terça-feira, 22 de setembro de 2020

O outono traz consigo um novo disco dos Fleet Foxes

 Fleet Foxes Shore

Às 14h31 do dia de hoje, 22 de setembro, celebrou-se o equinócio de outono, ocasião enaltecida pelos Fleet Foxes com o lançamento de um novo trabalho de originais.

Shore é o quarto álbum de estúdio do grupo responsável pelo melhor da indie e chamber folk que pudemos escutar nas últimas décadas e chega-nos de surpresa aos ouvidos com 14 novos temas, que se estendem ao longo de quase uma hora. Com algumas pistas deixadas pelo vocalista Robin Pecknold num concerto em formato streaming no mês passado, onde apresentou pela primeira vez o tema "Featherweight", e com um aviso prévio de apenas 24 horas de que o novo álbum estava a caminho, o sucessor de Crack-up (2017) foi gravado durante os últimos dois anos, em cidades como Manhattan, Long Island City, Paris, Los Angeles, e ainda no the National’s Long Pond Studio em Hudson, tendo sido finalizado no início deste mês. 


Artwork de Shore

Robin Pecknold contou com uma vasto leque de colaboradores em Shore, entre eles Hamilton Leithauser, Kevin Morby, Daniel Rossen e Chris Bear dos Grizzly Bear, Uwade Akhere, Tim Bernardes, entre muitos outros artistas. Em comunicado oficial, Peckold explicou que Shore foi fortemente influenciado por Arthur Russell, Nina Simone, João Gilberto, Sam Cooke, e muitos mais. O artista afirmou ainda que:

“I wanted to make an album that celebrated life in the face of death, honoring our lost musical heroes explicitly in the lyrics and carrying them with me musically, committing to living fully and vibrantly in a way they no longer can, in a way they maybe couldn’t even when they were with us, despite the joy they brought to so many […] I see “shore” as a place of safety on the edge of something uncertain, staring at Whitman’s waves reciting “death,” tempted by the adventure of the unknown at the same time you are relishing the comfort of the stable ground beneath you. This was the mindset I found, the fuel I found, for making this album.”

Shore será editado em edição física apenas a 5 de fevereiro de 2021, com o selo da ANTI-, e pode ser escutado na sua versão digital em baixo:



O lançamento de Shore faz-se acompanhar por um filme de 55 minutos realizado por Kersti Jan Werdal onde estão compiladas um conjunto de paisagens naturais, que vão desde as florestas e rios aos mares, dos pequenos montes floridos às montanhas. Vejam vocês mesmos:

0 comentários:

Publicar um comentário