, Lazerdiscs) decidiu mudar de praia e despersonaliza-se sob a nova identidade ANA que traz um lado completamente disperso do que até então conhecíamos. Numa nova fase marcada pela produção de excelência, ANA surpreende com um disco cantado a 100% na língua francesa onde todas as paisagens encaixam na perfeição, encontrando-se inseridas na intensidade e tempo ideal. Uma grande surpresa, portanto.

Em Faux EP, o primeiro trabalho resultante deste novo projeto, ANA abraça um lado mais retro com influências de géneros como witch-house, trip-hop e algum R&B num EP que vem colocar a produtora parisiense como um dos grandes nomes a marcar a próxima década da música eletrónica underground e de tonalidades nostálgicas. Temas como "Faux" e "Chaos" a mostrarem uma vibe mais poderosa encaixam em alta sintonia com as mais melancólicas "Minuit" e "L'autre Rive", num disco que pode agora ser escutado na íntegra abaixo.


Faux EP foi editado esta sexta-feira (25 de outubro) pelo selo Enchanté Records.


Faux EP Tracklist:

01. Faux
02. Chaos ft The Toxic Avenger 
03. Minuit
04. L'autre Rive 

+

Festival Lux Interior realiza 3ª edição nos dias 31 de Outubro, 1 e 2 de Novembro


O Festival Lux Interior é um projecto da editora Lux Records que pretende promover os artistas do seu catálogo, e imortalizar, ao mesmo tempo, uma das figuras mais emblemáticas e inspiradoras das bandas de rock conimbricenses - Lux Interior, líder dos Cramps

Nos próximos dias 31 de Outubro, 1 e 2 de Novembro, realiza-se em Coimbra a terceira edição do Festival Lux Interior, com concertos no Salão Brazil e no Teatro Académico Gil Vicente. Esta edição não será só uma compilação da actividade da editora ao longo de mais de duas décadas, mas também e principalmente, um abrir de novos horizontes para a produção musical da cidade de Coimbra. Os grandes destaques vão para as atuações de Dirty Coal Train, Selma Uamusse e Samuel Úria

A Lux Records foi fundada em 1996, e desde então tem dado a conhecer muita da melhor música com origem na cidade de Coimbra: Belle Chase Hotel, Tédio Boys, Legendary Tigerman, Sean Riley & The Slowriders, D3O, Wraygunn, Bunnyranch, Tiguana Bibles, Ruby Ann & The Boppin’ Boozers, É Mas Foi-se, Ghost Hunt, António Olaio & João Taborda, Azembla’s Quartet, Victor Torpedo, Tracy Vandal, Bodhi, The Walks, Millions, Raquel Ralha & Pedro Renato, Wipeout Beat, Birds Are Indie, Mancines, A Jigsaw, Twist Connection, Spicy Noodles, Tricycles e Flying Cages.

Mas nem só de Coimbra vive a história da Lux Records: Mão Morta de Braga, X-Wife do Porto, Unplayable Sofa Guitar e Madame Godard de Viana do Castelo, Born A Lion da Marinha Grande, Houdini Blues de Évora, e até os Swell de São Francisco (E.U.A.) e Dean Wareham dos nova-iorquinos Luna (E.U.A.) têm a sua história marcada pelo selo da Lux Records.



Para os interessados em ir a todos os dias do festival há um bilhete especial à venda, em exclusivo, na Lucky Lux, loja de discos em Coimbra, pelo preço de 35€ + vale de 5€ de desconto em edições da Lux Records

Os bilhetes para o concerto de Flying Cages + The Act-Ups + The Dirty Coal Train (31 de Outubro, no Salao Brazil) têm o custo de 12€. Os concertos de a Jigsaw + Selma Uamusse (1 de Novembro, no TAGV) e Mancines + Samuel Úria (2 de Novembro, no TAGV) têm ambos o custo de 18€.

