sábado, 7 de março de 2020

STREAM: Velvet Kills - Bodhi Labyrinth


Os Velvet Kills - a nova crush da cena electro-dark-goth - regressam este sábado (7 de março) às edições de estúdio com o novo Bodhi Labyrinth, disco de seis temas que nos conduz ao seu universo obscuro altamente focado em sintetizadores imperativos e camadas de som imersivas e poderosas. Este novo trabalho chega às prateleiras três anos após Mischievous Urges (2017, Unknown Pleasures Records) e mostra uma nova direção na sonoridade que os Velvet Kills nos têm mostrado, numa abordagem sonora que é mais densa, bem produzida e com um lado estético mais apurado.

Em apresentação deste novo Bodhi Labyrinth a dupla formada por Su Eko (voz/baixo) e Harris Iveson (guitarra/sintetizadores/voz) já tinha avançado anteriormente o poderoso "In The Gold Mine", faixa dominante a colocar na calha as tonalidades abrasivas do electro-post-punk e ainda o fustigante "Noise". Agora já podemos ter acesso integral à hipnótica sonoridade da dupla que conjuga desde sintetizadores imersivos e vagos (presentes em temas como "Bitch Face") a ambiências acesas e vigorosas, notórias em temas como "The Key" ou o psicologicamente denso tema de encerramento "Hangover Calling". Aproveitem para escutar o disco na íntegra abaixo.

Bodhi Labyrinth foi editado a 7 de março em formato vinil numa co-produção entre os selos Manic Depression Records (podem comprar aqui), Icy Cold Records (comprem aqui) e Unknown Pleasures Records (podem comprar aqui).


+

STREAM: Use Knife - Tropentarn


Amplamente focados na eletrónica analógica e modular os belgas Use Knife apresentam agora à comunidade o resultado do trabalho que têm desenvolvido à parte dos  Kiss The Anus Of A Black Cat, onde Stef Heeren e Kwinten Mordijck também são membros. Intitulado Tropentarn o EP da dupla sediada em Ghent apresenta três faixas que desdobram a pop experimental, o proto-industrial e as correntes negras da eletrónica em composições de som altamente aditivas. Há uma exploração bastante abrangente que inclui desde elementos hipnóticos e de alta potência, a atmosferas mutáveis e uma eletrónica que é densa, mas igualmente relaxante. 

Embora com uma lírica e temática ainda ligadas ao trabalho que desenvolvem paralelamente como Kiss The Anus Of A Black Cat, a jornada sónica dos Use Knife conduz o ouvinte a territórios eletrónicos mais modernos e inquietantes. Deste novo Tropentarn já tinha anteriormente sido divulgado o homónimo "Tropentarn" - faixa dinâmica construída em cerca de oito minutos de duração onde prosperam sintetizadores decadentes construídos numa base de percussão eletrónica altamente bombástica. Dentro do mesmo esquema sonoro destaque ainda para a abertura cativante com "For Helvede" e o experimentalismo minimal de "Night Time". O curta-duração pode escutar-se na íntegra abaixo.

Tropentarn EP foi editado esta sexta-feira (6 de março) em formato vinil pelo selo belga Wool-E-Discs e em formato digital pela House Of Mythology. Podem comprar a vossa cópia aqui.


+

STREAM: Two Moons - Over


Os italianos Two Moons estão de regresso às edições com o quinto disco de estúdio, três anos após terem editado Cognitive Dissonance (2017). O quarteto formado por Emil Moonstone, Joseph Rips, Iacopo Palax e Angelo Argento repesca as tonalidades mais melódicas do post-punk que caracterizou os anos 80 e oferece-nos um conjunto de oito novos temas que os projeta para as sonoridades sedutoras exploradas no primeiro EP The First Moon (2009). Italiano na essência, o novo disco dos Twoo Moons traz-nos ainda algumas influências britânicas num registo que é fortemente inspirado por sentimentos como a esperança e o sentido da realidade decadentista em que vivemos atualmente.

