sábado, 8 de fevereiro de 2020

Odete apresenta novo álbum na Galeria Zé dos Bois



A Galeria Zé dos Bois, em Lisboa, acolhe a produtora portuguesa Odete para um concerto exclusivo de apresentação do seu próximo álbum, Water Bender. O sucessor do magnífico Amarração, que marcou a estreia de Odete no formato de longa-duração, é dado a conhecer no dia 27 de março e conta com a presença de BLEID, DRVGジラ, Stasya e a brasileira Alada nos concertos de abertura.

O EP Matrafona, de 2018, introduziu o universo de Odete enquanto artesã sonora distinta, criando música de dança polirrítmica tão urgente quanto hedonística. Amarração chegou um ano depois pela essencial Rotten Fresh, um trabalho que narra a história da música queer através eletrónicas contundentes e frontais. É também o seu trabalho mais pessoal, já que revela pela primeira vez a sua voz enquanto ferramenta de produção.

Este ano, Odete abre um novo capítulo: Water Bender é o seu próximo álbum, e o mote para a apresentação na sala lisboeta. Ainda sem data de lançamento anunciada, o disco promete explorar novas latitudes e, segundo comunicado, entregar "um desejado escape ao mundano e ao tédio". 

A convite da produtora, sobem ao palco BLEID, DRVGジラ (com quem colaborou no tema "Lake Verity"), StasyaAlada, convidada brasileira que se encontra a residir em Berlim e que se estreia assim em Lisboa.

Os bilhetes já se encontram disponíveis e possuem o custo de 6€.


+

Morte Psíquica regressa aos discos em abril com 'Suite Nº Zero'


Dois anos após a edição de um dos marcantes registos curta-duração nacionais de 2018, o projeto português Morte Psíquica regressa aos longa-duração no próximo mês de abril com o sucessor de Fados do Além (2016). Intitulado Suite Nº Zero, o novo disco foi apresentado esta semana através do primeiro single de avanço, "Labirinto" - uma malha melancólica tecida entre as paisagens sonoras que tão bem marcaram o cenário da música gótica nos anos 80 e com uma letra assentada na poesia existencialista e decadentista que Sérgio Pereira tão bem nos escreve e canta ("Uma coisa que me põe triste é que não exista o que não existe").

Os Morte Psíquica formaram-se em Évora, corria o ano de 1993. A banda passou, postumamente, por um período de hibernação que acordou com o novo revivalismo gótico sentido em ascensão com os novos anos 10, durante o ano de 2014. Tendo lançado o marcante Fados do Além em 2016, foi em 2018 com o novo EP Maneirismos que a formação dos Morte Psíquica se cingiria agora ao projeto a solo de Sérgio Pereira, com a mudança de Portugal para o Canadá. 

Suite Nº Zero traz uma coleção de oito temas onde se incluem os já anteriormente apresentados "Olham e Sorriem", "Sensações Descontroladas" e "O Conforto do Desconforto", presentes no EP Maneirismos (Z22, 2018) e ainda "Fado da Vertigem", tema presente na coleção Z vinte e dois compilation, editada o ano passado. 

O novo e aditivo "Labirinto" é apresentado ainda através de um vídeo de estética lo-fi assinado por Xarah Dion e pode ver-se abaixo.


Suite Nº Zero chega às prateleiras no dia 1 de abril pelo selo Zodiaque / Visage Musique. Podem fazer a pre-order do disco digital aqui.

Suite Nº Zero Tracklist:

01. Labirinto 
02. Olham E Sorriem 
03. Alienado 
04. Fado Da Vertigem 
05. Sensações Descontroladas 
06. Fado Do Túnel 
07. Em Teu Sonho Acordado 
08. O Conforto Do Desconforto

+

Wind Atlas regressam às edições em março com Arche-Fossil


Dois anos após a edição de An Edible Body - o terceiro disco de estúdio que projetava os Wind Atlas para territórios completamente dispersos das raízes que lhe deram origem, numa aura essencialmente experimental e vanguardista - o quarteto espanhol regressa este ano com novo disco. Intitulado Arche-Fossil, nele, a banda ultrapassa os limites da sua própria música para uma exploração ainda mais focada na eletrónica, onde géneros como o post-industrial, ambient, noise e música popular se fundem, dando vida a um álbum híbrido, mas intenso.

