quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

Velvet Kills anunciam novo disco, Bodhi Labyrinth


Os Velvet Kills regressam às edições este ano com Bodhi Labyrinth, disco que chega às prateleiras três anos após a edição de Mischievous Urges (2017, Unknown Pleasures Records). A dupla de synth-punk/electro-rock formada por Su Eko (voz/baixo) e Harris Iveson (guitarra/sintetizadores/voz) celebra agora nova edição em casa francesa - na alçada da Icy Cold Records e Manic Depression Records - explorando com mais detalhe as sonoridades envoltas à base de texturas cinematográficas, sintetizadores potentes e as guitarras arrojadas, que têm caracterizado o seu trabalho.

Segundo a nota de imprensa Bodhi Labyrnth pretende "despertar o labirinto das nossas mentes para sermos livres do ódio, ganância e ego. (...) As mensagens são codificadas em sarcasmo, eufemismo, hipérbole e ironia, onde a dupla investiga os arquivos de uma civilização solitária e questiona o propósito da vida versus as estruturas governamentais, onde "pagamos e levamos um produto" e onde o amor é esquecido".

Juntamente com os detalhes de Bodhi Labyrinth, os Velvet Kills apresentaram duas malhas novas: "In The Gold Mine" e "Noise" que podem ser escutadas abaixo. 


Bodhi Labyrinth tem data de lançamento prevista para 12 de março numa co-produção entre as francesas Icy Cold Records (pre-order aqui) e Manic Depression Records (pre-order aqui) e pela espanhola Unknown Pleasures Records (pre-order aqui). 

Bodhi Labyrinth Tracklist:

01. Bitch Face 
02. Cash And Move 
03. In The Gold Mine 
04. Noise 
05. The Key 
06. Hangover Calling


+

Jackie Lynn anuncia novo álbum, Jacqueline


A cantora e compositora canadiana Haley Fohr, que atua sob o pseudónimo Circuit Des Yeux desde 2008, anunciou hoje o lançamento do segundo álbum enquanto Jackie Lynn, projeto paralelo que explora uma faceta mais minimal e eletrónica e que deu a conhecer o seu primeiro álbum em 2016. Jacqueline, o novo disco da canadiana, recebe o selo da editora americana Drag City e é lançado a 10 de abril.

O anúncio vem acompanhado de uma nova formação, que se expande para um quarteto formado por Fohr e os três membros que compõem o grupo americano Bitchin Bajas, eles que também contribuíram para a composição instrumental do último disco de Circuit Des Yeux, Reaching For Indigo, em 2017.

"Casino Queen" é o primeiro avanço de Jacqueline, e o vídeo que o acompanha, co-produzido pela canadiana em conjunto com o realizador Krzys Piotrowski, já pode ser visto em baixo. 






Tracklist

01. Casino Queen 
02. Shugar Water 
03. Dream St. 
04. Short Black Dress 
05. Lenexa 
06. Odessa 
07. Traveler’s Code of Conduct 
08. Diamond Glue 
09. Control

+

Riki lança mais um tema incendiário, "Earth Song"


Está quase a chegar a data de lançamento daquele que é já um dos mais aguardados lançamentos do ano na cena synth-pop contemporânea: Riki, o incendiário álbum de estreia de Riki, o projeto a solo de Niff Nawor - artista visual, ex-membro da banda Crimson Scarlet e um nome ativo no panorama do deathrock/anarcho-punk da Califórnia. No projeto a solo e com grande foco nos sintetizadores e toda uma imagem sensual subliminar, Riki aposta em sintetizadores altamente aditivos, intensos e monocromáticos, ainda assim recheados em harmonia e uma vibe bastante colorida, por mais paradoxal que possa soar.

Depois de já ter apresentado os fervorosos "Napoleon" e "Böse Lügen (Body Mix)", Riki apresenta-nos agora o incendiário "Earth Song", uma malha de post-punk inflenciada pelos 80's e acrescida pelas ondas electrónicas da synth-pop. O novo tema é apresentado através de um trabalho audiovisual que, à semelhança dos anteriores trabalhos, mostra em grande foco o lado sensual de Riki. Se ainda não o conhecem, disfrutem:


Riki tem data de lançamento previsto para 1 de fevereiro de 2020 em formato vinil pelo selo Dais Records. Podem fazer pre-order da vossa cópia aqui.