Deste novo Over já tinham sido anteriormente apresentados o tema de abertura "Sex and Desire" - a incorporar uma quase spoken-word num ambiente atmosférico rodeado por guitarras celestiais - e ainda "Second Life" - uma malha mais eletrónica a colocar em altas as sonoridades mais dançantes. Deste novo registo destaque ainda para temas como "This is a Fire" - uma mistura de sonoridades decadentes, mas sonhadoras altamente imersiva; o sinistro "Destiny's door" e ainda o melancólico tema de despedida, "Look at Me" a explorar todo um novo cenário rock. Uma injecção de post-punk, darkwave e derivados no seu exponente revival, a ouvir na íntegra abaixo.

Over foi editado esta sexta-feira (6 de março) em formato digital e CD pelo selo francês Icy Cold Records. Podem comprar a vossa cópia aqui.


+

STREAM: Zabrisky - Zabrisky


Os italianos Zabrisky estão de regresso às edições com o quarto longa-duração de estúdio, o homónimo Zabrisky que é também o primeiro esforço da banda cantado na sua língua materna - o vèneto, ao invés do inglês que até então tinham priorizado, com as edições anteriores. Ñuma coleção de oito temas inéditos, este novo disco pretende reunir temas de cantores e compositores cantados no dialeto veneziano - como os trazidos à vida nas canções de Gualtiero Bertelli e Alberto D'Amico -, além de apresentar uma sonoridade britpop e lo-fi bem nítida no resultado final.

Formados na cidade de Veneto, corria o ano de 1995, os Zabrisky têm explorado uma sonoridade que circula ao redor das paisagens do pop-rock com denotadas influências do psych-rock e a contemplação ruidosa do shoegaze. No novo trabalho a banda aborda temas mais característicos da sua realidade pessoal como o Venezia Football Club ("Big Joe"), a conquista lendária de Pietro Mennea ("Freccia del Sud"), dramas pessoais ("Divorzio a Colori"), demónios modernos ("Pop & Slot"), os desafios de uma cidade prestes a morrer ("Carbona"), o aquecimento global ("Settembre"), entre outros. O disco pode reproduzir-se na íntegra abaixo.

Zabrisky foi editado esta sexta-feira (6 de março) em formato CD e digital pelo selo Shyrec. Podem comprar o disco aqui.


+

My Dear Killer traz a folk melancólica à tona nos dois novos temas

© Anna Positano
My Dear Killer é um dos artistas que já faz parte do catálogo da prolífica Boring Macines há largos anos, 14 para precisar. O projeto, criado em meados dos anos 90, destinava-se, numa fase inicial a coletar canções minimalistas, estratificadas entre a ansiedade do ruído, e as contemplativas paisagens da música ambiente e das gravações de campo. O primeiro disco oficial chegou em 2006 sob o título de Clinical Shyness e aportava uma combinação improvável entre as paisagens e feedback da música noise conjuradas com guitarras melódicas e uma vibe do folk ambient. Até à data My Dear Killer editou três longa-durações e regressa agora para um quarto, Collectable Items, que chega às prateleiras dois anos após The Electric Dragon of Venus (2018, Boring Machines).

Em Collectable Items - aquele que é o maior disco, em duração, de carreira -, My Dear Killler apresenta doze novos singles construídos ao redor de acordes frágeis e vocais sussurrados, envoltos num som de fundo que explora em grande foco o feedback do som. Deste novo Collectable Items são já conhecidos os temas "Lessons in Hate" e "Wish Of Winter", disponíveis para audição abaixo. Podem ainda aproveitar para ouvir o disco na íntegra em antemão aqui.


Collectable Items tem data de lançamento prevista para 13 de abril pelo selo Boring Machines. Podem fazer a pre-order do disco aqui.

Collectable Items Tracklist:

01. Collectable Items 
02. Lessons in Hate 
03. The Train I Have Lost 
04. In the Mirror 
05. Wish of Winter 
06. Tram 
07. Right to Ask 
08. The Football Player 
09. On the Track 
10. The Archivist 
11. Sick 
12. Stolen Teabags

+

A eletrónica vanguardista de DIVUS recebe novo capítulo para a semana


Os DIVUS - a dupla italiana formada pelo produtor de eletrónica e techno Luciano Lamanna e o saxofonista Luca T. Mai (dos renomados ZU) - regressam às edições já na próxima semana com aquele que será o segundo disco de estúdio da banda e vem dar seguimento ao disco homónimo, editado pela Boring Machines em 2018. Com um som da vanguarda que engloba um conjunto de explorações entre as camadas da eletrónica corrompidas pelo preciosismo do saxofone, os DIVUS são um dos nomes de relevo na eletrónica experimental ao apresentarem algo de novo e criativo com elementos do jazz a agarrarem-se às construções do sound design.

