sábado, 17 de abril de 2021

Life in Warp: A lake by the mõõn lança álbum de estreia



Life in Warp é o álbum de estreia do produtor português A lake by the mõõn, lançado este sábado de forma independente.

Segundo notas de lançamento, todos os sons presentes em Life in Warp foram criados a partir de sons proferidos por seres vivos que estão (ou já estiveram) em perigo de extinção desde o início do Antropoceno. Estes sons foram posteriormente submetidos a manipulações digitais de modo a transformarem-se em novos elementos musicais, retirando-os dos seus ecossistemas em colapso para um novo mundo de eletrónicas orgânicas – uma nova forma de conservação através do meio digital. 

A finalizar a descrição, uma nota importante: "Estamos perante a maior crise que a humanidade alguma vez encarou. Existem mais de 1 milhão de espécies em vias de extinção. Desde 1970 a Terra perdeu 60% da sua vida animal selvagem. Estamos a viver a 6ª extinção em massa. Precisamos urgentemente de parar, ouvir, imaginar e agir. Temos tudo a perder, por isso vamos lutar com tudo o que temos. O relógio está a contar.".

Life in Warp encontra-se disponível para escuta e download digital no Bandcamp.

+

sexta-feira, 16 de abril de 2021

Associação OUT.RA reagenda últimas apresentações públicas dos bolseiros 2020

@ Vera Marmelo

OUT.RA - Associação Cultural anunciou as próximas duas programações a ter lugar no Barreiro nas próximas semanas. O terceiro e último momento público do projeto ZIMA no Convento da Madre de Deus da Verderena, no dia 24 de abril, e a projeção do filme "Solo Infértil", de Camila Vale, a 13 de maio, encerram simbolicamente o ano de 2020 com as últimas apresentações públicas dos Bolseiros OUT.RA.

ZIMA é o projeto de Sara Zita Correia e Marta Ramos. Sobre o espetáculo que irão apresentar no Convento da Madre de Deus da Verderena, "Sonho de Zima", a dupla explica: "Trocando a véspera de solstício, pela véspera de liberdade, abrimos os portões de um novo lugar, para a partilha de mais uma experiência de vida. Interessa-nos, desta vez, perseguir um momento que reforce a simplicidade da existência e exponha a inevitável crueza do encontro das vozes em bruto com as paredes". A performance, altamente exploratória, assinala o último momento público do projeto no contexto da Bolsa de Criação da OUT.RA. 

"Solo Infértil" é o filme que Camila Vale realizou ao longo de 2020, com o envolvimento de vários protagonistas locais no mundo do som e imagem. O filme retrata a história de dois irmãos pelas  "inexplicáveis cores da terra, e pelos segredos que o passado esconde", levando-os a criar no espaço onde habitam "uma harmonia para a sua dissonante realidade". A projeção do filme acontece no AMAC (Auditório Municipal Augusto Cabrita) pelas 21h.

A entrada para ambos os eventos é gratuita, sendo no entanto necessária uma reserva prévia para o mail info@outra.pt.


+

Soft Cell detalham primeiro álbum em quase 20 anos


Os britânicos Soft Cell confirmaram que se encontram a trabalhar num novo álbum, o primeiro desde Cruelty Without Beauty, de 2002. O álbum, que ainda não possui título ou data de lançamento definidos, deverá estar pronto no próximo ano. 

Em declarações ao Daily Star, o multi-instrumentista Dave Ball explica que o duo ainda não se atreveu a escrever uma segunda "Tainted Love", o famoso single que levou os autores de Non-Stop Erotic Cabaret ao estrelato em 1981, mas deixa algumas pistas para o que aí vem: "seria inapropriado que dois homens de 60 e poucos anos tentassem escrever temas pop saltitantes. Isso não significa que nos tenhámos tornado miseráveis, mas também não é música pesada e industrial. Diria que as canções estão a soar bastante minimais, melódicas e carregadas de graves".

