sábado, 10 de abril de 2021

Senhor Jorge retratam EP de estreia, faixa-a-faixa


Foi no ano de 2018 que a Igreja da Misericórdia de Viseu serviu de palco e juntou alguns artistas conceituados do panorama nacional, como Rui Sousa (Dada Garbeck), João Pedro Silva (The Lemon Lovers) e Gonçalo Alegre (Galo Cant’às Duas), à voz vivida e emocionante de Jorge Novo, sacristão, fadista por paixão e ex-lapidador de diamantes. 

Foi desse encontro inesperado e feliz, foi dessa surpresa e dos afetos que ela desencadeou, que nasceu o EP sr. jorge, exercício generoso de troca e de diálogo criativo entre universos artísticos que, frequentemente, estão condenados a viverem separados.

O EP dos Senhor Jorge foi hoje editado e, em conversa com o grupo, tivemos a oportunidade de conhecer cada uma das cinco faixas que o constituem. 


 1- “Palhaço”: Letra de Filomena Gigante

Se o ser Humano é um ser social como justificamos o abandono e a solidão? Esta música procura uma justificação, varrendo as mágoas de uma velhice frustrada pelo desprezo. 

As conquistas de uma vida de sucesso podem ser efémeras e desconsideradas. Nesse caso o sentimento que permanece é a desilusão e a vontade de varrer os resquícios de uma vida malograda.


2- “Cobertor”: Letra de João Pedro Silva

A perceção de uma traição pode por si ser desleal e induzir em erro. O Cobertor expressa essa angústia da incerteza e da elevação de um sentimento nobre superior à inquietação da traição, o amor.   

Quando esse amor é profundo, para conforto, pode conter a vontade de repreender. Que muitos procurem esse conforto neste cobertor. 


3- “Tempo”: Letra de João Oliva

Apesar de misterioso, o tempo é destruidor, as histórias que julgamos eternas são efémeras, as alegrias, as tristezas, os tempos vividos que já não são de ninguém, é um fado pesado viver num tempo que já não é nosso. 

A única verdade sobre o tempo é que, seja no passado ou no presente, deve sempre ser um tempo de amor. 


4- “Lembro-me de ti”: Letra de Maria João da Trindade Gomes

A morte de tão concreta e radical deixa em todos nós marcas indubitáveis. Esta música é um memorial em nome de Armando Gomes Novo, pai do Jorge Novo, vocalista que dá nome a este projeto, e em memória dos falecidos amigos que o apresentaram ao fado.

A necessidade de uma despedida justa e digna em forma de música é mais do que um luto, é a esperança de eternizar memórias que são o sustento de alguma felicidade.


5- “A noite”: Letra de João Pedro Silva

Esta música retrata os devaneios delirantes de uma alma boémia, que admite não ter cura, que transborda verdade e fantasia, enquanto se afoga de formas sestras, inveja os que não conhecem a decadência viciante e turva da noite.

0 comentários:

Publicar um comentário