Riki Tracklist: 

01. Strohmann 
02. Napoleon 
03. Böse Lügen 
04. Know 
05. Earth Song 
06. Spirit Of Love 
07. Come Inside 
08. Monumental

+

Vila Martel apresentam-se ao mundo e não querem ir embora


Os Vila Martel são um quinteto lisboeta formado por Afonso Alves na bateria, Francisco Botelho na guitarra, Francisco Inácio na guitarra, Rodrigo Marques Mendes na voz e Tiago Cardoso no baixo. Dedicam-se ao indie rock cantado em português e o seu primeiro álbum está já ao virar da esquina.

Gravado entre dezembro de 2018 e janeiro de 2019 nos estúdios Ás de Espadas e Tcha Tcha Tcha, o álbum homónimo conta com 8 temas novos, onde os teclados são colocados em plano de fundo e as guitarras em maior destaque, provando que o indie rock ainda pode ser feito de amplificadores barulhentos e vozes berradas.

"Não nos Deixem Ir Embora" é o single de apresentação da banda e fala sobre a falta de vontade de sair do país por necessidade, quando o sonho é ficar em Lisboa. É sobre não querer ver os aeroportos como locais de despedida. Há uma festa, uma última noite para aproveitar na cidade, e a banda sonora é Vila Martel.  



Esta faixa faz-se acompanhar de um vídeo, realizado pelo próprio vocalista/ guitarrista, Rodrigo Mendes, que serve como espelho da personalidade de cada um dos membros, e da sua relação individual com a banda e como banda. 

+

STREAM: Stromboli - Ghosting [Threshold Premiere]


Stromboli is the solo project of Nico Pasquini, an Italian noise artist and producer from Bologna whose compositions are based at the intersection of drone and the weavings of industrial music. 

With Stromboli, the debut EP released in 2015 by Maple Death Records, the project received honorable mentions from publications such as The Quietus, Decoder, 20JazzFunkGreats, and British music critic Simon Reynolds, who compared its music to the more isolationist period of the post-90's rock. 

The producer's first long-lasting album, Volume Uno, arrived two years later and brought a more destructive sound from industrial ancestry, where the grain and texture of the ambient composition join to the chaos of the brutalist electronics. 

In 2020, Stromboli returns for its sophomore album, this time on Berlin-based label Oltrarno Recordings. Ghosting, the Italian's new album, represents both part of Nico Pasquini's daily life "and the struggle between earthly and unearthly forces". Produced between the summer of 2018 and the spring of 2019, Ghosting presents another collection of dashing and disconcerting compositions, full of aerial synthesizers and ominous atmospheres that cohabit with the strength and opulence of the rhythmic pulsars. 

The album is available both online and on tape next Friday, January 24th (pre-order it here) and can be now streamed in advance below.

+

terça-feira, 21 de janeiro de 2020

Puce Mary regressa à ZDB em março


A Galeria Zé dos Bois anunciou hoje o regresso de Puce Mary a Portugal. Depois de lá ter atuado em 2019, a música dinamarquesa regressa à sala lisboeta para um concerto no dia 20 de março. O reencontro dá-se a propósito da primeira noite Borshch na ZDB, que convida a dinamarquesa para um serão que contará também com a presença do português Ivy' s Hands na primeira parte.

Puce Mary, que é uma das figuras proeminentes da música pós-industrial de hoje, assinou o seu primeiro álbum pela editora berlinense PAN em 2018, com o tenebroso The Drought.

O português Ricardo Bruce atua sob o pseudónimo Ivy's Hands e o seu primeiro disco pela Borshch, Leonor, é descrito pela editora como um "requiem para uma alma perdida que se afasta do desânimo da morte que ocorreu numa infeliz noite de Berlim".

