quarta-feira, 31 de março de 2021

My Bloody Valentine assinam pela Domino, disponibilizam catálogo nas plataformas streaming


Os My Bloody Valentine assinaram pela Domino, que disponibiliza a partir de hoje todo o catálogo da influente banda de shoegaze (entre 1988 e 2013) nas principais plataformas de streaming. 

Os seminais álbuns de estreia do grupo – Isn't Anything (1988) e o definitivo Loveless (1991) – foram totalmente remasterizados a partir das fitas originais e vão receber novo tratamento de luxo, com edição em vinil a sair no próximo dia 21 de maio. m b v (2013),  o terceiro e último álbum dos irlandeses até à data, também estará disponível, pela primeira vez, em vinil (standard e de luxo). Também incluído neste plano de reedições está a compilação ep’s 1988-1991 and rare tracks, que inclui You Made Me Realise, Feed Me With Your Kiss, Glider Tremolo, e que voltará a circular no mercado em formato CD.

A Domino está a disponibilizar ainda uma série de vídeos restaurados, publicados ao longo do dia, no seu canal de Youtube.  O vídeo que acompanha "Soon", um dos singles retirados de Loveless, já pode ser conferido em baixo.

Em entrevista concedida ao New York Times esta quarta-feira, Kevin Shields revelou também que o grupo tem dois álbuns planeados para os próximos tempos – um mais "caloroso e melódico", outro mais experimental. Bilinda Butcher acrescenta ainda que a finalização das gravações deverá estar pronta ainda no fim deste ano.

Os My Bloody Valentine são um dos pilares fundacionais do movimento shoegaze que assolou o rock britânico do início da década de 1990. Formado em 1983, em Dublin, o grupo só viria a conhecer o alinhamento clássico em 1987, quando Bilinda Butcher se juntou ao grupo de Kevin ShieldsDebbie Googe e  Colm O'Ciosoig. A banda assinou pela Creation Records em 1988, por onde lançou os seus dois primeiros LPs – Isn't Anything e o sucessor Loveless (o último considerado um dos pináculos da música shoegaze e um dos melhores da década de 90). 

O grupo chegou ao fim pouco tempo depois do lançamento do segundo, derivado aos elevados custos envolvidos na sua produção (e que quase levaram a Creation à falência). A banda voltou a reúnir-se em 2007 e, seis anos depois, em 2013, regressou com um muito aguardado terceiro álbum: m b v recebeu aclamação geral por parte da crítica especializada e foi apresentado ao vivo na segunda edição do então Optimus Primavera Sound, no Porto nesse mesmo ano.


0 comentários:

Publicar um comentário