A primeira amostra disso surge agora no formato single, através do tema de abertura "Hunger". Pintado por sobre uma tela de ethereal-wave e uma voz manipulada digitalizada onde samples do tema "Optimate" dos M.E.S.H. são utilizadas para criar a base ruidosa da música, os Wind Atlas apresentam uma música que, além de uma fome insaciável e desinibida de encontrar novas maneiras de dizer e estar no mundo, também gira ao redor de um enorme vazio. 


Arche​-​Fossil tem data de lançamento previsto para 20 de março pelo selo espanhol Cønjuntø Vacíø. Podem fazer a pre-order do disco aqui.

Arche-Fossil Tracklist:

01. Hunger 
02. Where Nothing Happens 
03. Dos Ojos 
04. That Mouth 
05. Esta Despedida 
06. Oceanic Sexuality 
07. Nada 
08. Days Of Sadness 
09. Do You Have A House?

+

Front Line Assembly, Whispering Sons e mais no DarkMAD 2020


O DarkMAD - o mais recente incendiário festival gótico de Madrid - avançou esta sexta-feira (7 de fevereiro) com a segunda vaga de nomes a integrar o alinhamento da segunda edição de festival. Depois de uma bem-sucedida primeira edição de festival, o DarkMAD regressa à Sala Groove, Pinto em Madrid nos dias 23 e 24 de outubro para dois dias que prometem manter vivo o espírito underground.

Entre as novas confirmações destaque amplo para os californianos Front Line Assembly considerados uma das maiores e mais influentes bandas no campo electro-industrial - que até à capital espanhola trazem o mais recente disco de originais, Wake Up The Coma editado em fevereiro de 2019.


Ao DarkMAD 2020 juntam-se também os belgas Whispering Sons, que a Madrid trazem a sua sonoridade imersiva e uma carreira que está a consolidar-se com grande sucesso entre as atmosferas do post-punk contemporâneo. Numa estrutura musical onde as guitarras, sintetizadores, uma batida poderosa e uma voz que emana desespero estão em peso, os Whispering Sons trazem na bagagem o disco de estreia Image e um concerto que, para quem nunca viu, certamente se fará demarcar na memória.


Ainda nos principais destaques das novas adições ao cartaz do DarkMAD 2020 encontra-se a lenda viva do underground espanhol, Ana Curra. A artista apresentar-se-á com a banda ao vivo para um concerto punk na atitude, mas altamente vincado nas veias do post-punk e rock gótico.

Além de Ana Curra, a segunda edição do DarkMAD também receberá as performances dos suecos Then Comes Silence (que trazem novo disco na mala), da francesa Hante.,  de Klutae - mais um dos projetos criativos de Claus Larsen (Leæther Strip) -, dos belgas The Arch, do germânico Black Kolor e ainda dos também belgas Karl Hefner & Hug Lagerfeld e The Juggernauts.


Já se encontram à venda os passes para os 2 dias de festival com preços a partir de 59€, podendo ser adquiridos aqui. Ainda não é conhecido o alinhamento das bandas por dia mas todas as informações adicionais relativas ao DarkMAD 2020 podem ser encontradas aqui.


+

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

A Winged Victory for the Sullen estreiam novo disco na Culturgest



A Culturgest anunciou o regresso dos americanos A Winged Victory For The Sullen a Portugal. A dupla de Dustin O'Halloran e Adam Wiltzie passa pelo espaço cultural lisboeta no dia 5 de junho para apresentar o mais recente álbum The Undivided Five.

Adam Wiltzie, compositor e membro dos Stars Of The Lid, e o reconhecido compositor e vencedor de um Emmy Dustin O'Halloran conheceram-se há treze anos em Bolonha, Itália. Juntos editaram algumas das mais preciosas obras da música clássica-moderna, primeiro com o aclamado álbum homónimo, em 2011, e depois com o magnífico Atomos, peça encomendada pelo coreógrafo britânico Wayne McGregor que os convidou a criar a música para o espectáculo com o mesmo nome.