Em DIVUS 2 a dupla expande os limites do seu som noturno e atmosférico e passa a embeber na mistura o uso de sintetizadores sóbrios com as notas longas e sustentadas do saxofone, numa abordagem que é angular e dinâmica. Como primeira amostra do que se poderá vir a esperar, os DIVUS apresentam-nos agora os primeiros atos, "C2" e "D1" - dois temas absolutamente envolventes e comunicativos - que podem ser absorvidos abaixo.


DIVUS 2 tem data de lançamento previsto para 13 de março em formato vinil pelo prolífico selo italiano Boring Machines. Podem fazer a pre-order do disco aqui.

DIVUS 2 Tracklist:

01. C1 
02. C2 
03. C3 
04. C4 
05. D1 
06. D2 
07. D3

+

O lado negro da diversão esculpe-se no novo vídeo de Neon Lies

© Dani Luiz

Neon Lies - o projeto a solo do croata Goran Lautar - irá regressar às edições este ano com o terceiro disco de estúdio, Loveless Adventures que chega às prateleiras dois anos após II (2018, Black Verb, Cosmic Brood). O anúncio chegou esta semana sob a edição do tema "Drugz" que incorpora uma tracklist de nove singles inéditos. A abraçar uma produção mais artística, que resultou das experiências obtidas em tour e estúdio no período de um ano, Neon Lies incorpora agora no novo disco as influências da darkwave minimalista e proto-industrial que colocou em ação nos discos Neon Lies (2016) e II (2018), mas numa versão mais poderosa e nostálgica.

Neon Lies começou em 2015 como um projeto de quarto, enquanto Goran Lautar ainda cantava e tocava guitarra nas bandas Modern Delusion e The Celetoids, mais tarde evoluiria até se tornar um projeto internacional de sintetizadores analógicos com foco em ambiências de som que vão desde a minimal e darkwave às paisagens lo-fi e escuras do post-punk. Caso disso é bem visível no novo vídeo para o tema "Drugz", onde filmagens de uma festa caseira em baixa qualidade são utilizadas para dar toda uma nova vida a um single que é negro e traz uma clara vibe Christian Death especialmente na voz, a trazer à memória o saudoso Rozz Williams. Por trás, Goran canta-nos sob como perdeu a sua vida e amor para as drogas.

Um disco amplamente dedicado aos solitários e aos seus revendedores. Se ainda não o fizeram aproveitem para visualizar o trabalho audiovisual de "Drugz" abaixo.


Loveless Adventures tem data de lançamento prevista para 20 de abril em formato vinil numa co-edição entre os selos Black Verb (pre-order aqui), Wave Tension Records (pre-order aqui), Cosmic Brood (pre-order aqui) e Cut Surface (pre-order aqui). O álbum também será editado em CD e cassete numa versão limitada com selo Mental Healing (pre-order aqui).

Loveless Adventures Tracklist:

01. Drugz 
02. Hideaway 
03. Down 
04. Learn 
05. Insecurity 
06. Loveless 
07. Hands 
08. Alone 
09. Light

+

sexta-feira, 6 de março de 2020

Passatempo: Ganha bilhetes para o concerto de Conjunto Corona em Aveiro


No dia 07 de março vai haver concerto dos Conjunto Corona no Avenida Café-Concerto em Aveiro. Este concerto vem no âmbito do grande sucesso de Santa Rita Lifestyle, álbum que marca a contínua rota ascendente do grupo como um dos mais acarinhados do hip-hop nacional.

Em parceria com a promotora Tago Mago, estamos a oferecer três bilhetes para este concerto. Para seres um dos contemplados, só tens de participar neste passatempo seguindo as instruções em baixo.