Os bilhetes para o concerto já se encontram disponiveis e podem ser comprados a custos que variam entre 10 € (pré-venda) e 12 € (no dia).

+

Bill Callahan regressa a Portugal para três concertos


Bill Callahan regressa a Portugal para uma tour de três datas que passará a 30 de maio no Porto (Hard Club), a 31 de maio, em Coimbra (Convento São Francisco) e a 1 de junho em Lisboa (Aula Magna).

No decorrer de uma carreira já longa, e que se divide entre os trabalhos que assina a solo e aqueles que assina com o nome Smog, Bill Callahan tornou-se num dos mais importantes intérpretes do cancioneiro independente americano, com um profundo reconhecimento também em Portugal. 

O músico traz ao palco o seu último álbum, Shepherd in a Sheepskin Vest, editado em 2019 após uma espera de seis anos desde o seu último lançamento, o aplaudido Dream RiverA forma como Bill Callahan expressa a música folk e blues é como a de nenhum outro artista; pedaços de retratos, melodias e instrumentos tropeçam e encaixam uns nos outros, criando momentos verdadeiramente humanos.

Os bilhetes para os espetáculos estarão à venda a partir de dia 25 de janeiro. Em Lisboa, os preços variam entre os 28 e os 40 euros; no Porto, o concerto tem o custo único de 28 euros e em Coimbra as entradas custam entre 25 e 30 euros.  


+

Wim Mertens celebra 40 anos de carreira com passagem por Portugal


Wim Mertens deu início, no final de 2019, à digressão “Inescapable 40th Anniversary Tour” para celebrar 40 anos de carreira, sendo o nosso país agraciado com dois concertos. O primeiro é já no dia 29 de janeiro, na Casa da Música, no Porto e o segundo no dia 2 de fevereiro, no CCB, em Lisboa.

Iniciando-se como musicólogo e produtor de rádio, Mertens estreou-se em 1980 com For Amusement Only, um trabalho eletrónico que usava exclusivamente sons de máquinas de flippers. Seguiram-se obras que depressa entrariam no seu rol de clássicos célebres, como Struggle for Pleasure (1983) e Maximizing the Audience (1984). Nas décadas seguintes, Wim Mertens refinou a sua linguagem, compôs para diversos instrumentos e ensembles e firmou o seu nome no panorama internacional com recitais nas melhores salas do mundo, quer a solo, quer em pequenas formações ou até mesmo com orquestras.

40 anos de uma carreira repleta de sucessos não podiam deixar de ser devidamente assinalados. Assim, no final de 2019 lança Inescapable, um CD quádruplo, com 61 composições, com marcos do seu percurso, gravações ao vivo e peças inéditas. Este é então o mote para a digressão mundial que passa agora por Portugal, um dos países que acolheram o compositor belga desde, praticamente, o início da sua carreira. Neste reencontro com o público português Mertens (piano e voz) faz-se acompanhar, pela primeira vez em muitos anos, pelo seu ensemble: Tatiana Samoui e Liesbeth Baelus, violino; Liesbeth De Lombaert, viola de arco; Lode Vercampt, violoncelo e Ruben Appermont, contrabaixo. Eis mais um motivo de celebração e por isso mesmo, Inescapável!

+

GrandFather's House passam pelo Theatro Circo no final do próximo mês para um concerto especial


Num revisitar de toda a discografia da banda e com novos arranjos, os GrandFather’s House sobem ao palco do Theatro Circo, em Braga, no dia 29 de fevereiro, às 21:30, para um concerto único com convidados especiais.

Quem já viu os GrandFather’s House em concerto não pode esperar algo semelhante ao que tem sido anteriormente apresentado pela banda. No espetáculo The Last Dive é proposta uma viagem por toda a obra discográfica do grupo e um revisitar de temas que não são incluídos nos concertos há vários anos, em jeito de celebração daquilo que tem sido o percurso da banda. Para a apresentação desta roupagem completamente diferente que darão aos seus temas, os GrandFather’s House não estarão sozinhos. Neste concerto único, a banda será acompanhada por cinco convidados: Paulo Furtado (The Legendary Tigerman), Catarina Miranda (Emmy Curl), Selma Uamusse, Cláudia Guerreiro (Linda Martini) e Pedro Oliveira (krake, peixe:avião). 