Dave Ball e Marc Almond formaram os Soft Cell em 1977 quando estes se encontravam ainda a estudar no Leeds Polytechnic (o orientador de Almond era Frank Tovey, conhecido por desempenhar funções enquanto vocalista dos Fad Gadget). A banda alcançou rápido sucesso com o afamado single "Tainted Love", que atingiu a cobiçada primeira posição das tabelas britânicas, e chocou o mundo com o visionário e altamente subversivo imaginário das suas canções e vídeos, que tocavam em pontos como a fluidez sexual e as práticas BDSM (o ínfame vídeo para "Sex Dwarf" encontra-se, ainda hoje, banido e ausente da esfera online). Editaram cinco álbuns de estúdio – Non-Stop Erotic Cabaret (1981), Non Stop Ecstatic Dancing (1982), The Art of Falling Apart (1983), This Last Night in Sodom (1984) e o mais recente Cruelty Without Beauty (2002), que recebeu uma compreesiva reedição em 2020.

O último trabalho dos Soft Cell, o single “Northern Lights”, chegou em 2018, ano em que a dupla deu aquele que foi anunciado como o seu último concerto sempre na O2 Arena, em Londres. 


+

quinta-feira, 15 de abril de 2021

Os Glaare estão "For Sale"

Os Glaare estão "For Sale"


Está cada vez mais próxima a data de lançamento de Your Hellbound Heart, o segundo disco de estúdio dos norte americanos Glaare. O projeto liderado por Brandon e Rachael Pierce lança no último dia do mês o sucessor de To Deaf And Day (2017, Weyrd Son Records) e para acalmar os dias que antecipam o marco a banda lança agora de surpresa o quarto tema da peça completa, "For Sale". O tema, que já circula pela internet há cerca de três anos - quando o apresentaram no formato demo em exclusivo para o Jam In The Van - vê-se agora esculpido na sua versão final, com o toque aprimorado dos novos membros Marisa Prietto e Rex Elle. No tema que desafia o tempo e o espaço - entre sonoridades contemporâneas com toques da onda obscura dos anos 80 - "For Sale" é potencialmente o hit do novo longa duração da banda: viciante, obscuro, estimulante e brutalmente envolvente.

Em Your Hellbound Heart os Glaare "a personificação do prazer concedido a alguém após um período de extrema tortura" é afirmada como o conceito de um disco que varia entre malhas de sons mais calmas e ondas sonoras profundamente estimulantes como se vive neste novo "For Sale". Se em To Deaf and Day os Glaare retratavam a sensação do partir do coração, neste Your Hellbound Heart criam a sua interpretação da quebra da mente num disco que tem tudo para se ambientar em território europeu.

Your Hellbound Heart tem data de lançamento prevista para 30 de abril em formato vinil, CD e digital pelo selo Weyrd Son Records. Podem fazer a pre-order do disco aqui.


+

JE T'AIME antecipam novo LP com "Another Day in Hell"

JE T'AIME antecipam novo LP com "Another Day in Hell"


Os franceses JE T'AIME estão de volta à ribalta com novo single, "Another Day In Hell", tema inédito que antecipa o lançamento do novo álbum de originais com lançamento previsto para o próximo outono. Depois de terem colocado cá fora JE T'AIME Live at Gibus como encerramento da primeira etapa de carreira, o trio aposta agora numa nova vertente sonora. Mais melancólica que outrora, a energia contagiante dos temas que incorporaram o disco de estreia camufla-se agora por entre guitarras ora melodiosas ora quebradas, linhas de baixo prepotentes e uma bateria tépida numa canção de ritmos desacelerados. 

"Another Day In Hell" foi lançada esta terça-feira (13 de abril) juntamente com um trabalho audiovisual que junta os três membros da banda - em planos separados - para retratar uma realidade tão comum nos dias que correm: estradas despidas de movimento e o vazio traseunte que acompanha as carreiras na indústria da música. Esse vazio reflete-se no resultado final de "Another Day In Hell" que aposta num percurso mais badalado, já anteriormente abordado no disco de estreia em temas como "Hide & Seek" ou, "Watch Out"  mas aqui com os sintetizadores fora de foco e uma certa alienação à mistura.

