sexta-feira, 22 de maio de 2020

Perdurar no isolamento ao som de Island, o novo disco de Owen Pallet


O novo disco de Owen Pallett chegou numa altura em que todos estamos forçadamente isolados. Como se fossemos uma illha, em pleno confinamento/desconfinamento. Island é o terceiro registo do compositor em nome próprio, sucedendo a Conflict (2014). O músico canadiano ao longo da sua carreira tem desenvolvido uma relação carinhosa com os conterrâneos Arcade Fire, tendo colaborado nos arranjos de cordas dos aclamados Funeral (2004) e Neon Bible (2007) , sendo ainda coautor da banda sonora de Her (Spike Jonze, 2013), a qual lhe valeu uma nomeação para os Óscares. Além disso também já contribuiu para discos de uma enorme variedade de artistas, como são exemplo os The National, Grizzly Bear, Frank Ocean, the Pet Shop Boys, Frank Ocean, Taylor Swift.

O ano de 2020 até está a ser bem preenchido para o músico que agora vive em Toronto. Participou em feveiro na reunião da sua antiga banda Les Mouches, compôs uma banda sonora para o documentário Spaceship Earth, estreado em Sundance, e ainda reeditou os discos produzidos sob o pseudónimo Final Fantasy, Has a Good Home (2005) e He Poos Clouds (2006), disco vencedor do Polaris Prize nesse mesmo ano. 

Apesar de Owen Pallett ter anunciado que estava a preparar para breve o lançamento de um novo trabalho, Island apanhou-nos completamente de surpresa e surgiu à meia noite de hoje (22 de maio) nas várias plataformas digitais com o selo da Domino / Secret City Records (para já ainda não há novidades quanto ao formato físico). Island reúne 13 temas originais e 2 versões alternativas de temas incluídos no disco, uma hora predominantemente dedicada à música de câmara e orquestral, produzida com o primor habitual, visitada pela guitarra acústica a puxar ao lado American Primitivism, sem nunca descurar a típica atmosfera sombria e etérea promovida pelos arranjos de cordas tão típicos nas músicas de Owen.



O lançamento do álbum vem acompanhado de um novo vídeo para o tema “A Bloody Morning”, o qual foi concebido e gravado inteiramente durante o confinamento, pelo realizador Vincent René-Lortie e pela coreógrafa Brittney Canda.

Island foi gravado nos Abbey Road Studios com a London Contemporary Orchestrapode ser escutado na íntegra no Spotify do artista e aqui em baixo. Caso não tenham tempo para escutar o álbum todo, recomenda-se vivamente a audição de “Paragon of Order”, “A Bloody Morning”, “Fire-Mare” e “Lewis Gets Fucked Into Space”. 

0 comentários:

Publicar um comentário