GrandFather’s House surgiu em 2012, em Braga, como um projeto a solo do atual guitarrista Tiago Sampaio ao qual se juntou, mais tarde, a irmã Rita Sampaio como vocalista. Em 2014, surge o primeiro registo Skeleton. Em março de 2016, com João Vítor Costeira na bateria a finalizar a formação da banda, e Rita Sampaio também nos sintetizadores, é editado Slow Move. Mais de 100 concertos depois, lançaram o terceiro registo Diving, em 2017, com a participação de Adolfo Luxúria Canibal (voz), Mário Afonso (saxofone) e Nuno Gonçalves (teclados) – que acompanha atualmente a banda. O disco foi considerado por inúmeras publicações como um dos melhores álbuns desse ano. Depois da passagem de Ana João Oliveira pela bateria, a substituir João Vítor Costeira, os GrandFather’s House apresentam-se, atualmente, como trio e é assim que vão subir ao palco do Theatro Circo.

Os bilhetes custam 12 euros (ou 6 euros com o cartão quadrilátero) e estão à venda no Theatro Circo e na rede da BOL.

+

segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

Lea Bertucci dá três concertos em Portugal



Já tinha sido anunciada para as comemorações da associação OUT.RA, que assinala 11 anos com vários concertos no Barreiro, e junta-se agora à agenda da Galeria Zé dos Bois para mais um concerto. 

Lea Bertucci apresenta-se assim em Portugal em fevereiro para duas datas distribuídas na sala lisboeta, dia 28, e no dia seguinte no Be Jazz Café, no Barreiro. 

Sonoscopia, no Porto, recebe a americana para uma residência artística com apresentação do resultado ao vivo no dia 12 de março.

Ao palco, Lea Bertucci traz consigo o mais recente álbum Resonant Field. Editado em 2019 pela NNA Tapes, o disco debruça-se uma vez mais sobre as relações entre os fenómenos de acústica e a ressonância biológica, articulando saxofone e clarinete com feedback electro-acústico, trabalho de colagem em fita, entre outros processos de experimentação sonora.

Em Lisboa, o concerto conta ainda com a primeira parte de Pedro Branco, figura proeminente da cena jazz da cidade que já já atuou com nomes como Rodrigo Amado, Wilbert de Joode ou Hêrnani Faustino. No Barreiro, onde Bertucci atuou pela última vez em 2018, o evento contará com a primeira parte da cantora e compositora americana Audry Chen.



+

KhalilH2OP anunciam novo álbum, Seid


KhalilH2OP, o grupo de pop experimental formado pelos dinamarqueses Yen Towers, NikkiH2OP e Minais B, está de regresso às edições pela Posh Isolation com o segundo álbum de originais. 

Seid, cujo nome é retirado uma forma antiga de feitiçaria praticada durante a Idade do Ferro escandinava, sucede o anterior disco The Water We Drink, que marcou a estreia do trio pelo selo de Loke Rahbek e Christian Stadsgaard em 2017, e será apresentado pela primeira vez no festival CTM, em Berlim, como uma instalação audiovisual inserida no programa MONOM, onde gravações de vozes, sintetizadores, flautas e guitarras acústicas percorrerão 16 colunas de estúdio de som 4D, acompanhadas pelas imagens projetadas de Paolo Gile, Frederik Barfod e Veronika Vidø. 

O primeiro avanço do disco, "Wetnotes",  já foi revelado e pode ser escutado em baixo.

Seid chega dia 24 de janeiro, sexta-feira, e a instalação que o acompanha encontra-se disponível de 25 de janeiro a 2 de fevereiro. A capa e tracklist do respetivo álbum também podem ser conferidas abaixo.





