sábado, 28 de novembro de 2020

STREAM: Auspicious Family & Laure Boer - Wayward Symmetry

Auspicious Family juntou-se à artista francesa Laure Boer para uma edição colaborativa, o split EP intitulado Wayward Symmetry, o qual foi composto durante a residência artística de Boer em Manila, Filipinas, cidade onde vive Auspicious Family

Mesclando sonoridades provienentes do dark ambient, noise, industrial e krautrock, Wayward Symmetry percorre atmosferas e texturas experimentais, funcionando como ponto de encontro entre os estilos musicais de ambos os artistas. 

A residência artística de dois meses de Boer em Manila, apoiada pelo Goethe-Institut, CTM Festival e Musicboard Berlin, foi projetada para criar um diálogo entre o seu próprio trabalho e a arte sonora das Filipinas. A compositora atuou em diversos clubes e festivais com produtores locais, incluindo Auspicious Family. O duo juntou-se para o concerto de encerramento do Festival WSK, que se realizou em Manila a 27 de outubro de 2019, no Rajah Sulayman Theatre.

O EP reúne uma faixa original de cada artista, uma faixa colaborativa entre os dois e uma gravação ao vivo da performance que fizeram juntos. Embora Boer tenha retornado à sua casa adotiva em Berlim, os dois artistas continuam a colaborar de longe. Wayward Symmetry foi editado em formato digital e casette na passada quinta-feira, 26 de novembro, com o selo da Chinabot, editora que conta com Auspicious Family no seu catálogo, e pode ser ouvido em baixo. 

Chinabot é uma plataforma e coletivo criado em 2017 com o objetivo de mudar o diálogo em torno da música asiática.

+

sexta-feira, 27 de novembro de 2020

Kel Assouf encerra segundo ciclo de músicas do mundo Terra em Guimarães




O segundo ciclo de músicas do mundo Terra encerra esta sexta-feira, dia 28 de novembro, com a atuação da banda Kel Assouf, do nigeriano Anana Harouna. O guitarrista, que chegou a tocar com os tuaregues Tinariwen, irá apresentar o seu mais recente álbum, Black Tenere, na companhia do teclista Sofyann Ben Youssef (Ammar 808) e do baterista Olivier Penu.

Kel Assouf, que significa "nostalgia" e "filho da eternidade" em Tamashek, a língua dos nómadas do Saara, é uma banda criada por Anana Harouna em 2006, quando se estabeleceu na Bélgica – depois de um longo exílio na Líbia após ter deixado o Níger, onde nasceu, durante a rebelião tuaregue do início dos anos 1990.  

Harouna, que chegou a tocar com os Tinariwen, banda fundamental do rock do deserto, recria a tradição das guitarras tuaregues a partir da Bélgica, onde tem explorado vários estilos e fórmulas, reunindo músicos de países africanos e europeus. Gravou já três álbuns, que vão da tradição ao rock puro e duro. O mais recente, Black Tenere, saiu em 2019 e é o mote para o concerto no Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG), agendado para esta sexta-feira às 19h30.

Os ingressos, com o valor de 10 euros ou 7,5 euros com desconto, ainda podem ser adquiridos online em www.aoficina.pt ou nas bilheteiras da cooperativa A Oficina, bem como nas lojas Fnac, Worten e El Corte Inglés.  


+

Pedro Mafama anuncia álbum de estreia, Por Este Rio Abaixo

©Fernando Marques


A estreia de Pedro Mafama em longa-duração chega no primeiro semestre de 2021. "Por Este Rio Abaixo" é uma homenagem ao histórico Por Este Rio Acima, de Fausto Bordalo Dias, e o seu primeiro single deverá ser conhecido no início do ano.  

"Ao som de vozes afadistadas em auto-tune, coros digitais, guitarras sintéticas com bombos e baixos que fazem tremer os vidros das casas antigas da Graça, Mouraria e Alfama”, explica Mafama, “somos arrastados ‘Rio Abaixo’ e não ‘Acima’”, acrescentando que a sua “viagem sonora ruma sobretudo para Sul, reconstruindo as pontes que ligam a nossa música à dos nossos parentes afastados Árabes, e ao legado Africano que se sente nas nossas cidades e que em tantos momentos da história já contagiou a nossa tradição musical".  