+

Festival CortaPega regressa em novembro com o lado mais vanguardista da eletrónica


A sexta edição do CortaPega - o microfestival que traz o melhor da música vanguardista e eclética à Galiza - regressa já no próximo mês a Santiago de Compostela. Agendado para 30 de novembro a primeira vaga de nomes revelada traz uma cara bastante portuguesa - Kara Konchar - e um foco na nova onda de artistas emergentes na comunidade autónoma espanhola prontos para arrebitar os melómanos destas andaças musicais. 

O Festival CortaPega é mais um dos esforços na promoção da cultura musical sob a alçada da  promotora galega Desconcierto Cultural e este ano traz uma novidade - acontecerá em vários espaços e não apenas numa sala, como tem acontecido nas últimas cinco edições. Num cartaz que promete compor-se de propostas variadas que desenham uma ideia global da música eletrónica conhecem-se agora os primeiros quatro nomes: Andrea Dawson feat. Mumbai Moon, Aparato, Kara Konchar e Lagoon.



Andrea Dawson feat. Mumbai Moon

Depois de acabar com o seu projeto anterior, Andrea Dawson encontrou o caminho para expressar as suas preocupações como artista. O resultado dessa nova personalidade é o EP Payback (self-released). Acompanhada na produção e ao vivo por Mumbai Moon, Andrea move-se entre a eletrónica experimental, as tendências atuais da música urbana, pop e jazz.




Aparato

A música de Aparato tem classe suficiente para que nos sentemos no mítico Studio 54 e nos clubes mais sombrios de Bristol. Música visceral e alma eletrónica com a voz poderosa de María Caramés, que também trata do theremin para as faixas mais atmosféricas. Este dispositivo está programado para dançar na estratosfera.





Kara Konchar

O novo projeto musical de Miguel Béco (ex-ATILA) Kara Konchar apresenta na Galiza a sua música física e, ao mesmo tempo, atmosférica que reúne influências enraizadas na cena rave, que vão desde os ritmos do baixo britânico até a dureza do EBM. Dungeon Rave, o seu primeiro longa-duração é o segundo lançamento do catálogo Capital Decay, homenageia os bastardos da mitologia, hereges contemporâneos e todos aqueles fascinados pela morte e decadência.





Lagoon

Intensa e sem preconceitos, assim se apresenta a música dos galegos Lagoon, parte do coletivo Several Roots, que inclui bandas como Axteroiz ou Promising / Youngster. Até o momento, eles publicaram apenas o EP Cattle, um exercício de contrastes eletrónicos que tem remixes de Joan Gamboa e Synth Alien e que os levou a festivais como o Observatory.


Ainda não são conhecidos os preços das entradas para o festival mas todas as informações adicionais podem encontrar-se aqui.

+

Tame Impala anunciam novo álbum para 2020


No início da semana Tame Impala - banda de rock psicadélico australiana, fundada por Kevin Parker em 2007 - postou um “misterioso” teaser que levava a crer tratar-se de uma pista de que o lançamento de um novo projeto estava a caminho.

Para regozijo dos fãs, Tame Impala acabou por confirmar que o novo disco se chamará The Slow Rush (no seguimento de Currents, editado em 2015) e que será lançado no próximo ano, ainda sem data precisa. O videoclip (disponível no site oficial da banda e no Instagram) mostra Kevin Parker no estúdio, cenas ao vivo da banda e excertos do que parece ser uma música nova.

Os detalhes sobre o novo disco (o quarto da banda) são ainda escassos, desconhecendo-se se os temas lançados no início deste ano, "Borderline" e "Patience”, constarão do alinhamento de The Slow RushAguardemos mais informação sobre esta newsbreak.


Texto: Armandina Heleno

+

Nicole Sabouné não tem para onde ir


Nicole Sabouné está de volta com novo single, "Nowhere To Go", o primeiro tema inédito desde a reedição do bastante aclamado álbum Miman. Uma pausa de quatro anos que serviu para estudar química e para voltar às paradas musicais em grande. A sueca de ascendência libanesa que se estreou em Portugal na última edição do festival gótico a ter lugar no castelo, marcou o coração dos espectadores com a sua voz camaleónica pronta para nos fazer chorar de emoção. Uma performance especial que ainda hoje se reflete brilhante na memória de quem marcou presença.