1. Seguir a Threshold Magazine no facebook.

2. Partilhar este passatempo no facebook em MODO PÚBLICO e identificar pelos menos 2 amigos.


3. Preencher o seguinte formulário:


O passatempo termina no próximo dia 07 de março às 15h00. Os bilhetes serão então sorteados de forma aleatória através da plataforma random.org. Boa sorte!


+

The Love Coffin regressam aos discos em abril

© Zarko Ivetic

Os dinamarqueses The Love Coffin estão de regresso ao radar com novo longa-duração na agenda, um ano e meio após a edição do descontraído disco de estreia Cloudlands. Intitulado Second Skin o novo trabalho do quinteto chega às prateleiras em abril e traz um conjunto de dez temas onde se inclui o já anteriormente lançado "Nothing At All". Esta sexta-feira (6 de dezembro) juntamente com o anúncio do novo disco a banda avança também com a segunda extração de Second Skin que segue sob o dístico "Mortalized", disponível abaixo.

Desde o lançamento dos EP's Veranda (2015) e Buffalo Thunder (2016) que os The Love Coffin têm agitado o panorama da cena rock underground na Dinamarca, marco que se espalhou um pouco por toda a Europa, posteriormente, com a edição de Cloudlands (2018). Agora de regresso com maior maturidade, o projeto de Jonatan K. Magnussen (voz, guitarra) Kristian Alexander Pedersen (guitarra), Lasse Christiansen (teclados, violinos, guitarra), Tue Einar Bakfeldt Fly (baixo) e Alexander Vitus (bateria) apresenta mais uma malha de rock psicótico-progressivo com sonoridades altamente carinhosas, uma produção afincada e a vibe sempre descontraída que têm mostrado ao longo dos últimos lançamentos.


"Mortalized" foi produzida pelo guitarrista da banda, Kristian Alexander Pedersen e pelo produtor inglês Guy Fixen, cujo trabalho anterior inclui colaborações com Pixies, Stereolab, The Breeders e Slowdive, além de lançamentos em editoras lendárias como a Creation, a 4AD e a Beggars Banquet

Second Skin tem data de lançamento prevista para 24 de abril pelos selos Third Coming Records e Bad Afro Records. Podem fazer o pre-order do disco aqui.


Second Skin Tracklist:

01. Stripped Down 
02. Caught In A Fire 
03. Mortalized 
04. Nothing At All 
05. This Summer 
06. Fall 
07. A Shrinking Thing 
08. Seasick 
09. Void 
10. Heaven Sent

+

Energia punk e rock matemático no novo "Soft Bullet" dos New Primals


Os noise-rockers/dance-punkers New Primals estreiam-se nas edições longa-duração já este mês com o incendiário Horse Girl Energy, disco de dez temas fervorosos na energia, a trazerem, como resultado, uma cacofonia de sons penetrantes, guitarras abrasivas e melodias atonais, numa atitude muito DIY. A banda de Minneapolis formou-se em 2016 e desde o lançamento do EP Wraith (2017) tem feito soar os alarmes do panorama noise-rock e post-hardcore em território americano. Agora e - tendo em consideração os já apresentados temas "Modern Lover" e "A Beast With Two Backs" - os New Primals preparam-se para se fazerem ouvir pela Europa numa estreia caótica, experimental e ríspida.

Numa atitude influenciada pelas ambiências punk e noise-rock em contraposição com um trabalho de guitarras muito math-rock, "Soft Bullet" é o terceiro tema extraído do novo disco e chega esta sexta-feira (6 de março) através de um trabalho audiovisual assinado por Dom Hanft. Segundo o realizador o propósito do vídeo "foi diretamente motivado pelo desejo de criar uma imagem visual que melhor representasse as minhas experiências ao assistir aos concertos crus e espásticos dos New Primals". "Soft Bullet" pretende, assim, transmitir ao espectador uma vontade de experienciar esta música agressiva e altamente dinâmica. Curiosos?


Horse Girl Energy tem data de lançamento previsto para 20 de março pelo selo Learning Curve Records. Podem fazer pre-order do disco aqui.