Por Este Rio Abaixo sucede o díptico de EPs Má Fama (2017) e Tanto Sal (2018), assim como uma série de singles esporádicos que inclui os mais recentes “Arder Contigo”, “Lacrau” e “Não Saio”, cujo vídeo podem encontrar em baixo. 

+

STREAM: Ece Canlı - Vox Flora, Vox Fauna

STREAM: Ece Canlı - Vox Flora, Vox Fauna

Saiu hoje Vox Flora, Vox Fauna,  disco que nos traz a estreia da vocalista e compositora Ece Canlı, pelo selo Lovers & Lollypops.

Esta estreia a solo de Ece Canlı é uma série de paisagens sonoras assomadas por técnicas vocais estendidas, poesia extralinguística e outros instrumentos sonoros. Combinando uma multiplicidade de estilos desde trenodias antigas a música experimental improvisada com uma narrativa singular, o álbum evoca e cristaliza a incorporação do humano-animal-natureza, como uma mediação entre o terrestre e o celestial. A plasticidade da voz humana, enriquecida pelo artifício de vários registos, pulsações, ressonâncias e dissonâncias, comemora as nossas origens bestiais e vegetais para uma metamorfose psíquica de religação.

Ece Canlı não nasceu no Porto, mas é aqui que tem construído uma carreira como artista, música e investigadora, explorando, através da voz, os estados liminais de corpos agonizados e demonizados, a narratividade contrafactual, o "delinking" corporal e mental. É por cá que tem trazido novas dimensões extralinguísticas a projectos como os Nooito (duo com a harpista Angélica V. Salvi), os Live Low (banda portuense iniciada por Pedro Augusto) ou Cobra'Coral (trio vocal com Catarina Miranda e Clélia Colonna).

+

Bling Rodent - "No Driver" (video) [Threshold Premiere]

Bling Rodent - "No Driver" (video) [Threshold Premiere]


Camouflaged between a sweet dream wave and a curious dark-pop environment, Bling Rodent is starting a route that is expected to be smooth but prosperous. After making their debut this month, with Constant Smile EP, the Swedish group keeps creating a surrounding buzz and it is now releasing their first promotional video for "No Driver". 

In the new theme, the group easily arrest the listener for the sound catharsis it creates, when they transform the restful beginning into a vigorous and immense dimension of energy. Those rhythm breaks give not only a dynamic aura to their work, but also offer a more pleasant musical experience. Constant Smile may be their first effort and even though it presents itself as a work loaded with nostalgic and decadent tones, it is in the luminous beauty of pop music - strongly present in the vocal domain - that Bling Rodent manages to seduce the listener.

In the opening song of Constant Smile Bling Rodent goes lo-fi and explains those different sensations in the music - the contemplative vs the pragmatic part - with two different video shots. If the walking route and the contemplation of the surrounding space are valued initially, after the first minute the band brutally makes us incorporate the profile of a fearless driver. The two cuts are interposed according to those two dimensions, over time. The video for "No Driver" is being premiered this Friday (27th of November) and can be watched first-hand below.


Constant Smile was mixed and mastered by Ruben Engzell (Ossler, Christian Kjellvander, Iris Viljanen, EPs Trailerpark) and released on the 13th of November in digital format by the French label Icy Cold Records. You can get a free download here and here.

+

quinta-feira, 26 de novembro de 2020

Kerygma, de Verset Zero, leva-nos ao purgatório

Kerygma, de Verset Zero, leva-nos ao purgatório


Depois de edições em casas como a Clandestine Records, Subsist Records ou Intervision (para mencionar algumas), Verset Zero juntou-se ao catálogo da Instruments Of Discipline para colocar cá fora Kerygma, - um álbum concetual que facilmente pode ser tomado como um símbolo de caos distante, dogmas religiosos e violência pura. Puramente negro na essência, Kerygma é mais um álbum na chancela Verset Zero que nos prosta perante o âmago existencialista com uma produção de nível exemplar. Afastando-se dos métodos tradicionais em direção a um universo influenciado por diferentes correntes estéticas da música negra, Verset Zero apresenta em Kerygma o seu disco mais pessoal até à data, no que considera ser "a chave entre o seu passado e seu futuro".