Desde aí tempo para assimilar o seu prodigioso universo embrenhado nas paisagens melancólicas da música folk e nos traços esperançosos da dream-pop e ethereal wave. Foram dois os álbuns que saíram na sua alçada Must Exist (2014) e Miman (2015) e em 2020 deverá chegar uma nova edição, sob o nome Come My Love. Até lá, Nicole Sabouné revive o seu isolamento existencial com "Nowhere To Go" um tema com a característica decadência sonora e uma lírica triste, mas extremamente sincera: "Find my own way to grow // Find me treasures of gold // Give me some taste of hope // So I don't give up".

De Come My Love ainda não são conhecidos pormenores adicionais."Nowhere To Go", o apaixonante novo tema de Nicole Sabouné pode agora reproduzir-se na íntegra abaixo com direito a um trabalho audiovisual. 


+

Shapednoise substitui Mun Sing no Mucho Flow



A organização do Mucho Flow, que se realiza nos próximos dias 1 e 2 de novembro em vários pontos da cidade de Guimarães, anunciou que o concerto de Mun Sing, originalmente agendado para a próxima edição do festival, foi cancelado. No lugar do britânico estará o produtor italiano Shapednoise, que se apresentará em Guimarães dias antes do lançamento do seu novo disco.

Shapednoise é o produtor siciliano Nino Pedone, fundador da REPTICH Recordings e da Cosmo Rhythmatic e autor de obras por selos como a Type ou a americana Hospital Productions, por onde editou o álbum de estreia The Day of Revenge em 2013. Depois de um percurso inovador dedicado às interseções entre o techno e a música industrial, o italiano prepara-se para lançar Anesthesia, o primeiro álbum de Shapednoise em 4 anos. Justin K Broadrick, Drew McDowall, entre outros participam no disco que marcará a sua estreia pela Numbers, dia 8 de novembro.

Este ano, o festival organizado pela promotora Revolve realiza-se pela primeira vez durante dois dias, com concertos distruibuídos por 3 espaços distintos - o Centro Internacional das Artes José de Guimarães, o antigo edifício dos CTT e o Centro de Artes e Espectáculos São Mamede.

Os passes gerais encontram-se disponíveis ao preço de 30€, enquanto que os bilhetes diários podem ser comprados ao custo de 20€. Já os bilhetes de acesso ao clubbing de cada dia possuem o custo de 10€. 


+

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

Maria Reis partilha novo single, Odeio-te



Maria Reis, cantora-compositora lisboeta e vocalista da dupla de culto Pega Monstro, lançou hoje o primeiro avanço de Chove na Sala, Água nos Olhos, o primeiro disco a solo e em nome próprio que será editado a 15 de novembro pela Cafetra Records.

"Odeio-te" é o nome do single, escrito por Reis e produzido em colaboração com B Fachada. O tema, que se encontra agora disponível em todas as plataformas streaming, conta ainda com um teledisco realizado pela própria em colaboração com Sara Graça e Duarte Coimbra.

Em junho, Maria Reis editou Live Performance, 2018, que a juntou ao baterista e percussionista Gabriel Ferrandini e ao artista visual André Cepeda para uma performance ao vivo no Blues Photography Studio, em Lisboa.

Em baixo, fiquem com o vídeo para "Odeio-te". 


+

Reportagem: Orchestral Manoeuvres In The Dark [Aula Magna, Lisboa]


Após um ano e alguns meses, os OMD (Orchestral Manoeuvres In The Dark) regressaram no dia 15 de outubro à Aula Magna. Lisboa foi a cidade escolhida para o início da digressão europeia - Souvenir Tour – para a celebração dos 40 anos de edições discográficas (cujo primeiro single foi lançado em 1979, com o tema “Electricity”).

O dia seguinte – 16 de outubro – seria a vez do palco da Casa da Música, no Porto, acolher esta banda que é reconhecida por muitos como génios da eletrónica e inspiração para nomes como The XX, The Killers ou James Murphy dos LCD Soundsystem, sendo ainda considerados uma influência no ADN dos Future Islands ou Chvrches.