Horse Girl Energy Tracklist:

01. Blood & Water 
02. A Beast With Two Backs 
03. Wax Poets 
04. Coma Fiend 
05. Wraith 
06. Horse Girl Energy 
07. Modern Lover 
08. Soft Bullet 
09. Break/Fall/Rot 
10. Tightrope

+

Spitzer lançam cover para "Darkness Before Dawn" dos Killing Joke


Os Spitzer, a dupla francesa constituída pelos irmãos Damien Bregère e Mattieu Bregère, estão de regresso com um novo cover, que vem dar sucessão ao recentemente lançado EP Ask For More. A dupla agarrou no icónico tema dos Killing Joke, "Darkness Before Dawn" e deu-lhe a sua própria interpretação numa versão onde sintetizadores e caixas de ritmo reinam as ambiências, num resultado ainda mais poderoso, abrasivo e amplamente eletrónico. 

Os Spitzer formaram-se em 2007 e, desde então, contam com um portfólio musical enriquecido por dois discos longa-duração, The Call (2012) e Loose Canons (2017), e dois EP's Sergen (2012) e o mais recente Ask For More (2020). Por trás encontra-se toda uma carreira musical a trabalhar ao redor de sonoridades abrasivas onde a eletrónica obscura se apresenta em plano de foco. Aproveitem para descobrir a nova reinterpretação dos Spitzer a "Darkness Before Dawn", abaixo.


O duo lançou recentemente o EP Ask For More no passado dia 24 de janeiro de 2020. Podem escutar o disco na íntegra e comprara a vossa cópia digital aqui.

+

quinta-feira, 5 de março de 2020

Abstract Thoughts II, o novo trabalho de Jorge Queijo


Do Porto chega-nos Abstract Thoughts II, o segundo trabalho de 2020 do multi-instrumentalista e compositor Jorge Queijo (OtrotortO). Um EP constituído por cinco temas gravados em Abu Dabhi nos estúdios da NYUAD em que o músico se apresenta ao piano e fita processada, depois de em janeiro ter editado Adufes & Pandeiros com foco na percussão. Abstract Thoughts teve uma primeira edição física em cassete numa colaboração com a escultora Sofia Beça e agora chega às plataformas digitais.

O EP surge depois de uma visita ao Deserto Rub al Khali, também conhecido por Empty Quarter, um dos maiores desertos do planeta e a maior área contínua de areia do mundo. Os temas surgem de improvisações sobre essa viagem que passou por um Oásis onde vivia um paquistanês solitário durante o ano inteiro, descidas abismais de dunas sobre o som ruidoso da areia a deslizar sobre si própria, dois furos no jipe, um no deserto e o último já na estrada de regresso e um retorno à cidade à boleia de um funcionário de uma petrolífera.

Abstract Thoughts II está disponível no Bandcamp de Jorge Queijo e pode ser escutado na íntegra em baixo. 

+

[Review] tricot - Makkuro

review-tricot-makkuro

真っ黒 Makkuro | 8902 Records | janeiro de 2020 
8.3/10 

As garotas mais efervescentes do rock japonês estão de volta, e com mais intensidade que nunca! As tricot regressam aos discos com o seu quarto álbum de originais, de seu nome Makkuro (ou 真っ黒, que traduzido, significa literalmente “escuro como breu”). E ao contrário do que a capa simplista deste novo álbum possa indicar, estas moças, juntas desde 2010, especializam-se numa sonoridade de math-rock ritmicamente desafiante cruzado com a pop mais melódica e melosa, com o trabalho vocal a estar particularmente afinado e no ponto, e a cada disco que elas lançam, a sua sonoridade no geral demonstra estar cada vez mais consistente e aprazível. 

Se o material lançado - seja o EP Repeat ou os singles - entre este Makkuro e o álbum anterior meramente chamado de 3 (lançado em 2017) é algum indicador, as tricot têm-se dedicado durantes estes últimos anos a investir na costela mais pop da sua sonoridade, com um cunho melódico significativamente mais aguçado, seja a nível das instrumentações mais arrebitadas ou das vozes mais límpidas. Essa mudança de paradigma no som da banda reflete-se em pleno em Makkuro, como se de bandas sonoras de séries slices of life japonesas se tratassem - ou quase era o caso, não fosse o instinto pop destas moças mais encorpado e agridoce que o habitual. 