The Undivided Five é o último trabalho da dupla, obra porosa de 2019 que absorve a atmosfera vivida nalguns dos momentos de maior peso na vida dos americanos ao longo dos últimos três anos. A morte do saudoso compositor Johánn Johánnsson, com quem chegaram a colaborar, foi uma importante influência para a produção do disco, que toma uma nova atenção no que diz respeito aos arranjos para cordas, eletrónica e piano.

Em palco a dupla apresenta-se ao lado de Francesco Donadello no sintetizador modular, Charlotte Danhier, no violoncelo, Margaret Hermant no violino, Neil Leiter na viola e Hugo Barone e Chester Desmond nos trombones.

Os bilhetes encontram-se disponíveis em ticketline.pt e possuem o custo de 18€.




+

STREAM: Disorientations - Close To Disappearing


Os belgas Disorientations estreiam-se este mês nas edições de estúdio com o EP Close To Disappearing um conjunto de quatro faixas que conjugam a decadência do post-punk com a aridez do noise-rock, numa música camuflada em ritmos entusiastas e acelerados. Sem serem portadores de uma característica peculiar ou inovadora os Disorientations oferecem-nos, ainda assim, um conjunto de músicas com potencial e às quais se ganha o quase instantâneo sentimento de imersão.

Oriundos da Antuérpia o trio traz na formação membros de projetos como Melting Times e Lagüna e uma sonoridade com a fórmula básica do baixo-bateria-guitarra, tingida em camadas estridentes, vocais graves e uma atmosfera por vezes sinistra, por vezes melancólica com claras influências dos anos 80. Com a estreia em Close To Disappearing, os Disorientations pretendem criar uma faceta mais crua e convincente na era do post-punk contemporâneo. Aproveitem para ouvir a primeira tentativa da banda, na íntegra, abaixo.

Close To Disappearing foi editado esta sexta-feira (7 de fevereiro) pelo selo belga Wool-E. Podem comprar a vossa cópia física aqui.


+

Fotogaleria: Carol + Chico Bernardes [Maus Hábitos, Porto]


Foi na noite de ontem (6 de fevereiro) que Chico Bernardes (irmão mais novo de Tim Bernardes e filho do célebre músico Maurício Pereira) marcou presença no Maus Hábitos. Uma casa bem composta recebeu o cantautor brasileiro, que facilmente conquistou o público presente desde o primeiro acorde da sua inseparável guitarra. A primeira parte ficou entregue a CAROL e ao seu cativante sambinha transatlântico.

Nós marcámos presença neste evento e deixamos aqui a fotogaleria desta adorável noite de inverno.

+

tētēma de Mike Patton com novo álbum

tetema-mike-patton-novo-album


O projeto tētēma do músico renomeado Mike Patton, líder de bandas como os Faith No More e Mr. Bungle, em conjunto com Anthony Pateras, artista sediado em Melbourne e focado no panorama electro-acústico, irá lançar o segundo álbum de originais, Necroscape, no dia 3 de abril pela Ipecac Recordings.

O álbum abordará temas como isolação na era de vigilância, e apesar da temática deveras séria, ainda assim promete ser uma experiencial bastante espirituosa e pesada.

De Necroscape já há uma faixa em circulação, de seu nome "Haunted on the Uptake", que soa "como se a carrinha de tour dos Melvins tivesse avariado nos Balcãs e em vez de regressarem a casa, instalam um laboratório nas montanhas dedicado a cruzar Rembetika e hardcore".