O sucessor de Je T'Aime (2019, Manic Depression, Icy Cold Records) deverá chegar às prateleiras em outubro. O vídeo para "Another Day In Hell" pode visualizar-se abaixo.


+

Mão Morta, Lena d'Água e Ricardo Toscano para ver no Auditório de Espinho até junho

© Vera Marmelo



O Auditório de Espinho anunciou o programa para os meses de maio e junho. Com programação suspensa desde dezembro, a sala de espetáculos retoma atividade com concertos de Mão Morta, Lena d'Água e o revisitar de um clássico de John Coltrane.

O programa arranca a 7 de maio com um espetáculo da Orquestra Clássica de Espinho com o barítono André Baleiro, que apresentarão As Canções de um Viandante, uma história sobre um amor não correspondido escrita e composta por Gustav Mahler.    

O fim de semana seguinte é dedicado ao jazz: na sexta-feira, a 14 de maio, a Orquestra de Jazz de Espinho recebe o pianista Abe Rábade e no sábado, a 15, Ricardo Toscano apresenta-se em quarteto juntamente com João Pedro Coelho, Romeu Tristão e João Pereira para homenagear a obra A Love Supreme, de John Coltrane.    

Uma das grandes novidades para esta temporada será a apresentação do filme-concerto "A Casa na Praça Trubnaia", musicada pelos bracarenses Mão Morta em formato "redux": Adolfo Luxúria Canibal, Miguel Pedro e António Rafael regressam ao palco do Auditório no dia 21 de maio.    

A fechar o mês de maio, a 28, os jovens solistas da Escola Profissional de Música de Espinho apresentam-se em palco com a Orquestra Clássica de Espinho

Já em junho, nos dias 4 e 5, Lena d'Água junta-se ao Projeto Benjamim, que envolve cerca de 50 alunos da Escola Profissional de música de Espinho, para recriar algumas das canções que marcaram o percurso da cantora em duas datas. No dia seguinte, a 6, o baterista Mário Costa convida o trompetista Cuong Vu, parceiro de aventuras de David Bowie e Laurie Anderson, o contrabaixista Benoît Delbecq e o pianista Bruno Chevillon para um espetáculo em regime matiné.

O calendário completo pode ser consultado em www.musica-esp.pt.



+

STREAM: Vasco Completo - Wormhole


Foi editado esta quinta-feira Wormhole, o álbum de estreia de Vasco Completo, pela Monster Jinx.

Pessoal e transmissível. Não há nada no Vasco Completo que não seja intenção de se expressar de uma forma que se aproxime o máximo daquilo que realmente sente. Para alguns artistas, isso é uma missão para a vida inteira; no caso do Vasco, essa é a única maneira de se fazer música: a visão parte sempre de um ângulo ultra-pessoal, exclusivamente seu, onde cada elemento se interliga para criar uma impressão digital que não dá para copiar.

Wormhole, o seu álbum de estreia, é a contemplação dessa complexa arquitectura emocional que faz dele a pessoa e o músico que é. Isto é electrónica que deve tanto a Burial ou Jon Hopkins como a Bonobo ou Croatian Amor, camadas de retalhos de sintetizadores, guitarras, drums e samples vocais que não se sobrecarregam; é mais uma questão de envolvência e de harmonia. E, por isso mesmo, nada parece estar a mais mesmo quando o caos chega a primeiro plano. “Everything in its right place”, como cantava Thom Yorke.

A sequenciação das faixas entrelaça as noções do tempo [“Forever”, “Déjà-Vu (Interlude)” e “35mm”], do espaço [“Purple Garden”], do espaço-tempo [“Wormhole”] e do espírito [“Lullaby for the Inebriate” e “Trauma”], brincando com a própria ideia de onde é que deve estar o quê. Devemos ouvir tudo seguido? Existirá uma ordem diferente? Ou não existe uma ordem sequer? Será que só fará sentido ouvir este disco a bordo de uma nave espacial? Perguntas que trarão certamente ainda mais questões para a mesa. As respostas ficam para a ciência; isto aqui é poesia.