Diga-se desde já, no entanto, que apesar dessa vertente estar mais predominante do que nunca, as outras qualidades da banda - diga-se, texturas ligeiramente noisy e passagens frenéticas - ainda estão presentes em Makkuro. Qualquer que seja a vertente sonora adotada, a banda demonstra ser habilidosa o suficiente para alternar entre elas (ou até mesmo cruzá-las aqui e ali), como notado em faixas como o single “Overflow” (あふれる), 秘蜜 e みてて que demonstra a banda no seu estado mais groovy, ou o tema-título "真っ黒", que serve de encerramento do registo e que apresenta a banda no seu estado mais melancólico. No entanto, há algumas faixas que não são tão bem conseguidas, particularmente na primeira metade do registo, como no caso da "右脳左脳" e "低速道路", que em boa verdade pecam por ser um pouco esquecíveis. 

Gingonas e aventureiras como nunca antes, as tricot apresentam um equilíbrio bastante arrebatador neste disco. Além do entrave colocado pela barreira linguística, há também o facto de que a ida para caminhos mais pop não irá decerto agradar a alguns dos fãs dos álbuns anteriores, mas apesar de tudo, a banda demonstra estar ainda assim em topo de forma e, acima de tudo, continua determinada em seguir a intuição na sua jornada de como obter uma sonoridade que seja em iguais partes melódica e dissonante, acessível e complexa.

+

Drvg Cvltvre estreia-se em Portugal em abril



O Ferro Bar, no Porto, anunciou a estreia em Portugal do músico holandês Vincent Koreman, isto é, Drvg Cvltvre. Os portugueses Das Monstrvm, ∩ – intersectiō e Polónia completam o certame da noite, que acontece no dia 9 de abril pelas 23h45.

Em 2017, Drvg Cvltvre editou o EP Somebody Cares Sometimes pela Favela Discos, que chegou mesmo a marcar a primeira atuação do holandês em território nacional. O concerto acabaria por ser, no entanto, cancelado por motivos alheios à editora portuense. Agora, com mais de uma mão cheia de trabalhos novos e um corpo de trabalho denso, que se expande pelos terrenos do house, techno, acid e industrial, Vincent Koreman assina uma muito aguardada estreia na primeira noite Flagelante.

As informações relativas à entrada do evento ainda não são conhecidas.


+

quarta-feira, 4 de março de 2020

The Mission & Gene Loves Jezebel em Portugal na próxima semana para quatro concertos em Lisboa e Porto


Os The Mission estão de regresso a Portugal, já na próxima semana, dias 11 e 12 no LAV - Lisboa ao Vivo, e dias 13 e 14 de Março no Hard Club, no Porto. A banda britânica encontra-se atualmente em digressão pela Europa, os quatro concertos que passam por Portugal integram a digressão The United European Party Tour 2020.

Prometem um espectáculo único para cada uma das noites, a setlist ainda não é conhecido, sabe-se no entanto que nos dias 11 e 13 serão tocadas canções dos álbuns ímpares por ordem de lançamento na carreira da banda: First Chapter, Children, Grains Of Sand, Neverland, Aura, The Brightest Light, e nos dias 12 e 14 serão tocadas canções dos álbuns pares: God’s Own Medicine, Carved In Sand, Masque, Blue, God Is A Bullet, Another Fall From Grace.

Os The Mission são hoje considerados uma banda de culto em mais de trinta anos, com mais de quatro milhões de discos vendidos, considerados uma das melhores bandas ao vivo. Lisboa e Porto vão ter oportunidade de aplaudir êxitos de sucesso, tais como "Tower of Strenght”, “Wasteland”, ou “Severina”.

Convidados especiais em todas as datas em Portugal e Espanha desta digressão são os Gene Loves Jezebel, a banda inglesa traz o mais recente disco Dance Underwater de 2017, produzido por Peter Walsh, cujos créditos na discografia incluem artistas como os Simple Minds, Peter Gabriel e Scott Walker de entre outros. Esperam-se ouvir para além das novas canções de Dance Underwater, clássicos como “Break The Chain”, “Sweet  Sweet Rain”, “Desire” ou “Upstairs”. 