Tracklist  
01. Carp23.5
02. Altered New  
03. Sky Silky  
04. Galdr 2100 I  
05. Jenna  
06. Thuggish  
07. Boy U  
08. Galdr 2100 II  
09. Stray  
10. Sectioned
11. Viscose New  
12. Galdr 2100 III  
13. Wetnotes  

+

iLiKETRAiNS e Bärlin nas novas confirmações do PPSBA 4



Há mais dois nomes que se juntam ao cartaz da quarta edição do festival Post-Punk Strikes Back Again (PPSBA): os ingleses iLiKETRAiNS e os franceses Bärlin. Ambas as bandas atuam no dia 26 de setembro no Hard Club, Porto, no primeiro dia de festival que dá foco às vozes masculinas que se têm destacado no cenário da música underground mais melancólica.

Os iLiKETRAins formaram-se em 2004 e são, até à data, a banda com mais anos de experiência que subirá ao palco portuense no primeiro fim-de-semana de outono. O quinteto de Leeds atualmente formado por David Martin, Guy Bannister, Simon Fogal, Alistair Bowis e Ian Jarrold vem até ao Porto apresentar a sua instrumentação assombrosa embebida por uma voz tediosa que explora sensações como a tragédia, o passado e o presente. À Invicta os trazem o último disco A Divorce Before Marriage (2016) e, muito provavelmente temas novos a incorporarem um futuro lançamento.


Os Bärlin são o oitavo nome a juntar-se ao alinhamento do PPSBA. O trio francês que explora diversas sonoridades post-rock e as conjuga num som fortemente influenciado pelo jazz fusion, apresenta o seu universo musical de composições sonoras imersivas e fortemente emocionais. O entusiasmo poderoso e as vibrações melancólicas que Clément Barbier, Laurent Macaigne e Simon Thomy instilam ao lado das quebras de ritmo perspicazes e uma voz, por vezes, camaleónica será apresentado no Porto com foco no novo álbum The Dust Of Our Dreams, a chegar às prateleiras em março.


Os iLiKETRAiNS (Inglaterra) e Bärlin (França) juntam-se assim aos já confirmados Tisiphone (França), Sofia Portanet (Alemanha), New Pagans (Irlanda), Then Comes Silence (Suécia), VLURE (Escócia) e Fabricators (Inglaterra), para atuarem no festival que tem tudo para se tornar um fenómeno em ascensão na celebração das novas ondas underground. A quarta edição do Post-Punk Strikes Back Again aterra no Hard Club nos dias 26 e 27 de setembro. Ainda não são conhecidos os preços dos bilhetes mas todas as informações adicionais podem ser encontradas aqui.

+

Bad Pelicans lançam novo EP em fevereiro


Os gauleses Bad Pelicans têm revolucionado o panorama do rock underground parisiense não só pelo poder catártico que os seus concertos ao vivo emanam, mas também pela atitude punk, grunge e surf que tão bem os caracteriza. Dois anos após a edição do disco de estreia BEST OF - que já teve apresentação em várias cidades de Portugal - os Bad Pelicans preparam-se agora para lançar um novo EP no próximo mês de fevereiro, que incluirá quatro temas inéditos. 

O EP UNDERGROUND foi gravado inicialmente em março de 2018. Este primeiro rascunho do disco foi concluído, destruído, reconstruído, modificado e remodelado várias vezes até à versão final, gravada em outubro de 2019 e que será apresentada a público no próximo mês. Juntamente com o anúncio do novo trabalho, os Bad Pelicans avançam esta segunda-feira (20 de janeiro) com a primeira extração do disco, "Zero Talent", que pode ouvir-se na íntegra abaixo juntamente com um trabalho audiovisual.


UNDERGROUND tem data de lançamento prevista para 7 de fevereiro.

UNDERGROUND Tracklist:

01. Zero Talent
02. Black Local 
03. Existence 
04. Suffer

+

domingo, 19 de janeiro de 2020

STREAM: Jochen Tiberius Koch - Astoria


O compositor alemão Jochen Tiberius Koch editou no passado dia 17 de janeiro o seu segundo disco de estúdio, Astoria, um trabalho de onze canções altamente emotivas e amplamente clássicas. Neste novo álbum o compositor foca-se em Astoria, um hotel construído em 1915 e localizado em Leipzig, na Alemanha. O edifício foi danificado durante a guerra e o ataque aéreo, mas foi reformado de maneira brilhante, tornando-se no edifício mais bonito do país. As músicas de Astoria contam a história de como o hotel foi afetado pelas questões políticas e sobreviveu durante o período de divisão e reunificação do país, até ter encerrado definitivamente. A história integral pode ser lida no livreto que acompanha o formato CD. 