+

STREAM: Misfit Trauma Queen - Violent Blue


Misfit Trauma Queen edita hoje o seu primeiro disco de estúdio longa-duração. Intitulado Violent Blue, o disco de dez faixas traz uma visão abrasiva ao mundo da eletrónica onde a força e a brutalidade sonora ganham ponto de foco. Num disco que é tão imersivo quanto arrojado e podia bem ser uma da novas pérolas do catálogo da aufnahme + wiedergabe, Misfit Trauma Queen mostra que chegou ao cenário da nova música portuguesa para se fazer ouvir em alto e bom som, além de prometer incendiar as pistas de dança dos clubes  mais underground que se atreverem a pô-lo a tocar por lá.

Deste novo Violent Blue já tinha anteriormente sido apresentado "GlassJaw", tema caracterizado pelas paisagens negras que entram em voga em géneros como o EBM, industrial e o techno mais underground que se vive em força em países como a Alemanha e França. Exemplo disto é notório logo em "EnterNoise", tema de abertura do disco que instantaneamente nos traz à cabeça nomes como QUAL, Poison Point, Schwefelgelb, ou  Perturbator, para mencionar alguns. Além dos referidos temas detaque ainda para malhas como "ConnectiveDeath", "LeatherMask" e "NegativeMassPoint". A pista de dança está oficialmente aberta! Reproduzam o disco na íntegra abaixo.

Violent Blue é editado esta sexta-feira (7 de fevereiro) pela portuguesa Regulator Records. Podem comprar o disco em formato digital aqui.


+

Marvel Lima editam novo álbum "Mal Passado"

marvel-lima-editam-novo-album-mal-passado

O quarteto de Beja Marvel Lima edita hoje o seu segundo álbum de originais Mal Passado, pela Rastilho Records

O novo álbum, descrito como uma ode a descontracção mas também uma metáfora para os problemas quotidianos causados pelo parco contacto pessoal, um excessivo consumismo capital e de conteúdos irrelevantes nas redes sociais, assume reminiscências do lounge jazz e do smooth funk, relembrando influências como David Axelrod e Azymuth, enquanto se mantem fiel à sonoridade groovy e roqueira do seu disco antecessor.

Os Marvel Lima sobem ao palco para apresentar o novo disco no dia 13 de fevereiro no Musicbox em Lisboa, e contam com presença marcada na 5ª edição do Capote Fest.

+

SURE estreiam-se nos discos com '20 Years'


Três anos depois de "Tasting Revenge", o single que apresentou ao mundo a sua sonoridade eletrónica e imersiva, inspirada nas vertentes da synthpop mais escura, os franceses SURE estão de regresso com 20 Years, o LP que marca a estreia da banda nos longa-duração. Em jeito de antevisão do lançamento, a banda formada por Michael, Nicolas & Gregory em 2016, apresenta esta sexta-feira (7 de fevereiro) uma nova extração do disco - "Twenty Years" - tema que chega dois anos após "Precious Words", que também fará parte do alinhamento do novo trabalho.

Envolta no poder arrojado e aditivo da sua eletrónica poderosa e obscura, em "Twenty Years" os SURE munem-se de uma voz doce, a fazer lembrar as atmosferas sonhadoras de nomes como TR/ST. Sobre o novo tema e o disco, a banda explica em nota de imprensa: 
"Segundo a ONU, 20 anos é o tempo que resta para a humanidade desacelerar a sua queda inexorável. (...) Tentamos representar esse desafio impossível na capa do álbum: uma mão a afogar-se (referindo-se ao aumento dos oceanos) e a queimar-se até ao fim. Uma bela e global tragédia em câmara lenta".
"Twenty Years" segue ainda acompanhado por um trabalho audiovisual que pode ver-se abaixo.


20 Years tem data de lançamento prevista para 20 de março em formato LP pelo selo Weyrd Son Records. Podem fazer a pre-order do disco aqui.

20 Years Tracklist:

01. What's Left 
02. Morrows 
03. Tasting Revenge 
04. Precious Words 
05. Twenty Years 
06. Another Girl 
07. Relief 
08. Lying Dead 
09. Sinking Story

+

STREAM: METADEVICE - Studies for a Vortex


METADEVICE é um novo projeto de electrónica industrial de André Coelho, membro fundador dos defuntos Sektor 304, ex-colaborador em Mécanosphère e actualmente membro de Iurta. Neste álbum de estreia, intitulado Studies for a Vortexdrones alienantes, musicalidade em colapso, distorção e estática coabitam com a poética do cut-up e apropriação expressa num amplo leque de vocalizações: resultado da fusão de inúmeras de influências desde o power electronics ao dub.