O novo trabalho, que vem dar sucessão a Ultimum Offerens ‎(2018, Clan Destine Records) é composto por nove faixas densas que proporcionam um experiência sonora a refletir em suma o efeito destrutivo da pandemia, num caminho ritualístico ao purgatório. Desde a introdução psicologicamente densa presente em "Erraverunt" à mescla abrasiva de ruído amplificada em "Cineres", camuflam-nos os ouvidos temas como o emergente "Saul", com uma eletrónica bruta e cheia de personalidade, o maquinal "Armorum Fāber", o hipnotizante "Ultimus Processionis" e ainda o confessionário "Crucifixio". Num disco instrumentalmente rico, em Kerygma Verset Zero oferece-nos uma viagem imersiva que divaga entre a estética da música doom com tragos post-industrial, o techno embruxado pela música noise, e ainda, uma paragem naquilo que se pode interpretar como uma abordagem pagã de características post-metal.

Kerygma foi editado na passada terça-feira (24 de novembro) em formato CD, vinil e digital. Podem comprar a vossa cópia aqui.



+

STREAM: Conan Castro and The Moonshine Piñatas - Shrimp Waterfall

STREAM: Conan Castro and the Moonshine Piñatas - Shrimp Waterfall

Os Conan Castro and The Moonshine Piñatas lançam hoje o seu segundo álbum de estúdio, intitulado Shrimp Waterfall, através da editora Hey, Pachuco! Records. Depois dos avanços “L’arrampicata", “Mohawk Valley Formula” e, mais recentemente, “Nethervanilla”, este último lançado pela editora britânica Aldora Britain Records, é finalmente chegada a hora de ficarmos a conhecer o seu novo trabalho.

Munidos de um sentido de depravação divinal e dos padrões morais mais baixos disponíveis, estes cinco Castros preparam-se para libertar canções acerca da injustiça, do amor, mentiras, opressão, sexo, violência, magia negra, liberdade, frutos do mar, perseguições de carros e, é claro, problemas informáticos. Apertem o cinto, libertem os vossos sentidos e deixem-se transportar para um mundo de cores, ritmos, melodias e de ultraje multilinguístico.

O som garage-punk-rock maníaco-febril dos Conan Castro and The Moonshine Piñatas nasceu no final de 2014. Oriundos do Barreiro, um subúrbio de Lisboa, reúnem Leite Castro e Lixo Castro (guitarras), Licor Castro (baixo), Lindo Castro (bateria) e Lama Castro (voz). O nome destemido da banda foi retirado de uma mistura entre elementos mexicanos e norte-americanos para criar a impressão de estarem situados na fronteira entre ambos os países. 

Tendo tocado um pouco por todo o país desde o início da sua formação, os Conan Castro participaram nas edições de 2015 e de 2016 do Festival Barreiro Rocks. O seu álbum de estreia, Cataplana América, foi lançado em 2017 pela editora Hey! Pachuco Records, seguindo-se em 2018 um Split LP com os Planeta Quadrado por intermédio da Monotone/Groovie Records. Em 2019 partilharam o palco com bandas como The Parkinsons e Asimov e foram para estúdio gravar o seu segundo disco.

Ao darem corpo a um cenário tropical repleto de ritmos frenéticos e de riffs enérgicos, os Conan Castro sobem agora a parada neste seu novo Shrimp Waterfall, combinando a intensidade que lhes é característica com uma composição inteligente e fazendo assim nascer uma ousada e colorida parafernália musical, em celebração do puro espírito do rock’n’roll.

+

quarta-feira, 25 de novembro de 2020

FESTIVAL EMERGENTE com nova data: 3 de Dezembro!



Num ano que teima em alterar-nos a agenda, a edição 2020 do Festival Emergente irá realizar-se no dia 3 de dezembro, no Capitólio, entre as 16 e as 22 horas (e não no dia 29 de novembro, como inicialmente previsto).

A Transiberia Productions, organizadora e promotora deste evento, decidiu, em vez de o cancelar e fazendo “jus ao seu nome e à sua missão”, reinventar o Emergente e adaptá-lo a esta nova realidade. Assim, esta 2ª edição do Festival reveste-se de um formato presencial e em live streaming, num só dia, nesta nova localização e com carácter reforçado, apostando na exploração de outras possibilidades e no apoio aos jovens talentos nacionais.