Os bilhetes encontram-se à venda nos locais habituais, a partir de 25€, com a possibilidade de adquirir um bilhete para os dois espetáculos ao preço de 40€.

Texto: Lucinda Sebastião

+

Hiro Kone e Piag3t na segunda Borshch Nacht da ZDB



Em abril, a Galeria Zé dos Bois e a revista alemã Borshch voltam a juntar-se para mais um serão de música eletrónica brutalista. A americana Hiro Kone e o dinamarquês Piag3t são os próximos convidados da noite que levará antes, em março, a música dinamarquesa Puce Mary à sala lisboeta.

O trabalho de Hiro Kone assenta, fundamentalmente, numa relação profíqua com e para a máquina. O seu trabalho no campo da síntese modular foi impulsionado pela sua colaboração com o veterano Drew McDowal, instituição da música industrial com quem editou o álbum The Ghost of Georges Bataille em 2018. A solo, a norte-americana dispõe de um corpo de trabalho multifacetado, abrangendo um caldeirão de estilos e sonoridades que vão do techno mais hedonista e mecânico aos terrenos mais obtusos do noise. O seu novo disco, A Fossil Begins to Bray, surgiu nos metros finais de 2019 e recebeu o selo da americana Dais Records, a mesma casa que acolheu o anterior Pure Expenditure, que Hiro Kone apresentou na sua última passagem por Lisboa.

Piag3t é Martin Jon Hasfeld, artista dinamarquês a residir em Copenhaga. O músico, que lançou o seu primeiro tema, "Turn Out Tense", no passado mês de fevereiro, prepara-se para lançar novo trabalho pela inconfundível editoria Posh Isolation, de Loke Rahbek e Christian Stadsgaard. Na sua estreia em Portugal, Piag3t traz ao palco “Work To Get True”, uma performance onde explora o tema da amizade e das almas que não existem. 

A segunda Borshch Nacht acontece no dia 7 de abril e os bilhetes podem ser adquiridos em pré-venda ao custo de 10 euros (12 euros no dia).

+

King Ruiner é o novo álbum de :PAPERCUTZ


O projeto nacional :PAPERCUTZ, do produtor Bruno Miguel, editou ontem, no dia 3 de março, o seu álbum King Ruiner

O terceiro álbum de :PAPERCUTZ é um trabalho de electrónica pop negra e exótica, gravado entre o Porto, NYC, Hamburgo e Tóquio. Irá ter digressões de apresentação na Ásia, Europa e Estados Unidos.  O novo trabalho conta com diversa vocalistas como a portuguesa Catarina Miranda, conhecida pelo seu trabalho como Emmy Curl, Ferri, uma artista japonesa, e a alemã Lia Bilinski

A edição do disco está a cargo da editora Rossio MusicO primeiro concerto de apresentação em Portugal ocorre a 26 de setembro, no Centro Cultural De Belém.

Podem ouvir ou comprar King Ruiner aqui.

+

Sonic Boom está de volta com novo álbum


30 anos depois do seu último álbum como Sonic Boom, Peter Kember (Spectrum, EAR, ex-Spacemen 3) está de volta às longas durações com este projeto. All Things Being Equal foi gravado no nosso país em Sintra, onde o artista inglês reside há alguns anos com a sua mulher, equilibrando as personalidades únicas do exército de tecnologia de Pete com a sua voz (muito mais alta na mistura do que qualquer uma das suas recentes edições).

Este segundo álbum como Sonic Boom, e o primeiro do artista a ser editado pela Carpark, teve origens em 2015 como jams electrónicas. Os esboços originais de padrões eletrónicos, sequenciados a partir de sintetizadores modulares, eram tão apelativos que Tim Gane (Stereolab) encorajou Kember a lançá-los instrumentalmente. Mas Pete sentiu que as vibrações nesses esboços eram tão fortes que dedicou-se a eles de uma maneira mais profunda, acrescentando vozes inspiradas por Sam Cooke e Everly Brothers, bem como segmentos especulativos e sinistros de palavras faladas.