Para grandes emoções, um conceito gigantesco e, até agora, meramente especulativo (ao contrário da carga emocional que estes sete temas carregam). Não houve atalhos para Vasco Completo chegar aqui desta forma, nem haverá caminhos curtos para se ouvir Wormhole: tudo o que está lá dentro importa; e é da matéria instrumental mais profundamente tocante que lhe saiu do pêlo. Nesta ou noutra dimensão qualquer.

+

quarta-feira, 14 de abril de 2021

Spellling antecipa novo álbum com “Little Deer”



A cantora-compositora americana Chrystia Cabral, que responde pelo nome artístico Spellling, anunciou o lançamento do seu terceiro e aguardado álbum. The Turning Wheel volta a receber o selo da Sacred Bones e está agendado para sair no próximo dia 25 de junho. O seu primeiro avanço, “Little Deer”, já se encontra disponível nas várias plataformas digitais.  

Produzido e orquestrado por Cabral, The Turning Wheel apresenta um conjunto de 31 músicos e colaboradores num ambicioso álbum dividido em duas partes – uma mais calorosa e sonhadora, outra mais fria e informada por tons góticos. O álbum incorpora uma vasta gama de sons e instrumentos acústicos e expande o trabalho da artista para além do seu plano mais eletrónico.  

The Turning Wheel sucede o aclamado Mazy Fly, de 2019, e encontra-se disponível para compra antecipada no Bandcamp, em CD, vinil e digital. O álbum conta com produção adicional de Drew Vandenberg e masterização de Adrian Morgan.


+

Novo álbum de Jasmim é editado no final do mês


No próximo dia 23 de abril é editado o próximo disco de Jasmim, de nome Acordado ou a Sonhar. No passado dia 12 de março foi lançado em todas as plataformas digitais "Tudo/Nada", o segundo tema de avanço para o este novo disco. Um tema sobre a capacidade de encontrar beleza nas pequenas coisas do dia a dia, velada homenagem a Walt Whitman, um dos poetas favoritos do autor. 

Artesão de canções, Jasmim tornou-se num caso sério do panorama musical português contemporâneo após os surpreendentes Primavera (2016) e Oitavo Mar (2017), onde se vinculava, inequivocamente, à lírica bucólica. Com Culto da Brisa (2019), disco de plena contemplação e invariáveis arranjos ancestrais, deixou rastro das inúmeras influências que circulam pela sua música, do psicadelismo, à folk americana ou à música popular portuguesa. Solidificou-se aí, como multi-instrumentalista e letrista deixando claro que, a sua música, é espaço aberto para a liberdade.

+

terça-feira, 13 de abril de 2021

Violoncelista guatemalense Mabe Fratti explora novos métodos de comunicação em novo álbum



A música e compositora guatemalense Mabe Fratti anunciou o lançamento do seu terceiro álbum. Será que ahora podremos entendernos? está agendado para sair no próximo dia 25 de junho pela britânica Unheard of Hope e o seu primeiro avanço, que conta com a particpação da artista americana Claire Rousay, já se encontra disponível: "Hacia El Vacío" estreou esta terça-feira e vem acompanhado de um novo vídeo, que poderão conferir desde já em baixo.

Será que ahora podremos entendernos? chega dois anos depois de Pies sobre la tierra, a aclamada estreia de Fratti em longa-duração, e é descrito como "uma ode ao desejo de quebrar barreiras". Escrito e gravado numa antiga fábrica de sumos em Veracruz, no México, o álbum ganha novo fôlego na voz, que toma as rédeas da composição – uma decisão que reflete, aliás, o desejo da guatemalense em explorar novos métodos de comunicação. 

A partir das improvisações forjadas com amigos e colaboradores, a violoncelista conjurou um conjunto de nove canções baseadas num processo de diagramação, tendo um ponto inicial e um ponto final para, de seguida, explorar as muitas muitas voltas possíveis para untá-las num todo coeso e holístico.

Será que ahora podremos entendernos? encontra-se disponível para compra antecipada no Bandcamp, em vinil e digital.