O vencedor do Melhor Concerto Super Emergente (por votação conjunta do público e júri do Festival), atuará de novo na edição 2021 deste Festival e no Festival Rodellus. Será ainda eleito o melhor projecto musical, que gravará um álbum ou EP nos estúdios da Camaleão.

Num line-up final, espera ver-se e ouvir no palco do Capitólio 8 projetos: Lana Gasparøtti, Vila Martel (que substituem Cri The Coeur), Meta, Hause Plants e Dream People, aos quais se juntam Cíntia, Rui Rosa e Fugue.

Bilhetes presenciais (15 euros) estão disponíveis na Meoblueticket e bilhetes live streaming (6 euros) na Ticketline.

+

Théo Ceccaldi e Roberto Negro no 46.º Festival Internacional de Música de Espinho

Théo Ceccaldi e Roberto Negro no 46.º Festival Internacional de Música de Espinho

Montevago é o nome do projecto que o violinista e o pianista têm em comum. Este álbum, lançado em 2019, inspira-se no palácio homónimo situado numa colina da cidade de Palermo, em Itália. Esta sexta-feira, dia 27, os músicos apresentam-no no Auditório de Espinho | Academia, num dos concertos da programação do 46.º Festival Internacional de Música de Espinho. Inicialmente agendado para as 21h30, o horário do evento foi alterado por força das medidas em vigor, passando a ter início às 21h00.

A criatividade e o grande apuro técnico estão de mãos dadas em Montevago. Théo Ceccaldi e Roberto Negro, duas estrelas em ascensão no panorama do jazz europeu, partiram das danças sociais para a construção e transformação dessas tradições. Um duo que promete surpreender com as suas improvisações, a sua cumplicidade e irreverência. 

Os bilhetes para este concerto encontram-se à venda por 8 euros na bilheteira do Auditório de Espinho | Academia ou no site em www.musica-esp.pt.

+

Movie Club - "Black Flamingo" (video) [Threshold Premiere]

Movie Club - "Black Flamingo" (video) [Threshold Premiere]
© Jon Jackson


The American instrumental-rock outfit Movie Club is releasing its debut album this week. Titled Black Flamingo, the new LP is still being promoted and is anticipated today through a new music video for the title track "Black Flamingo", available down below. According to the press release, what led Movie Club to nominate their new album like this was not only the fact that the black flamingo is an almost mythical creature but also all the mystery and magic surrounding its existence. 

After giving birth to three EP's since their inception, in 2018, the drummer Jessamyn Violet and guitarist Vince Cuneo have honed their sound in a concise rock structure that develops through the flashes of instrumental beauty and some magic landscape incorporated. Now the duo is back with the full-length Black Flamingo that features special guests on several songs, including Foo Fighter's Rami Jaffee on keys, Jessy Greene (P!NK) on violin, and Tim Lefebvre (Davie Bowie's Blackstar) on bass. Packed with strong beats and searing riffs, the album shows us 13 songs that range from ballads to headbangers. The reason why they bet on an instrumental basis is explained by the drummer Violet, when she affirms that "There aren’t many niches left these days (...) We want to include everyone, and instrumental music breaks all boundaries".

"Black Flamingo" is the third single extracted from the new Movie Club material and succeeds "Rainshadow", which was released on October 2nd. The new theme is presented through a music video directed by Ran Pink, a magician, musician, and owner of Fonogenic studios, which gives a surrealistic aura to the final result. The director wanted to shoot with miniatures and play with perspective in order to reflect an amazing experimental trip, with magic tricks and masquerade costumes in between. You can watch the full thing below.


Black Flamingo was recorded and mixed in Los Angeles by Jeff Thompson, and mastered by Mike Tucci. The album is set to be released on November 27th on all streaming services and on vinyl format.