A primeira parte do concerto esteve a cargo dos Cavaliers of Fun, banda portuguesa que lançou o EP Sharing Space Secrets em 2011, Camp Cof em 2014 (que inclui o single "Valley of Dreams") e nesse mesmo ano venceram o 2º EDP Live Bands. Um percurso que foi evoluindo e culminou no Astral Division, o seu primeiro álbum, aclamado como um dos álbuns do ano. Coube assim à banda de Ricardo Coelho (ex-Loto) fazer o aquecimento inicial onde tocaram vários temas desse álbum.

Terminado o warm up dos Cavaliers of Fun, eis que os tão desejados da noite entram em ação - Andy McCluskey e Paul Humphreys - recebidos com um forte aplauso. O duo dos arredores de Liverpool (Merseyside) e uma referência da new wave/synthpop britânica, revelou, mais uma vez em palco, a cumplicidade que lhes é conhecida, convidando, desde o som das primeiras notas, uma sala cheia a juntar-se à celebração, convite ao qual o público acedeu desde logo, e que transformou a Aula Magna numa autêntica pista de dança. Ao longo de 90 minutos de atuação revisitaram temas que perduraram na memória coletiva de quem viveu a adolescência no início dos anos 80. Contrariamente ao que seria de esperar numa comemoração de 40 anos de música, os OMD não começaram a noite com nenhum dos seus grandes hits, mas sim com um tema do seu mais recente trabalho, “Isotype”, seguindo-se “Messages” (um ícone da música eletrónica).



Uma ligeira pausa na sound music fez com que a maioria do público voltasse às cadeiras e regressasse ao cenário musical OMD de 1986. Com uma configuração do back line diferente, em que víamos apenas dois pianos e uma bateria eletrónica em palco, os quatro músicos alinharam-se por detrás dos instrumentos, mantendo-se Andy no microfone. Ouviu-se “Statues” (1980) e “Almost” (1980), momentos mais calmos e introspetivos, mas que foram seguidos de um novo levantar coletivo, por parte do público, e um agitar de corpos que assim se mantiveram para não mais regressarem às cadeiras.

Os OMD lançaram no dia 4 de outubro um boxset de 40 anos de carreira, uma abrangente coleção de singles, intitulada Souvenir - The Singles 1979-2019. Esta coletânea contém todos os 39 singles da banda, desde "Electricity" a "What Have We Done". “Don't Go”, o único single novo deste set (2019), tem um som OMD clássico que combinaria muito bem com qualquer um dos seus álbuns, e foi o único tema novo tocado nesta noite.

Foi ao som do icónico “Enola Gay” que os OMD deram por terminada a sua atuação. Regressaram ao palco para o esperado encore, fechando o primeiro concerto da tour 40 anos, 40 músicas com “If You Leave” (1986), “Secret” (Crush, 1985) e a derradeira despedida com “Electricity”, tal como começaram há 40 anos atrás (o FAC6 da Factory Records - casa mãe de bandas como os Joy Divison, Cabaret Voltaire, A Certain Ratio, New Order, Happy Mondays, entre outras).

Do que se viu e ouviu na Aula Magna, podemos dizer que os Orchestral Manouvres in the Dark demonstraram que são intemporais e que têm uma presença inquestionável enquanto banda synth-pop. Que continuam a ser um convite à dança, dispensando-se as cadeiras. Evidenciaram felicidade e orgulho por comemorarem 40 anos de música e de cumplicidades.  Foi um excelente espetáculo de música, luzes e ambiência. Há, no entanto, que referir que para aqueles que estiveram no concerto em 2018 (precisamente na mesma sala) dos 21 temas tocados na altura, ouviram novamente 17 desse alinhamento.

Resta-nos dizer: Parabéns OMD pelos 40 anos de música que continua a cativar e a “eletrizar” aqueles que a ouvem!



Texto e fotografia: Virgílio Santos

+