+

Pan Daijing acolhe a solidão em novo álbum pela PAN

© Benjamin Mallek

A editora de germânica PAN anunciou o lançamento de Jade 玉观音, o terceiro longa-duração da compositora chinesa Pan Daijing. O sucessor do anterior Lack 惊蛰, de 2017, está agendado para sair no próximo dia 4 de junho e o seu primeiro avanço, "Dust 五月", já se encontra disponível.

Escrito e gravado nos últimos três anos, Jade 玉观音 é "o som da liberação e refúgio solitário, da autossustentação criativa", como indica nas notas de lançamento. O álbum descende de "um lugar vulnerável" e é composto por noves faixas que sondam a força insustentável do drone com camadas subtis de eletrónicas e texturas concretas, vozes manipuladas digitalmente e gravações de campo.

Desde o lançamento do seu último e inovador álbum, um dos mais admiráveis de 2017, Daijing expandiu a sua visão operática atavés de uma série de grandes performances comissionadas em instituições como a Tate Modern, Martin Gropius Bau e a Haus der Kulturen der Welt.

Jade 玉观音 foi misturado e masterizado por Rashad Becker no estúdio Dubplates & Mastering e o seu primeiro single pode ser ouvido desde já nas várias plataformas de streaming. A capa é de Pan Daijing e o design tem a assinatura do coletivo NMR.


+

Lovers & Lollypops volta aos concertos no Auditório CCOP em maio


A menos de uma semana do dia D, a Lovers & Lollypops, em conjunto com Círculo Católico dos Operários do Porto, anuncia um ciclo de concertos para o mês de maio. Conferência Inferno, Samuel Martins Coelho e Black Bombaim vão subir ao auditório do espaço portuense nas primeiras quartas desse mês. Os bilhetes custam 10 euros e já se encontram disponíveis na bilheteira online. 

A 5 de maio, os Conferência Inferno tocam, pela primeira vez ao vivo, Ata Saturna. Lançado em fevereiro deste ano, o LP de estreia do trio é a prova de que não é preciso baterias nem guitarras para ser punk, bastarão Francisco Lima na voz, Raul Mendiratta nos sintetizadores e José Silva nas teclas. 

A 12 de maio, o violinista Samuel Martins Coelho estreia ao vivo o seu novo disco Cura, lançado a 9 de abril. De violino e guitarra na mão, o músico transporta-nos para a sua viagem de crescimento e autorrealização ao longo das sete faixas do disco.

A 19 de maio, os Black Bombaim reúnem-se para apresentar Saturdays and Space Travels, 11 anos após o lançamento do disco. Este foi o primeiro álbum de estúdio da banda de Barcelos e um passo importante para tornar os Black Bombaim num dos mais importantes nomes do psych rock nacional.

Os bilhetes já se encontram à venda e podem ser adquiridos aqui.


+

segunda-feira, 12 de abril de 2021

Canadian Rifles e Burning Pyre formam dupla em The Snipe & The Clam






A portuguesa Eastern Nurseries anunciou o lançamento de The Snipe & The Clam, a estreia de Canadian Rifles e Burning Pyre em longa-duração. Depois de se estrearem pela vienense Vaagner com um tema para a compilação A Declaration, em 2019, seguido de uma segunda peça em 2020 no álbum United Angels, que assinalou a estreia de Burning Pyre pela americana Opal Tapes, a dupla volta a unir esforços num registo agendado para o próximo dia 30 de abril.

"Com uma abordagem contemporânea mas profundamente romântica da música ambiente", lê-se nas notas oficiais do lançamento, The Snipe & The Clam apresenta uma "luxuosa mistura de melodias e harmónicos sintetizados" que representa a súmula da discografia de ambos os artistas, uma "elegia à ternura e à beleza nos pequenos detalhes". O seu primeiro avanço, "The Snipe", já se encontra disponível e pode ser ouvido desde já em baixo.

Gravado por Rui Andrade (Canadian Rifles) e Christopher Macarthur (Burning Pyre)  entre o Porto e NewcastleThe Snipe & The Clam encontra-se disponível para compra antecipada no Bandcamp, em cassete e digital. A masterização é de John Hannon e a capa tem a assinatura de Elisa Azevedo.



+