Black Flamingo Tracklist:

01. Phantasm 
02. Starcatcher 
03. Black Flamingo 
04. Broken Pier 
05. Thunder 
06. Sun Dragon 
07. Rainshadow 
08. Lazy Jacks 
09. Minehunter 
10. Bermuda Rainbow 
11. Torpedo 
12. Bioluminescence 
13. Devil's Sea

+

segunda-feira, 23 de novembro de 2020

YAKUZA apresentam-se com o álbum AILERON

YAKUZA apresentam-se com o álbum AILERON

YAKUZA é um trio lisboeta formado por Afonso Serro (teclista), André Santos (baixista) e Alexandre Moniz (baterista). A banda apresenta no seu álbum de estreia uma sonoridade nu jazz muito groovy e dançável. AILERON, editado no dia 9 de novembro, é composto por 6 faixas que não dão tempo para parar, repletas de ritmos estimulantes ocasionalmente acompanhados por solos que nos dão a volta à cabeça. 

O disco, gravado no HAUS, conta com a participação de vários convidados: Simão Lamas, Ricardo Jesus, Diogo Costa, Bruno Vieira e Pedro Ferreira, este último envolvido também como produtor. "TUNING" é o single de estreia e conta com um vídeo realizado e animado por João Figueiras, também conhecido como fig.gif.


AILERON pode ser ouvido e descarregado gratuitamente no Bandcamp da banda

+

Affet Robot regressa às edições com Fiyasko

Affet Robot estreia-se nas edições de estúdio com Fiyasko


Affet Robot está de regresso às edições de estúdio com Fiyasko, aquele que será o seu segundo disco longa-duração e chegará às prateleiras no próximo ano. Influenciado pelas correntes estéticas da darkwave e synth-pop, com algumas referências obscuras dos 80's em voga, o turco Eren Günsan estreou-se nas edições com Röntgen (2017), tendo consolidado o seu nome na cena europeia e americana em 2019, aquando o lançamento do EP Huzursuz Seyirler (2019, Audioban Records). Agora, Affet Robot regressa com Fiyasko, disco que traz oito novas faixas onde se inclui "Budala" o primeiro tema de antecipação do novo álbum, que se espera marcar os lançamentos do primeiro trimestre de 2021.

Fiyasko é um disco repleto em sintetizadores analógicos, baterias eletrónicas e vocais reverberados em refrões e letras melancólicas, que procuram criar uma perspetiva musical única e amplamente estimulante. A verdade é que o primeiro tema de avanço, "Budala" reflete na perfeição a estética de pista de dança que Affet Robot transpõe no seu trabalho: um som dinâmico, melancólico e poderoso. A ideia principal da música é descrever os disparates que todos podemos sentir nas nossas relações humanas, com foco na sensação de confronto com a realidade, deceção e raiva de si mesmo. Além do lado auditivo em constante impulso, o produtor turco aposta em força numa vertente visual que no novo "Budala" é apresentada no novo vídeo - disponível abaixo - com direção de Gökay Çatak e Mert Şen.


Fiyasko tem data de lançamento prevista para 29 de janeiro em formato digital. Podem fazer a pre-order do disco aqui.


Fiyasko Tracklist:

01. Eskisi Gibi Olmayacak 
02. Budala 
03. Her Şey İstediğin Gibi 
04. Kargaşa 
05. Tutsak 
06. Saplantıların Kölesiyim 
07. Çelişki 
08. Terminal

+

Panther Modern é uma máquina de produção

Panther Modern é uma máquina de produção


Parar é morrer e Panther Modern sabe-o tão bem que, em pleno ano de pandemia, decidiu pôr mãos à obra e continua bruto no lançamento de material novo. A esculpir um futuro promissor nas novas tendências estéticas da eletrónica - com foco na introdução da inteligência artificial nos design e identidade do projeto - Brady Keehn volta a colocar em perspetiva toda a sua presença e abordagem no meio. Apesar de se ter estreado em 2019 com o EP Los Angeles 2020 e o hit "Ask Yourself", é neste 2020 que Panther Modern se afirma no meio como uma das grandes revelações do novo cenário musical, mostrando que os beats prepotentes e aditivos são o grande foco no seu trabalho e, que, as pistas de dança se encontram cada vez mais sedentas para o receberem, numa performance que a cada mês se espera mais promissora.