Studies for a Vortex saiu no dia de hoje, dia 7 de feveiro, pela mão da editora norte-americana Malignant Records e conta com diversas colaborações, como Jonathan Uliel Saldanha (HHY & The Macumbas) ou Miguel Béco (Atila, Kara Konchar), tendo a masterização ficado a cargo de John Stillings (Steel Hook Prostheses) e o grafismo pelo próprio André Coelho.

Podem ouvir o álbum na sua íntegra ou comprar uma cópia física em formato CD aqui.

+

STREAM: Feu Follet - La Forêt Oubliée


Depois de se ter estreado o ano passado no formato longa-duração com Le Champ des Morts, Feu Follet, o projeto multi-artístico de Alban Blaising está de regresso às edições com La Forêt Oubliée. Composto por um total de 11 temas este novo registo de Feu Follet apresenta-se sob o formato de álbum conceptual, sendo acompanhado por uma história assustadora, em formato banda desenhada, sobre uma lápide na floresta que leva a eventos estranhos e ao desaparecimento de um miúdo. O álbum conta esta história iniciando com o provocador "La Forêt Oubliée", a convidar o ouvinte a entrar na floresta e a descobrir o que esta lhe pode oferecer. Quando o miúdo desaparece o ritmo do álbum torna-se mais sombrio. 

A nível musical em La Forêt Oubliée encontramos uma estética cativante que viaja entre as ondas atmosféricas do shoegaze e dream-pop sem nunca descurar os territórios da synthwave tão vivos na maioria das composições que integram o alinhamento. Desde sons camaleónicos a atmosferas densas o novo disco de Feu Follet é uma viagem puramente instrumental aos limites do nosso imaginário. O álbum pode ouvir-se na íntegra abaixo.

La Forêt Oubliée é editado esta sexta-feira (7 de fevereiro) pelo selo Blackjack Illuminist Records. Podem comprar a vossa cópia física em formato cassete e CD clicando aqui.


+

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

Nonchalant lança novo álbum pela Eastern Nurseries




Nonchalant é o novo projeto a solo de Anas Aissaoui, artista sediada em Tunis, na Turquia que editou anteriormente sob os pseudónimos Anasisana e Buried Alive.   

I Wish I Could Be Somewhere With You é o seu primeiro trabalho sob este novo moniker, "uma reflexão febril sobre o amor online" que recebe o selo da editora portuguesa Eastern Nurseries, do músico Rui Andrade, no dia 14 de fevereiro. Juntando o lado mais romântico das linhas de sintetizadores à maquinaria "humanizada" da bateria eletrónica, o disco serve como uma celebração do Dia dos Namorados para uma nova geração de amantes em todo o mundo.  

"I Saw You In My Dream", o primeiro avanço de I Wish I Could Be Somewhere With You, já se encontra disponível para escuta e pode ser encontrado em baixo, juntamente com a capa e a respetiva tracklist do disco.






Tracklist


1. I'd Melt Under Your Touch (Interlude I) 

2. I Can Be Your Savior (Interlude II) 
3. Tell Me Something Good 
4. For The Two Of Us, One Day For Sure 
5. I Saw You In My Dream  
6. I Would Wait For You Forever 
7. Feelings That Couldn't Be Described, Redefined Into Sounds 
8. FH HF - We Dream Of Desire's Repetitiousness








+

Avondlicht - When You Come Close [Threshold Premiere]

© Alicia Martin Lopez.
This spring comes with a breath of fresh air: the debut album of Avondlicht, the project of the Antwerpian producer and electronic musician Matthias Dziwak. With an emotional, dark but reassuring sound, Avondlicht moves within a wide spectrum in the fields of modern-classical music, post-rock, experimental electronics and soundscapes wrapped in breaks-influenced dance music. 