Em comparação com o trabalho anterior, onde Jochen Tiberius Koch apostava numa veia mais clássica, neste novo álbum o artista insere um som mais eletrónico à música resultante e incorpora uma espécie de spoken-word sinistra em algumas faixas que o tornam ainda mais interessante do ponto de vista estético. Deste novo Astoria já tinham anteriormente sido apresentados os temas "BEHIND THE BACKDROP", "THE BALLARE" e "LOST PLACE", que teciam um disco tendencialmente clássico, mas mais abrangente e desafiador ao nível sonoro. O resultado é um disco altamente belo e conquistador que pode agora descobrir-se na íntegra abaixo.

Astoria foi editado esta sexta-feira (17 de janeiro) pelo selo Schole Records. Podem comprar o disco em versão física (CD) e digital aqui.


+

sábado, 18 de janeiro de 2020

Igorrr lançam Spirituality and Distortion em março

© Svarta Photography

Três anos após o bastante aclamado disco de carreira Savage Sinusoid, os Igorrr regressam às edições com Spirituality and Distortion o sexto trabalho de originais na excêntrica discografia do quarteto. O projeto - que se tornou internacionalmente aclamado por combinar estilos musicais altamente díspares que vão do black metal ao breakcore, com passagens pela música barroca e clássica de forma não convencional, imprevisível e emotiva - regressa agora com um disco de catorze temas que proporcionará ao ouvinte toda uma viagem ampla no espectro auditivo e emotivo.

Depois de terem anunciado o sucessor de Savage Sinusoid em outubro, esta semana Gautier Serre, Laurent Lunoir, Laure Le Prunenec e Sylvain Bouvier apresentaram a primeira extração do novo trabalho "Very Noise", a nova miscelânea de sons desafiantes do quarteto gaulês que pode ser fazer escutar-se abaixo, juntamente com um trabalho audiovisual.

Sobre o novo disco Gautier Serre, o mentor do projeto afirma: 
"Life is not only one color. These 14 tracks are a journey through different states of mind I’ve been through. (...) As with the previous albums, I’m entirely focused on the sound itself and how the sonorities of the voice speaks to the heart, not the intellectual meaning of the words".
As datas da tour de apresentação dos novos temas de Spirituality and Distortion podem encontrar-se aqui.


Spirituality and Distortion tem data de lançamento prevista para 27 de março pelo selo Metal Blade Records. Podem fazer pre-order do disco aqui

Spirituality and Distortion Tracklist:

01. Downgrade Desert 
02. Nervous Waltz 
03. Very Noise 
04. Hollow Tree 
05. Camel Dancefloor 
06. Parpaing 
07. Musette Maximum 
08. Himalaya Massive Ritual 
09. Lost in Introspection 
10. Overweight Poesy 
11. Paranoid Bulldozer Italiano 
12. Barocco Satani 
13. Polyphonic Rust 
14. Kung-Fu Chèvre


+

Os belgas KORINTHIANS controlam o caos no disco de estreia


Três anos após Olympus (2016) e dois depois de AWWW (2017) os belgas KORINTHIANS estão de regresso às edições com Chaos Control, o disco de estreia que junta na mesma fatia sintetizadores propulsivos à darkwave romântica. Sediados em Ghent o quarteto composto por Mattias De Backer, Ruben Masson, Kenny Voet e Jeroen Weckhuyzen junta a melancolia dos anos 80 à agressividade dos anos 90 sendo influenciado por nomes como New Order, Depeche Mode, Flavien Berger, Goose, Agent Side Grinder, Silent Runners ou Boy Harsher, para mencionar alguns.