Estávamos, portanto, em junho, quando nos chegou ao radar "The Ups, The Downs" - uma grande surpresa na alçada Panther Modern, ao tratar-se do único tema do produtor nos campos da música ambient - e, então, desde setembro com a iminente "Ready" que o artista norte-americano tem mantido edições constantes. Caso disso chegou-nos em outubro através da máquina de ritmo "A.T. D. G." e, agora, com novembro posto, através do 7'' single "Kick It Out" - um comprimido minimal de techno suave - que, além do tema original é editado juntamente com uma versão remix, mais delicada nos ritmos e com assinatura de Pachyman. O novo tema é apresentado através de um vídeo filmado por Georgia Mitropoulos e Cameron Michel, que pode agora ser visualizado abaixo.


Kick It Out foi editado esta sexta-feira (20 de novembro) em formato digital e self-released. Podem comprar a vossa cópia aqui e reproduzir o tema e remix na íntegra abaixo.

+

Sundl modela techno surrealista no disco de estreia

Sundl modela techno surrealista no disco de estreia


O produtor Christian Sundl estreia-se este ano nas edições longa-duração com SUNDL, disco de oito temas com foco numa produção eletrónica que engloba desde o que cunha de "goth house", ao dub renascido e à incrível techno surrealista que transcende a dimensão de espaço. Numa viagem hipnótica ao ritmo das caixas de ritmo de estética noir, Sundl conduz o ouvinte a um estado profundo de imersão ao qual é quase impossível despegar desde o clique no play. Conhecido como o Max Schreck da vida noturna vienense (além de membro de Lady Lynch) Sundl prepara-se agora para dar a conhecer ao mundo o que tem vindo a preparar nos últimos tempos, num disco vigoroso a chegar às prateleiras no próximo mês.

Equipado com máquinas de ritmo, samplers e uma mão cheia de colaboradores - onde se incluem, entre outros, Lina Gärtner, Terz Nervosa e The Damski - no disco de estreia homónimo, Sundl presta homenagem a um século de cultura pop e prova que o "tempo" não é parâmetro no reino das sombras. Em forma de antecipação do novo disco o produtor austríaco avança agora com a primeira extração do novo disco "Volumes", que segue acompanhado por um trabalho audiovisual, disponível abaixo.


SUNDL tem data de lançamento prevista para 5 de dezembro em formato digital e cassete numa co-edição entre os selos CUT SURFACE e WSMTML (Wilhelm Show Me The Major Label). Podem fazer a pre-oder do disco aqui.

SUNDL Tracklist:

01. Sundl 's dead ft. Lina Gärtner 
02. Volumes 
03. Ouroboros 
04. Band of Gold ft. Terz Nervosa 
05. Beatbox ft. The Damski 
06. Fly, fly 
07. Plate / Cup 
08. sh101

+

Isolamento Acidental: uma compilação documental ao confinamento português

Isolamento Acidental: uma compilação documental ao confinamento português


Isolamento Acidental é o nome que intitula a última compilação da editora ANTI-DEMOS-CRACIA que surgiu nas plataformas o mês passado para retratar o período de confinamento e crise sentida no setor da música nacional. A editora dirigiu o convite a quinze artistas nacionais - fortemente enraizados nas entranhas do panorama underground - para comporem uma música que criasse uma relação com o período de confinamento ou isolamento pelo qual os artistas passaram. O resultado é uma espécie de compilação documental que funciona ainda como plataforma de divulgação de novos artistas portugueses.

Em Isolamento Acidental podemos encontrar grandes nomes de relevo no panorama nacional como é o caso de Morte Psíquica - que inaugura a compilação -, The Dreams Never End ou Lux Yuri, passando ainda por nomes históricos como Erros Alternados ou Ode Filípica que aqui nos apresentam uma incrível malha eletrónica experimental, "Libera Nos A Malo", ao lado de Izalah. Na compilação estão ainda incluídas algumas novidades como é o caso do projeto Terminal Terminal (assinado pelo músico mARCIANO) que faz a sua estreia aqui com o tema "Isso Lamento". Em destaque menção ainda para "Quero Estar Contigo On-Line" original de de Mind Reset, com toda uma aura clássica de vanguarda, o experimento vanguardista "China" assinado por D#K e ainda a aura dark atmospheric de "Welcome To The New Normal", o tema de Teatro Grotesco que encerra o disco.

Isolamento Acidental foi editado oficialmente a 16 de outubro em formato CD e digital pelo selo ANTI-DEMOS-CRACIA e pode reproduzir-se na íntegra abaixo. Podem comprar a vossa cópia física aqui.


+