After releasing three critically acclaimed EPs, Dziwak took some time off stage to focus on intensive moments of reflection and sound experimenting. During these times, the thin line between reality and a seemingly over-romanticised imagination was explored to the fullest, resulting in his aptly named debut album Hyperromance - “a moment or idea so heavily romanticised that it seems impossible to be really experienced”. 

The melancholic feeling this realisation sparked in his heart took him on a journey through Argentina, Chile and Uruguay, a month-long stay in Amsterdam and finally to settling for six months in Portugal, where he encountered love. Throughout this time, the producer made field recordings and began writing simple piano pieces that would feed into the finished album. 

Hyperromance will be self-released on 12" and digitally on April 3rd, featuring nine carefully crafted compositions, each one placed uniquely within Avondlicht’s sonic universe, yet all interconnected on multiple levels. A first single, “Porta”, was released last year in October. 

A second excerpt from his album, " When You Come Close", is presented here first hand; a warm, slow and dreamy approach to breaks-influenced dance music, drawing inspiration from the breathtakingly intense moment right before a genuine first kiss.

+

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020

RIDE e Crushed Beaks em Portugal



É já na próxima segunda-feira que os RIDE, uma das bandas de referência do movimento shoegaze, atua em Lisboa, no LAV (Lisboa ao Vivo) e no dia seguinte, 11 de fevereiro, no Porto, no Hard Club. A abrir noite teremos os londrinos Crushed Beaks

O quarteto de Oxford, ainda com os músicos de "origem” (Mark Gardener, Andy Bell, Laurence "Loz" Colbert e Steve Queralt) traz-nos o seu ultimo disco This Is Not A Safe Place com label da Wichita Recordings (2019). À semelhança dos seus congéneres Slowdive, que em 2018 nos brindaram com um dos melhores concertos do ano, espera-se que os RIDE nos proporcionem uma noite memorável. 

Na abertura dos concertos, e a fazerem a sua estreia em Portugal, estarão os Crushed Beaks, um trio londrino que define o seu espetro sonoro como noisy pop e que aguardamos com alguma expectativa. A banda de Matthew Poile, Alex Morris e Scott Bowley (originalmente um duo), já com vários trabalhos editados, apresentará o seu mais recente álbum de estúdio The Other Room, editado em 2019 pela Clue Records



A abertura de portas e bilheteira está agendada para as 20 horas. Os Crushed Beaks atuam às 21 horas e os RIDE às 22 horas. 

Bilhetes ainda disponíveis nos locais habituais (Bol online, FNAC, CTT, Worten e El Corte Inglês).

+

Human Impact junta membros de Swans, Unsane e Cop Shoot Cop. Álbum de estreia em março

© Jammi York
Os Human Impact são um novo supergrupo que se formou no ano passado em Nova Iorque e junta  membros de bandas lendárias dos movimentos hardcore, industrial e noise rock. Chris Spencer apresenta-se na voz e guitarra (Unsane, UXO), Jim Coleman na eletrónica (Cop Shoot Cop), Chris Pravdica no baixo (Swans, Xiu Xiu) e Phil Puleo na bateria (Cop Shoot Cop/Swans).

É com o selo da Ipecac que chega a 13 de março o álbum de estreia homónimo dos Human Impact, onde a banda se insurge contra as instituições que desmoronam sob o peso da arrogância política, a deterioração do meio ambiente, os relacionamentos interpessoais que são cada vez mais divisivos. Mesmo com esta visão descrente face ao que os rodeia, os Human Impact pretendem deixar uma mensagem positiva de que a amizade perdura face à tragédia e ao trauma.

O resultado deste álbum é uma destilação potente e fervilhada desse ethos sónico, que pode ser resumida como uma imundície pós-industrial cinematográfica. Apoiados pela afinação da guitarra, agitação industrial e transmissões vocais irritantemente cativantes, as dez faixas que o constituem fluem entre intensa insurgência instrumental e harmonias hipnóticas.

Em dezembro a banda apresentou a primeira amostra de Human Impact com o tema "November" e mais recente lançou um vídeo, realizado por Samuel Mitchell, para o segundo single "E605", o qual podem ver em baixo.