Como resultado, o som vibra o redor de géneros como post-punk, new wave, rock independente, synthwave e uma faceta desafiadora que é facilmente audível para os fãs das sonoridades mais obscuras. Do disco ganham destaque temas como "Aura H671" - ritmado e poderoso tema de abertura -; "Beat" - a trazer à memória os limites sonoros de bandas como Interpol ou Editors -; "Wave" - pela introdução a aportar uma eletrónica suave acompanhada apenas por uma voz declamativa -; e ainda "Regrets" pelo seu power eletrónico e melodia envolvente. Além das referidas, podem ouvir as restantes composições do álbum abaixo.

Chaos Control chegou às prateleiras a 14 de dezembro de 2019. Podem comprar o disco aqui.



+

Os Anum Preto revivem o post-punk no último disco, Inferno Interno


Andam a chegar ao nosso radar novos projetos sediados no Brasil com uma peculiaridade especial: esqueceram o clima solarengo que os rodeia e vincaram por uma vertente mais sombria, ainda que bastante estimulante. Os brasileiros Anum Preto são um desses casos: editaram o ano passado o seu disco de estreia Inferno Interno que chega a Portugal numa altura em que o Inverno se afirma e os recebe de braços abertos. Numa sonoridade altamente revival a trazer à memória as bandas que fizeram o post-punk um género dominante nos anos 80 (Bauhaus, Joy Division, Siouxsie and The Banshees para mencionar alguns), os Anum Preto cantam-nos em português os choros e lamentos da inevitabilidade da existência humana.

O projeto formado por Aerson Moreira (voz, guitarra, sintetizador) e Ricardo César (baixo) em 2019, incorpora em Inferno Interno as estéticas do post-punk revival com a decadência contemporânea e sintetizada de nomes como Lebanon Hanover ou Molchat Doma e cantam-nos sobre temas como a efemeridade da vida, a "aceleração" do tempo, as sensações advindas das mais díspares experiências e toda uma parafernália de emoções que circulam a humanidade. Do disco destaque para temas como "Сигарету" - o único tema cantado em russo -; "Inferno Interno" - tema que entra no ouvido quase de instantâneo -; e ainda a cover para "Tua Alma Há de Morrer Antes que a Carne" dos 1983 que aqui recebe um tratamento mais analógico. Retóricas dançantes, texturas monocromáticas e sonoridades altamente melancólicas que fazem deste Inferno Interno um disco absolutamente nostálgico.

Inferno Interno chegou às prateleiras no final de 2019, mais precisamente a 7 de dezembro pela Miado Rouco Records. Podem comprar a versão digital aqui.


+

The Hills Mover inicia nova tour pela Europa

© Michael Mostenne

The Hills Mover, o projeto a solo de Grégoire Fray (THOT, Prairie), lançou no início deste ano o primeiro trabalho de estúdio em cinco anos que agora irá apresentar pela Europa numa tour que se prolonga até meados de fevereiro. Before The Wind - um curta duração que incorpora quatro faixas - apresenta uma nova fase na carreira do artista explorando em força os ambientes da música eletrónica entrelaçados com substâncias folk e riffs aconchegantes. Em quatro temas onde sintetizadores criam harmonias badaladas com uma voz desolada, grave e ainda assim esperançosa, The Hills Mover apresenta um disco essencialmente contemplativo, onde ritmos lentos vão sendo desenvolvidos ao redor de pormenores minimalistas.

De Before The Wind já tinha anteriormente sido apresentado o tema "Silver Sleep", em maio do ano passado que serviu de entrada à tour europeia que o levou a nove países para dar 15 concertos entre junho e julho. Agora de regresso ao continente para 17 novos concertos que arrancam já este sábado (18 de janeiro), The Hills Mover traz Before The Wind na bagagem e uma experiência resultante de 40 anos de existência como ser humano.



As datas da tour podem ser consultadas abaixo. Se estiverem numa cidade próxima é aproveitarem.




