sexta-feira, 30 de outubro de 2020

Joana Guerra edita novo álbum em novembro

Joana Guerra edita novo álbum em novembro

Quatro anos depois do aclamado Cavalos Vapor eis que chega o quarto álbum de originais de Joana Guerra, Chão Vermelho. Editado pela label berlinense Miasmah, conta com as colaborações de Maria do Mar no violino e Carlos Godinho nas percussões e objetos, para além da contribuição de Sofia Queirós Orê-Ibir e de Bernardo Barata, respetivamente contrabaixo e voz, na belíssima "Equinopes". O álbum é composto por Joana Guerra que, para além de violoncelo e voz, os seus principais instrumentos, se aventura também a usar guitarra portuguesa, guitarra elétrica e teclados.

Lançado exclusivamente em vinil, Chão Vermelho traz um ambiente de experimentação e risco que nos transporta para um cenário apocalíptico em que a extrema secura de um chão em que já nada pode crescer é interrompido a espaços por canções surpreendentes que evocam, como murmúrio ou como oração pagã, a sempre iminente possibilidade de regeneração. "O nome do disco vem inspirado na zona onde vivo, de terra barrenta, que me fascina bastante, embora a seca me cause uma sensação atroz", explica Joana Guerra. Talvez porque este chão que cobre a terra, como pele de fendas profundas, ateste o cansaço, as rugas da civilização. Ainda segundo a artista, "Chão Vermelho reflecte sobre a matéria e também o imaterial, que pisamos e a que nos ligamos".

Pequenas flores azul-metálico, um animal branco prestes a extinguir-se, pedras raríssimas que só existem em duas latitudes, o vermelho como sinal de alerta: som ecológico, mas também como sinal de renovação, como na mulher pelos seus ciclos de sangue, tudo isto compõe o universo de Chão Vermelho de Joana Guerra. E enquanto os micélios sentirem a nossa presença talvez haja esperança para esta terra, para esta mulher que nos seus ciclos de morte e renovação é telúrica de mais para ser santa.

0 comentários:

Publicar um comentário