Human Impact foi produzido por Coleman e Spencer com a gravação a ser feita no BC Studios pelo veterano Martin Bisi (Sonic Youth, John Zorn, Bootsy Collins). Gravações adicionais foram feitas na Hoboken Recorders com a mixagem concluída por Alan Camlet. A pré-order do disco pode ser feita aqui



Human Impact track list:
1. November
2. E605
3. Protestor
4. Portrait
5. Respirator
6. Cause
7. Consequences
8. Relax
9. Unstable
10. This Dead Sea

+

O ruído dos Crowd of Chairs está de regresso ao formato LP


Três anos após a edição de Fuck Fuck Fuck (2017, Live Fast Die Young), os belgas Crowd of Chairs estão de regresso às edições de estúdio com Mod Kid With Dog, o segundo disco de estúdio que chega às prateleiras dentro de duas semanas. O anunciado novo registo foi esta semana antecipado através do primeiro tema de avanço, "Hollow Thoughts of Wrong" - uma malha de ritmos ora esquizofrénicos, ora estáticos e brutas camadas de ruído com uma essência fervorosa e bastante abrasiva.

Este novo trabalho, Mod Kid With Dog apresenta um total de onze temas inéditos que fundem elementos do kraut-rock, noise-rock e uma certa decadência do punk. O resultado é uma mistura de guitarras barulhentas combinadas com linhas de baixo flutuantes, ritmos complexos e brutalmente imersivos do qual resulta agora "Hollow Thoughts of Wrong". Este primeiro tema de avanço foi mostrado através de um trabalho audiovisual e pode ver-se abaixo.


Mod Kid With Dog chega às prateleiras a 21 de fevereiro, em formato LP e cassete e conta com o selo da belga sentimental. Podem fazer pre-order do disco aqui.


Mod Kid With Dog Tracklist:

01. Asocial Breeding Ground 
02. Everyone 
03. Faceless 
04. Dare To Follow (tape only) 
05. (Internal Dialogue) No Witnesses (tape only) 
06. Hollow Thoughts Of Wrong 
07. Tourist 
08. N° 117 
09. At The Door At Dawn 
10. (Nothing Left To) Talk About 
11. Should I Make Them See Or Just Go Back To Sleep

+

É já amanhã que Jorge Coelho apresenta o seu 'Lay Claim to the World as a Sphere your own agency'


Lay Claim to the World as Sphere your own agency, o novo registo do guitarrista portuense Jorge Coelho, saiu no passado dia 21 de janeiro, via Lovers & Lollypops. A 6 de fevereiro é apresentado num concerto no Planetário do Porto, acompanhado por uma projeção fulldome de uma visita guiada ao espaço, e com a participação dos percussionistas Jorge Queijo e Gustavo Costa.

Pelas palavras do André Forte: “Jorge Coelho regressa sem nunca ter partido: o seu novo registo, Lay Claim to the World as a Sphere of your own agency, acrescenta mais um elemento, um curto registo de cinco peças, a um universo paralelo, mas tangente, seu e que partilha espaço com o nosso; e é nos momentos de maior aproximação que a sua esfera se confunde com a nossa, ao encapsular nas suas mais recentes composições elementos deste lado do espelho, trazendo as ressonâncias de fundo, únicas das composições de Jorge Coelho, de novo para a flor da pele de quem o escuta. Há pequenos dilemas que torneiam de forma muito vívida e clara a silhueta do mundo que habitamos, para além das coordenadas geográficas que ocupamos e do tempo que tomamos. Um disco pequeno é um foco definido e claro sobre certos aspectos; neste caso, é sobre intenções maiores, apesar do despojo que um momento criativo urgente pode trazer para cada momento seu, e mais um acrescento a uma lista já longa do guitarrista e compositor portuense.”

O concerto tem hora prevista para as 21h30 e o preço dos bilhete é de 7 € (concerto) ou 10 € (concerto + 7’’). Mais informações sobre o evento aqui.

+