A sua nova casa, os parques e jardins de Sintra proporcionaram um contexto visual diferente para as observações atenciosas de Kember, que incorporou tematicamente o sol, a natureza e protestos globais nas dez faixas resultantes. Em baixo podem ver o vídeo de ‘Just Imagine’, o primeiro avanço de All Things Being Equal.



Este álbum irá ser editado no dia 5 de junho em formato vinil e digital via Carpark
Podem fazer pre-order do disco aqui.



All Things Being Equal Tracklist:


1. Just Imagine
2. Just a Little Piece of Me
3. Things Like This (A Little Bit Deeper)
4. Spinning Coins and Wishing On Clovers
5. My Echo, My Shadow and Me 
6. On a Summer's Day 
7. The Way That You Live 
8. Tawkin Tekno 
9. I Can See Light Bend 
10. I Feel a Change Coming On

+

David Bruno é a primeira confirmação do Party Sleep Repeat 2020


David Bruno quebra o silêncio do festival solidário sanjoanense, Party Sleep Repeat, que acontece no dia 2 de maio e até agora não desvendara quaisquer confirmações. O artista de Vila Nova de Gaia regressa ao festival sanjoanense, depois de levar o público ao rubro em 2019 com o seu Conjunto Corona. Este ano, David Bruno traz consigo o seu segundo e mais recente álbum a solo, Miramar Confidencial, lançado no final do ano passado.

Tal como nas edições anteriores, as receitas da bilheteira revertem para causas sociais. Os bilhetes custam 10 € e estão à venda online. Estes bilhetes estão limitados ao stock existente e, esgotando o número designado a esta primeira fase, passa a vigorar o valor da segunda fase, 15 €. Os bilhetes podem também ser adquiridos no dia do evento, no próprio local, a um custo de 20 € e caso não se esgotem até à data.

O festival de homenagem a Luís Fernandes Lima é organizado pela ACLL, com a parceria da Câmara Municipal e Junta de Freguesia de S. João da Madeira e da Associação de Jovens Ecos Urbanos. Ao longo das sete edições do evento, o Party Sleep Repeat já permitiu doar para projetos de apoio social e investigação contra o cancro mais de 35.000 euros.

+

A Figueira da Foz tem novo festival: Conheçam o À Margem


O Festival À Margem é a nova criação da D.R.A.C. - Direito de Resposta Associação Cultural, a associação cultural criada em maio de 2008 com o fim de promover bandas locais e que, entretanto, se expandiu para o universo cultural de todo o país. Este ano o À Margem surge para dar um contributo positivo difundindo, não só a música, mas também outras expressões artísticas, numa agenda cultural diversificada num projeto que se assume "como uma plataforma de divulgação de artes e talentos locais e nacionais, juntando artistas e agentes culturais de todos os quadrantes na margem sul da cidade da Figueira da Foz, concretamente nas instalações da D.R.A.C. Pretende ser um movimento cultural, uma plataforma de exposição e um ponto de encontro no meio artístico português".

A primeira edição do À Margem decorre a 27 e 28 de março, na D.R.A.C., e inclui uma programação a contemplar exposições, projeções de curtas-metragens, performances, tattoo shows, um mercado - com artesanato urbano e feira de discos - e ainda workshops de fotografia, escrita criativa, guitarra e macramê. A organização inclui ainda a atividade "Palco Aberto" que será um espaço aberto à comunidade para expor o seu talento (stand up, música, teatro, poesia, etc.). No cardápio cultural encontra-se ainda em grande destaque a programação musical. Para promover a troca de experiências e conhecimentos serão convidados alguns artistas nacionais já consagrados na área musical, com o objetivo de aumentar a qualidade do evento.

Assim, na sexta-feira, 27 de março, sobrem a palco Dr. Seigan e Maogon para aquecer o ambiente que se espera fervoroso no sábado, 28 de março, com a nova atração da eletrónica negra, Misfit Trauma Queen a prometer uma live session arrojada. No mesmo dia sobrem também a palco Holy Nothing, Cows Caos, The Pyro Ladies, numa noite (e festival) que têm término ao som dos DJ sets DJ Coração e Jetro Tuga DJ Set.


Todas as informações relativas ao Festival À Margem evento podem ser encontradas aqui. Para estarem à margem das notícias do festival é ir ficando atento aqui.

+