+

sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

Carne Doce retratam colapso ambiental em "Temporal", primeiro single do novo disco

 © Rogério Watanabe
Os Carne Doce são uma banda brasileira bem conhecida do público português, depois de em outubro do ano passado terem apresentado o seu disco Tônus (2018, Natura Musical) por cidades como Lisboa, Porto, Aveiro, Coimbra e Torres Vedras. Ao que parece, este ano querem cá voltar para uma nova tour de apresentação do seu quarto disco, sendo que já se conhece o primeiro single, "Temporal", o qual aborda o apocalipse ambiental.

“A letra de ‘Temporal’ trata com sarcasmo a incapacidade humana de encarar o risco de destruição do seu habitat e de sua consequente extinção sem arrogância. O ser humano se recusa ou não consegue imaginar um futuro onde ele não reina mais, por isso mesmo parece acreditar que tudo o mais pode desaparecer, desde que ele permaneça”, diz Salma.

No vídeo de "Temporal", uma festa típica numa comunidade no interior do Estado de Goiás (origem da banda) é interrompida por uma falha da energia elétrica. Cenas de uma central hidroelétrica simbolizam um dilúvio e o vídeo finaliza com imagens de ruínas. O vídeo é uma reedição dos arquivos do documentário Paulistas (2018), filmado na comunidade rural Paulistas, município de Catalão, em Goiás, do diretor Daniel Nolasco. O roteiro do vídeo é assinado pelo casal fundador da banda, Salma Jô e Macloys Aquino, e Ricardo Alvez, que também assina a edição.

+

METADEVICE lança o seu álbum de estreia no início do próximo mês


7 de fevereiro de 2020 é a data de lançamento do álbum de estreia de METADEVICE, intitulado Studies for a Vortex. O álbum sairá pela mão da seminal editora norte-americana Malignant Records e conta com diversas colaborações, nomeadamente Jonathan Uliel Saldanha (HHY & The Macumbas), Miguel Béco (Atila, Kara Konchar), entre outros, tendo a masterização ficado a cargo de John Stillings (Steel Hook Prostheses) e o grafismo de André Coelho.

METADEVICE é um novo projecto de electrónica industrial onde drones alienantes, musicalidade em colapso, distorção e estática coabitam com a poética do cut-up e apropriação expressa num amplo leque de vocalizações: resultado da fusão de inúmeras de influências desde o power electronics ao dub. O mentor do projecto é André Coelho, membro fundador dos defuntos Sektor 304, ex-colaborador em Mécanosphère e actualmente membro de Iurta.

De momento podem ser escutadas três faixas no bandcamp da editora, estando já abertas as pre-orders.

+

STREAM: HATARI - Neyslutrans


Dois anos após o EP Neysluvara e um após a passagem pela Eurovisão - que os projetou para uma alargada audiência mundo fora - os islandeses HATARI editam hoje o tão aguardado disco de estreia, Neyslutrans. O álbum chega às prateleiras uma semana antes da tour que têm agendada em várias cidades da Europa e que, infelizmente, não contempla Portugal. Composto por treze faixas, nas quais se encontra incluído o grande hit de carreira, "Hatrið Mun Sigra", os HATARI lançam um produto de consumo que tem tudo para marcar a nova década: produção exímia, criatividade alargada a vários espectros musicais, uma mensagem fortemente vincada e uma estética de luxo.

Intitulado de Neyslutrans (Comsuption Trance) o álbum que marca a estreia dos islandeses nas edições longa-duração traz um conjunto diversificado de colaborações que incluem o artista pop palestino Bashar Murad - com quem lançaram o tema "KLEFI (صامد)" o ano passado -; o grupo de rap feminista CYBER - que irá abrir os concertos da tour pela Europa -; a sensação do rap underground islandês Svarti Laxness, o violinista internacionalmente aclamado Pétur Björnsson, o compositor de música clássica contemporânea Friðrik Margrétar e ainda a renomada estrela do R&B islandês GDRN. Um trabalho incrível, altamente multifacetado e absolutamente obrigatório.

Neyslutrans é editado esta sexta-feira (17 de janeiro) pela Svikmylla Ehf. O disco conta com edição digital, em CD e vinil. Podem comprar a vossa cópia aqui e consultar as datas da tour europeia aqui.



+